Percabeth e... escrita por G a b i


Capítulo 30
Annabeth, eu e... O Pedido Oficial


Notas iniciais do capítulo

Olá! :)
Então... Eu sei que vocês esperaram muito por esse dia, e... Aqui está. O dia do casamento chegou e eu estou aqui parecendo uma idiota (não que eu já não fosse antes) porque não sei bem o que escrever aqui nessa nota inicial. Sim, esse é o capítulo em que a relação Percabeth vai, finalmente, ser oficializada.
Eu espero, do fundo do meu coração, que vocês gostem do capítulo.
Nos vemos nas notas finais.
Boa leitura!



Desde sempre eu imaginei que seria uma cerimônia simples ao ar livre. Combinava comigo e com Annabeth. Então o sítio do meu pai foi o lugar mais apropriado. 

Somente nossos amigos mais chegados e nossa família. Não chegava a ter mais do que 35 convidados. 

Estávamos no comecinho de dezembro. Para ser mais exato, dia 7 de Dezembro. Outono, ainda. A temperatura naquela tarde não passava dos 20°. 

O local do sítio escolhido era perto da famosa fonte que jorrava água. 

Ali, em meio àquelas árvores que pareciam formar uma espécie de bosque, estavam todos os nossos poucos convidados. 

Algumas cadeiras brancas decoradas com flores azuis, verdes e rosadas, entravam em contraste com o colorido das folhas que caíam das árvores devido à estação do ano em que estávamos. 

Cadeiras dos dois lados, direito e esquerdo; formando como se fosse um corredor pelo qual eu já havia passado e daqui a poucos minutos Annabeth também passaria. 

Eu estava em pé em frente ao altar, vestindo meu terno preto com um detalhe verde na lapela. 

Verde para combinar com a coroa de flores que Annabeth usaria. Verde para combinar com o buquê.  

"Verde para combinar com os seus olhos, Percy." 

Thalia, Calipso e a própria Annabeth foram quem cuidaram de todas as roupas. 

Eu estava ansioso. O Juiz também parecia estar. Annabeth estava um pouco atrasada. 

Ao meu lado, Tyson e Thalia, meus padrinhos, diziam a toda hora para eu parar de bater impacientemente o pé no chão. Diziam que era normal a noiva se atrasar um pouco. 

Mas isso não ajudava muito. Eu estava muito impaciente. Ansioso. 

Do outro lado do altar estavam os padrinhos de Annabeth. Leo e Calipso. Ela parecia chamar a atenção dele toda a hora. E a cada trinta segundos Calipso arrumava a gravata de Leo. Eles eram com certeza o casal mais engraçado que eu já vi. 

Dali de cima do altar, esperando por Annabeth, eu prestava atenção em cada um dos nossos convidados. 

Meu pai e Anfitrite.  

Minha mãe e Paul; que eu fiquei conhecendo hoje mesmo, mas já achei um cara muito gente boa.  

Piper e Jason.  

Grover e Juníper; que ficaram um pouco enciumados quando contei que Tyson e Thalia seriam os meus padrinhos.  

Tio Hades e sua namorada Perséfone. 

Nico, Bianca, Hazel e Frank.  

Ella. 

Luke.  

Tio Zeus, que eu convidei só porque Annabeth me obrigou.  

E também os convidados de Annabeth. Atena e Frederick, que mesmo separados estavam sentados um ao lado do outro na primeira fila.   

Quíron e Rachel.  

A Sra. Dodds.  

E também o pessoal da agência de modelos. Apolo, Silena e Charles. 

Mais ao fundo eu até avistei meu antigo professor de baseball. O treinador Hedge.  

Sorri olhando para cada figura ali presente. Annabeth não havia deixado ninguém de fora. 

— Está na hora. — Frederick, pai de Annie, se aproximou de mim. — Vou buscá-la. — Avisou. 

Assenti com um sinal positivo de cabeça. 

E naquele momento eu comecei a ficar ainda mais nervoso. 

Nada se comparava a sensação de estar prestes a ver Annabeth vestida de noiva depois de mais de 10 anos de relacionamento. Nada se comparava ao Pedido Oficial. Nada ia se comparar ao momento que nós disséssemos sim. Ao momento em que ambos finalmente trocaríamos as alianças.  

Ali, em meio às pessoas mais importantes na minha vida e na vida de Annabeth, eu nunca estive tão certo de que aquela mulher inteligente, dos cachos loiros e olhos cinzentos, era com certeza a mulher da minha vida. 

A marcha nupcial começou a tocar e todos se levantaram para ver Annabeth — de braços dados com seu pai — surgir deslumbrante em meio àquelas árvores. 

Devagar eles começaram a caminhar pelo pequeno corredor que levava ao altar. E o sorriso de Annabeth naquele momento era uma das coisas mais bonitas no mundo. 

Quando o encarregado da música parou a marcha nupcial, Frederick entregou a mão de Annabeth para mim.  

— Continue cuidando bem dela. — Ele disse e se encaminhou para o seu lugar. 

Beijei a mão de Annabeth e então nós nos viramos de frente para o Juiz. 

— Bem, antes de tudo, vamos ao pedido oficial do noivo. — O homem sorriu e olhou para mim. — Perseu, todos aqui presentes querem ouvir a famosa frase. 

Os convidados riram. 

E Annabeth me encarava com os olhos cinzentos brilhando. Naquele momento seus olhos pareciam azuis. 

Respirei fundo tentando controlar meu nervosismo e perguntei: 

— Annabeth Chase, você aceita ser minha legítima esposa? 

— Eu aceito. — Respondeu com um sorriso nos lábios. 

Assim que eu coloquei a aliança em sua mão esquerda, e Annabeth fez o mesmo em mim, direcionamos nossa atenção ao Juiz. Assinamos nossos nomes em um papel branco e depois os nossos padrinhos fizeram o mesmo. 

Entrelacei minha mão a de Annabeth quando o Juiz se pronunciou: 

— Com o poder a mim investido perante à lei, eu declaro Annabeth Chase e Perseu Jackson oficialmente casados. — Ele deu um meio sorriso e continuou. — Agora pode beijar a noiva. 

E então eu tomei Annabeth em meus braços e a beijei. 

E eu estava certo de que poderíamos ter ficado ali nos beijando por horas, mas os convidados iriam cansar de gritar e aplaudir. 

Quando meus lábios finalmente se afastaram dos de Annabeth, ela tocou meu rosto com delicadeza e disse: 

— Eu te amo, Percy. 

— Eu também amo você. 

De braços dados nós começamos a andar pelo pequeno corredor formado por folhas secas, com uma chuva de arroz caindo sobre nós. 

 *** 

— É hora de jogar o buquê! — Annabeth gritou, animada. 

Ela estava tão linda e radiante naquele vestido, que eu sentia como se aquela mulher diante dos meus olhos fosse de outro mundo. 

Ela me faz feliz desde que eu era uma criança. E a sensação de saber que agora nós estávamos oficialmente casados era assustadoramente maravilhosa. 

Ao lado de Tyson e Grover, que acima de tudo eram meus melhores amigos, eu bebia uma taça de champanhe e observava a sempre tão divertida cena do buquê. 

— Quando chegar no 1! — Annie avisou. — Lá vai! 3, 2, 1 e... já! 

O buquê voou pelo salão. E para a surpresa de todos, caiu justamente nos braços daquela única pessoa que não estava maluca para ser a próxima a casar. 

Minha prima. Thalia Grace. 

Eu não consegui conter uma gargalhada.  

Tomei o resto de champanhe que ainda havia na minha taça e depois a entreguei para Grover. 

— Tenho que ir. — Disse, dando um tapinha em seu ombro. — Aproveitem a festa! 

Caminhei até o outro lado do salão e envolvi meus braços na cintura de Annabeth. 

— Vamos? — Perguntei. 

— Eu ainda tenho que trocar de roupa, Percy.  

— Não precisa. Vamos fazer uma loucura juntos. — Sorri. 

— Para que lugar nós vamos? — Perguntou, envolvendo os braços em meu pescoço. 

— Para um lugar que com certeza não há muitas pessoas de ternos ou vestidos de noiva.  

— Tudo bem. Estando com você aposto que o mico vai valer a pena. — Riu e depois me beijou. 

 *** 

Tecnicamente não era uma lua de mel.  

Era apenas um casal de noivos malucos deitados sobre o gramado de Sheep Meadow observando as estrelas às 2 horas da madrugada. 

— Você é maluco, Percy! Eu não acredito que estou deitada aqui com essa roupa.  

— Você está ainda mais bonita agora sob o brilho dessas estrelas. 

— Wow, desde quando você diz frases tão bonitas?  

— Nossa, quanta consideração. Estou pensando seriamente em pedir o divórcio. — Fingi estar ofendido. 

— Não, por favor, eu nunca conseguiria viver sem você! — Annabeth entrou na brincadeira e se apoiou sobre mim, me beijando. 

— Que fique claro que isso não é uma lua de mel. Estamos em um lugar público. Você não pode se aproveitar de mim aqui, Annabeth. 

Ela riu, mas depois ficou séria e voltou a se deitar sobre o gramado, olhando para as estrelas no céu. 

Procurou minha mão e entrelaçou nossos dedos. 

— Por que me trouxe aqui, Percy? 

— Eu não sei... — comecei — As estrelas, elas têm um brilho próprio, bonito. São bonitas assim como você. Gosto de observá-las. Gosto de observar você. Acho que eu queria que você as visse como eu vejo você. 

Annabeth sorriu. 

— Sabe de uma coisa? Você faz parte de mim assim como as estrelas fazem parte do céu. E eu não consigo imaginar um mundo em que você não esteja comigo.  

— Desculpa se eu fui lerdo o bastante para oficializar tudo. Mas eu quero que saiba que hoje foi o melhor dia da minha vida.  

— Foi o melhor dia da minha vida também. Você foi, é, e sempre será a melhor coisa que já aconteceu na minha vida, Percy. Eu te amo. 

— Talvez a gente seja como o céu e as estrelas. — Disse. — Um pertence ao outro e ninguém pode separar. 

Inclinei meu corpo sobre o de Annabeth e a beijei. Minhas mãos percorrendo cada centímetro de seu corpo, sentido sua pele sobre a minha através da fina camada de tecido do vestido de noiva. 

Annabeth tirou a parte de cima do meu terno durante o beijo. A gravata já não estava comigo desde que havíamos saído da festa. 

— Eu te amo. — Eu disse em meio ao beijo. — Seria muita loucura transformar isso em uma lua de mel? 

— Acho que não seria a primeira vez que o gramado de Sheep Meadow presencia algo assim. — Annabeth riu e me puxou pela gola da camisa, me dando um beijo rápido. 

— Sob o brilho das estrelas... — Disse em seu ouvido. — Nunca pensei que seria assim tão especial.  

Quando voltamos a nos beijar, era realmente como se fôssemos um só. Nós pertencíamos um ao outro assim como as estrelas e o céu. 

E naquela madrugada um dos gramados mais famosos de Nova Iorque foi testemunha de um amor que começou quando ainda éramos crianças. Um amor que eu tinha certeza de que duraria para sempre, assim como o brilho das estrelas.



Notas finais do capítulo

*carinha chorosa* Esse foi o "último" capítulo da fanfic. M-A-S, como vocês são os melhores leitores do mundo... EU VOU POSTAR A SURPRESA NA QUARTA-FEIRA QUE VEM! Ou seja, não queiram me matar, a fanfic ainda NÃO ACABOU de verdade.
Vou deixar para fazer os devidos agradecimentos nas notas da semana que vem. Mas já adiantando: EU AMO TODOS VOCÊS! Tem uma aguinha querendo sair dos meus olhos agora, não sei o que é isso. Seria aquilo que começa com a letra "L"?
Enfim... PELO AMOR DOS DEUSES, ME CONTEM AQUI NOS COMENTÁRIOS O QUE VOCÊS ACHARAM DESSE CAPÍTULO PORQUE EU TÔ TENDO UM ATAQUE DE ANSIEDADE PELA OPINIÃO DE VOCÊS!
GENTEEEEEEE, SE VOCÊ GOSTA MESMO DA FIC, AINDA DÁ TEMPO DE ADICIONAR AOS FAVORITOS E/OU RECOMENDAR! EU VOU EXPLODIR DE TANTO GRITAR SE MAIS ALGUÉM FIZER ISSO, SÉRIO.
Ah! SHEEP MEADOW: É o nome de um parque localizado em Nova Iorque (meio que faz parte do Central Park).
Preparem seus corações para quarta-feira, porque... O que os melhores leitores do mundo pedem nos comentários, a autora faz. Ou não. Ou sim. Ou não sei. Eu tô bugando agora, desculpa. #TheSurpriseIsComing (aahhhhhh como eu amo usar hashtags em inglês!)
Até quarta!
Xoxo,
G a b i.

(09/04/2016)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Percabeth e..." morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.