O Outro Lado Da Historia escrita por LittleGirl


Capítulo 14
Capítulo 14


Notas iniciais do capítulo

Novo capitulo. Espero que gostem.



POV Tris

Eu me lembro da primeira vez que ele me beijou e me disse que era só por estar entediado. Agora eu sei que ele podia ter me beijado por era isso. Eu fiquei surpreendida com esse beijo. A diferença entre esse e o outro beijo era bem simples: eu estava correspondendo.

Os barulhos de fundo eram quase inaudíveis, eu não conseguia ver nada, devido aos meus olhos fechados. Botei minha mão em sua nuca e o puxei mais para mim. Eu senti ele sorrindo. Ele pediu passagem com sua língua e eu acabei deixando. Eu não sabia a razão, mas eu estava me entregando aquele momento.

Aquele local era o pior sítio naquele momento, pois estava de dia e qualquer pessoa poderia passar, ver aquela cena e sair contando. De repente me lembrei de Tobias e de meu acordo com Eric, e encerrei o beijo. Olhei para ele e nossos olhares se cruzaram, eu não sabia o que falar já que nem eu sabia o que havia sentido com aquele beijo.

Tris: Não devíamos ter feito isso. Eric é seu amigo. - Desviei um olhar para outro lugar.

Peter: Eu sei, mas você não tem ideia do quanto é difícil saber que um amigo meu está namorando a garota que eu me apaixonei.

Tris: Isso não devia ter acontecido.

Peter: Eu não tem nem aí para se isso devia ter acontecido, eu só queria que acontecesse. E se eu quiser eu faço de novo, olha só. - Disse, me beijando de seguida e pela segunda eu correspondi.

Parei o beijo e fui embora, sem dizer uma única palavra. Senti seu olhar pousado em mim, mas eu não sabia como reagir, nem sabia dizer se eu tinha gostado do beijo.

POV Peter

Finalmente eu tive coragem de falar a Tris o que eu sinto por ela, beijei ela e ela me correspondeu. Depois que ela foi embora, apressada, eu fiquei sorrindo igual um idiota apaixonado, porque era isso que eu era: um idiota apaixonado por Tris Prior. Eu teria que me lembrar de agradecer a Molly, afinal se não fosse ela, esse beijo nunca teria acontecido.

_______________________________________________________

POV Savannah

A dor era imensa, eu não sei se aguentaria. Essa não era a primeira coisa que eles faziam comigo para que eu me aliasse a eles. Já fiquei sem nada… água e até mesmo comida. No entanto, eu nunca me renderia a Jeanine, nem sob mais tortura ainda.

Mas essa dor me fez lembrar quantos anos eu estava naquela cela: desde que eu nasci. Eu me lembrava. Depois de meu nascimento, eles me colocaram nessa cela. Eu nunca vi o mundo fora dali, sempre estive rodeada de paredes, amarrada, impossibilitada de eu escapar dali. Eu me lembrava das noites em que eu chorava por nunca ter feito nada. Eu também sabia da existência de cinco facções, mas, durante dezasseis anos, a única que eu vira foi a Erudição. Nunca vi o céu nublado ou aberto ou vi o sol, nunca tive um único amigo, nunca tive um primeiro amor. Nunca tive uma vida.

Isso me fazia pensar se algum dia eu sairia dali. Parecia aqueles filmes antigos que um dia ouvi algumas garotinhas falarem: um conto de fadas em que a princesa espera o cavaleiro, que vem salvar a princesa da torre. O cavaleiro demora anos e a princesa vai perdendo a esperança aos poucos.

Era exatamente isso, a única diferença é que eu já não tinha nenhuma esperança de sair daquele lugar, nem de ver a vida lá fora…

_______________________________________________________

POV Jeanine

Fui até a cela de Caleb e Cara. Quando lá cheguei ouvi uma parte da conversa deles e percebi que o chip de amnésia deu certo. Abri a porta e fingi uma cara surpresa.

Jeanine: O que vocês estão fazendo aqui?

Cara: Quem é você?

Jeanine: Como assim “quem sou eu”? Eu sou Jeanine Mathews, a líder dessa facção e vocês são meus braços direitos. Vocês não se lembram de nada? - Fingi uma expressão chocada.

Caleb: Você sabe nossos nomes?

Jeanine: Mas é claro. Seu nome é Caleb e o seu é Cara. Vocês faziam tudo o que eu dizia ou colocavam alguém para o fazer. O que eu vou fazer sem vocês?

Cara: Eu não me lembro de nada. - Disse, como se ela quisesse que eu perdoasse ela por isso.

Jeanine: Não se preocupa, Cara. Podemos recomeçar tudo. - Falei. - Mas agora vocês precisam descansar. Vou pedir que vos acompanhem aos vossos quartos.

Depois que ele foram embora, eu sorri vitoriosa. Isso tava dando certo. Caleb e Cara estavam a meu serviço e, não tarda, Savannah também tará.

_______________________________________________________

POV Robert

Foi fácil demais. Segui Christina, esperando que ela pegasse em alguma bebida. Assim que ela pegou numa, eu fui até ela e comecei uma conversa.

Robert: Oi. Christina, certo?

Christina: Certo. E você quem é?

Robert: Robert. Sabe eu tenho reparado em você faz muito tempo. - Durante o tempo que eu falava com ela, eu coloquei um sonífero na bebida dela sem ela perceber. - Bom eu só queria dizer isso. Tenho de ir.

Fiquei rondando ela, obvio que ela não sabia de nada, e quando o sonífero fez efeito, peguei nela e a levei para o meu apartamento. Tirei a sua roupa, deixando-a apenas com sua roupa íntima e fiz o mesmo comigo. Agora era vez de Tasha fazer a parte dela.

_______________________________________________________

POV Eric

Max me chamou em sua sala pela segunda vez nesse dia. A primeira vez que ele me chamou foi apenas para me perguntar se eu tinha achava que Tris estava qualificada para o cargo de líder.

Eric: Chamou? - Perguntei a Max, assim que entrei em sua sala.

Max: Sim. Feche a porta. - Disse. Fechei a porta e fui até ele, me sentando na cadeira que se encontrava na sua frente. - Jeanine veio aqui hoje, ela veio fazer uma proposta de nos aliarmos a ela, para atacar a Abnegação.

Eric: Você vai aceitar?

Max: Já aceitei, mas não foi pelo poder que dividiríamos com Erudição, foi por outro motivo. - Fiz uma cara de confuso. - Ela falou que, na Erudição, tem uma pessoa que nos pode ser útil: Savannah.

Eric: Por quê ela não deu um fim nela?

Max: Porque Jeanine precisa dela, assim como nós. Então, vai ser assim: vamos dar um jeito de tirar ela de là, trazer ela para aqui e vamos usá-la a nossos proveitos.

Eric: É um ótimo plano. Agora, como entramos là?

Max: Amanhã, durante a noite. Vamos você, eu e Tris.

Eric: Ela nunca vai aceitar. É certinha demais.

Max: Dizemos que estão fazendo experimentos com Savannah, é não mencionamos nem o ataque nem o que pretendemos fazer com Savannah, entendido?

Eric: Eu acho que isso não vai dar certo, mas tudo bem. Eu falo com ela. - Disse, me levantando e saindo.

Eu tinha que convencer Tris a ajudar eu e Max a trazer Savannah, mas era como Max disse: não falar nada sobre as verdadeiras intenções. Espero que seja mais fácil do que eu imagino.

_______________________________________________________

POV Tasha

Jà estava tudo pronto, agora só precisava de encontrar Will. Procurei ele durante uns vinte minutos, até que finalmente achei ele. Lhe falei que tinha que lhe mostrar uma coisa e que, depois disso, nunca mais me o incomodaria, foi o suficiente para ele me acompanhar. Caminhamos até o apartamento de Robert e eu abri a porta com a chave que ele me havia entregado.

Will: Christina! - Gritou, fazendo a mesma acordar.

Ele parecia desapontado, indignado, já eu, eu me sentia feliz por isso. Christina tinha uma expressão que era uma mistura de confusão e terror, o que me fez sorrir mais ainda.

_______________________________________________________

POV Tris

Fui para o meu apartamento, sem conseguir esquecer o beijo. Ele não saía de minha cabeça e estava me deixando louca. Por impulso, saí de meu apartamento apressada e procurei por Peter. Quando o encontrei, ele estava sozinho e eu caminhei até ele.

Peter: Olha só, se você veio até aqui para me dar um tapa, força. - Disse, quando me viu.

Tris: Cala a boca. - O beijei.

Ele pareceu surpreso, mas rápido correspondeu ao beijo. Foi um beijo calmo, porém parecia um beijo apaixonado, que eu não queria que terminasse de jeito nenhum.

Peter: Eu te amo. - Sussurrou ele, durante o beijo.

Paramos o beijo assim que ouvimos que alguns Audaciosos passariam ali.

Peter: Vem comigo. - Sussurrou.

Fui com ele e percebi que ele estava me levando até seu apartamento. Chegando lá, ele me beijou de novo e ficamos assim durante muito tempo.

_______________________________________________________

POV Tobias

Por fim, decidi ir até a sede da Abnegação, mas claro sem ninguém saber disso. Ao chegar lá, não vi ninguém e quando eu estava quase a voltar para a Audácia, ouvi a frase “É bom ver você de novo meu filho.”. Olhei para trás de mim e vi a última pessoa que eu esperava voltar a ver na minha vida…

Tobias: Mãe?

A pessoa que estava a minha frente era ninguém enos que minha mãe.



Notas finais do capítulo

Momento Petris.
Espero que tenham gostado.
Até segunda.
Beijos.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Outro Lado Da Historia" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.