Memórias Perdidas escrita por Flor


Capítulo 8
Eu darei a minha vida


Notas iniciais do capítulo

Sumi? Sumi.
Alguma culpa? Sim:
Escola? Sim
Bloqueio criativo? Sim.
Final de bimestre? Sim.
Semana de prova? Sim...

Mas o importante é que eu voltei e voltei super feliz.

EU RECEBI MINHA TERCEIRA RECOMENDAÇÃO!!!!!

Cara...#SemPalavras.
Muito obrigada a marizinha, que recomendou a fic e sempre comenta os capitulos. Vc não tem ideia da felicidade que eu fiquei quando eu vi a sua recomendação...Então, nada mais justo, do que eu dedicar o capitulo para você!
E para todos os que comentaram tbm.

Agora vamos ao cap.



Torre dos Vingadores;

Nova York.

Seis meses depois do nascimento de Annabeth.

Steve entrou na sala de treinamento da Torre, ela geralmente era usada apenas pelos Vingadores ‘’oficiais’’, principalmente pelos que trabalhavam diretamente na SHIELD. Ele sabia que Natasha estaria ali, treinando.

Assim que entrou no lugar, ele ouviu uma música suave ao fundo, algo comum em todos os cômodos da Torre ultimamente. Ele pôde ver a ruiva treinando com um saco de boxer. Um pouco mais afastada de onde a ruiva estava, se encontrava Annabeth.

A bebê estava em um bebê conforto e estava virada para a mãe, ela prestava atenção em todos os movimentos da mãe e,desde que havia descoberto que tinha pés, quase sempre, colocava-o na boca, para morde-lo.

_Eu já disse que não gosto que você treine, você deu a luz a pouco tempo.- O Capitão resmungou, dando um selinho na esposa. Ele caminhou até sua filha e a pegou no colo, a pequena deu um gritinho animado.

_Menos, Capitão...O médico falou que eu podia voltar a fazer exercícios um mês após o nascimento da Annie e já se passaram seis meses.- A ruiva resmungou, sentando-se no chão e bebendo um pouco de sua água.- E o soro da Viúva ajuda muito.

Annabeth se remexia no colo do pai, não conseguia ficar parada. Em um certo momento ela bateu sua cabeça, contra a de seu pai, resultando em seu choro.

_Meu amor, tenha mais cuidado...- O Cap falou, massageando delicadamente a testa da filha.- Pronto, pronto, passou...- Ele deu um beijo na testinha da pequena, que estava com uma leve vermelhidão.

_Você comentou com Tony sobre colocar a Annie em um convento?- Natasha perguntou indiferente, se levantando e ficando cara a cara com o marido, que recuou alguns passos, por instinto.

_Pode ser que eu tenha comentado alguma coisa...Por que?

Natasha sorriu, pegou Annabeth de seu marido e a colocar novamente no bebê conforto. Ela voltou a olhar para o marido e sorriu cinicamente.

_Porque ontem a noite, a madre superiora de um dos conventos mais afastados de Nova York, me ligou e disse que ficaria feliz em aceitar minha filha como uma de suas noviças...Tem algo a dizer em sua defesa, Sr. Rogers?

Steve arregalou os olhos.

_ESTÁ BEM, TONY, EU JÁ ESTOU INDO!- O homem gritou, antes de sair correndo, deixando sua mulher para trás.

_Está vendo, querida? É assim que se assusta um homem como o Capitão América.- Natasha soltou uma risada, ela voltou para a filha, voltando a colocar o cinto de segurança. Annabeth soltou uma risada, tombando sua cabeça para trás.

A espiã voltou a treinar. Ela teria uma séria conversa com seu marido, quando voltasse para seu andar.

[...]

Natasha saiu do elevador e foi direto para a sala de jantar do andar principal. Depois de treinar, ela tomou um belo banho e resolveu algumas coisas pendentes. Ela apenas viu que já era a hora do jantar, quando JARVIS a avisou que todos já estavam reunidos, hoje eles teriam a companhia dos Novos Vingadores, que vinham todas as semanas para ver Annabeth.

Ela entrou na sala de jantar e sentou-se ao lado de Steve, colocando Annabeth na cadeirinha.

_Boa noite!- Ela cumprimentou todos, os demais a cumprimentaram de volta.- Pietro, você levou a Annie no mercado hoje, espero que ela tenha se comportado.

Annabeth já estava naquela fase de mexer e bulbuciar por tudo. Na tarde daquele dia, Pietro pediu para levar Annabeth ao marcado. Natasha permitiu, ela era sim uma mãe protetora, mas Annie quase nunca saia da torre e a espiã e seu marido concordavam que isso era ruim para um bebê, então sempre que tinham uma oportunidade de tira-la do prédio, eles deixavam...Mas é claro que sempre passavam mil e uma recomendações.

_Maravilhosa...- O gêmeo de Wanda respondeu.- Além do mais, um homem com uma bebê fofa, parece atrair milhares de mulheres, consegui o número de 4, só com a Annie.

Steve largou o garfo e olhou para o rapaz, com um ar de deboche.

_Está usando minha bebê para conseguir mulheres?- Ele perguntou, vendo Pietro dar de ombros.

_O que posso fazer? Annie parece um imã para mulheres, todas caem de amores por ela e por mim, é claro.

_É verdade.- Visão concordou.- Segundo uma pesquisa, as mulheres tendem a achar um homem mais atraente se ele estiver com um bebê.

Sam olhou para todos, antes de se debruçar sobre a mesa em direção à Annabeth.

_Annie, amanhã você vai no mercado comigo.

Todos na mesa riram quando a pequena soltou risada e bateu as mãos na ‘’tampa’’ da cadeirinha.

_Fury ligou.- Tony falou. Todos desviaram sua atenção da bebê e começaram a prestar atenção no Homem de Ferro, que estava estranhamente sério.- Parece que a Hidra está atacando novamente...

_Ela nunca deixou, na verdade.- Steve resmungou tomando um gole de seu vinho.

_Eu sei, mas Nick pediu para redobrarmos a segurança...Ao que parece, eles estão a um passo de descobrir que a Annie é filha de vocês dois.- Ele continuou, se referindo ao casal Rogers.- Ele pediu para mantermos a Annie fora da sociedade...Mandá-la para longe.

_Tá querendo dizer que ninguém pode conhecer minha filha?- Natasha perguntou descrente. Todos ficaram em silêncio, ninguém ousou a responder a pergunta. A espiã se levantou bruscamente, assustando sua filha. Natasha a pegou no colo e começou a acalma-la. – Não vou mandar minha filha para lugar nenhum...Se ela for, eu irei também.

A ruiva saiu da sala, deixando todos preocupados. Steve foi o primeiro a se levantar para ir atrás de sua esposa. Era verdade que ele tinha considerado a ideia de mandar sua filha para um convento, mas isso era apenas para deixa-la longe dos meninos, mas de maneira nenhum, nem na última das hipóteses, ele mandaria sua única filha para longe deles.

O Capitão entrou em seu quarto e encontrou Natasha deitada em sua cama, com um travesseiro em seu rosto.

_Onde está a Annie?- O loiro perguntou.

_Dormindo.- A mulher respondeu, sua voz era abafada pelo travesseiro.

_Nat...Nós não precisamos mandar a Annie para longe, só precisamos ter mais segurança.

Natasha tirou o travesseiro de seu rosto e sentou-se, encarando o marido. Seu rosto demonstrava frieza e medo. Mas ela ainda era a temível Viúva Negra e ela não deixava-se abalar por qualquer coisa.

_Mais segurança? – A mulher perguntou irônica.- No nosso trabalho, a palavra ‘’segurança’’, não existe.- Natasha levantou-se e ficou cara a cara com o marido.- Eu sabia que isso ia dar nisso, Steve, eu sabia que esse medo que eu estou sentindo ia voltar...Eles vão pegar nossa filha, Steve, eles vão pegar a nossa Annie.

O Capitão pôde ver que sua esposa estava realmente desesperada, mas ela era orgulhosa demais para chorar, ela preferia descontar sua raiva nele.

Mas Steve preferiu abraçar sua esposa e passar a proteção que apenas ele conseguia passar.

_Eles não vão nos achar.- Ele garantiu, firme.- Nós vamos dar um jeito, juntos...Nossa filha vai continuar conosco e eu não vou permitir que ninguém a machuque.

_Você promete?

_Prometo.

Ambos se beijaram com paixão, selando aquela promessa. Steve guiou sua esposa até a cama, fazendo-os cair na cama. Eles teriam continuado seus planos, se não fosse pelo choro de bebê que saiu pelos auto falantes de JARVIS. O casal riu, separando-se.

_Eu vou buscá-la.- Steve saiu do quarto e voltou alguns segundos depois, trazendo sua filha consigo. A carinha de Annabeth estava vermelha, pela força de seu choro. Ela formava um bico em sua pequena boca.- Olha só, mamãe, alguém está com saudades.

Natasha se ajeitou na cama e riu quando Steve fingiu que jogaria a pequena no colo da mãe. Ele repetiu o gesto varias vezes, isso fez as duas mulheres de sua vida rirem.

Depois ele passou Annabeth para Natasha e deitou-se. A pequena ficou no meio dos pais e, mais tarde, na madrugada, quando ambas já estavam dormindo, Steve continuou olhando-as.

Sua filha chupava sua chupeta personalizada com o martelo de Thor e estava com uma de suas pequenas mãos, agarrada ao dedo indicador do pai.

_Eu darei a minha vida para proteger vocês...- Steve garantiu.- Eu prometo.

E então ele se entregou ao sono...

[...]

Nova York;

Sede da SHIELD;

Tempos atuais.

Annabeth estava parada em frente ao prédio, ela havia saído fugida do acampamento. Ela havia saído de manhã bem cedo, quando ninguém havia acordado. Se Percy descobrisse que ela havia fugido, ele provavelmente causaria um tsunami...

Demorou um pouco para ela encontrar o lugar certo, mas quando achou, lembrou-se de certas coisas. Ela se lembrou de quando entrava e via os agentes treinarem nas...Como elas se chamavam? Ah sim! Sala de Perigo. Ela se lembrava de algumas coisas e isso era bom.

Annabeth entrou no prédio e, sem ao menos ser percebida, entrou no elevador de vidro tranparente. Ela não sabia como ou porquê, mas ela sempre teve uma grande facilidade de fazer coisas sem ser percebida. Isso quando não era tão persuasiva quanto uma filha de Afrodite.

Alguns flashes lhe vieram a memória e logo ela se lembrou de como fazia o elevador se mover. Mas antes que ela fizesse o elevador se mover, a garota ouviu uma voz feminina gritando:

_SEGURA O ELEVADOR, POR FAVOR!

Annabeth colocou a mão na porta, impedindo que o elevador fechasse. Uma mulher entrou e Annie retirou sua mão, permitindo que a porta fechasse completamente. Discretamente, a loira olhou para a mulher que havia entrado.

Ela tinha cabelos morenos e olhos azuis. Ela era esguia e vestia um uniforme, com uma águia em seus ombros. Ela olhava para o tablet em suas mãos e parecia bem focada.

_Andar do diretor...- A morena falou, e logo Annabeth sentiu o elevador começar a subir.- E obrigada, por segurar o elevador.- A mulher agradeceu, desviando seus olhos do tablet e olhando para Annabeth.

A mulher arregalou os olhos e depois franziu as sobrancelhas. Por diversas vezes ela abriu a boca, mas nada saía.

_Moça...Está tudo bem?- Annabeth perguntou, quando percebeu que a mulher começara a ficar branca demais.

_Você não é nova demais para estar aqui?- A mais velha perguntou, medindo a menina de cima para baixo.

_Não estou aqui a trabalho, eu...Vim falar com o meu tio.

_Seu tio?

_Sim...Nick Fury.

As portas do elevador se abriram. Annabeth foi a primeira a sair, mas ela sentiu que estava sendo seguida, apressou o passo, mas não adiantou muito.

_Hey, menina! A sala do direto Fury, é pra cá...- Annabeth se virou e viu a mulher apontando para uma porta de aço. A garota parou um pouco, bem...Ela não tinha nada a perder mesmo. Andou até a porta, agarrando a maçaneta. Ela respirou fundo, toda sua vida poderia ser resolvida e isso a deixava ansiosa.- A propósito, meu nome é Maria Hill.

Annabeth assentiu e entrou na sala.

A sala dispunha da melhor tecnologia e isso fez Annabeth sentir uma pitada de inveja. Aquilo parecia um sonho para qualquer filho de Atena, seus irmãos ficariam loucos ali...E então ela se lembrou que não tinha nenhum irmão e que ela não era uma filha de Atena.

Sentado em uma mesa, estava um homem com um tapa-olhos horripilante. Ele estava todo de preto, como aqueles agentes de filmes que ela costumava a assistir. Ele estava concentrado em alguns papeis que pareciam bem importantes.

_Com licença...-Annie pediu.

O homem levantou a cabeça e se surpreendeu ao ver a garota em sua frente. Na maioria das vezes, ele conseguia identificar quando uma pessoa que entrasse ou se aproximasse de sua sala e de si mesmo...A não ser, é claro, que isso não acontecia com Natasha...Ela era uma ótima espiã, foi treinada para ser a melhor.

_Eu não costumo ser religioso.- O homem comentou, levantando-se.- Mas eu preciso dizes...Santo Deus!- Ele exclamou por fim.

Alguns flashes da infância de Annabeth começaram a atingir-lhe e ela sentiu seus olhos lacrimejarem.

_Tio Nick, me conta a história dos Vingadores?- A pequena loirinha perguntou.

Ela usava um vestido rosa bebê e seus cabelos estavam presos em marias chiquinhas, tinha por volta de seus 4 anos. Ela pulava de uma lado para o outro na sala. O homem à sua frente parou de prestar atenção em seu computador e a olhou.

_De novo, Annie? Eu já lhe contei umas dez vezes a mesma história.

_Mas eu gosto de ouvir.- Ela retrucou. Annie correu até o tio e pulou em seu colo.- Por favor, tio Nick, até o papai chegar.

Nick suspirou.

_Ok, só até o seu pai chegar...- E novamente, ele lhe contou a mesma história que ela tanto gostava. A história de como ele uniu os mais poderosos heróis do mundo.

De volta a realidade, Annabeth sorriu com sua lembrança maravilhosa. Uma lágrima desceu por sua face e ela logo tratou de secá-la.

_Tio Fury!

Annabeth correu até o homem e o abraçou apertado. Ele a recebeu de bom grado, apertando-a fortemente.

_Eu não acredito que você está aqui, menina!

Sem ao menos perceber, ambos choravam e riam.

Annabeth começava a ter suas lembranças de volta e isso a fazia feliz.

Fury havia reencontrado a única filha de dois de seus heróis e amigos.

E isso o deixava extremamente preocupado.



Notas finais do capítulo

Gostaram? Odiaram?
Me pediram Romanogers e ai está!
Por que será que o Nick ficou preocupado?

Eu preciso da ajuda de vocês.
Vocês querem que a Annie descubra tudo logo? E depois eu iria focar mais na vida dela antes de tudo acontecer.
Ou vcs querem que eu demore mais um pouquinho?
Ou vcs acham melhor eu ir com calma...
Me deixem nos comentarios o que vcs acham...É importante