Conspiração escrita por Lura


Capítulo 12
X792


Notas iniciais do capítulo

Olá!

Como ainda estou meio atribulada, deixei esse post programado, para acabar um pouco com a ansiedade de vocês.

Eu sinto meio que esse capítulo encerra a primeira parte da fanfic. Calma, ainda não sei em quantas partes ela será dividida. Mas a parte introdutória, encerra aqui. Após este capítulo, teremos um pequeno timeskip.

Como o post é programado, deixo para agradecer os comentários na próxima atualização.

É isso, espero que vocês gostem.



 

Capítulo XI - X792

 

Magnólia - 31 de Dezembro de x791

Já era tradição que todos os eventos festivos fossem comemorados entre os membros da Fairy Tail na sede da Guilda. Como a maioria dos integrantes não tinha família, era convenientemente divertido unir-se aos colegas para que as festividades não passassem em branco.

No Reveillon, não era diferente. Embora as comemorações ocorressem por toda a cidade, com pontos de destaque como a praça municipal, os membros da Guilda costumavam celebrar primeiro na sede, com uma grandiosa festa, e quando o momento da virada se aproximava, todos saiam para o lago, onde administração municipal sempre promovia uma majestosa queima de fogos.

Então, depois da meia-noite, os magos poderiam voltar para a guilda, onde a comemoração prosseguiria até o amanhecer, ou dar volta pelos pontos festivos espalhados pela cidade.

Naquela noite, o salão da Guilda estava uma verdeira baderna. Não de forma negativa. Talvez, de forma positiva até demais. Os magos e visitantes estavam espalhados por todos os lados, rindo, bebendo ou dançando, aproveitando ao máximo da ocasião.

O local estava decorado de forma belíssima. Cortinas, fitas e balões nas cores branco, dourado e prata estavam espalhados por todos os lados. Além disso, diversos magos emprestaram suas magias para que o ambiente ficasse ainda mais especial.

Levy usou sua Solid Script para que palavras otimistas como “amor”, “paz” e “prosperidade” flutuassem pelo salão, em tons brilhantes. Gray contribuíra com diversas esculturas de gelo, e ambientou diversos cômodos do andar superior com o citado elemento. Alguns lugares pareciam verdadeiros palácios gelados.

Também em conjunto com Juvia, moldou diversas fontes decorativas pela Guilda, que foram ativadas lindamente pela magia da mulher chuva.

Assim, a festa de Reveillon da Fairy Tail, que sempre foi aclamada por sua animação, esse ano tabém estava deslumbrante, fazendo com que os olhos dos convidados e até mesmo dos magos anfitriões brilhassem em contentamento.

Mas nem todos os presentes conseguiam se contagiar pela euforia do ambiente. Acomodado em uma das banquetas do balcão, Natsu permanecia quieto, os cotovelos apoiados na superfície de madeira e os dedos entrelaçados, sustentando seu queijo. A aura depressiva que emanava era quase palpável para os que estivessem próximos, mas não era o suficiente para competir com a animação do local.

— Ne, Natsu! - Happy, que estava sentado na bancada, de frente para o amigo, chamou. - Já que você veio, porque não aproveita a festa? - Se arriscou a perguntar. A guilda estava tão incrível que, para o exceed, ver o amigo em situação tão deplorável lhe causava um sentimento de miserabilidade.

— Não estou muito disposto Happy. - Contou o óbvio. - Mas você pode aproveitar sem mim. - Se esforçou para sorrir.

— Se você quiser, podemos voltar para casa. - Sugeriu o gatinho, embora realmente quisesse permanecer na guilda. - Dá para ver os fogos de lá. - Lembrou.

— Não se preocupe, eu vou ficar, só não vou socializar tanto. - Respondeu. - E eu realmente me sentiria melhor se ao menos você aproveitasse a festa. - Desabafou.

O felino encarou o companheiro, complacente. Sabia que, ficar ali, realmente não ia contribuir muito na melhora de seu humor. O que ele mais desejava era silêncio e privacidade, o que contrastava absurdamente com sua presença no evento.

O gatinho azul também sabia que uma das razões para Salamander comparecer e permanecer no ambiente eram as ameaças de Erza. Titânia estava decidida a não permitir que ninguém atrapalhasse, nem mesmo com uma ausência injustificada, a comemoração da guilda. Os meses que sucederam a destruição da Nihil Occultum e o desaparecimento de Lucy tinham sido sombrios demais, e muito desgastantes para todos. Por isso, segundo as palavras da própria ruiva, ela não permitiria que por egoísmo e infantilidade, o mago do fogo e a maga estelar faltassem a festa. Claro que ela não tinha noção alguma da verdadeira dimensão do problema, mas alcançou seu objetivo.

— Você está lembrado que a Lucy virá, certo? - O exceed comentou, testando a reação do amigo.

— Sim. - Natsu respondeu, olhando fixamente para frente.

— E vai ficar bem com isso? Afinal, vocês não se veem desde que… - Começou, mas foi interrompido.

— Eu vou ficar bem, Happy. - Atalhou Dragneel. - E eu quero vê-la, de qualquer forma. Mesmo que apenas de longe. - Confessou. O felino meneou a cabeça em reprovação.

— Você não vai mesmo tentar esclarecer as coisas? - Questionou, revoltado.

— Não. - O mago respondeu, simplesmente.

— Mas Natsu… - Começou outra vez, sendo novamente frustrado.

— É melhor assim, Happy. - Interrompeu o companheiro felino. - O melhor para Lucy é que eu fiquei longe dela. - Concluiu.

O gatinho murchou as orelhas. Conseguia compreender a tristeza do dragon slayer com o término de seu relacionamento com a maga estelar, mas, de forma alguma, entendia de onde provinha a decisão de Natsu sequer tentar esclarecer as coisas. Ele começava a desconfiar de que alguma coisa realmente grave motivava a razão do mago.

— Eu vou dar uma volta. - Resolveu o gato, por fim. Naquele momento, tinha realmente se chateado com o dragon slayer.

Por mais que não devesse se meter, o felino não conseguia aceitar que Natsu e Lucy não estavam mais juntos. Mesmo que ele perturbasse e chantageasse os dois colegas, tinha se sentido realmente feliz no período em que o relacionamento durou. Tinha experimentado um sentimento de integração, como se fosse parte de uma família de verdade.

Mas agora, com toda a confusão provocada em Osimiri, o mago do fogo simplesmente resolvera abrir mão de Heartfilia, sem nem ao menos explicar seus motivos para um confuso Happy.

Por fim, é claro que no meio disso tudo, Heartfilia não queria ver o dragon slayer nem que a própria vida dependesse disso. Happy tentou procurá-la algumas vezes depois que ela voltou de Datra, sendo recebido de bom grado pela loira. Contudo, sempre que a conversa dava sinais de encaminhar-se para o lado do mago do fogo, era impiedosamente cortada pela maga estelar.

Portanto, mesmo que ambos se vissem naquela noite, era pouco provável que se falasem. O exceed, pela primeira vez na vida, começou a se dar conta que alguns problemas parecem impossíveis de se resolver apenas pela falta de disposição dos envolvidos dialogarem.

Definitivamente, aquele ano já começaria de forma conturbada.

 

• •  

 

Mirando-se no espelho de sua penteadeira, Lucy alisou saia branca uma última vez. Para seu estado de espírito, a composição de roupas e acessórios estava mais do que adequada. Desinteressada, apenas apanhou sua bolsa e deixou o apartamento, passando então a caminhar em direção a Guilda.

Não estava com a mínima vontade de comemorar o reveillon, mas Erza, usando palavras mais que crueis, na sua opinião, a convencera a se unir aos seus companheiros da Fairy Tail para as comemorações.

A ruiva insistira que a maga estelar devia a sua presença aos companheiros de Guilda. Que não era justo que seus colegas, após lamentarem sua morte por três meses, fossem obrigados a se preocupar novamente com a sua ausência.

É claro que Titânia não tinha a mínima noção do que acontecera. Por mais que a relação de Natsu e Lucy gerasse desconfiança há tempos, ninguém tinha certeza ou mesmo ideia do ponto no qual eles haviam chegado. Além disso, o dragon slayer do fogo resolveu não contar a ninguém sobre o beijo que Lisanna lhe dera naquela noite, de forma que a ruiva apenas não entendia como os dois parceiros de equipe, que até dias atrás moravam juntos, chegaram ao cúmulo de passarem a viver novamente em residências separadas.

De forma semelhante, todo o ocorrido entre Souma e Lisanna permaneceu em oculto para os demais membros da Guilda, a não ser pelo Mestre Makarov e pela família Strauss. Todos entenderam que os fatos eram constrangedores demais para ganharem publicidade além da já alcançada.

Assim, a loira seguia sem saber a real dimensão do problema, conseguindo apenas alimentar seu ressentimento por Natsu. Para piorar a situação, mesmo que a garota não estivesse com a mínima disposição de encarar o dragon slayer, imaginava que ele ao menos tentaria se explicar. Mas ele não a procurara nem uma única vez.

Se dependesse dela, Lucy ainda estaria em Datra. Passaria as festas de fim de ano por lá mesmo, confinada no quarto de hotel em que tinha se hospedado, até que sua mente clareasse e seus sentimentos se organizassem. Contudo, após o repentino ataque daquela velha desvairada, foi conduzida por Jellal de volta para Magnólia, na antevéspera de natal. Ordens do mestre, segundo descobriu mais tarde.

Na ocasião, Heartfilia realmente ficou chateada, mesmo que também estivesse grata pelo mago ter salvado sua vida. Começava a se sentir como uma criança com toda essa proteção da Guilda, após a sua suposta morte. Mas foi acalmada pelo mago mascarado, ao ser informada que todos os magos da guilda, a partir daquele momento, estavam sendo orientados a não pegarem missões individuais ou saírem da cidade sozinhos, fazendo com que ela pensasse que algo realmente grave estaria para acontecer.

Por sorte, no natal, conseguiu se livrar de comparecer na festa promovida pela Guilda. Deu a desculpa de que sentia-se muito mal, e Titânia foi complacente, pois tinha visto o estado em que Lucy havia chegado a Magnolia. Mas hoje não. Hoje, definitivamente, deveria comparecer.

Desinteressada, Lucy caminhava beirando o rio. Seu desânimo era tanto que nem aventurou-se a equilibrar-se no meio fio, como habitualmente fazia. Apenas seguia seu caminho rumo a guilda, o mais lentamente possível. Sequer reparava como a cidade estava toda decorada com luzes pisca-pisca e lanternas japonesas. Também não dava muita atenção aos pontos festivos espalhados pelo caminho, dos quais eram perfeitamente audíveis as músicas e as risadas. Apenas caminhava.

Se não fosse por Virgo ter lhe dado uma roupa trazida do mundo espiritual, sequer preocuparia-se com o que usaria. Teria pegado qualquer coisa em seu armário. Dessa forma, nem dava-se conta do quanto estava bonita.  

Trajava um conjunto inteiramente branco. Os fartos seios estavam bem valorizados pela blusa folgada e de ombros caídos que vestia, deixando apenas uma faixa de três dedos de pele de sua cintura a mostra. Trajava também saia longa, que possuía duas fendas, que deixavam suas belas pernas expostas até as coxas, conforme se movimentava. Completando a produção, calçava um par de sandálias de cor caramelo, que continham amarrações até a panturilha, e combinavam com um cinto da mesma cor. Os cabelos dourados estavam soltos e livres, sem nenhum adereço, e ondulavam conforme a brisa invernal os atingiam. Sua única proteção contra o frio era um enorme xale de tricô.

As vestimentas eram completamente diferentes de suas habituais, mas também eram mais do que o suficiente para chamar atenção dos muitos marmanjos espalhados pela rua. Contudo, sua distração chegava ao ponto de ignorar completamente os elogios e assovios lançados.

Quando finalmente avistou a sede da Fairy Tail, a loira estacou, incerta. Sabia que Natsu estaria ali, e não estava segura se conseguiria manter a compostura na presença dele, já que a última vez que o vira, ele estava em cima de Lisanna, beijando-a.

A indecisão durou por cinco longos minutos. Lucy simplesmente ficou plantada a cinquenta metros da guilda, imaginando se não era melhor correr de volta para a casa e enfrentar a fúria de Titânia no dia seguinte. Chegou até mesmo a ensaiar um passo para trás.

— Lu-chan! - O grito inesperado fez com que Heartfilia pulasse, assustada. - Gomen, não quis assustar você! - Levy desculpou-se, preocupada com a amiga.

— Levy-chan! - Lucy exclamou, levando as mãos ao peito. Seus batimentos estavam extremamente descompassados. - Desculpe, não vi você chegar.

— Percebemos. - Gajeel, que nem fora mencionado nas desculpas da loira, comentou. Lily, que estava sentado no ombro do grandalhão, apenas observava tudo.

— Eu estava com saudades! - Pulando nos braços da loira, Levy revelou. Não a via desde que ela partira na missão para a mansão de Org. - Por que você não veio a Guilda desde que voltou? - Perguntou. - Aliás, soube que passou alguns dias em Datra. Aquela cidade não te deixa apreensiva? - Questionou, claramente referenciando o incidente com a Nihil Occultum.

— Ah, eu não me senti bem, nesses ultimos dias. - Justificou, o que não era realmente uma mentira. - E parei em Datra para fazer algumas compras. Não tenho problemas quanto a cidade. - Emendou, dessa vez com uma mentira completa.

— Entendo. - Comentou a baixinha. - Você devia procurar Porlyusica-san. - Orientou.

— Eu já me sinto melhor. - Lucy justificou.

— Porque nós não continuamos a conversa lá dentro? - Entediado, Gajeel perguntou, como se estivesse de fato integrando o diálogo.

— Oh, é mesmo. - Sem graça, McGarden concordou. - Vamos Lu-chan? - Chamou. A loira encarou mais uma vez a guilda, na dúvida do que fazer. - Algum problema? - Questionou Levy.

— Nenhum. - Heartfilia respondeu, acompanhando os amigos até o salão.

— Você está tão linda! - A baixinha elogiou, admirando as roupas da amiga.

— Obrigada. - Murmurou. - Graças a Virgo. - Comentou. - E você também está linda! - Elogiou de volta.

— Sei. - Levy sorriu. Usava um vestido curto e alvo, de tecido leve, com mangas longas e largas, assim como o corpo. A cintura era evidenciada por um cinto dourado. Nos pés, um par de botas vermelhas, curtas e sem salto garantiam o conforto. Para proteger-se do frio, também usava um sobretudo aberto, cor marfim. - Obrigada. - Agradeceu por fim, sem querer ser rude.

Lucy observou o contraste entre os dois companheiros de guilda. Além da evidente diferença de estatura, ambos exalavam auras completamente diferentes. Enquanto Levy emanava a leveza e o otimismo da ocasião, transparecendo esses sentimentos em suas vestes, Gajeel parecia sombrio e indiferente como sempre, também refletindo seu desinteresse no que trajava. Diferenciando-se da grande maioria que vestia branco, o dragon slayer do ferro usava um sobretudo azul marinho, calças pretas e coturnos longos, também negros.  Também usava uma bandana estampada, amarrada na testa. Contraditóriamente, ao menos para a loira, os dois pareciam uma ótima combinação. Com esses pensamentos, soltou uma pergunta, que inesperadamente os desconcertou.

— Vocês só chegaram agora? - Questionou. Levy arregalou os olhos e Gajeel olhou para o outro lado.

— Não, nós chegamos a algum tempo. - Respondeu a baixinha, estranhamente constrangida. - E resolvemos para dar uma volta pela cidade. - Explicou.

— Ah sim. - Disse a maga celestial.

— E o passeio foi ótimo. - Lily, que até então não metera-se na conversa, soltou em tom malicioso, fazendo com que o dragon slayer do ferro o encarasse mortiferamente.

— Por que a gente não entra de uma vez? - Tomando a frente, Redfox adentrou o salão, perdendo a paciência.

Seguindo os amigos, Lucy entrou na sede, e ficou de queixo caído. Pela primeira vez, reparou na decoração, que estava deslumbrante. Tudo parecia saído diretamente de um sonho, ou de um conto de fadas.

Após contemplar o ambiente, sentiu estar sendo observada. Quase que magneticamente, teve o olhar atraído para um canto específico do balcão. Natsu estava lá e a encarava de volta, fixamente e intensamente.

Como imaginado, a maga celestial travou. Um nó se formou em sua garganta e os olhos começaram a arder. Usando de todo seu autocontrole, impediu que qualquer lágrima fosse expelida. E naquele instante, se odiou por ter saído de casa.

Era tão doloroso vê-lo. Mais do que tinha suposto. Também se sentia miserável por ainda estar tão atraída por ele. Mas, em sua concepção, ele estava realmente bonito naquela noite. O sobretudo era do mesmo modelo com apenas uma manga que ele usava habitualmente, contudo era branco com detalhes alaranjados. Também usava calças e botas negras. Nem os cabelos desalinhados e as olheiras o deixavam menos atraente.

Contudo, cortando sua linha de pensamento e espantando-a completamente, o dragon slayer do fogo simplesmente deu-lhe as costas, girando o corpo sobre a banqueta, ignorando sua presença propositalmente.

Naquele momento, Lucy sentiu o sangue esquentar. O que raios estava acontecendo? Não era ela a única com motivos para estar magoada ali?

Revoltada, não protestou quando Levy a puxou para perto de onde Gray, Juvia, Meldy e Gajeel estavam. Naquele instante, decidira definitivamente aproveitar a noite.

 

• •  

 

Sem grandes confusões, a festa de reveillon da Fairy Tail seguia inesperadamente bem. Também, com um Natsu tão desanimado, era esperado que a probabilidade de brigas caísse pela metade.

Com esse pensamento, Erza observava o movimento do salão debruçada na sacada, do andar superior. Estava satisfeita com a presença da maga celestial e do dragon slayer do fogo. Isso reduzia a possibilidade de que ela cometesse dois homicídios logo no primeiro dia do ano. Mesmo assim, estava incomodada com o astral dos amigos.

Entretanto, não queria se preocupar com isso agora. Naquele instante, queria apenas melhorar o próprio humor para também aproveitar a festa, como a maioria dos presentes aproveitava.

Titânia não podia negar que sentia-se revoltada consigo mesma, por estar tão rabugenta ultimamente. Era inadmissível que a falta de Jellal influenciasse tanto em seu humor, como de fato vinha ocorrendo. Se a ausência do foragido sempre fora uma realidade em sua vida, porque recentemente tornara-se tão insuportável?

Ela já tinha endireitado o tronco para caminhar em direção as escadas e retornar ao salão, quando sentiu uma presença atrás de si. Ainda de costas, sorriu. Não precisava virar para conferir de quem se tratava.

— Não tinha um jeito mais original de retornar? - Perguntou.

— O quê? Está fora de moda retornar sem aviso, após um longo tempo, durante uma comemoração especial? - Uma conhecida voz, devolveu a pergunta.

— Digamos que é bem clichê. - Respondeu, finalmente virando-se para encarar o recém chegado. - Okaeri¹, Jellal. - Saudou, sorridente. Mesmo com o rosto parcialmente encoberto pela máscara, Erza pode perceber, pela mudança em seu olhar, que o mago sorria.

Tadaima², Erza. - Falou, sentindo o peito se aquecer. Nunca imaginou que receber as boas vindas de alguém especial causasse um sentimento tão bom. - Mas sou Mystogan agora, não se esqueça. - Lembrou.

— Eu sei. - Falou. - Mas ao menos enquanto estamos sozinhos, quero chamá-lo pelo seu nome. - Justificou, fazendo o mago corar por debaixo da máscara. - Por falar nisso, comparecer em uma festa desse porte não faz o estilo do Mystogan. - Comentou.

— Eu também fui convidado. - Jellal contou, casualmente. - Quer que eu vá embora? - Questionou.

— Claro que não! - A Ruiva respondeu de imediato, corando em seguida, devido ao seu afobamento. - Se bem que você vai chamar bastante atenção. - Ponderou, observando o mago com as vestes negras e a capa pesada, que compunham o traje habitual de Mystogan.

— Sério? - Jellal perguntou, aparentemente surpreso. - Eu continuei com essas roupas, para não atrair atenção desnecessária. - Comentou, preocupado.

— Você só pode estar de brincadeira né? - Erza perguntou, colocando as mãos na cintura. - Um mascarado de preto no meio de uma multidão de branco? Claro que vai ficar chamativo. - Explicou.

— Nem todos estão de branco. - Contestou o foragido. - Aliás, belo vestido. - Elogiou, encarando a peça extremamente justa e dourada. Claro que o que ele apreciava de verdade, estava por dentro, mas não diria esse detalhe em voz alta.

— Obrigada. - Titânia agradeceu desconcertada, como uma adolescente apaixonada. Tinha escolhido o vestido e as sandálias de salto na mesma cor cuidadosamente, desejando que ele pudesse vê-la usando-os, embora não estivesse esperanças de verdade.

— Contudo, você está certa. - Jellal continuou. - É arriscado eu continuar aqui, já que inevitavelmente destoo dos demais. - Lamentou.

— Não acho que tenha problema se ficarmos aqui em cima! - Imediatamente, Scarlet sugeriu, notando tardiamente, que novamente se afobara. - Tem algumas salas neste andar preparadas exclusivamente para os membros da guilda. - Contou. - Não acho que teremos problemas se ficarmos nelas. - Sugeriu. - E depois podemos assistir os fogos da varanda! - Concluiu, animada.

— Está me convidando, Titânia? - O mascarado perguntou, propositalmente aumentando o constrangimento da ruiva.

— Idiota! - Irritando-se, xingou ela. - Se não quiser, eu volto para festa! - Resmungou, dando meia volta e caminhando em direção as escadas.

— Eu quero! - Segurando a ruiva pelo antebraço, o mago respondeu. - Mais do que qualquer coisa, quero começar o próximo ano ao seu lado. - Revelou, gaguejando. Aquele tipo de conversa o deixava extremamente envergonhado, mas estava ciente que precisava superar isso.

— É sério? - Com os olhos brilhando e as bochechas avermelhadas, a maga virou para encará-lo.

— Claro. - Respondeu simplesmente.

— Eu também! - Titânia afirmou, abraçando-o sem cerimônia. Todavia, ao perceber o que fazia, afastou-se, constrangida. - Vamos para um lugar mais reservado. - Decidiu, puxando-o pela mão, em direção as salas exclusivas.

A ruiva escolheu aquela que, pela localização, julgou que estaria mais tranquila. Quando adentrou o cômodo, constatou satisfeita que estava certa, pois a sala estava completamente vazia. Era um dos ambientes que Gray tinha decorado fantasticamente, recobrindo toda a estrutura com gelo, e moldando as paredes e o teto em lindos cristais. Provavelmente por isso, o local estava ermo. Obviamente, a temperatura ali estava consideravelmente baixa.

Jellal fechou a porta atrás de si, e foi guiado por Erza até um dos estofados presentes no local. Assim que se sentaram, reparou que a moça esfregou os braços. Estava arrepiada. Já tinha sido afetada pela diferença de temperatura.

— Não parece ser uma boa ideia ficar aqui. - Observou, considerando que a roupa da ruiva não a manteria aquecida.

— Não, eu estou bem! - Scarlet exclamou, não soando conviencente. - Aqui dificilmente seremos incomodados. - Justificou.

— Então, nesse caso… - Jellal começou, direcionando as mãos aos botões que mantinha sua capa presa, mas foi interrompido pela ruiva.

— Não precisa! - A maga afirmou, segurando a mão dele.

— Mas desse jeito você vai congelar! - O mascarado protestou.

— Não se ficarmos juntos. - Sugeriu, olhando para baixo e corando absurdamente. - Veja. - Tomando coragem, sentou-se praticamente colada ao mago e se envolveu com a capa dele, de modo que ficassem praticamente atados.

Quase morrendo de vergonha, o mago de cabelos azuis olhou para o outro lado, temendo que ela o achasse um idiota por ainda reagir assim a tamanha proximidade.

— Desculpa. - Ela pediu, também desviando o olhar, sem entretando se afastar. - Estou indo rápido demais? - Indagou.

— Acho que posso me acostumar com isso. - Jellal respondeu, voltando-se para ela.

Da mesma forma, Erza o encarou e sorriu abertamente, fazendo com que o peito do mago palpitasse. A sensação de tê-la junto a ele era indescritível de tão maravilhosa. Os últimos meses que passara longe dela, tinham sido quase insuportáveis. Ele estava decidido a compensar isso nos poucos momentos que passassem juntos.

Como que entendendo seu desejo mudo, a ruiva puxou a máscara verde para baixo e selou seus lábios nos dele, começando o beijo de forma cálida e aprofundando-o quase que imediatamente. Por baixo da capa, Jellal envolveu-a pela cintura, e ela apertou com ambas as mãos o tecido da camisa do mago, puxando-o mais para perto.

— Também posso me acostumar com isso. - Ele declarou, quando finalmente se separaram, puxando-a novamente para um novo beijo.

 

• •  

 

A maioria dos presentes estavam tão absortos nas comemorações que mal perceberam que o momento da virada se aproximava. Quando faltavam exatos quinze minutos para meia noite, Mirajane comunicou a todos, pelo microfone, e os convocou para irem até o lago.

Lentamente, os convidados começaram a se deslocar. Nem o frio do inverno os desanimavam, pois a queima de fogos de Magnólia era realmente um espetáculo muito belo e afamado. Assim, a maioria apenas tratou de se proteger com seus agasalhos. Por sorte não nevava naquela noite.

— Vamos logo, Gray-sama! - Juvia puxava o mago pelo braço, animada graças álcool ingerido. Não chegava a estar bêbada, apenas mais desenvolta.

Graças ao seu costume de sempre usar roupas invernais, a maga não precisou de mais que um poncho para se manter aquecida. Naquela noite, suas vestes eram completamente alvas, embora bem semelhantes ao seu traje costumeiro. Contudo, lhe davam um ar de elegância. O diferencial estava por conta da ausência do chapéu, bem como da presença de uma bela tiara de pedras.

— Não precisa me puxar, eu posso ir sozinho. - O mago do gelo reclamou, seco como sempre, sem, entretanto, se soltar. Assim como a maga da chuva, também usava sua roupa invernal, que era constituída basicamente por calças e botas negras e uma longa capa branca com detalhes em azul marinho, embora o frio não lhe afetasse.

— Gray é sempre tão ranzinza! - Exclamou Meldy, que estava se sentindo a vela oficial daquele pretenso casal, já que Juvia não admitia que ela se afastasse, mas também não desgrudava de Gray. Destacando-se muito dos demais, a maga de cabelos róseos usava uma longa capa vermelha com capuz, por cima do vestido alvo de babados.

— Vamos logo, Lu-chan! O Espetáculo começará a qualquer momento. - Levy, que caminhava lado a lado com Gajeel em direção ao lago, chamou empolgada.

— Hai. - A maga respondeu, tentando ao máximo não demonstrar desânimo. Estava incomodada por se sentir sobrando. Não se adaptava ao papel de vela tão bem quanto a ex-Crime Sorcière.

Tremendo por causa da brisa gelada, apertou ainda mais contra si seu xale de tricô. Com certeza, se não estivesse brigada com Natsu, se aproveitaria da temperatura corporal do mago para se aquecer, usando um falso porre como desculpa.

Logo todos os magos, visitantes, e muitas outras pessoas que chegavam da cidade especificamente em busca do melhor lugar para assistir a queima de fogos, se reuniram em torno do lago. As conversas permaneciam altas e animadas, até que uma voz masculina anunciou pelo microfone que o momento estava chegando, convidando todos os presentes a acompanharem-no na contagem regressiva.

Tal como solicitado, todos o fizeram. A contagem iniciou no número 10, e a expectativa de todos só aumentavam, enquanto os números decresciam.

A grande maioria olhava para o céu, devido ao anseio de presenciar o espetáculo. Entretanto, Lucy, novamente, teve seu olhar atraído de forma automática para um certo alguém. Parado na margem, cerca de vinte metros de onde se localizava, estava Natsu, a encarando de volta. A maga estelar começava a se questionar o porquê de seu campo de visão sempre ser atraído para o dragon slayer. Era irritante.

Sem que desviassem o olhar, a contagem da multidão chegou ao zero, e um ensudercedor “feliz ano novo” coletivo foi proferido. Imediatamente, fogos de todas as cores irromperam no céu, deslumbrando os expectadores com tanta luz e brilho. Mas Natsu e Lucy, inicialmente, só viram essas cores refletidas um no outro.

Dessa vez, Heartifilia foi quem desviou o olhar primeiro, disposta a contemplar o espetáculo. Encarando a magnífica explosão multicor, não pôde deixar de lamentar a forma que o ano estava começando.

X791 tinha chegado ao fim. O ano que ela nem vira começar, por estar dormindo na Ilha Tenrou, protegida pela Fairy Sphere, se fora. O ano que ela vivera pela metade, ou talvez nem isso, já que perdeu três meses no mundo celestial, antes dos Grandes Jogos Mágicos, e outros três após o incidente com o Projeto Heaven. E isso doeu em seu interior. Por que sempre se envolvia com esses incidentes temporais? Sentia como se seus amigos desenvolvessem o próprio destino com calma, enquanto ela simplesmente saltava essas partes, sempre caindo de paraquedas diretamente no futuro. Isso era tão injusto.

Naquele instante, a maga desejou ardentemente poder aproveitar o ano de x792 com todas as suas forças. Curtir cada minuto, gastar cada fração de sua energia se divertindo com seus amigos. Todavia, apesar de tal desejo, sentia-se desolada. Pois não era apenas com seus amigos que desejava compartilhar esse novo ano.

Aos poucos, as pessoas foram dispersando. A maioria dos visitantes voltou para a cidade, pois após as duas da manhã, a sede da Guilda foi fechada apenas para os membros.

Os magos que tinham ido visitar os demais pontos festivos de Magnolia, também retornavam aos poucos, deixando a comemoração mais parecida com uma noite comum de bebedeira na Fairy Tail.

Entre risos, competições de bebidas e brigas, a manhã do primeiro dia de x792 começava a apontar, quando Mirajane convocou todos os presentes para baterem uma fotografia.

— Venham logo! - Chamava animada, dando saltinhos que faziam a saia armada de seu longo vestido branco se agitar. - Precisamos registrar esse momento! É o nosso primeiro Reveillon juntos em sete anos. - Lembrou.

Na verdade, para muitos ali, era o primeiro Reveillon na Fairy Tail. Lucy, Juvia, Wendy e Gajeel tinham se unido a guilda no meio do ano de x784, e todos afundaram com Tenroujima no mesmo ano, por isso, era a primeira oportunidade de comemorar a ocasião dessa forma. Além disso, Meldy e Jellal só passaram a integrar a Fairy Tail recentemente, também estando em sua primeira comemoração conjunta.

— Ajeitem-se depressa, pois o Jason irá bater a foto para colocar na matéria sobre a festa para a Sorcere Magazine. - Orientou a Strauss mais velha.

— Cool, Cool, Cool!!! - Gritava o reporter. - Essa festa foi totalmente cool! Tal como esperado da Fairy Tail! - Comemorou, em êxtase.

Jason, provavelmente o reporter mais conhecido da famosa revista Sorcere Magazine, tinha sido designado para cobrir o evento. Tinha passado a noite inteira perambulando, fotografando os magos individualmente e em grupos, e também a decoração, registrando cada precioso detalhe da festa. Já que precisava fazer a matéria sobre as comemorações da guilda, foi convidado a permanecer até o final, e agora requisitava uma foto de todos juntos.

Os magos começaram a se posicionar em frente ao balcão, uns de pé, outros sentados sobre a superfícia de madeira, enquanto o reporter os orientava sobre onde deveriam ficar, para que a foto saísse perfeita.

— Elfman e Evergreen devem ficar em um local de destaque, para que o mais novo membro da guilda possa aparecer! - Falou, puxando o casal para a direita. - Vocês podem ficar lá em cima, no balcão. - Continuou, apontando para Macao, Wakaba, Jet e Droy.

— Sinto como se estivéssemos sendo menosprezados. - Comentou Macao.

— Acho que também me sinto assim. - Concordou Wakaba.

— Lucy, o que você está fazendo aí no cantinho? - Gritou Jason.

A loira, que buscou se posicionar o mais longe possível do mago do fogo, estava na extrema esquerda do grupo.

— Você Também precisa ficar em um local de destaque, já que é o assunto do momento! - Determinou o reporter.

— Mas eu estou bem aqui. - Tentou Heartfilia.

— Bem coisa nenhuma! - Rebateu Jason, puxando-a pelo braço. - Fique aqui no meio, ao lado do Natsu. - Ordenou, largando-a a direita do dragon slayer. A maga estelar não pôde deixar de reparar o quanto ele tensionou o corpo quando ela chegara. - Na verdade, eu quero todo o time mais forte aqui no meio! - Pediu, chamando os demais integrantes.

Assim, ficaram posicionados no meio Natsu e Lucy, Cercados por Erza, Gray e Wendy. Consequentemente, Mystogan, Juvia e Meldy também ficaram por ali.

— Eu acho que é melhor não aparecer. - Jellal sugeriu, pela décima vez. Tinha sido arrastado por Titânia para que também pudesse aparecer na fotografia, mas não se sentia a vontade.

— Não seja estúpido. - Retrucou ela, com toda a gentileza do mundo. - Não é como se ninguém soubesse da existência de Mystogan. Você perticipou dos Grandes Jogos Mágicos e tudo mais. - Lembrou. - E também, você está de máscara. Não há problema em aparecer. - Insistiu.

— Prontos? - Perguntou Jason, preparando a câmera. - Façam uma expressão alegre! Digam “cheese”!!! - Ordenou.

— CHEESE! - Alguns gritaram, quando o momento foi registrado.

Lucy se esforçou ao máximo para forçar um sorriso, mesmo que estivesse sendo completamente incômodo estar praticamente colada a Natsu. Apesar de tudo, era sua primeira foto com todos durante o reveillon.

— Ficou ótima!!! - O reporter exclamou.

— Nem acredito que x791 finalmente acabou! - Comemorou Laki. - Foram tantos problemas! Mas também tantas alegrias. Acho que no geral, foi um ótimo ano. - Constatou.

— Tomara que x792 seja ainda melhor!!! - Desejou Bisca.

— Nós nunca devemos ignorar a possibilidade de que algumas desventuras ocorram. - Makarov, que estava de pé sobre o balcão começou um discurso, chamando a atenção de todos. - Enfrentamos inúmeros inimigos, mas superamos todos os obstáculos graças ao nosso companheirismo e determinação. - Lembrou. - Por isso, pirralhos, ouçam meu conselho: Fortaleçam seus laços. Corram atrás de seus objetivos com todas as suas forças. Parem de exitar e construam seus sonhos. - Orientou. - Nós não sabemos o que esse novo ano nos reserva, mas devemos estar sempre unidos ao enfrentar novos desafios, e principalmente, prontos para defender nossa família! - Concluiu, erguendo o braço direito, formando um “L” com o polegar e o indicador e flexionando os demais dedos.

O gesto foi imediatamente imitado por todos os magos, que bradaram animados, mesmo que as palavras do Mestre tivessem os deixado um tanto inquietos. Por mais que o velho tentasse manter as coisas sob controle, todos percebiam, pouco a pouco, que algo sério vinha acontecendo.

Mesmo assim, o otimismo da Fairy Tail era inabalável. Não importava as surpresas que x792 ou os anos seguintes lhe reservavam. Eles superariam todo e qualquer problema, como uma grande família.

 

• •  

 

¹Okaeri: Não é a tradução exata, mas pode ser interpretado como “bem vindo de volta”.

²Tadaima: Não é a tradução exata, mas pode ser interpretado como “estou de volta”.

 



Notas finais do capítulo

Então é isso.

No próximo capítulo, a suposta traição de Natsu com Lisanna será esclarecida... Mas com certeza não do jeito que vocês esperam. xD

Por isso, paciência, que o nosso casal preferido vai se entender logo. =D

Espero que vocês tenham gostado do capítulo.

Até mais!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Conspiração" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.