Vidas que desabrocham escrita por black cat


Capítulo 7
Um problema chamado trigêmeos


Notas iniciais do capítulo

Por favor, leiam as notas finais.



Ao fim da aula eu já estava quase chorando. Não consegui dormir  em momento algum. Na primeira, quarta e quinta aulas os professores são extremamente exigentes. Não é nada fácil dormir quando se tem um cara te olhando com olhos de águia só esperando você dar um deslize e te mandar pra fora. Não sei se sou eu ou os professores estão muito mais focados nos atletas durante esse período preparatório para os jogos. Acho que eles sabem que não estamos dormindo bem e não querem que compensemos isso usando suas aulas.

Já na segunda e terceira foi aula de campo e tivemos que sair da sala, ou seja, não tinha como pegar no sono.

Dei graças ao finalmente conseguir sair de lá. Estava louco pra dormir na minha cama quentinha quando ouvi alguém me chamar. Eram os trigêmeos do colégio: Luke, Jean e James:

—O que vocês querem?

—A gente tá cansado de acordar cedo pra treinar e ver que o diretor continua dormindo!

—É sério? Vocês me chamaram aqui pra reclamar de uma coisa que todo mundo já reclama?

—Não. Agente vai fazer um estrago pra ele ter que fazer hora extra pra consertar! Quer entrar nessa com a gente?

—Vocês estão de brincadeira? Quantos anos vocês têm, oito? Já não estão grandinhos pra essas bobagens?

—Se liga cara, não é uma pegadinha tosca, é, de verdade, uma coisa épica!

—E como vou saber se não vão só me usar pra levar a culpa?

—O que? Você acha que somos capazes disso?!

Olhei pra eles como quem diz "você tá me zoando né?". Realmente era excepcional o grau da cara de pau que eles conseguiam atingir. 

Todo mundo sabe que os trigêmeos não são confiáveis. Os únicos que podem confiar neles são eles mesmos e olhe lá. Não pretendo me arriscar me envolvendo nisso.

Direcionei a eles um olhar que eles entenderam bem e voltei e andar de volta ao meu quarto. Estava começando a me distrair quando ouvi um deles gritar:

—VAI SE ARREPENDER DISSO! 

Ignorei. Não é de hoje que eles fazem isso, essas ameaças que nunca cumprem. Apenas continuei andando alheio a tudo ao meu redor até me deparar com a porta do meu quarto. Havia chegado.

É impressionante como meu corpo já se acostumou com andar em direção a uma cama sem precisar que eu pense. Acho que sou um preguiçoso nesse sentido. 

Abri a porta e a primeira coisa que vi foi o Lucas sentado na cama lendo um livro de biologia. 

Ele ergueu os olhos para minha direção e depois os voltou para as páginas envelhecidas. Acredito que este seja seu jeito de dizer "olá" ou "bem vindo".

Disse apenas um oi baixo e deitei na minha cama. Puxei as cobertas e me acomodei. Estava tão cansado que nem sei direito quando apaguei, só sei que quando acordei de novo já eram seis da tarde:

—Sabia que você fala dormindo?

Senti minhas bochechas avermelharem, o que foi que eu falei? Fiquei com vergonha de perguntar então só me levantei devagar:

—A propósito, seu irmão esta encrencado.

Olhei pra ele sem entender direito o que disse. Foi só quando me dei conta do que aquelas palavras significavam que surtei.

—O QUE? QUAL DELES?

—Aquele meio estranho que nunca fala com ninguém.

—O Duncan?! O que ele poderia ter feito de errado?

—Pelo que me disseram ele criou uma confusão na escola. Entrou na sala de iluminação e criou um apagão no colégio inteiro. Todo o mundo surtou e o diretor ficou maluco.

—E como sabem que foi ele?

—Parece que seu irmão foi tonto. Ele acabou se trancando na sala e foi pego quando abriram para religar a luz. Além disso, tinha uma testemunha que falou que o viu entrando lá.

—Quem?

—Um daqueles trigêmeos ruivos.

Senti muito ódio naquela hora. Então essa era a vingança da qual eles mencionaram antes? Não acredito que armaram pra cima do Duncan pra me prejudicar!

—E POR QUE VOCÊ NÃO ME ACORDOU ANTES? QUE DROGA!

—E o que você poderia fazer? Ele esta na sala do diretor agora, nem o melhor atleta do time de futebol pode fazer alguma coisa quanto a isso.

—Mas tem uma coisa que eu posso fazer e vou fazer agora.

Sai do quarto correndo deixando um Lucas confuso pra trás. Se for assim que eles querem jogar então será assim o jogo.

Eu sabia que eles estariam perto do telhado de algum dos prédios fumando. Se eu conseguisse uma foto deles fazendo isso poderia chantageá-los.

Subi as escadas de dois prédios. Me dá uma raiva não ter nem um elevador aqui! Ainda tem seis outros prédios enormes onde eles poderiam estar e já estou começando a ficar cansado.

Minhas pernas se moviam tão rápidas que mal me preocupava com as pessoas a minha volta. Estava correndo tanto que praticamente bati de cara com uma menina. Caímos no chão e quase não acreditei em quem eu vi. A mesma menina ruiva do telhado.

Ela me olhou meio atordoada por ter batido a cabeça, mas acho que conseguia entender o que tinha acontecido:

—Desculpe, não vi você. Você esta bem?

Ela vez um aceno leve com a cabeça mostrando que sim. Estava prestes a levantar e correr pro telhado quando senti ela puxar minha camisa:

—Se esta procurando os trigêmeos não vai encontrá-los lá. Eles sabem que você esta indo atrás deles e se esconderam em outro lugar.

Olhei pra ela incrédulo. Como ela sabia? Será que estava tão na cara assim? Bem, de qualquer forma ela esta certa eles não ficaria me esperando. Ajudei-a se levantar e perguntei se sabia onde estavam, mas ela negou. Quase tive um ataque. Meu irmão seria culpado por uma estupidez que ele não fez e a culpa era minha:

—Não acredito. O que eu faço agora?

—Não se preocupe. Seu irmão é um bom aluno e nunca deu trabalho. Não acho que o diretor vá dar uma punição dura pra ele.

—Eu sei, mas o problema é que ele não merece isso… foi só porque eu desafiei aqueles três que tudo isso aconteceu. A culpa não é dele, é minha... ESPERA É ISSO!

Sai correndo sem esperar para ouvir o que ela tinha a dizer. Não era justo com o Duncan deixar que levasse a culpa. Mesmo que eu não tenha feito nada ainda sim era mais justo que eu fosse punido do que ele que nem dentro do problema estava. Pensando nisso tenho mais um motivo para odiar os trigêmeos. Eles nem se importam se estão colocando inocentes na história, só pensam neles mesmos. Dane-se quem tiver que ser usado pra conseguirem o que querem.



Notas finais do capítulo

Eu desanimei totalmente da história e peço desculpas. Se ainda existir alguém aí que se importe com essa história peço que apareça. O maior motivo para ter parado foi porque praticamente não tive retorno e achei que a história não estava boa o bastante. Estou fazendo esta postagem apenas para saber se ainda tem alguém que se importa. Caso contrário, não a excluirei, mas irie deixá-la inacabada e esquecida.
Obrigada a quem ainda estiver aí.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Vidas que desabrocham" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.