Como Fazer Nossos Pais se Apaixonarem? escrita por Influenza


Capítulo 5
Decisão


Notas iniciais do capítulo

Por favor... NÃO ME MATEM! Eu sei que eu demorei mais dessa vez, mas entendam, eu juro que eu ia escrever esse fim de semana, mas... Eu me esqueci que tinha um teste hoje, e tive que estudar ;)
Quero agradecer a Themarinha, sakura9, DaniiHyuuga, newtypesp, Elinor Sinclair, Dastan e Jeeh Hyuuga por terem comentado no anterior, eu adorei seus comentários.^^
Espero que gostem, e boa leitura! ^^



– Encontrei um lugar para ficarmos... Ahn? – Exclamaram em uníssono, primeiro com um tom de entusiasmo, e depois com um tom confuso.

Boruto e Himawari estavam confusos. Não era pra menos, afinal, um tempo antes não estavam conseguindo nem mesmo argumentar com os donos dos hotéis, e agora os dois haviam conseguido, quando se separaram para procurar.

– Como assim, Onii-chan? Você também conseguiu um lugar para ficar? – Pergunta Himawari, surpresa.

– Sim, Hima... Não acredito que cada um de nós dois conseguimos um lugar para ficar... Parecia tão difícil um tempo atrás.

– Verdade, Onii-chan, foi muita sorte mesmo eu achá-la, se não,acho que ninguém iria nos aceitar. – Disse Himawari.

– Ela quem, Hima? Que lugar você encontrou, afinal? – Pergunta Boruto, curioso.

– Bom... Na verdade, é uma historia meio complicada, mas... Foi com a mamãe. – Fala Himawari, com um sorriso doce.

– Q-Que???!!! Com a mamãe? – Espantou-se. Afinal, ele também encontrou alguém da família, seu pai, então era muita coincidência, coincidência DEMAIS.

– Sim, por quê? Você não gostou? – Perguntou a azulada, com um semblante triste.

– N-Não! Não é isso! É que isso é coincidência demais, Hima.

– O que é coincidência, Onii-chan?

– É que... Eu consegui um lugar para ficar, e esse lugar é na casa do papai.

Himawari arregalou os olhos. Era coincidência demais, mesmo.

– N-Nossa...

Himawari se deu conta de algo. Boruto havia conseguido um lugar para eles ficarem, e ela também havia conseguido. Ótimo, agora eles teriam que escolher onde eles iriam ficar. Uma decisão difícil.

– Onii-chan, mas onde é que a gente vai ficar? Nós não podemos ficar nas duas casas ao mesmo tempo.

Na mesma hora em que ela falou isso, Boruto ficou com uma expressão surpresa. Ele não havia se dado conta disso, seus pensamentos estavam mais centrados nessa tremenda coincidência.

– É mesmo! Bom... Eu dei a minha palavra ao papai que a gente ia ficar lá na casa dele. Não acho muito justo quebrar uma promessa.

– Sim, eu também acho isso. É como o papai sempre diz: “Nunca volto atrás na minha palavra, esse é o meu jeito ninja.” – Falou Himawari, com uma expressão meio triste, meio feliz.

– Então, nós vamos ficar na casa do papai?! – Pergunta Boruto, esperando a resposta de Himawari.

– Não. – Respondeu ela, simplesmente.

Boruto se surpreendeu. Como a Himawari poderia recusar ficar na casa do próprio pai? Boruto não entendia, até por que, não sabe o que se passa com sua mãe nesse tempo.

– Por que, Hima? Eu prometi ao papai... – Começou, mas foi cortado por sua irmã.

– E eu prometi para a mamãe. Não posso quebrar a minha promessa, Onii-chan.

– Hima, você sabe que o papai não teve família quando era menor, certo? Essa é a nossa chance de mostrar para ele, como é isso. E a mamãe é feliz, certo? O vovô Hiashi sempre é bem legal com ela. – Boruto não tem culpa de não saber do passado de sua mãe, afinal não havia motivos para que lhe contassem.

– Você está errado, Onii-chan. Sabe o que eu vi nos olhos da mamãe quando ela mencionou que o vovô podia não deixar a gente ficar lá? Eu vi MEDO. Ela deu a entender que ficava muito sozinha, que era desprezada. E ainda por cima, que não tinha ninguém que pudesse ouvi-la, algum ombro amigo para chorar dentro daquele clã. – Explicou Himawari. Boruto surpreendeu-se com o que acabara de ouvir, nunca havia imaginado que sua mãe passou por uma pro uma coisa parecida com a que seu pai passara.

– Hima, você... – Começou ele,mas foi cortado outra vez.

– Eu ainda não terminei, Onii-chan. Eu quero entender exatamente o que a mamãe passou quando era pequena. E o mais importante: Eu não quero que ela fique mais sozinha. Eu quero que ela tenha uma amiga, que sempre a escute, que nunca permita que alguma coisa deixe ela triste. Alguém com quem ela possa compartilhar suas alegrias... E tristezas. – Disse. – E... Eu não hesitarei em ser essa amiga. – Falou ela, dando um sorriso doce, um daqueles que lembravam sua mãe.

Boruto estava surpreso, mas também muito orgulhoso de sua irmã. Uma garota tão pequena, de apenas 10 anos, estava pensando no melhor para sua mãe. A única coisa que ela queria naquele momento, não era voltar para seu tempo, na verdade, Himawari nem estava pensando nisso, ela só queria ver sua “mãe criança” feliz. Ela coloca a felicidade dos outros, sempre acima da sua (Que no caso, seria voltar para seu próprio tempo), nesse ponto, lembra muito sua mãe. Himawari era bem madura para sua idade. E esse sentimento era recíproco.

Himawari também estava muito orgulhosa de seu irmão. Ela viu o quanto ele evoluiu, tanto em suas habilidades, quanto em seus sentimentos. Até pouco tempo atrás, Boruto chamava seu pai de “pai de merda”, mas ele finalmente entendeu que o afastamento de seu pai da sua própria família, era por uma boa causa, ele estava mantendo a vila segura. Boruto também amadureceu muito, considerando que há algum tempo atrás ele pintava as rochas do Monte Hokage... Agora, ele está levando tudo muito mais a serio, alem de demonstrar também que ama seu pai, ao invés de fingir que o odeia. Podemos dizer que ele está nem mais maduro E mais forte agora (Pois suas habilidades melhoraram muito), e também carrega a vontade do fogo consigo.

– Você não me deixou terminar, Hima. Você está certíssima. – Ele completou. Himawari olhou surpresa pra ele, sorrindo.

– Serio?!

– Sim, Hima! Mas, só temos um problema: Onde nós iremos ficar? Ambos papai e mamãe precisam da gente, e nós queremos que os dois fiquem felizes, mas... Nós só podemos ficar com um deles. – Falou o Uzumaki mais velho, com uma expressão triste.

– Verdade...

Quando, de repente, os dois tiveram um ideia, como se uma lâmpada acendesse em cima de suas cabeças.
– Hima, está pensando o mesmo que eu?

– Talvez, se o que estiver pensando for...

– Você fica na casa de um, e eu fico na casa de outro! – Exclamaram, em uníssono. Sim, eles tiveram a mesma ideia... Não é a toa que são irmãos, são tão parecidos.

– Então, está combinado! Eu vou pra casa da mamãe, e você vai pra casa do papai, Onii-chan!

– Sim! Mas você terá que me prometer um coisa pra eu te deixar ir, Hima! – Disse Boruto, serio.

– E o que é, Onii-chan?

Ele substituiu a expressão seria por um sorriso doce, e disse:

– Eu quero que você me prometa que vai ficar bem, Hima.

– Onii-chan... Eu prometo! – Respondeu ela, abraçando Boruto.

– Agora posso ficar mais tranquilo, confio em você, Hima. – Disse, acariciando os lindos cabelos azulados de sua irmã.

– Mas eu quero que me prometa a mesma coisa, Onii-chan! – Disse ela, ainda no abraço.

– Eu prometo, Hima.

Boruto e Himawari tem uma ligação inquebrável, um ligação de irmãos. Ele daria até sua própria vida para proteger sua querida irmãzinha, e ela também faria a mesma coisa para proteger seu irmão. Sempre quando um estava triste, o outro sempre vinha animá-lo. Podiam brigar as vezes, mas, quem nunca brigou com seu irmão? Isso nunca quer dizer, que eles não se amem. Eles sempre se preocupam um com o outro, desde de coisas triviais, até coisas mais seria. Tudo o que precisam para darem um sorriso... É saber que o outro está ao seu lado, sorrindo também.

– Então, acho que já devemos ir.

– Sim, acho que o papai já vai voltar da missão.

Eles se desvencilharam de seu abraço, se despediram e Boruto viu Himawari correndo até onde iria encontrar Hinata.

Passado algum tempo, Naruto chegou no prédio do fogo, que era o ponto de encontro entre ele e Boruto.

– Oi, Boruto! E aí, onde ta sua irmã pra eu mostrar a minha casa pra vocês? – Pergunta Naruto, curioso para saber quem seria sua nova “irmã”.

– Oi, Pa- Naruto! Bom, a minha irmã... – Boruto estava tentando inventar uma desculpa convincente. – Ela teve um imprevisto, e teve que ir morar em outro lugar,com uma amiga nossa... – Ele percebeu Naruto mudando de uma expressão alegre para uma expressão triste. – Mas... Não quer dizer que você não possa conhecê-la!

Naruto deu um sorriso e disse:

– Adoraria conhecer sua irmã! Mas outra hora, vamos! Vou te mostrar onde você vai ficar! – Disse Naruto, fazendo um sinal para que o outro loiro o seguisse, e foi o que Boruto fez.

[...]

Quando Himawari chegou ao ponto de encontro, Hinata ainda não estava lá. A Uzumaki sentou-se em um banco que havia ali perto para esperá-la. Após algum tempo apenas brincando com seus cabelos, Himawari viu que alguém se aproximava. Era Hinata.

– D-Desculpa, Himawari-chan! Essa missão foi mais demorada do que eu pensei! – Falou a Hyuuga, ofegante.

– Tudo bem, Ma- Hinata! Eu entendo que você estava em uma missão.

– Ufa! Que bom! – Disse, sorrindo docemente, quando ela percebeu que faltava alguém ali. – Cadê seu irmão, Himawari-chan? Ele não viria?

– Que? Ah, é! É porque ele... Ele teve um imprevisto! Isso, um imprevisto! E ele não pôde vir.

– Mas então, ele ficou sem casa??? – Pergunta Hinata, incrédula.

– N-Não! Ele conseguiu uma casa, ent-tão ele me deixou vir pra sua!

– Entendo... Então vamos?

– Claro! – Disse Himawari.

Himawari pegou na mão dela, e as duas foram correndo para o distrito Hyuuga. Hinata até estranhou essa atitude da pequena, porque não sabia que Himawari sabia o caminho para o distrito Hyuuga.



Notas finais do capítulo

E aí? O que acharam? Desculpem se tiver algum erro de português!
Eeeeebaaaaaa!!! Cada um foi pra uma casa! Assim ninguém fica triste! ^^ Essa foi a escolha que eu achei mais justa, eu não queria que nem o Naruto e nem a Hina ficassem sozinhos.
Olha, gente, eu receio que não poderei postar mais essa semana e na outra, pois semana que vem começarão minhas provas, e eu queria tirar essa semana pra estudar. Espero que entendam ^^
Espero que tenham gostado, e até o próximo! ^^