Kiss me in the Rain escrita por Daredevilosa


Capítulo 12
Capítulo 12


Notas iniciais do capítulo

Pra menina que tinha pedido mais de Clint com a família dele: Presente pra você!!!
Pras romanogers: Quando romanogers ficar junto, a fic acaba, migas, então né, guenta aí.



Clint estava muito feliz por estar no jato, a caminho de casa. Ele ainda estava comendo a maçã que furtou da Natasha, enquanto pilotava. Ele ativou o modo silencioso de voo, não avisou pra esposa que estava indo pra casa, ele gosta de fazer surpresas pra ela e para as crianças. O brilho nos olhos deles é incomparável quando são pegos de surpresa.

Ao pousar no campo de sua fazenda, ele abriu o compartimento superior e pegou 3 presentes, antes de sair do avião olhou ao redor pra ter certeza que ninguém o tinha visto chegar.

Ele foi para trás da casa, onde Laura sempre planta flores e colheu as melhores que achou.

Uma pequena figura de trança estava rodopiando dentro da sala e resolveu ir até a varanda e viu seu pai agachado colhendo flores. Ela se debruçou sobre o guarda-corpo e ficou olhando ele.

Clint ouviu o barulho dela e olhou pra cima.

C: Oi docinho. Shhh

Clint fez sinal pra ela ficar quietinha e ela consentiu com a cabeça.

Lila: Trouxe algo pra mim?

Aqueles olhinhos da pequena Lila Barton. Clint era um pai muito coruja.

C: Acha que esqueceria da minha pequena bailarina?

Lila sorriu.

C: Agora vai lá pra dentro e não conte que estou aqui.

Lila saiu correndo pra sala, gritando.

Lila: Mamãe, mamãe, papai está aqui, mas disse pra não contar.

Clint franziu a testa, pegou suas coisas e entrou em casa. Nathaniel andando segurando no sofá pra não cair. Clint quase enfartou ao ver o filho andando.

C: Meu Deus, Nate. Você aprendeu a andar. Que tal tentar andar até o papai?

Clint esticou os braços pra ele. Nathaniel ou Nate, como Clint o chama, abriu um sorriso e apontou pro Clint.

Nate: Papa

C: Isso, garotão. É o papai. Vem, vem.

Nate deu dois passos na direção do Clint e caiu sentado, Laura chegou logo em seguida.

Laura: Ele só anda apoiado nas coisas.

Clint se levantou e olhou pra sua esposa.

C: Mas, amor, ele acabou de andar, foi muito rápido, mas ele estava vindo pra mim.

Nate começou a chorar. Não por ter caído, mas porque a atenção não estava mais voltada à ele. Laura o pegou no colo e foi até Clint e lhe deu um selinho.

Laura: Senti sua falta.

C: Eu também, meu amor.

Clint pegou o Nate do colo da Laura e o sacudiu no ar.

C: Vamos parar de chorar.

Lila correu em volta do pai.

L: Meu presente, meu presente.

C: Ah é! Já ia esquecendo.

Clint pegou o presente de Lila e ela saiu rasgando o embrulho, ficou super animada com a nova boneca.

Clint pegou o presente de Cooper mas não o avistou em lugar nenhum.

C: Amor, cadê o Cooper?

L: Hum, no quarto dele.

C: No quarto dele? Fazendo o quê?

L: Acho que no computador dele.

Antes que Clint começasse a reclamar, Laura foi até ele e deu vários selinhos nele. O combinado era que as crianças só teriam contato com tecnologia quando crescidos.

L: Amor, calma, você tem que entender. Ele é o único da turma sem celular e que não tem um notebook em casa. Essa idade que ele está agora, é complicada. Você não está em casa pra lidar com as crises dele.

C: Crises?

L: Crises de adolescente. Não quer fazer nada, tudo é culpa minha ou sua. Ele odeia a fazenda, odeia os irmãos e... Enfim.

C: Amor é tudo culpa minha. Você fez o que achou certo. Mas ele sequer veio me ver, ele sempre vem.

L: Seria bom vocês conversarem.

C: Ficarei mais tempo em casa, amor. Segura ele aqui um minuto e segura isso também.

Laura pegou Nate e as rosas que Clint colheu.

L: Você roubou minhas rosas?

C: Não, não, eu colhi para te dar.

L: Clint você não sabe mexer com jardinagem, eu te disse.

C: Amor, amor. Deixa pra agradecer depois.

Clint pegou o presente de Nate e subiu as escadas correndo.

L: Eu não estou agradec...

Laura revirou os olhos porque Clint já tinha sumido.

Clint subiu as escadas correndo e bateu na porta.

Cooper: Vai embora.

Clint entrou no quarto.

C: Hey campeão. É assim que cumprimenta seu velho?

Cooper: Tanto faz.

C: Tanto faz?

Clint sentou perto do filho e falou da forma mais calma que conseguiu.

C: Cooper, eu sei que não ando presente.

Cooper: Você nunca está!

C: Eu sei, você sabe que eu tenho um trabalho.

Cooper: É, você é um Vingador mas eu só queria o meu pai. Você prometeu que estaria aqui pro meu aniversário.

C: Cooper, você tem toda razão, andei ocupado com o mundo e deixei de lado o que era mais importante na minha vida. Você, seus irmãos e sua mãe. Eu só não podia deixar que o mundo fosse destruído, aí não teria vingadores, nem a nossa fazenda, nem sua mãe e nem eu. Eu sinto muito por ter perdido seu aniversário. Não posso prometer que nunca mais perderei, mas prometo que vou me esforçar pra que não aconteça de novo.

Cooper: Natasha veio com você?

Clint estranhou a pergunta, porque quem se interessava pelas visitas da Natasha era a Lila.

C: Não, ela ficou lá.

Cooper: Com aquele doutor, né?

C: Não, não, eles não estão mais juntos.

Clint notou um pequeno sorriso no rosto de Cooper e ficou pasmo ao notar que ele também estava vermelho.

C: Você não acha que ela é muito velha pra você, rapaz?

Cooper: O que?? Pai, não.

C: Natasha tem idade pra ser sua mãe, moleque. Já tive sua idade, vai fantasiar com meninas da sua idade, rapá. Como é mesmo o nome daquela garota que vive te olhando?

Cooper: Pai, não. Ela é estranha.

C: Vou te contar um segredo. As meninas estranhas são as melhores pessoas. Nunca te entediam. Vai por mim.

Cooper: Então a mamãe é estranha.

Clint levantou e deu um tapinha na nuca dele.

C: Mais respeito, menino.

Clint seguiu para o quarto dele e entrou no banho. Ao sair, com uma toalha enrolada na cintura, ele deparou com a Laura perto da cama. Ela o olhava de uma maneira um tanto sedutora.

C: Amor...

Laura se aproximou, colocando os braços no pescoço de Clint e espalhou beijos pelo rosto dele até alcançar a sua boca.

C: Ham... amor...

L: Shhhhiii...

Laura continuou provocando Clint, até ele segurar as mãos dela e as afastar.

C: Amor você está grávida.

L: E daí?

C: Amor tem um bebê, tem um bebê dentro de você.

L: Clint!

C: Eu não posso, não quero machucar o bebê.

L: Você não vai. Clint, a barriga mal está aparecendo, você sempre faz isso e eu sempre digo que não tem problema. Por favor, eu estou com desejo de grávida.

C: Ah é? E o que você quer comer? Eu vou fazer ou comprar pra você.

Laura trancou a porta do quarto e botou a chave dentro do sutiã.

Clint engoliu seco, ele nem tinha notado o quanto ele já estava excitado. Ele tinha uns medos absurdos de vez em quando, mas resolveu deixar esse de lado e satisfazer o desejo da sua esposa.

...

Enquanto isso, Steve veste sua roupa e vai até a sala de reunião onde estavam Hill, Tony e Pepper. Ele quase quebra a porta ao abri-la.

S: Pra onde ela foi?

Tony e Hill se entreolham confusos.

T: Quem, Dorito?

S: Natasha. Pra onde ela foi?

T: Natasha? Ela não está hospitalizada e...

Tony para um momento e reflete sobre a cena de Steve carregando a Natasha e se recusando a sair de perto dela.

H: Ela deve estar no quarto dela.

S: Você sabe muito bem que não! Pra onde ela foi?

T: Hey, hey, você está muito exaltado. O Banner já viu toda essa sua preocupação com a namorada dele?

Steve o olhou sem jeito.

Pepper: Tony!

Tony percebeu que não devia falar sobre Natasha e Banner pro Steve, ainda mais na frente da Hill. Algum sentimento estava rolando ali. Hill que não é boba nem nada, pescou algo no ar.

H: Natasha está em uma missão da SHIELD, capitão. Tem algum problema?

S: Ela devia estar em repouso.

H: Bem ela estava se sentindo melhor, ela decidiu ir. O que não entendo é o que você tem a ver com isso?

Steve não sabia o que dizer.

P: Na verdade, eu estava precisando da opinião do Steve e da Natasha no projeto do novo anexo que vai ser construído e a nossa reunião estava marcada para hoje, e eu esqueci completamente, certo, Steve?

Pepper inventou na hora percebendo que Steve estava se sentindo encurralado. Steve a agradeceu apenas com o jeito como olhou pra ela. Ele só concordou com a cabeça. Hill não mordeu a isca, mas resolveu não insistir no assunto.

P: Bom, sem a Natasha é melhor adiar a reunião. Os dois líderes tem que estar presentes para não haver discussões depois.

Pepper sorriu pro Steve. Steve concordou novamente com a cabeça e saiu da sala.

Ao sair da sala de reunião, Steve não sabia como ia conseguir dados da missão da Natasha. Hill não ia passar pra ele e Barton estava fora. Ele teria que esperar o retorno dela. Ele não parava de pensar nela e por que ela o deixou pra trás? Podia ao menos ter avisado.

Em pensar que na noite anterior Natasha foi dele, e no dia seguinte ela some sem falar com ele. Oh Rogers, você caiu de novo, Steve pensou. Não dessa vez, Steve concluiu seu pensamento.

Enquanto Steve andava pelos corredores, ele cruzou com a Carol Danvers.

Carol: Capitão.

S: Srta. Danvers, por favor, me chame de Steve.

C: Então me chame de Carol.

Steve sorriu.

S: Okay, Carol. Me desculpe, eu mal tive tempo de preparar um local pra você ficar. Espero que tenha sido bem tratada.

C: Sim, senhor. Tony e Clint me arrumaram uma vaga no alojamento.

S: Tenho que reportar ao exército americano o seu resgate, eles devem sentir sua falta.

C: Aposto que sim, senhor. Mas eu queria saber se posso ficar.

S: Ficar aqui? Com os Vingadores?

C: Sim, eu posso ajudar, admiro o que estão fazendo e entrei pro exército com o mesmo propósito de vocês. Proteger os cidadãos americanos.

S: Nós não protegemos somente os americanos, Danvers. Digo, Carol.

C: Sim, eu sei e é por isso que quero me unir a vocês.

Steve a olhou pensativo.

S: Bom alguém com suas habilidades será de muita ajuda no nosso time.

C: Então é um sim?

S: Vamos arrumar um quarto de Vingador pra você.

C: Obrigada, obrigada.

Carol pulou em cima do Steve o abraçando. Steve ficou sem jeito porque não esperava, mas sorriu. Carol tinha alguma coisa que o fazia se sentir bem. E não, não era nada com teor romântico e sim fraternal. Quando ele a resgatou, ele automaticamente se sentiu responsável por ela, como um irmão mais velho. Carol se sentia da mesma forma com Steve.

Quem testemunhou esse abraço foi Sharon, que interpretou a cena no teor romântico e ficou chateada. Ela se virou para ir embora, mas Steve a viu.

S: Sharon!

Sharon se virou e esperou Steve a alcançar.

Sharon: Rogers.

Steve estranhou ela o chamar de Rogers, mas não deu importância, ele não sabe ler mulheres.

S: Queria me desculpar por ter voltado e não ter te procurado.

Sharon: Só isso? Ok, tchau.

Sharon ia virando, mas Steve segurou seu braço.

S: Hei, me desculpe mesmo. Não queria desapontá-la.

Sharon: Quem era aquela?

S: Quem?

Sharon: Aquela mulher que você resgatou e estava te agarrando.

S: Carol? Ela não me agarrou. Ela quer ser uma vingadora.

Sharon: Oh e é você quem vai transformá-la em uma?

Steve agora notou a agressividade de Sharon.

S: Ela acabou de chegar, passou um tempo como prisioneira, sofrendo inúmeras experiências e você se preocupa se sou eu que vou transformá-la em vingadora?

Sharon se sentiu mal com ela mesma.

Sharon: Desculpe.

S: Tudo bem.

Sharon: Steve?

Steve a olhou.

Sharon: E o nosso encontro?

S: Encontro? Ah o café... Bem, a essa hora está fechado. Mas podemos jantar.

Sharon: Ótimo. Fico pronta em 10 minutos.

Steve suspirou enquanto Sharon desaparecia pra se arrumar. Não, ele não queria sair hoje, ele queria ir atrás da Natasha. Mas Natasha não se importou em deixa-lo pra trás. Pro Steve, Natasha e Bruce ainda namoram. Steve raciocinou que ele deve suprimir qualquer sentimento ou pensamento sobre Natasha. Então sim, ele vai sair com a Sharon e vai tentar curtir a noite. Não pode ser tão ruim assim.