Vidas que desabrocham escrita por black cat


Capítulo 5
Só mais um dia comum


Notas iniciais do capítulo

Boa leitura



Fui andando pelo corredor rumo ao escritório do time com a esperança de ver Mélody lá. Sei que estou apressando as coisas agora que acabamos de nos conhecer pessoalmente, mas eu não consigo evitar. Ela sempre foi tão boazinha pela Internet, sempre disposta a ouvir meus problemas e me ajudar a resolvê-los que simplesmente acaba se tornando automático falar com ela.

Quando cheguei fiquei um tanto decepcionado, ela não estava lá. O treinador disse que ela tinha saído antes comigo e ainda não voltou. Pergunto-me onde será que ela foi, mas antes que consiga terminar de pensar ouço um colega de time me chamar.

–Leandro, já sabe quem é seu colega de quarto?

Quase dei um tiro nele!

–Sei- falei mal humorado- o cara é muito esquisitão! Sabe aqueles perturbados?

–Eu sei bem como é. Mas você devia estar acostumado né? Tipo, sem querer ofender, mas seu irmão também não é muito normal.

Tive vontade de dar um soco nele, mas parei. Apesar de doer porque ele é um membro da família ainda assim não posso negar que meu irmão é meio... Incomum.

–Olha, isso é totalmente diferente! Eu sei que meu irmão não é como as outras pessoas, mas esse cara é tipo extremante estranho! Além disso, eu quase não tenho contato com meu irmão então não é um problema. Agora esse cara é tipo meu colega de quarto.

–Relaxa. Meu colega também não me deixa nem um pouco satisfeito. É um nerd mano, um Nerd! Aposto que é daqueles que ficam o dia todo lendo. Que droga, eu queria pelo menos conversar com um cara legal, zoar um pouco, mas ele não gosta de nada que eu gosto!

–Que saco!

Ficamos reclamando dos nossos colegas de quarto mais um bom tempo antes de ir pro treino. Fico pensando se a Mélody não estaria lá. E como se lesse meus pensamentos ouvi o Luke me chamar:

–Ai cara, qual é a sua com aquela garota nova?

–A Mélody? Ah, ela é tipo uma amiga online. A gente se viu pessoalmente faz pouco tempo.

–Fico feliz por você. Onde ela tá?

–Sei lá, ela disse que precisava resolver uma coisa, que era um compromisso.

–Se ela não aparecer logo o pessoal vai começar a reclamar dela. Tipo, ela é novata e tá em período de experiência. Se der mancada agora o time não vai aceitar ela não.

–Cara, ela vai chegar. Ela é muito responsável!

–Só não se apaixona hein!

–O molecada, chega ai! Comecem com aquecimento e depois a gente treina as jogadas.

Ao ouvir aquilo comecei a correr com os outros pelo campo. O treinador é um cara muito exigente, mas é um bom amigo.

Os treinos estão cada vez piores. Eu sei que é normal porque estamos na véspera da competição entre escolas, mas ainda assim cansa muito. O bom é que aqui no campo posso ter contato com a Mélody o tempo todo e não apenas pela Internet.

As horas passavam e poderia dizer que estava quase enfartando de tedio. Sempre a mesma coisa! Treinar jogadas, correr, alongar… mas enfim ouvi o que tanto queria:

–Ei, pessoal, o treino acabou. Podem ir embora!

Sai do campo como um raio e, sinceramente, nem sei ao certo por que. A Mélody estava por aí resolvendo um "compromisso" e eu nem tinha ideia de onde ela poderia estar.

Fui andando pela escola enorme sem rumo. Eu deveria voltar para o quarto e tomar um banho, mas não tenho a mínima intenção de fazer isso. Sabe aqueles dias em que tudo é um tédio e você começa a se perguntar se sua vida vale mesmo a pena? Se você não está só desperdiçando seu tempo com bobagens ao invés de viver?

Pois é, eu estou pensando por isso nesse exato momento.

Quando dou por mim, percebo que minhas pernas me trouxeram para o último lugar que pensaria em visitar: o telhado de um dos grandes prédios de salas de aula.
E mais estranho ainda: há uma garota aqui, olhando a paisagem do por do sol.

Parece que ela também percebeu minha presença ali. E quando se virou para mim, pude perceber o quanto era linda. Tinha uma pele clara, olhos azuis e o cabelo vermelho, provavelmente pintado, mas não de uma forma forte demais ou muito natural e sim... Em um tom que combinava extremamente bem com ela.

Ela sorriu tímida e voltou a rabiscar algo em um caderno. Ela olhava as nuvens e parecia não se importar com minha presença ali. Era como se me ignorasse completamente.

Decidi deixá-la a sós com seus pensamentos enquanto eu ficava a sós com os meus.

Rumei para a porta que me levaria para a escada e antes de descer olhei para ela novamente. Ela continuava de costas totalmente alheia a tudo a sua volta rabiscando em seu caderno.

Conforme descia as escadas pensava em como ela era diferente das demais garotas por ai. Como se tivesse uma aura acolhedora em volta de si. E, mesmo não tendo falado com ela ou sequer me aproximado, senti que era uma boa amiga.

Depois de dar muitas voltas pelo colégio voltei para o quarto. Lucas estava lá e o máximo que fez para me cumprimentar foi desviar o olhar do livro de magia negra que lia e olhar para mim. Ele me encarou por meio minuto e depois voltou a ler claramente demonstrando que pouco importa minha existência para ele.

Achei melhor não me importar também, seria tolice. Andei até o banheiro e fechei a porta, precisava de um banho.

Às vezes, uma das melhores sensações que se pode ter é sentir a água quente escorrer pelo corpo. Principalmente depois de uma tarde de exaustivos treinos.


Quando voltei para o quarto percebi que ele já dormia. Engraçado, ele dorme de máscara. Admito, fiquei tentando a olhar seu rosto, mas se ele acordasse e me visse fazendo aquilo não teria uma boa desculpa para isso, então achei melhor esquecer.

Fui para minha cama e peguei no sono rápido. Os dias ultimamente estão cada vez mais puxados para mim e, sinceramente, acho que meu tempo de fara e festas todas as noites acabou, pelo menos por enquanto.



Notas finais do capítulo

Obrigada por ler



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Vidas que desabrocham" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.