Percabeth e... escrita por G a b i


Capítulo 11
Annabeth, eu e... O acidente doméstico


Notas iniciais do capítulo

Olá! Gente, eu tô MUITO feliz! Vocês ultrapassaram a meta dos 10 comentários no capítulo passado *gritos histéricos* Então cá estou eu, neste sábado, com mais um capítulo para vocês :)
Ok, agora é oficial: Sempre que um capítulo de quarta-feira tiver 10 comentários ou mais (mais é sempre bom hauahau), eu postarei outro no sábado (mesmo que o capítulo de quarta seja considerado "grande"; não importa).
Bem, espero que gostem! Boa leitura. Nos vemos nas notas finais ;)



"Assim, Percy.  

Espera, aí não!  

Vai, continua.  

Mais para a direita.  

Não, não. Vai ficar torto desse jeito.  

Se você deixar cair eu te mato."  

Annabeth não parava de me dar ordens. E eu não aguentava mais ficar segurando aquele maldito quadro.  

Por que ela mesma não pendurava aquela porcaria na parede?  

Ah, sim. Porque aquela moldura dourada deveria pesar quase uns 10 quilos! E, tecnicamente, eu era o homem da casa.  

Eu estava em cima de um banquinho, me cagando de medo de cair, e ainda levar o quadro recém-comprado de Annabeth comigo na queda.  

Já estava suando devido ao esforço e sequer podia secar as gotas de suor da testa.  

Desisti e desci do banquinho.  

— Não consigo. — Disse, me rendendo.  

— Ah, não me diga! — Annabeth cruzou os braços na altura do peito, irritada.  

— Esse quadro é muito pesado, estou cansado de segurar e de ficar ouvindo você dizer a toda hora que ele está torto. — Apoiei o tal quadro no chão, encostando o mesmo na parede.  

Sentei-me no banquinho e limpei o suor da testa.  

— Eu tenho um marido que não serve para fazer serviços domésticos. Que maravilha! — Ironizou Annabeth.  

— Não lembro de ter assinado um contrato me comprometendo a pendurar quadros na parede para uma mulher perfeccionista. — Soltei.  

Annabeth revirou os olhos.  

— Não sou perfeccionista. E o quadro está ficando torto porque você não colocou parafusos o suficiente para que ele pudesse ser sustentado.  

— Ok, sabidinha. Então pendure o quadro você mesma.  

Eu não estava falando sério, óbvio. Mas Annabeth  encarou aquilo como um desafio. E ela nunca deixava um desafio passar em branco.  

— Vamos, saia daí. Vou fazer mais dois furos na parede e colocar outros dois parafusos.   

Levantei do banquinho e a encarei, rindo.  

— Você não vai saber usar essa furadeira.  

— Duvida?  

Annabeth subiu no banquinho, ligou a furadeira, fez dois buracos perfeitamente simétricos na parede e colocou os parafusos.  

Pega essa, Perseu. Sua mulher usa uma furadeira melhor do que você.  

— Agora me alcance o quadro, Percy.   

Annabeth me entregou a furadeira e eu a deixei no chão.  

— É muito pesado, você não vai conseguir segurar. — Avisei. — Não seja teimosa, desça daí que eu penduro o quadro.  

— Ok, mas agora não tem desculpas para deixar ele torto. — Desceu do banquinho. — Vá em frente.  

Peguei o quadro do chão.  

Eu mal conseguia segurar o troço direito. Quando fui subir no banquinho, ele virou. Acho que devo ter pisado muito no canto.  

Caímos, quadro e eu, no chão.  

Se o quadro estragou?   

Para a minha sorte e alívio de Annabeth, não.  

Se eu me machuquei?  

Sim.  

Meu pé virou quando pisei em falso naquele maldito banquinho. E quando caí no chão, aquele quadro ridículo fez questão de cair em cima de mim.  

— Puta que pariu! — Exclamei.  

— PERCY! — Annabeth gritou.  

Ela tirou o quadro de cima de mim e colocou em cima do sofá.  

Eu ainda estava deitado no chão.   

Meu nariz e meu pé direito doíam pra caralho.  

— Ah, meus deuses! Seu nariz está sangrando!  

— Ah, não me diga. — Falei com um gemido. — Nem reparei o sangue nos meus dedos. — Ironizei.  

— Você acha que pode levantar? Venha, vou te ajudar. — Estendeu a mão para que eu segurasse.  

— Acho que torci o pé direito.   

— Ok, então não coloque ele no chão. E se apoie no meu ombro para levantar. Depois eu cuido desse seu nariz.  

***  

Com um pouco de dificuldade, Annabeth conseguiu me ajudar a chegar até o sofá da sala.  

A dor já estava mais suportável àquela hora.  

Ela botou meu pé para cima e colocou um saco de gelo sobre ele.  

Agora cuidava do meu nariz.  

— Tem um cortezinho bem aqui em cima.  

— Ai. — Gemi. — Isso arde.  

— É apenas soro! Eu tenho que higienizar o local.  

— Vou precisar levar pontos?   

— Não seja dramático, Percy. Eu disse que foi um corte pequeno. O sangue já está quase parando. Vou fazer um curativo e amanhã com certeza já estará bom.  

Assenti.  

Annabeth fez o curativo e depois guardou tudo que havia ficado espalhado pela sala.  

Eu continuava sentando no sofá com o pé para cima.  

— Desculpa. — Disse Annabeth, sentando-se ao meu lado novamente.  

Ri baixo.  

— Tudo bem, a culpa não foi sua. Eu é que não presto para fazer serviços domésticos.  

— Eu sei. Não deveria ter insistido para você pendurar o quadro. — Riu.  

— Nossa, quanta consideração. — Fingi estar ofendido.  

— Estou brincando, Percy. Ainda bem que nada mais grave aconteceu.   

— Tipo o seu quadro quebrar?   

— Não seja idiota. Você sabe que é mais importante do que um quadro.  

— Sou é?  

Annabeth revirou os olhos.  

— Sim, você é. — Me beijou.  

— Ai. Cuidado com o meu nariz!   

— Desculpa. — Riu.  

— Bom, acho que depois que a dor no meu pé passar, eu posso tentar....  

— NÃO! — Annabeth me interrompeu. — Você não vai tentar de novo. Nada de serviços domésticos para você.  

— Ok, ok. — Levantei as mãos em forma de rendição.  

— Melhor assim.   

Annabeth levantou do sofá e foi em direção ao telefone.  

— Vai ligar pra quem? — Questionei.  

— Para o Tyson. Ainda não desisti de ter aquele nosso quadro na parede.  

Tive que rir.



Notas finais do capítulo

Hey, voltei :)
Que tal me dizer o que achou nos comentários? Eu adoro saber a opinião de vocês. Adoro ler e responder cada review. Por isso, se você leu, não esqueça de comentar! Qualquer coisa tá valendo, a review nem precisa ser grande *risos*
Fantasminhas? Tem vários que eu sei...Apareçam! Let's be friends! A opinião de vocês também é importante. Cheguem mais, não tenham vergonha.
Quanto mais comentários a fic recebe, mais animada eu fico e mais capítulos vocês terão!
Gosta da fic? #Favorite #Recomende #FaçaUmaAutoraFeliz
Nos vemos quarta-feira :)
Xoxo,
G a b i.

(30/01/2016)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Percabeth e..." morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.