Once Upon A Time escrita por Miss America


Capítulo 1
I was enchanted to meet you




ONCE UPON A TIME

POR MISS AMERICA

 

There I was again tonight forcing laughter, faking smiles

Shifting eyes and vacancy vanished when I saw your face

All I can say is it was enchanting to meet you

Taylor Swift.

Quem olhasse para Rose Weasley durante as aulas, não conseguiria arrumar um adjetivo para explicá-la. Era inteligente como os pais, tirava nota máxima em todas as provas e tinha um currículo perfeito para passar nas melhores universidades, mas não era daquelas que levantava a mão para responder a pergunta feita pelo professor. A ruiva era do tipo que ficava calada e não conversava com ninguém, nem mesmo com os professores, ela preferia ficar quieta e isolada no seu canto, olhando para o nada ou desenhando em seu caderno.

Como se não bastasse os olhares tortos que ela recebia quando chegava à sala para sentar-se na última carteira, a ruiva ainda era julgada pelas roupas que usava. Sempre maiores do que o seu tamanho, Rose parecia ter um guarda-roupa composto apenas por cardigãs e calças jeans, seus cabelos ruivos estavam sempre em um coque frouxo e ela os prendia com uma caneta para que não se soltassem. Seus olhos verdes eram grandes demais e sempre se encontravam escondidos atrás de um óculos com armações modernas. Um livro de contos de fadas geralmente estava debaixo de seus braços e ela tinha aquela expressão de superioridade estampada no rosto, porém não tirava vantagem disso e nem precisava, afinal ninguém ligava para sua existência. Definitivamente, ela era a garota mais estranha que já pisou em Hogwarts, mas naquela noite de céu estrelado na qual estava acontecendo o baile de formatura, Rose Weasley parecia uma princesa.

A ruiva estava com um delicado vestido azul-claro de frente único que ia até os joelhos, os cabelos cor de fogo estavam, pela primeira vez, soltos e desciam em cachos pelas costas nuas. Os seus olhos tanto brilhavam que pareciam uma constelação de estrelas e suas bochechas levemente salientes estavam ressaltadas pela maquiagem que sua prima tinha feito. Rose não gostava muito de maquiagem, mas bastou Dominique fazer chantagem emocional e ela deixou antes de revirar os olhos depois que a prima deu pulinhos de alegria. Por favor, não exagere muito, ela havia pedido com um pouco de medo do resultado e por incrível que pareça, Domi não exagerou.

Uma máscara branca enfeitada com minúsculos cristais coloridos cobria seu rosto e diferentemente das outras garotas com coroas de plástico simulando serem rainhas do baile, Rose não estava com nenhuma e pouco se importava com o título de rei e rainha do baile. Ela só havia resolvido participar de última hora por causa das máscaras, desse modo ninguém iria lhe reconhecer e apontar para ela, sussurrando o quanto ela era esquisita.

O ginásio estava decorado de várias cores, parecia um arco-íris para quem visse de fora e o tema da formatura desse ano fora floresta encantada. Rose tinha adorado a escolha, amava contos de fadas e acreditava fielmente em todos os clichês que eles contavam. A garota estava sentada na arquibancada, apenas observando a movimentação, todos estavam se divertindo. Claro, todos menos ela. Por um instante, ela se permitiu sorrir enquanto os seus colegas de classe e os demais alunos dançavam animadamente na pista de dança improvisada ao som de uma música eletrônica.

— Já disse que você está linda? Ficou irreconhecível! — Dominique apareceu de repente do seu lado, fazendo-a tomar um pequeno susto e colocar as mãos no coração. A ruiva mais nova estava deslumbrante em um vestido dourado e uma máscara da mesma cor. — Não quer dançar um pouco?

— Não tenho um par — Rose justificou sem graça dando de ombros e Domi sorriu, entrelaçando seu braço no dela e puxando-a delicadamente para longe de onde antes ela estava. Apesar de já ter se acostumado a ser a excluída da turma, Rose ficou surpresa ao notar a decepção na própria voz. Não esperava ficar magoada em não ter uma companhia e Domi pareceu notar, pois continuou puxando-a e não parou até elas estarem no meio da pista de dança.

Até encontrarem um espaço livre para dançarem, as duas ganharam inúmeras cotoveladas e Rose sentiu alguém pisar em seu pé direito, mas por fim ela e a prima arranjaram um cantinho para se divertirem entre o tumulto de adolescentes. Aproveitando o anonimato, Rose dançou com a prima até seus pés doerem e elas não aguentarem mais, tinha feito dança até os doze anos e tinha fôlego para dançar a noite inteira, mas os saltos altos dificultavam sua resistência e ela resolveu tirá-los, caminhando descalça até a mesa de bebidas para tomar alguma coisa.

— Weasley? — Rose ouviu seu sobrenome ser chamado por uma voz masculina enquanto estava enchendo seu copo de refresco e se virou, quase engasgando com a bebida ao ver quem era. Scorpius Malfoy. Os dois nunca haviam conversado mais do que um “me passa a resposta da cinco, letra b?” e provavelmente, o loiro não sabia nem o seu primeiro nome, mas ela sabia quem era ele porque tinha decorado cada centímetro de seu rosto. Sabia descreve-lo com extrema perfeição, desde os cabelos loiros caindo sobre a testa até a cicatriz que ele tinha no queixo, ela o desenhava quando não estava prestando atenção nas aulas e fazia questão de deixar o desenho bem feito, caprichando até nos mínimos detalhes.

Como era de se esperar, ele estava lindo e incrivelmente sedutor com a máscara preta e o terno cinza-escuro, combinando perfeitamente com seus olhos da mesma cor. Rose deixou o copo na mesa e sorriu para ele, o mesmo garoto inexplicavelmente implicante que ela gostava desde o sexto ano, quando ele derrubou café acidentalmente em um de seus poucos vestidos.

— Ouvi muito sobre você — ele disse e Rose sentiu o rosto queimar de vergonha, provavelmente estava vermelha da cor dos cabelos. — Quer dançar comigo?

A ruiva sentiu seu coração parar por um minuto, todos os seus membros pareceram congelar. Sem reação, ela encarou o loiro com as sobrancelhas erguidas, não conseguia acreditar no que acabava de ouvir, estava tão incrédula que quase beliscou a própria pele achando que era um sonho. Aquele momento estava realmente acontecendo? Merlin, aquilo por acaso era uma pegadinha de mau gosto? Ela não conseguia acreditar que Scorpius Malfoy, o cara que ela era apaixonada desde os onze anos, estava com a mão estendida em sua direção, pedindo para dançar com ela!

Rose estava quase enfartando, ela abriu a boca para falar alguma coisa e fechou-a diversas vezes, sem saber exatamente o que falar. Scorpius achou a atitude engraçada e pegou ele mesmo a mão dela, entrelaçando seus dedos nos dele enquanto os dois juntos caminhavam até estarem novamente no meio da pista de dança. Uma música lenta começou a tocar e Rose olhou para ele com as bochechas coradas, o seu tão sonhado romance estava finalmente acontecendo. O cara mais popular do colégio se apaixona pela nerd esquisita, pensou ela com a sensação de que seu coração se aquecia por dentro. Depois de tantos anos sonhando acordada, finalmente o destino resolvera dar uma chance para ela e ela era a protagonista do seu próprio conto de fadas.

— Não precisa ficar com vergonha, é apenas uma música — ele disse e Rose sorriu sem graça, não sabia o que fazer. O loiro pegou suas mãos e colocou-as em volta de seu próprio pescoço, Scorpius era um pouco mais alto que ela e por esse motivo, teve que se curvar um pouco para segurar sua cintura, aproximando seus corpos. — O que está achando da festa?

A garota sorriu envergonhada e suas órbitas verdes encararam as cinzas do garoto escondidas por trás da máscara. Ele encarou de volta, contemplando sua beleza e ela desviou o olhar, sentindo o rosto queimando, novamente vermelha como os cabelos, maldita genética!

— Não vai responder? — ele insistiu, levantando as sobrancelhas.

— Estou pensando em uma palavra — Rose finalmente disse depois de um longo silêncio em que seus corpos dançavam lentamente, embalados pelo ritmo da música. De todas as palavras do dicionário que Rose conhecia, até mesmo das complicadas, ela não conseguiu escolher outra palavra que descrevesse tão bem o momento:

— Perfeita.

Scorpius sorriu, seus olhos diminuíam um pouco de tamanho e covinhas formavam em suas bochechas quando ele sorria, mas Rose achou aquilo lindo, assim como tudo nele. O loiro encarou-a e tirou uma das mãos de sua cintura, acariciando o rosto da garota com o polegar enquanto a outra apertava mais forte as laterais de seu corpo:

— Sabe de uma coisa? Eu gostaria de sair com você um dia desses, Dominique. — ele disse. Rose sorriu, emocionada pelas palavras e então, seu sorriso morreu no rosto assim que seu cérebro raciocinou e ela digeriu o que havia acabado de acontecer: Scorpius havia acabado de chamá-la pelo nome da prima.

A ruiva franziu as sobrancelhas e tirou as mãos lentamente do pescoço do rapaz, dando um passo para trás. Apenas entendeu quando virou o rosto e viu sua aparência refletida na bandeja de um garçom que passava ocasionalmente ao seu lado.

Seu coração quebrou em mil pedaços e ela sentiu os olhos marejarem, o mundo em sua volta pareceu parar de girar. Ninguém nunca tinha reparado em como Rose Wesasley era bonita, ela mesma não se importava em se arrumar e naquela noite, não foi diferente. Rose usava uma máscara e o loiro havia a confundido com a prima. Nenhum aluno de Hogwarts conseguiria reconhecê-la e estava tão bonita que ninguém, nem mesmo Scorpius Malfoy, acreditaria que ela, provavelmente a garota mais bonita da festa, era Rose Weasley.

— Dominique? — Scorpius perguntou, dando um passo em sua direção, com um semblante sério. Mal sabia ele que cada vez que a chamava por aquele nome, fazia seu coração se quebrar ainda mais, oscilando entre batidas fortes e fracas. — O que aconteceu? Foi alguma coisa que eu disse?

Rose deu mais um passo para trás, por pouco não tropeçando na cauda do vestido, sentindo as lágrimas molharem seu rosto.

— Domi? Por favor, me diga — Scorpius insistiu, a preocupação visível em seus olhos. Rose o ignorou, nem ela sabia o que estava acontecendo ali. Curvando-se sobre o corpo e puxando as barras do vestido, ela procurou por seus sapatos para fugir o mais rápido o possível e sentiu raiva, batendo o punho na testa ao lembrar que tinha os tirado antes de dançar e agora, diante o nervosismo todo e a humilhação, ela nem se lembrava de onde tinha os enfiado. — O que eu fiz de errado?

A ruiva suspirou, não conseguia pensar:

— Não, você não fez nada. Desculpa, eu só queria que essa noite fosse perfeita — ela choramingou e limpou as lágrimas que caíam com o dorso dos dedos, estava prestes a sair correndo quando a música foi interrompida e um barulho de interferência de microfone soou pelas caixas de som, fazendo com que todos da festa tampassem os ouvidos por causa do ruído ensurdecedor.

— Merlin, me desculpem, não foi por querer! — A interferência parou e então, Rose ouviu a voz fina de Dominique e olhou para o palco, onde a prima encontrava-se sem máscara, segurando um envelope branco nas mãos. Scorpius olhou para o palco e depois para Rose com uma expressão confusa, sem entender nada.

Dominique continuou, sem saber que Rose estava em uma situação complicada:

— Como vocês sabem, eu sou a representante de turma e sou a responsável para fazer o anúncio de quem foram os escolhidos, chegou a tão esperada hora de sabermos qual casal foi eleito rei e rainha do baile! — ela disse sorrindo animadamente e todos vibraram, assoviaram e bateram palmas. Suas mãos desceram até o envelope branco e ela o abriu, seus olhos brilharam ao ver os nomes dos ganhadores e ela retornou ao microfone com um imenso sorriso no rosto:

— Scorpius Malfoy e Rose Weasley, meus parabéns!

Todos os olhares caíram sobre Scorpius, parado na pista de dança, ainda sem compreender o que estava acontecendo. Rose estava mais afastada, perto da saída, quando o holofote a iluminou e ela precisou parar de tentar correr, já que a luz branca estava quase a cegando e ela não conseguiria dar um passo com toda aquela claridade.

Scorpius colocou as mãos em frente ao rosto e caminhou lentamente até ela. Rose fez o mesmo enquanto virava-se tirava a máscara que cobria seu rosto, os demais em sua volta arfaram de surpresa quando a reconheceram e viram o quanto ela estava irreconhecível. Scorpius olhou para ela maravilhado e por impulso, levantou sua mão para tocá-la no rosto, mas Rose recuou e sem nem pensar duas vezes, saiu correndo, dessa vez não se importando para onde ia. Decidida, ela girou os calcanhares e correu até a saída e esbarrou em algumas pessoas pelo caminho, lágrimas ameaçavam a cair e ela escondeu o rosto, não queria chorar na frente de todo mundo.

A ruiva correu e não cansou de correr até estar do lado de fora da propriedade da escola. Longe do ginásio e de todas as pessoas, Rose jogou a máscara com raiva no chão e sentou-se no meio-fio da calçada, com as mãos sobre o rosto. A dor veio e ela começou a chorar amargamente, amaldiçoando-se por ser tão iludida e acreditar que aquela noite seria perfeita. Nunca ela teria um namorado, nunca iria se destacar das outras e nunca iria viver um conto de fadas. Contos de fadas não existem e se de fato existirem, ela deveria saber que nem todos têm um final feliz e que ela não devia sonhar tão alto.

Mais do que exausta, Rose enxugou as lágrimas, prendeu as madeixas em um coque mal feito e levantou-se enquanto desamassava o vestido. Ouviu o barulho de folhas secas sendo amassadas e ela imediatamente, olhou para trás, enxergando uma silhueta no meio das sombras. Com medo de ser vista chorando por alguém desconhecido, a ruiva começou a andar, apressando os passos.

— Ei, espere!

— Por favor, vá embora. — ela disse choramingando depois que reconheceu a voz, não precisava se virar para saber quem era. Sua maior vontade era sair correndo dali, mas suas pernas não a obedeciam. Tudo ao seu redor girava furiosamente e sua cabeça parecia pesar uma tonelada, ela só queria que aquele dia terminasse.

Scorpius saiu das sombras:

— Você se esqueceu de sua coroa, Rose.

— Então você sabe meu nome, não é? — Rose debochou, notando que ele havia a chamado pelo seu nome, o tão irônica quanto seu sorriso. Sua voz soava trêmula e ela sentia uma dor no peito, mesmo depois de todo o ocorrido, seu coração ainda batia forte quando estava perto dele.

— Rose, por favor, me perdoe — disse ele, visivelmente arrependido. — Eu sei quem é você, jamais te confundiria caso não estivesse usando uma máscara!

— Não me importa, Scorpius. O dia de hoje foi apenas mais uma das muitas humilhações pelas quais já passei. Aliás, a minha vida em si é uma humilhação. — ela disse e seus olhos novamente se encheram de lágrimas. Todos os momentos humilhantes pelos quais havia passado até ali vieram em sua mente e ela respirou fundo antes de continuar:

— Você quer meu perdão? Tudo bem, então está perdoado. Agora, por favor, vá embora. — Rose disse e virou-se, decidida a ir para casa. Scorpius ficou sem reação por um segundo e então, aproximou-se dela e a puxou pelo braço, não deixando dar nem mais um passo.

— Sei que fui um idiota com você mais cedo, mas tudo isso porque você nunca percebeu. Eu fico te encarando durante as aulas, sei que fica me desenhando e por mais estranho que pareça, adoro vê-la fazendo isso. — ele confessou e seus olhos cinza-escuros encaravam-lhe com carinho, suas mãos apertavam levemente em torno de seu braço e os rostos de ambos estavam tão próximos que seus narizes quase se tocavam. — Como você prende os cabelos ou como você fica fascinada quando o professor passa uma matéria nova no quadro, até mesmo a mania que você tem de morder a ponta do lápis quando não sabe por onde começar... tudo em você me encanta, Rose.

A ruiva olhou para Scorpius sem saber o que dizer e ele sorriu sem jeito, fazendo-a lembrar de um dos motivos de gostar tanto dele. Seus dentes brancos emoldurados por lábios tão bem delineados faziam-no parecer um verdadeiro príncipe de um dos seus livros. Suas covinhas faziam com que ela perdesse o fôlego e ela ouviu bem quando ele, olhando profundamente nos olhos dela, pediu:

— Eu realmente quero conhecê-la melhor e estou pedindo apenas uma chance para isso. Por favor, vamos começar de novo... Meu nome é Scorpius Malfoy e o seu?

A garota sorriu, talvez nem todas as princesas encontrassem seus príncipes encantados na primeira vez que os vissem:

— Rose Weasley.



Notas finais do capítulo

Olá, caso vocês não tenham percebido, algumas cenas foram baseadas nos seguintes contos de fadas: A pequena sereia (quando a aparência da Rose no baile é descrita), Branca de Neve (quando aceita dançar com Scorpius), Cinderela (na hora que ela quer sair correndo e esquece onde colocou os sapatos) e por último, o meu preferido: A bela e a fera (quando o Scorpius se desculpa e pede uma chance para conhecê-la melhor).

Não se esqueçam de comentar, beijos.