My Life with The Potters escrita por Eponine


Capítulo 1
Capítulo 01


Notas iniciais do capítulo

JK Rowling: "Harry e Duda ainda se encontram, ao menos o suficiente para trocar cartões de Natal. A visita é mais como um dever, ambos se sentam em silêncio para que seus filhos se encontrem”



A cada dia que passa está mais difícil de falar.

Minha garganta, minha boca seca e meus olhos ardem. Apenas minha mente fala... E agora meus dedos.

Estou tentando me adaptar, mas em vez de melhorar a cada dia, só piora. Hoje faz um mês que eu moro aqui, em Londres, e eu detesto esse lugar. Meu primo James é nojento, acho Albus um sonso e Lílian é lésbica, eu tenho certeza.

Eu estou descontando toda a minha raiva aqui porque não tenho coragem de ficar de cara fechada na frente de Harry e Ginny, me sinto uma convidada... Um incomodo, aquela visita que demora para ir embora. Nada parece familiar ou meu, sabe quando você dorme fora de casa e você precisa seguir aquelas normas de etiqueta? Tente viver assim por um mês. Imagine viver assim por um tempo indeterminado. Também estou tendo que escrever esse diário porque meu psicólogo está me obrigando.

Neste exato momento James está comendo amendoins e gargalhando com um desenho para faixa etária de cinco anos. James é da minha idade e eu nunca pensei que ia conseguir odiar tanto alguém: Ele tem um sorriso nojento e come com a boca aberta e eu sinto muita, muita, muita vontade de chorar de ÓDIO toda vez que eu consigo escutar os dentes dele triturando algum alimento dentro daquela boca imunda. Por algum motivo inexplicável ele não sai de perto de mim e fica me fazendo uma série de perguntar como se eu fosse a atração de circo.

E não, os Potter não são apenas a parte estranha da minha família, eles são alguma espécie de X-Men, sei lá como posso chamar isso.

Eu sinto vontade de rir e uma espécie de gratidão quando eu lembro da forma que eu fui comunicada. Meu tio Harry fez todo mundo fazer t-u-d-o de forma normal (ou trouxa, para eles, nós, pessoas normais, que não tem magia, são trouxas) durante uma semana, para eu não levar outro choque depois de tudo. Enfim, eles esconderam todos os artefatos mágicos e tudo que poderia ser anormal para mim, mas ainda assim a vizinhança era bizarra, tudo nesse lugar é estranho.

Então na quinta, não, na sexta eu acho, tanto faz, meus tios se sentaram comigo e me explicaram tudo enquanto eu tomava um chá quente. Eu não fiquei nervosa e nem pirei porque descobri que o chá era calmante, ótima estratégia, mas eu surtei depois. Acho que a coisa mais bizarra até agora, de tudo, é a louça se lavando sozinha. Me sinto na série A Feitiçeira.

Estou com a péssima mania de tentar mover as coisas com a mente, mas não está rolando. Preciso de um graveto, que eles chamam de varinha. Albus ofereceu sua varinha para que eu tentasse algo, ele disse que existem dois casos no mundo bruxo de pessoas que eram trouxas até tocarem em uma varinha.

Conheci mais alguns parentes hoje. Todos os dias, desde que eu cheguei aqui, vem gente me ver. São todos muito legais e atenciosos, mas eu queria que parassem de fazer isso. Eu odeio os olhares de pena que dão em minha direção... Faz eu me sentir pior.

Acho que já vai fazer três semanas que eu não durmo, digo, eu durmo, mas praticamente por sabotagem do meu organismo. Eu fico mexendo na PIOR INTERNET DO MUNDO (dá para acreditar que a magia deles INTEFERE na porra da tecnologia? Nem televisão pega direito! Mas graças ao Senhor Weasley, avô de Lily, James e Albus, tecnologia funciona aqui, se não tudo estaria muito pior) até uma piscada me pegar e eu acordar no dia seguinte com o laptop queimando minha bunda, rosto, qualquer lugar que o cuidado foi parar após meu desmaio.

Por isso estou com essas olheiras terríveis, mas os óculos disfarçam. Aliás, minha tia Ginny brincou dizendo que talvez eu tenha herdado a miopia de Harry. Realmente, temos o mesmo grau. Uaaaau, peguei a melhor parte do gene, que legal!!!

Estou sentindo o mesmo enjoo de sempre e me sinto sufocada, mesmo enfiando a cabeça janela a fora. É uma sensação terrível toda vez que todos se preparam para dormir eu sinto uma solidão sólida me abraçando e não há nada que eu possa fazer para evita-la. Meu coração pesa e eu sei que é minha consciência tentando me pegar. Se eu fechar os olhos agora, por alguns minutos, para tentar dormir, tudo de ruim vai vir à tona e eu vou inundar o quarto em desespero e lágrimas.

Talvez o Mike (meu psicólogo), esteja sendo um alívio, mas ainda assim está foda. Primeiro que eu tive que deixar todos os meus amigos na Austrália, a internet aqui é uma bosta, eu vou ter que entrar no meio do ano letivo, a comida deles é diferente, estou sozinha no mundo... Eu já até perdi as contas de quantas coisas na minha vida mudaram. Se ao menos alguém da família da minha mãe tivesse se oferecido para ter minha guarda... Acho que seria menos pior.

Acordei hoje com meu tio preparando o café, então fui ajuda-lo. Ele falou bastante enquanto arrumava a mesa, eu apenas sorri e assenti, me sentindo uma idiota. Eu quero falar, eu quero participar... Quero retribuir o que ele está fazendo por mim, mas eu não consigo nem fingir. Não consigo nem... É horrível. Harry também perdeu seus pais, na verdade, ele é uma celebridade por aqui. Mas diferente de mim, ele nem sequer conheceu seus pais, ele os perdeu muito jovem.

Eu sei que ele foi maltratado por meus avós porque meu pai me contou toda a história, estou agradecida por ele não estar retribuindo os maltratos. Acho que ele me entende... Ou pode entender, não sei, eu nem sei o que eu sinto mais, é muito confuso. É como se eu estivesse em uma bolha, querendo sair dela, mas não consigo... É como se fosse um jogo e eu estivesse tentando pular uma fase.

Tio Harry: Eu pesquisei mais algumas escolas e... Já ouviu falar do Instituto Pumpkins?

Ele deve ter dinheiro pra jogar pro alto, Instituto Pumpkins é uma escola de riquinhos aqui em Londres, é o internato mais caro da Inglaterra! Metade de Havard saiu desse lugar.

Eu: É uma escola bem cara...

Tio Harry: Mas excelente! E tem tantos programas, eu vi que você gosta de escrever... Eles tem um laboratório de Redação, uma espécie de jornal da escola, e o lugar é muito bonito. Digo, é só uma opção, eu não quero te obrigar a nada...

Eu: Não acho que minha heran... O dinheiro que eu tenho pode pagar o Instituto Pumpkins.

Tio Harry: Anastasia, dinheiro não é problema, ainda mais em relação sua educação. Quero que você tenha um ensino tão bom quanto tinha na Austrália.

Eu: Acho melhor uma escola pública qualquer, tio... Se não for problema.

Ele parecia decepcionado com minha falta de interesse, mas a última coisa que eu queria era estudar em uma escola com um monte de riquinhos mimados. Ele reforçou que o colégio tinha a mesma carga horária que Hogwarts (o colégio que meus primos estudam), ou seja, eu voltaria para casa na mesma época que meus primos. Talvez ele esteja tentando se livrar de mim sutilmente e eu não estou notando.

Hoje eu fui praticamente obrigada a ir até a praia com Albus e James (Lily estava na casa de Rosana... Não lembro o nome da garota, só do irmão dela, Fred). Ficamos no Chalé das Conchas, é um lugar muito bonito, onde Dominique e Louis moram. A mãe deles, parece uma modelo, eu não sei descrever, é como se a Mulher Maravilha tivesse pintado o cabelo de louro. E o pai deles, Bill, é muito gato, ele parece um Kurt Cobain envelhecido e ruivo. E com uma cicatriz bizarra no rosto, faz parte do charme.

Ficamos um pouco no mar enquanto eles me faziam perguntas do tipo “como um carro funciona?” ou “como vocês tem certeza que o avião não vai cair?”. É um saco ficar respondendo isso, mas é engraçado ao mesmo tempo, eu queria muito tirar minhas dúvidas sobre como muitas coisas funcionam, mas prefiro ficar em silêncio.

Dominique é bem legal, eu gosto dela porque ela tem um estilo que eu chamaria de punk, mas aqui eles nem sabem o que isso significa. Isso contraria totalmente sua mãe, que deixa claro o quanto detesta o estilo dela. Mostrei para ela algumas músicas do Black Flag no meu iPod e ela enlouqueceu, foi engraçado.

Fiquei em silêncio na maior parte do tempo, mas foi divertido.

Acho que meus primos são meus novos e únicos amigos. Desde que cheguei aqui tudo que fiz foi assistir desenhos ruins com James, ler os contos de fada bruxos, assistir meus tios conversando com seus amigos, e jogar algo online. Eu não respondi cartas, não abri presentes enviados, não abri meus e-mails e não atendi os telefonemas de nenhum dos meus amigos. Ou quem eu chamava de amigos.

Não quero que sintam pena de mim.



Notas finais do capítulo

Odeio enredos em que a pessoa ficou órfão, eu tentei me livrar disso, mas não consegui, a ideia não sai da minha cabeça e eu não consigo ver forma melhor de apresentar a nova geração se não por um olhar totalmente diferenciado como a Anastasia, que sim, é trouxa, ela não é bruxa, não tem um pingo de sangue nas veias, infelizmente.

Enfim, é isso, espero que curtam a ideia.

Personagens:

Adolescentes: http://1.bp.blogspot.com/-Ve_SLV5rwpc/VnsyH-B7qBI/AAAAAAAABRM/Y4_6GU6zXFA/s1600/my%2Blife%2Bwith.jpg
Adultos: http://2.bp.blogspot.com/-CSEuI3V_D64/VnsyLCEJPBI/AAAAAAAABRU/oJrEXwlo_vM/s1600/Sans%2Btitre%2B3.jpg

Beijos!