Auf Wiedersehen escrita por Dead Snow


Capítulo 1
Última carta.


Notas iniciais do capítulo

Oi.



Berlim, 1943

Albert,

Sei o que você provavelmente está fazendo agora, se tenho a permissão de imaginar? Não sei, mas é impossível não pensar em tu. Você vem tomando tudo que resta de mim, minha sanidade está sendo corroída pela vontade de te ver, abraçar e sentir teu calor.

Juro que não tinha a intenção de te deixar, porém era inevitável. Eu tive medo, medo de te perder para sempre, por isso escolhi desaparecer e tentar te deixar vivo para que outra pessoa ocupe meu lugar.

Todas as pessoas julgariam nosso amor, elas nos chamariam de doentes, insanos e depois iriam querer nos matar. Eu não queria ver você sofrer, mas é preciso, melhor nos afastarmos do que te ver morrer nas mãos desses malucos que não entendem nossa paixão.

Cada dia que eu passo aqui meu nojo da humanidade aumenta. Matar pessoas por causa de território, poder e diversão é uma coisa cruel, depois dizem que nós somos errados por amar.

Todos os dias eu ajudo, tento ao máximo salvar vidas e sei que você se orgulha desse meu lado herói. Sei que você tem medo de que eu acabe me dedicando demais, pois, por mais que o trabalho seja digno, tem medo que eu morra e nunca mais olhe nos seus olhos. Também tenho medo que isso aconteça, mas, infelizmente, isso pode vir a acontecer, não prevemos o futuro.

Eu queria estar em um lugar deserto, só eu e você, sem guerras, mortes, sangue, governo. Queria a paz da humanidade, são sonhos impossíveis de acontecer, mas eu ainda tenho esperanças que isso acabe e tudo volte ao normal. Sou um bobo sonhador no meio do caos.

Esses últimos meses o número de mortes e feridos vem crescendo, a devastação está cada vê maior, os campos, antes usados para cultivar, hoje está vendo usado para o ódio. Almas inocentes sendo mortas por causa de raça, crença e tudo mais.

O frio está começando a se instalar aqui, daqui poucos dias começará a nevar e os mortos vão ficar camuflados pela camada branca que quando criança parecia ser tão mágica. Você nem precisa estar perto das trincheiras para sentir o cheiro podre da morte, ouvir os disparos das armas e ver homens morrendo pela maldita pátria.

Não vou morrer por orgulho a minha nação, irei morrer pelas pessoas que decidi ajudar, irei morrer por você e por todo seu amor. Penso que quando morrer ninguém mais se lembrará de mim, serei esquecido no meio de tantos, mas sei que irei mudar a vida de alguém e essa pessoa será grata o resto da vida.

Pareço forte falando assim, mas sou um covarde por te deixar. Espero que seja feliz e que nunca me esqueça, quero ter um espaço no seu coração por toda a eternidade. Sei que posso viver, porém acho impossível, pois não há previsão para tudo isso acabar, então resolvi me despedir com essa carta, mesmo sabendo que você nunca vai receber-la.

Antes de desaparecer, queria agradecer toda a felicidade que me causou, queria dizer que o tempo que estive com você foi perfeito e que minha vida é sua para o resto da eternidade. Juro que se eu sobreviver irei te procurar não importa onde.

Não sei se tive vergonha ou medo, mas quero dizer eu te amo. Tanto tempo com esse sentimento dentro de mim e nos tempos da minha provável morte que eu revelo. Sou um besta de não ter te dito quando ainda estávamos junto, agora só eu e o nada saberá deste segredo. Adeus.

Com amor,

Yannick.



Notas finais do capítulo

Agradeço a quem leu. Se tiver erros me avisem e até a próxima.Beijos da Dead.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Auf Wiedersehen" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.