SeuSegredo. Com escrita por Panda Chan


Capítulo 8
O primeiro beijo


Notas iniciais do capítulo

Olá bolinhos, como vocês estão nessa noite de domingo?
Pois é, eu estou nervosa. o motivo? Coloquei o aparelho móvel. Para quem não sabe uma das formas legalizadas de tortura do século 21 é o aparelho, usam a desculpa de que ele deixa seus dentes retos, mas na verdade é tudo um plano para que você fale igual ao Patolino por dias e sofra bullyng.
Eles não querem que vocês saibam disso, shiiiiiiu.
Ok, acho que a paranoia da Anna está me afetando kkk
Boa leitura



O lugar que Ícaro escolheu para me dar o milk-shake de agradecimento é nada menos que a cafeteria favorita de Jullie.

Imagine uma casa de boneca em tamanho real, esse lugar é basicamente isso. Por dentro e por fora as paredes são pintadas de rosa claro, os móveis são brancos e todos possuem detalhes. Flores artificiais e peças de porcelana fazem parte da decoração.

— Amo o milk-shake desse lugar – ele sorri ao dizer isso. Sorrio de volta, apenas por educação, e o sigo em direção as mesas que ficam do lado de fora.

Sinto o celular da Secret vibrando e mesmo sem ler as mensagens que chegam sei a razão: a postagem está atrasada.

Pedi para o Lucca publicar um dos posts reservas que deixo nos rascunhos, mas ele ainda não visualizou minha mensagem e como a Secret é sempre pontual posso imaginar os adolescentes teorizando sobre sua morte.

Ícaro puxa uma cadeira e eu me sento nela com um sorriso educado para esconder meu nervosismo pelas mensagens cobrando fofocas.

Posta logo, Lucca.

Ícaro continua tagalerando sobre como descobriu a cafeteria ou algo do tipo enquanto eu mordo o interior da bochecha com força o suficiente para sentir o gosto do meu sangue.

Percebo que ele me fez alguma pergunta, sorrio e aceno positivamente como aprendi com os pinguins de Madagascar porque não faço ideia do que ele perguntou.

— Tem algo errado? – ele pergunta com o cenho franzido.

— Nada – respondo.

Uma garçonete se aproxima para anotar nossos pedidos finjo não reconhecê-la. É a Stephany que foi muito “fácil” de acordo com os jogadores de futebol, ela gosta de ostentar um estilo de vida que não tem na escola e a Secret sabe disso desde o primeiro dia de aula. Só não revelei porque ninguém se interessaria.

Não olho para o cardápio e apenas peço o milk-skake especial que eles fazem misturando morango e chocolate. Ícaro faz seu pedido e depois me fuzila com o olhar.

— O que foi? – pergunto.

O celular em meu bolso vibra.

— Quando eu perguntei se era sua primeira vez nesse lugar, você sorriu e acenou como um pinguim de Madagascar para depois fazer o seu pedido sem nem ter olhado o cardápio.

—-Hãm, eu fiz isso porque sou de origem alemã e… Hãm.. Na Alemanha é muito comum você acenar positivamente com a cabeça quando deseja dizer “não”.

Vibra. Vibra. Vibra.

— Nunca ouvi falar desse costume.

Vibra. Vibra. Vibra.

— É claro que nunca ouviu, puf – uso tom de desdém – Hitler começou com isso na Segunda Guerra, você saberia se estudasse história.

Vibra. Vibra. Viiiiiiiiibra.

— Eu já assisti a adaptação de A Menina Que Roubava Livros e Bastardos Inglórios, nunca os vi fazendo isso.

Vibra. Vibra.

— Não são adaptações fiéis – reviro os olhos.

Vibra. Vibra. Som de um sabre de luz.

— Só um instante – sorrio educadamente e pego o meu celular para ler a mensagem do Lucca.

Lucca: Feito.

Relaxo imediatamente e quase como num passe de mágico o celular da Secret para de vibrar em meu bolso.

— Mensagem da sua mãe?

— Do Lucca – respondo.

Ao ouvir o nome do meu melhor amigo, o rosto de Icaro se contorce em uma expressão estranha que não sei descrever. Ele percebe sua careta e logo a transforma em um radiante sorriso.

— Vocês são bem próximos.

— Somos melhores amigos desde que tínhamos sete anos.

— Só amigos?

A lembrança da conversa que ouvi escondida no vestiário invade meus pensamentos e me controlo para não ser arrisca.

Por que você simplesmente não faz como Lucca recomendou e não me enche de perguntas?

— Sim.

Stephany entrega os nossos pedidos na mesa, não deixo de perceber que um botão de seu uniforme que antes estava fechado agora se encontra aberto revelando parte de seu seio para Ícaro. Ele também percebe, o que a deixa satisfeita.

— Então vocês nunca tiveram nada além de amizade? Parecem até namorados – Ícaro fala comigo de maneira casual e sei que ele está se esforçando para não olhar para Stephany indo embora.

Espero ele dar um gole em seu milk-shake para responder a pergunta.

— Nós já nos beijamos.

Ele se engasga e eu não consigo conter meu sorriso de satisfação com a reação dele. Não sei porque falei isso como se fosse algo importante, mas fiquei contente ao vê-lo engasgando.

Lucca e eu estávamos na oitava série e éramos os únicos alunos que ainda não haviam beijado ninguém. Acontece que fomos criados pela mãe dele, uma romântica incurável que sempre usou o Andrew como exemplo de “Qual tipo de adolescente não ser” e, como o pai do meu melhor amigo era o maior galinha em seus tempos de adolescente, terminamos com grandes restrições.

— Acabei de dispensar a Michelle – Lucca tirou seu boné e jogou no chão expressando frustração.

— Por que? – perguntei.

— Não sei se ela é a garota certa.

Suspiramos juntos. Lucca estava afim da Michelle há meses e só não tinha tentado algo por não ter certeza se ela era a pessoa certa para ele.

— É uma droga isso de esperar a pessoa certa – conclui.

— E como! – ele me encarou com seus grandes olhos avelã – Como vou saber quem é a garota certa para beijar se nunca beijei nenhuma?

— Não me pergunte, nunca beijei nenhum garoto.

— Você não gosta de ninguém, é diferente – ele revirou os olhos.

Senti-me envergonhada por ouvi-lo dizer que não gosto de nenhum garoto. Isso é verdade, porém saber que é não torna menos doloroso ouvir.

— Exato e não quero desperdiçar meu primeiro beijo com qualquer um.

Lucca olhou para meus lábios.

— Eu sou qualquer um?

Senti as bochechas esquentando.

— Não – respondi gaguejando.

Aquele não era um olhar comum para o meu melhor amigo, fiquei envergonhada mesmo sem saber o que aquele olhar significava. Como o clima mudou e essa atmosfera estranha se instalou entre nós?

— E você me ama?

— É claro – respondo sem hesitar.

— Então me beijar não seria um desperdício, correto?

Meu rosto todo ficou em chamas, mas balancei a cabeça confirmando que não seria.

Lucca era meu melhor amigo, nada com ele seria um desperdício.

Meu melhor amigo aproximou seu rosto do meu, nossos respirações se misturaram por um instante antes que os lábios dele me tocassem.

Não sabia que lábios eram tão macios até ter os de Lucca contra os meus.

Aquele foi um beijo tímido e desajeitado, mas foi o nosso primeiro beijo e não desperdiçamos.

Stephany veio ajudar Ícaro a desengasgar enquanto eu comia deliberadamente as batatas-fritas dele sem autorização.

— Obrigado – ele disse para ela quando sua respiração se normalizou.

— De nada – ela mordeu o lábio inferior, uma tentativa de ser sexy creio eu – Quando eu li no SeuSegredo que algo inesperado iria acontecer, não acreditei.

O loiro franziu o cenho.

— SeuSegredo?

— Você não acompanha o blog? – Stephany pareceu horrorizada com a ideia de que alguém não lesse o blog e pegou seu celular. Eu continuei comendo as batatas-fritas do Ícaro e sendo invisível.

— “Horóscopo da Tia Secret para amigos e inimigos”? – ele leu em voz alta.

Stephany sorriu.

— A Secret posta alguns horóscopos e ela sempre acerta. É uma astróloga magnífica.

Tive que me controlar para não ter um ataque de risos. Eu não sei absolutamente nada sobre signos e só escrevo besteiras que parecem ser engraçadas.

— Eu não acredito em horóscopo – ele devolve o celular para ela com um sorriso sem graça no rosto.

Stephany falou mais um pouco sobre como a Secret é uma astróloga incrível e foi embora porque um cliente a chamou.

— Desculpe, acho que essa foi uma cena e tanto – Ícaro ri sem graça e sua mão vai institivamente para o prato onde suas batatas-fritas deviam estar. Ele encara confuso o prato vazio e depois olha para mim.

— Foi mesmo – digo, indiferente limpando o ketchup do meu dedo – Por que você quer tanto saber sobre o Lucca e eu? – pergunto sem rodeios.

O loiro fica corado e sei que isso não tem haver com falta de ar.

— Eu achei vocês dois diferentes e queria saber mais sobre... Vocês – a última palavra sai baixa como um sussurro.

Recebo outra mensagem no celular da Secret e resolvo que é hora de ir embora.

— Bem, já deu minha hora. Até mais, Ícaro.

Me levanto da mesa, ele segura meu pulso.

— Espera um pouco – pede – Vamos juntos para casa.

— Hoje eu não vou para a minha casa, vou para a do Lucca.

Ícaro solta meu pulso como se eu fosse tóxica e murmura um “até logo” enquanto eu caminho para fora da casa de bonecas.

“ Horóscopo da Tia Secret para amigos e inimigos

Áries: Colega sabe aquele conselho que deve se levar para a vida? Então, é esse: pare de tentar destruir a vida dos seus amiguinhos! Todo esse ódio no seu coração é ruim para a sua saúde.

Touro: VOCÊ ’ ERRADA(O)! ACEITA QUE DÓI MENOS, NINGUÉM MAIS AGUENTA A SUA TEIMOSIA. Em nome da humanidade, agradeço

Gêmeos: Os astros me dizem que algo bom vai acontecer com você, mas com o karma que você tem é capaz que essa coisa “boa” seja um piano caindo na sua cabeça ao invés de três.

Câncer: Você tem todo o direito de manipular seus amiguinhos, mas escravizá-los já é demais: Cor do dia: nude. Porque aquele que você enviou no privado já vazou e a cidade toda tem uma cópia.

Leão: Você pode se achar o último pote de Nutella da face da Terra, mesmo sem ser. Dia favorável pra tomar chá de “semancol” e estudar pra prova surpresa de amanhã.

Virgem: Para aquelas pessoas que de virgem só tem o signo: cuidado pra não perder isso também. Pare de roubar as moedas da igreja e vá fazer algo de útil.

Libra: Ainda tentando decidir se segue ou não o meu conselho do horóscopo anterior, certo? Se não for isso, QUAL É O SIGNO DE QUEM ESTÁ ATRASANDO A FILA DO REFEITÓRIO TODA MANHÃ?

Escorpião: Pare de sentir ciúmes do ar que a pessoa que você ama respira, porque se desse pra escolher com quem vamos compartilhar o oxigênio nem ela escolheria você. Beijos de trevas.

Sagitário: Você não está meio velho para continuar colando suas provas na porta da geladeira pra mamãe ver? Dica do dia: reflita sobre como você é competitivo e pare de fazer corrida com os colegas sobre quem termina de copiar a matéria primeiro.

Capricórnio: Aproveite a Black Friday que se aproxime e compre uma nova cara de pau e ataduras. Seus colegas descobriram quem rouba as canetas deles.

Aquário: Não é porque seu signo é um pote cheio de água que você ficar três dias sem tomar banho. Ninguém mais aguenta seu cheiro, compra um desodorante pelo amor de Goku!

Peixes: Se acha a Pequena Sereia, mas não é nem peixinho dourado. Para de comer tanto porque você está virando um baiacu.

Jullie, a mãe do Lucca, me entrega um bolinho queimado assim que abre a porta.

— Fiz com amoras! – ela diz orgulhosa.

Sorrio sem graça e finjo morder o bolinho que mais parece um pedaço de carvão com cobertura.

— Huuum, delícia. Vou até dividir com o Lucca.

— Ele está no quarto, daqui a pouco vou levar mais alguns para vocês.

Subi as escadas correndo e fechei a porta ao entrar no quarto dele.

— Sua mãe fez aqueles bolinhos ruins – anuncio.

— Droga! – Lucca se impulsiona para trás em sua cadeira de rodinhas e não se preocupa com o jogo online em que estava concentrado.

Pego a folha com o aviso “Não pertube, estamos bêbados” e colo no lado de fora da porta do quarto dele. Meu melhor amigo empurra sua cômoda para ficar na frente da porta.

Nós temos o plano para fugir das comidas malucas que Jullie faz, e esse plano consiste em impedi-la de abrir a porta do quarto. É por isso que mantemos a cômoda vazia, fica mais leve quando queremos empurrar pelo cômodo.

— Isso vai segura-la por algum tempo – posso perceber o alívio na voz dele – O que te traz aqui, Anna Banana?

— Ícaro – respondo.

As telas do computador do Lucca mostram as palavras “Game Over” com letras vermelhas que parecem sangrar.

— O que o hipster fez agora?

— Acho que o estilo dele é mais indie – comento – Ele ficou me sondando, perguntando sobre nossa relação e isso me incomodou bastante.

— Ele perguntou algumas coisas para mim hoje mais cedo – Lucca pondera por alguns segundos antes de continuar – Você já tem alguma teoria, certo?

— Ele é o Bill.

Lucca me olha confuso.

— Só porque quer saber mais sobre você?

— Ele sabe que eu sou a Secret e está me espionando. Não é óbvio?

— Tudo que eu consigo ver é que esse lance da Secret está te enlouquecendo, Anna.

— Enlouquecendo? – repito, incrédula.

— Ele pode só querer se aproximar de você.

— O Ícaro não precisa saber sobre a minha vida para se aproximar de mim – as palavras saem de forma rude e ignorante.

— Se ele quer ser seu amigo é normal querer conhecê-la – Lucca aperta a ponte do nariz, sei que ele faz isso quando está se irritando – Você precisa parar de achar que tudo gira em torno da Secret.

— Mas gira!

— A SECRET NÃO É NADA! – ouvi-lo gritar comigo me faz saltar para trás – Você criou a Secret para fugir da sua realidade, dos seus pais brigando, sua irmã sendo a vadia da cidade e a escola... Anna, você sabe que é verdade.

Sinto lágrimas escorrendo pelos meus olhos, lágrimas quentes e gordas que deixam uma trilha morna pela minha pele.

— Você está chorando? – Lucca parece desnorteado por alguns segundos – Desculpa Anna, nunca quis te fazer chorar. Eu...

— Eu já entendi, Lucca – meus dedos tocam a cômoda e começo a empurrar o móvel para longe do meu caminho – De todas as pessoas, eu pensei que você fosse o único que iria me aceitar pelo o que sou, que não iria julgar...

— Eu aceito! – as palavras saíram apressadas – Eu te amo, Anna!

— Não precisa mentir para mim, Lucca. Não mente mais pra mim – sussurro.

Desço as escadas correndo e ele vem atrás de mim. Quando chego até a sala grito:

— Jullie, traga os bolinhos para o Lucca! – empurro o puf com rodinhas do centro da sala para as escadas e continuo a correr.

Consigo imaginar a raiva do Lucca tentando tirar o puf do caminho e se livrar da mãe que fala primeiro e ouve depois, sem conseguir explicar o que aconteceu e porquê precisa correr.

Todos queremos alguém que nos aceite e apoie, esse alguém para mim sempre foi o Lucca. Acontece que ele está certo, a Secret começou como algo que eu usei para fugir da minha realidade e se tornou parte de mim. Talvez para ele as coisas não girem em torno dela e seja errado manter o blog após tantos anos, mas para mim não.

Lucca sempre foi quem me apoiou e para quem corri quando desejei chorar, porém agora que a razão das minhas lágrimas são as palavras que forma ditas por ele não sei para onde ir.

Por que se importar com o que ele diz? O que o Lucca sabe sobre “problemas? A família dele é rica e perfeita, ele nem deve saber como é amar alguém.

Mas ele disse que me ama.

Ele ama a Anna invisível que aceita todas as suas críticas sem reclamar.

Não tenho noção de quanto andei até chegar à interseção que dá para a rua do Ícaro.

— Anna? – viro-me para trás e encontro o loiro com sua touca hipster parado atrás de mim – Está tudo bem?

— Não – respondo secando as lágrimas com as costas das mãos – Mas vai ficar.

— Se eu puder te ajudar de alguma forma...

Ele não termina sua frase motivadora porque eu corro e o abraço com força. Afundo minha cabeça em seu peito e me permito chorar ouvindo as batidas aceleradas do coração dele.



Notas finais do capítulo

Uol, o que vocês acharam desse capítulo? Nunca imaginei que a Anna fosse ter uma crise dessas (mentira, imaginei sim).
Estão ansiosos pelo próximo? Precisamos definir o nome do ship ÍcaroxAnna, URGENTEMENTE!
Curtam a fanpage: https://www.facebook.com/NatchuFics/
Beijos com avelã jovens bolinhos de abacaxi.