Winter Love escrita por Sweet Winter


Capítulo 14
Quase desculpas e bisbilhotagem


Notas iniciais do capítulo

EU VOLTEI ~ insira voz do exterminador aqui ~

Sim, minha gente, eu estou viva e esta história também. Há pouco tempo atrás postei uma nota (que apaguei) explicando meu sumiço e falando sobre a continuação da história. Pra quem não viu, vou dizer aqui: sim, vou continuar a história, não abandonei ela completamente porque não tive coragem, foi só um hiatus (longo) causado por falta de motivação vindo de mim mesma e problemas pessoais também. Não sei sobre a frequência das postagens, mas já me organizei melhor com a história, então vou me esforçar para não demorar dois anos de novo, mas não vou prometer nenhuma data.

Eu não sei se ainda tem gente aí botando fé nessa história, estou torcendo para que ainda tenha, mas, de qualquer forma, minha intenção é conseguir terminar Winter Love apropriadamente, não importa quanto tempo demore.

Quanto aos comentários, eu passei todo esse tempo sem responder nenhum, mas isso não significa que os ignorei, eu apenas havia prometido que não os responderia até postar esse capítulo, mas agora eu irei responder TODOS os que já foram feitos (e os que virão a seguir, lógico), então se ainda não respondi o seu comentário, não se preocupe, eu vou responder ele logo.

Enfim, sei que vocês estão ansiosos para ler, então não vou mais enrolar aqui.



Boa leitura!!!



Quase desculpas e bisbilhotagem

 

 

Ok, talvez puxar o gênio e bilionário Tony Stark pela orelha e arrastar ele pela Torre com o Capitão América atrás de nós apenas para se desculpar com um desmemoriado não seja a coisa mais normal do mundo, mas eu não sou normal mesmo, então quem se importa?

Talvez também não tenha sido muito educado da minha parte fazer isso, mas eu também nunca disse que sou educada, então, mais uma vez, quem se importa?

Tony tentava se segurar para não me xingar enquanto eu apertava sua orelha com força, porém parece que ele foi esperto e levou a sério a minha ameaça de bater nele se abrisse a boca. Uma decisão inteligente, já que eu iria bater nele mesmo se o fizesse, eu definitivamente não estava brincando.

— Ãh, Mel, tem certeza de que isso é necessário? — perguntou Steve meio receoso atrás de mim. Acho que ele estava com medo de que eu o ameaçasse também, o que soa muito estranho e engraçado se considerarmos que eu pareço uma anã perto daquele poste de cabelos loiros.

— Claro que é — respondi como se fosse óbvio.

— Mas o...

— Steve, — interrompi ele — estamos falando de Tony Stark, claro que não é exagero. Às vezes medidas drásticas precisam ser tomadas, sabe.

O loiro resolveu ficar quieto, deve ter achado melhor não me contrariar, talvez ele pense que é perda de tempo tentar argumentar com uma maluca como eu. Não o culparia se dissesse isso na minha cara, na verdade eu até concordaria.

Quando chegamos na porta do quarto de Bucky, eu ainda não havia soltado Stark, que agora começava a soltar resmungos baixos e eu pude jurar que o vi revirar os olhos. Se ele começasse a agir como uma criança birrenta de novo agora que já havíamos chegado até aqui, eu juro que iria atrás da janela mais alta dessa torre pra jogar ele de lá.

E lá fui eu de novo, bater na porta do quarto de Bucky Barnes e mais uma vez ser ignorada. Ok, já estou acostumada mesmo, não custa tentar de novo, aliás posso ficar aqui o dia inteiro - só não posso dizer o mesmo de Tony Stark, que a essa altura já estava com a orelha vermelha de tanto eu apertar ela.

— Howell, sai daqui — a resposta veio do outro lado da porta depois da minha terceira tentativa.

— Mas que audácia! — Não pude evitar exclamar comigo mesma, surpresa pelo que ouvi. Afinal, como ele sabia que era eu? 

— Você é tão chata assim, Melanie? — alfinetou Stark, que provavelmente pensou o mesmo que eu, sem perder a chance de me provocar.

Em resposta eu dei um puxão brusco na sua orelha, fazendo-o soltar um gemido de dor.

— Você pode fazer o favor de abrir essa... — parei bruscamente de falar quando lembrei de Steve bem atrás de mim, que agora me encarava com uma sobrancelha levantada — ...porta.

Houve um breve silêncio, até pensei que poderia estar sendo ignorada - mais um vez -, quando ouvi Bucky voltar a falar:

— Por que eu deveria?

— Porque se não eu vou acabar sendo processada por arrancar fora a orelha do bilionário Anthony Stark, também conhecido por Homem de Ferro — respondi já perdendo a paciência que eu nem tinha mais.

Finalmente eu vi a porta se abrindo, cautelosamente e com cuidado, como se Barnes estivesse com receio de que uma bomba fosse jogada em sua cara. Se ele demorasse mais um pouco, era bem capaz disso acontecer. Sorri satisfeita quando pude ver seu lindo rostinho à luz do dia e eu acho que devia estar parecendo muito assustadora assim, porque ele ainda me olhava apreensivo.

Me virei para Tony, já com a mão na cintura e minha expressão mandona.

— Vamos lá, Stark, você não tem nada pra dizer, não?

Ele suspirou com descrença da minha cara de pau.

— Pode pelo menos soltar a minha orelha? É bem constrangedor ser puxado assim por uma anã — pediu, mas ainda assim sem perder a oportunidade de me ofender.

Eu não acredito, vou matar esse desgraçado, ele perdeu a noção do perigo por acaso? Eu deveria mesmo arrancar sua orelha, que se dane se ele vai me processar, ou eu deveria começar a reconsiderar a ideia de jogar ele da torre. As duas opções são tentadoras.

— Quer morrer mais cedo, Stark? — retruquei rangendo os dentes de raiva, se existe um Deus então ele deve estar tentando me conter para não cometer um assassinato, porque a vontade de pular no pescoço desse playboyzinho metido é grande.

— Ei, calma, não comecem a discutir agora — Steve finalmente se pronunciou, intervindo antes que uma nova discussão se iniciasse e alguém acabasse perdendo os dentes.

Ele tinha razão, eu deveria me concentrar no mais importante no momento e não me deixar abalar por qualquer provocação boba. Eu deixaria aquele comentário sobre a minha altura passar, mas só dessa vez, na próxima eu não iria perdoar não.

— Vamos lá, apenas faça o que viemos fazer. — Soltei Stark, que massageou a orelha com alívio, e dei um leve empurrãozinho nele pra frente. — E se tentar fugir eu te nocauteio, entendido?! 

Eu quase podia ouvir os dentes dele rangendo enquanto encarava Bucky na sua frente, que não estava entendendo nada do que acontecia. Eu sabia que Stark não era uma pessoa ruim, mas seu maior defeito era ser muito orgulhoso e ter um ego tão inflamado que chegava a sufocar quem ficava por perto. 

Ele deu um rápida olhada para mim, como se perguntasse se era mesmo necessário fazer isso, e em troca recebeu apenas uma cara que dizia claramente "não tenho o dia todo, querido". Ele pareceu entender o recado, porque desistiu de apelar pra mim e voltou a fitar o Barnes. 

— Certo... Então... — pareceu procurar as palavras certas para que ele não levasse um chute na bunda de mim e ao mesmo tempo não ferisse seu precioso orgulho. — Parece que não tomei uma atitude correta durante o almoço. 

Fiz minha melhor expressão de "mas que porra?". Stark nunca aprendeu a pedir desculpas, não? Era só dizer um "sinto muito, eu estava errado" e vazar dali, não tinha muito segredo não. 

Bucky Barnes só parecia cada vez mais confuso com a situação atual, ele provavelmente não estava esperando nada daquilo. Ninguém esperaria, mas Melanie Howell não é o tipo de pessoa previsível, meus caros. 

— Então parece que nós criamos um problema — Tony voltou a falar. 

Dai-me paciência, do que essa criatura empafiada tá falando agora? 

— "Nós"? Só pode tá falando de você e seu ego, né, Stark? — falei com sarcasmo e uma leve rispidez. 

— Pode dar licença, Howell, estou aqui tendo um momento emotivo e você está atrapalhando, não percebeu? — retrucou sem paciência comigo. 

Revirei os olhos e resolvi ficar quieta, entretanto era só porque ele finalmente resolveu colaborar e Steve já estava me repreendendo por interromper. Mas, fala sério, ele só podia estar me testando com aquela cena ridícula. 

— É uma pena porque acabamos atrapalhando o almoço dos outros. Eu lamento por isso — terminou Stark.

Me virei para Steve incrédula, esperando que pelo menos ele dissesse alguma coisa, já que havia me mandado ficar quieta agora há pouco. Porém ele apenas soltou um suspiro, como se já não soubesse mais o que fazer com Tony e tivesse simplesmente resolvido jogar tudo pro alto, e se virou pra mim falando: 

— Você sabe que isso é o máximo que vamos conseguir.

O pior de tudo é que ele tinha razão, aquele homem era um caso perdido. Voltei a olhar novamente para o playboy e sentenciei:

— Eu ainda te mato, Stark. 

Ele me olhou desesperado e ergueu as mãos pro alto, como se pedindo piedade, mas eu sabia que se tratando dele era só drama.

— Mas eu já fiz o que você pediu, o que mais quer de mim?

— Ah, vaza daqui de uma vez — falei balançando a mão sem paciência, e ele não esperou duas vezes antes de aproveitar a oportunidade para sair de perto de mim e fugir para o elevador. 

Agora que ele já estava longe, Steve ria sem parar, provavelmente esteve se segurando durante todo esse tempo enquanto se divertia com a situação. Eu apenas resmungava algumas maldições e xingamentos contra Stark, acho que nem Deus sabe o quanto ele é capaz de me irritar. O que fiz pra merecer essa criatura? 

— Eu não acredito no que fez, Melanie. Eu devia ter gravado a cena — Steve ainda ria enquanto falava. 

— Engraçadinho — murmurei, apenas me segurando para não dizer um "Vai se ferrar" porque Steve era legal demais pra merecer ouvir isso.

— Eu ainda não entendi muito bem o que aconteceu — Bucky finalmente se pronunciou depois de tanto tempo em silêncio, fazendo com que Steve parasse imediatamente de rir e olhasse para ele, que estava com a atenção focada em mim. – Você arrastou o Stark pela orelha até aqui só pra fazer ele pedir desculpas?

Tive a impressão de ver a sombra de um sorriso passar pelo seu rosto, rápido demais para que qualquer outra pessoa notasse. Sem perceber, a risada começou a crescer dentro de mim e não consegui me controlar quando comecei a rir assim como Steve também fez há pouco. Antes eu estava tão irritada por causa do almoço e da teimosia e orgulho estúpido de Tony, mas agora, vendo como Bucky deve estar se divertindo por dentro com a situação ridícula que acabou de acontecer, não pude evitar sentir meu humor mais leve.

— É, foi isso mesmo que aconteceu — falei entre risos, sem conseguir controlar as gargalhadas. Mas, de súbito, fui interrompida quando ouvi um barulhinho ecoar pelo local.

— Fury está me chamando na S.H.I.E.L.D, parece que é outra missão — Steve disse com um pouco de pesar em sua voz.

— Mas de novo? — Franzi o cenho, ele e Natasha andavam sendo convocados para muitas missões ultimamente, o que eu estava achando muito estranho. E eu também me sentia um pouco triste por não ter a companhia de Steve com tanta frequência. 

— Sinto muito, Mel. Estou indo — disse com aquele sorrisinho que sempre dá quando está sem graça e tenta se desculpar por algo.  —Vou voltar logo, Bucky. — Se virou para o amigo, que apenas assentiu com a cabeça e eu podia jurar que ele também estava um pouco chateado com sua partida. 

Observei tristemente o Capitão se afastar até chegar no mesmo elevador pelo qual Stark havia fugido antes, então me virei novamente para Bucky, por algum motivo agora me sentindo um pouquinho constrangida por estarmos a sós, sem nenhum dos Vingadores por perto. 

Devia ser a primeira vez que eu não sabia o que falar, mas eu não precisei, já que Bucky se pronunciou primeiro: 

— Eu ainda não te entendo — foi o que disse. 

— E quem entende? — brinquei, mas ainda assim prestava atenção no que ele queria me dizer. 

— Você havia dito que não se importa de não saber nada sobre mim. Isso é verdade? — Ah, sim, ele estava falando do almoço, em que Stark havia tentado despertar a minha curiosidade sobre o passado do Barnes, como forma de atingi-lo, mas eu o ignorei totalmente e disse que aquilo não me importava. 

— Bem, sim. Não é como se qualquer coisa fosse mudar a imagem que tenho de você. — Isso era verdade, porque eu já conhecia Bucky muito bem, ele só não sabia disso. 

Ele soltou algo que parecia com um riso debochado. 

— Achei que fosse mais esperta. 

— Sou mais esperta do que pareço. — Dei um sorriso de lado misterioso. 

Barnes me encarou com o cenho franzido, tentando encontrar uma resposta para suas dúvidas no meu rosto, mas tudo o que ele iria ver seria uma expressão de divertimento. Acho que ele desistiu, porque depois de um tempo desviou o olhar de mim.

— E que tipo de imagem você tem de mim? — perguntou por fim, parecendo realmente curioso sobre isso. Meu sorriso aumentou e se transformou em divertido. 

— É segredo. 

— Ah, segredo? — Ele pareceu descrente com minha resposta, agora me encarando com a boca levemente aberta pela minha audácia. Achei aquilo tão engraçado. 

— Quem sabe um dia eu te conto — falei apenas para provocar. 

Agora ele realmente deu uma risada, foi rápido e leve como uma brisa de verão, mas me surpreendeu tanto que não pude evitar me sentir feliz por aquilo. Eu não sabia explicar o quão bom era ver Bucky mais a vontade. 

— Certo, então vou esperar esse dia — disse por fim com um leve sorriso. 

Nós dois estávamos envolvidos pelo momento, até havíamos esquecido sobre o que aconteceu naquele almoço desastroso e ele não parecia mais tão receoso comigo. É claro que eu sabia que Bucky não confiava em mim a ponto de se abrir inteiramente, mas aquilo já parecia um grande avanço, o que me deixava muito, muito feliz.

Agora o silêncio entre nós não era desconfortável, na verdade até era agradável sentir aquele clima leve entre nós. Talvez eu devesse agradecer ao Stark por ter criado isso? 

— Você... — Barnes começou, parecendo um pouco envergonhado — ...havia dito antes algo sobre um jogo de cartas?

—WL– 

Para resumir, passamos quase o dia inteiro jogando Uno, não trocamos muitas palavras além do necessário, mas eu pude perceber que Bucky estava mais leve perto de mim do que antes e isso me deixava muito, muito feliz. De certa forma também me sentia orgulhosa por ele ter tido coragem de dar um passo para a frente na nossa relação que no momento não era bem uma relação. Não sei se já podíamos nos considerar amigos, no entanto agora eu poderia dizer que nos dávamos bem e isso já parecia bom o suficiente.

Eu não sei ao certo o que os Vingadores ficaram fazendo durante esse tempo, porém nenhum deles ousou interromper nosso momento de descontração. Só saí do quarto quando J.A.R.V.I.S me avisou que era hora de jantar e eu deveria descer para me juntar aos outros. Óbvio que perguntei ao Bucky se ele também queria ir e óbvio que ele me respondeu que não, mas tudo bem, eu não iria pressioná-lo mais do que já fiz, a melhor coisa a fazer agora seria respeitar um pouco mais o seu espaço. 

Durante o jantar ninguém fez perguntas sobre onde eu estive a tarde inteira, estavam imersos demais em seus próprios assuntos. Se fiquei chateada por ter sido deixada de lado? Um pouco, mas isso é só drama meu, na verdade acho que é até bom não ter que ficar dando muitas explicações. Claro que pensei isso cedo demais, eu devia ter percebido os olhares de canto que a Viúva Negra me mandava de vez em quando, mas eu estava tão relaxada, tão focada na minha comida enquanto ouvia o Stark contando suas histórias, que só fui notar aquilo depois.

Depois de comer, Natasha conseguiu me encurralar em um breve momento em que fiquei sozinha e começou de novo seu interrogatório.

— Você ficou com Bucky a tarde inteira? — ela perguntou com a mesma expressão fria de sempre que dificilmente se alterava. 

— O que é isso, vai ser sempre assim? — murmurei baixinho, irritada por ter que constantemente dar satisfações a ela. — Sim, eu estava com ele, nós ficamos jogando Uno. 

— O que conversaram? 

Eu sabia que ela precisava fazer todas essas perguntas para escrever o relatório que Nick Fury exigia, mas não deixava de ser irritante e invasivo. 

— Nada demais, você sabe que o Bucky não é muito de conversar. 

— Ele não disse nada de importante ou ao menos útil? — insistiu. 

Fiz uma expressão irônica. 

— Você acha que nós ficamos conversando sobre a Hidra e os segredos que ela esconde? — Eu sei, eu estava praticamente desafiando a morte ao falar daquele jeito com Natasha, mas a minha paciência já estava se esgotando. 

Romanoff apenas me lançou um olhar colérico, como um aviso para não brincar demais com o perigo. 

— Se ele disser alguma coisa importante, não hesite em me contar. — Foram as últimas palavras de Natasha antes de virar as costas para mim e sair do recinto. 

Fiquei mais um tempo parada ali, pensando no que faria. Nick Fury desejava saber mais sobre a Hidra, mesmo que eu já tivesse lhe dito muito há alguns anos atrás, ele sabia que ainda havia mais informações por trás que nem eu sabia. Eu não iria interrogar Bucky, isso estava fora de cogitação, despertar memórias dele não estava nos meus planos, mas eu sabia que Fury podia ser bem insistente, eu tinha medo das ideias que poderiam sair daquela cabeça careca. 

Eu estava decidida a proteger Bucky de qualquer merda que Fury tentasse fazer com ele, eu não podia deixar que Barnes descobrisse sobre o que aconteceu no nosso passado. Eu faria de tudo para protegê-lo daquela memória. 

—WL– 

Eu já estava me revirando na cama há horas desde que fui me deitar. Novamente.

Quando olhei no relógio vi que já eram 2:23. Não podia acreditar que estava tendo outro episódio de insônia, eu ainda me lembrava da última vez que isso aconteceu, daquela vez havia sido por causa das minhas lembranças que apareciam constantemente em forma de sonhos à noite, agora não era diferente. 

Às vezes era tão difícil dormir.

Desisti de procurar uma posição confortável na cama e decidi fazer aquilo que sempre faço nessas horas em que o desespero bate: comer. Mais especificamente roubar os biscoitos de Stark que eu tinha esperança de que ainda estivessem no armário.

Lá estava eu novamente, andando silenciosamente pelos corredores escuros até a cozinha. Para minha sorte, sim, ainda haviam biscoitos guardados em um pote que não tive muitos problemas em pegar mesmo estando no alto - mais uma vez fiz uso das minhas habilidades para benefício próprio -, tive que me conter para não comer todos, pois Stark ficaria muito irritado se não sobrasse nenhum pra ele. E eu também não queria que ele descobrisse que eu andava a roubar biscoitos.

Depois de tomar um copo de água, resolvi que já estava na hora de voltar pra cama e mais uma vez torcer para conseguir adormecer. Estava a caminho das escadas quando parei subitamente ao ouvir vozes na sala ao lado. Sei que é errado ouvir conversas alheias, mas, desculpa, mundo, eu sou xereta.

Não demorei para identificar as vozes como sendo de Steve e Natasha, que tentavam ao máximo manter a conversa discreta enquanto conversavam em vozes baixas. Mas sinto em dizer que isso não funciona comigo, a grande Melanie Howell que adora bisbilhotar segredos.

— Até quando Fury vai esconder coisas de nós? — Rogers parecia zangado, o que era meio surpreendente para mim, já que dificilmente o via nesse estado.

— Você sabe como a S.H.I.E.L.D. é, Rogers, achei que já estivesse acostumado. — Natasha estava apenas agindo como a Natasha, nada de surpreendente.

Steve passou a mão nos cabelos, como se estivesse procurando uma maneira de pensar.

— Então aquele prisioneiro era um agente importante da Hidra? Ao menos descobriram o nome? — Arregalei os olhos quando ouvi o que ele disse, na hora percebi de quem estava falando: Sasha Yurievna Volkovna, que fugiu há poucos dias de um tribunal quando foi resgatada por seus comparsas da Hidra, que fizeram várias pessoas de refém no dia em questão e depois explodiram o local, algo que apareceu ao vivo em um noticiário e deixou muitos chocados.

— Nick Fury não quis me revelar muito, apenas disse que era uma mulher chamada Sasha — respondeu Natasha e, eu podia estar enganada, mas jurava ter sentido um pouco de frustração vindo da voz dela também.

Presumi que Nick não quis contar muitos detalhes sobre Sasha porque isso implicaria em revelar coisas sobre mim também, já que nós estávamos interligadas. Por dentro eu agradecia por isso, agora não era a melhor hora para os Vingadores descobrirem sobre meu passado. Mesmo que Natasha já tenha conhecimento dele, ela não podia descobrir sobre o quão envolvido Bucky também estava nele.

— Como ele espera que trabalhemos assim? Nem ao menos sabemos contra quem estamos lutando. — Steve parecia realmente nervoso, quer dizer, ele era acostumado a fazer as coisas de outro jeito, ele era das antigas - literalmente -, imagino como essas situações que Nick cria devam ser difíceis para ele. 

— Devemos confiar em Fury — disse Natasha, mas parecia que até ela não tinha tanta certeza disso. — E quanto àquela conversa de hoje mais cedo... 

— Não — Steve a interrompeu. Ok, pelo jeito o negócio é sério, nunca vi o Steve Cavalheiro Rogers interromper uma mulher no meio da fala. — Já falei pro Fury que isso não vai acontecer e que ele deve tirar essa ideia da cabeça.

— Eu sei que é complicado, mas talvez você devesse recons...

— Não — interrompeu de novo. — Não concordo com isso, já disse para deixar o Bucky em paz. 

"Espera, o que o Bucky tem a ver com isso?" pensei me aproximando mais para ouvir melhor, tomando cuidado para não ser descoberta.

— Às vezes você sabe ser teimoso, Rogers — resmungou a Romanoff. — Ao menos converse com ele, Nick quer que ele participe das missões por alguma razão. 

Missões?! 

— Sim, ele me disse que seria saudável para Bucky participar das missões da S.H.I.E.L.D., pois assim ele poderia se reintegrar à sociedade e ter a chance de se redimir pelos seus pecados — disse o que parecia ser uma fala repetida de algum discurso de Nick. — Eu sei as verdadeiras intenções dele por trás disso, ele quer tentar arrancar qualquer informação que Bucky tenha sobre a Hidra. 

Massageei minha têmpora direita me sentindo estressada com tudo o que eu ouvia. Nick Fury tem merda na cabeça, só pode, de onde ele tirou essa história de enviar Bucky para missões da S.H.I.E.L.D.? E pior ainda, transformar ele em um agente? O que ele está planejando exatamente? 

É óbvio que é como Steve disse, Fury só quer conseguir informações úteis sobre a Hidra, mas eu não entendo por que ele acha que a melhor forma de fazer isso é mandando Barnes em missões. A não ser que... Ah, claro, como não percebi, Fury planeja fazer Bucky entrar em contato com a Hidra de alguma forma, desse jeito as suas memórias se ativariam, já que seu plano A, no caso eu, não deu muito certo. 

Era um plano perigoso que poderia acabar em muita merda, mas Nick adora esse tipo de risco. De quebra ele ainda teria mais um soldado forte na sua tropa que poderia ser uma arma valiosa na luta contra a Hidra. Idiota, mas esperto até um certo ponto. Nick com certeza estava desesperado para reativar as memórias de Bucky e Steve estava fazendo de tudo para proteger o amigo, o que explica por que o diretor ainda não apelou para métodos mais drásticos, como experiências médicas e científicas.

"E agora eu estou no meio dessa história toda, obrigada, Fury" pensei com ironia.



Notas finais do capítulo

Sim, parei aqui, mas já escrevi o primeiro trecho do próximo capítulo, então sem desespero kkkk

Sei que talvez o tamanho do capítulo não parece que compensa todo esse tempo parado e o enredo pode parecer meio parado por enquanto, mas estou seguindo o roteiro que criei e resolvi escrever o tamanho normal dos meus capítulos.

O que estão achando da história? Tem alguma opinião? Dúvida? Crítica? Por favor, digam nos comentários

Senti saudades de Winter Love e de vocês aaaaa

Bjss!! Até o próximo ❤️

P.S.: são quase 5 da manhã, preciso dormir kkkk estava escrevendo até agora, então me avisem nos comentários se houver algum erro e me perdoem tbm



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Winter Love" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.