A vingança do fantasma escrita por MarcosFLuder


Capítulo 2
Capítulo 2


Notas iniciais do capítulo

Segunda e última parte da fanfic A Vingança do Fantasma.



Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/611301/chapter/2

— O que houve senhor Kraemer? – Scully tenta acalmar um visivelmente desesperado Jack.

— Ela não quer me deixar em paz – disse apavorado – ela não vai me deixar em paz até eu consertar o que eu fiz.

— Está falando do que Jack?- pergunta Mulder – é da Cláudia não é? Tem alguma coisa haver com o padrasto dela?

— Ou será que isso é só mais uma farsa – Scully tinha uma expressão bem cética no rosto – você sabia que nós estávamos com o seu vizinho e resolveu fazer um show especial para nós não é?

— No começo era uma farsa sim, mas agora é de verdade – afirma Jack – ela está me perseguindo.

— O que ela quer Jack? – Mulder insiste na pergunta – o que você fez para ela decidir persegui-lo do além?

— Para com isso Mulder – Scully faz uma expressão contrariada para o parceiro.

— Vão embora, vão embora – disse Jack, já se recompondo – eu não sou obrigado a falar nada com vocês.

— Nos diga o que ela quer que você faça Jack – Mulder insiste – talvez possamos ajudá-lo.

— Já disse para irem embora – Jack se senta no sofá, as mãos no rosto – será que vou ter que chamar o meu advogado? – Mulder faz uma nova tentativa de convencer Jack Kraemer a falar, obrigando Scully a praticamente ter de arrastá-lo dali.

Delegacia de Houston 9:15 Pm

— Agentes Mulder e Scully – Tenente Farmer os cumprimenta – pensei que não ia mais ver vocês hoje.

— O que sabe sobre o advogado do senhor Kraemer?- pergunta Mulder.

— Além de ser o mais caro da cidade, é também o mais desagradável – disse Farmer – ele ligou para nós dizendo que vocês andaram constrangendo o cliente dele e até o induziram a dizer coisas desconexas.

— Ele apenas nos disse que no começo a história das visões era uma farsa para salvá-lo da cadeira elétrica, mas que agora o fantasma de Cláudia Milles estava realmente aparecendo para ele – disse Scully.

— E talvez ele esteja realmente falando a verdade – disse Mulder.

— Não começa Mulder – disse Scully.

— Admita Scully, ninguém poderia fingir daquela maneira.

— Antes de começar a sair caçando fantasmas, Mulder é melhor examinar algumas hipóteses bem mais plausíveis.

— E que hipóteses seriam essas, agente Scully? – pergunta Farmer.

— Um colapso nervoso, ou um principio de esquizofrenia. Andei dando uma olhada na ficha médica de Jack Kraemer – ela mostrou o arquivo aos dois – sabiam que ele sofre de psicose maníaco-depressiva? Inclusive já esteve numa clínica do estado, para tratamento.

— Acha então que ele está levando a sério demais o que era apenas uma farsa? – pergunta Mulder.

— Me parece uma hipótese bem mais provável que um fantasma Mulder – responde Scully.

— O advogado dele é que vai adorar isso – disse Farmer – é tudo que ele precisava para livrá-lo da cadeira elétrica.

— Nós temos que nos ater aos fatos Tenente – retruca Scully – é o nosso trabalho.

— Me diga uma coisa Tenente, como foi que um pé-rapado como Jack Kraemer arranjou dinheiro para ter serviços do advogado mais caro da cidade? – Scully percebe uma teoria se formando na mente de seu parceiro.

— Ele deve estar defendendo o sujeito apenas pela publicidade – disse Farmer – eu o conheço, não é a primeira vez que ele faz isso.

— Ou talvez alguém o esteja pagando – disse Mulder – alguém como... John Milles.

— Porque ele faria isso? - Farmer faz uma expressão de estranhamento ao perguntar – eu o interroguei na época do crime e admito que tive a pior impressão possível do sujeito, mas não entendo porque ele ajudaria o assassino da enteada, mesmo não gostando dela.

— Creio que o meu parceiro acredita que ele pode estar pagando um favor com outro – disse Scully, sem notar o sorriso de Mulder ao perceber como sua parceira consegue facilmente acompanhar o raciocínio dele, embora quase sempre discorde de suas conclusões.

— Isso na sua mesa não são as evidências dos crimes anteriores a morte de Cláudia Milles? – Mulder pergunta.

— Exatamente agente Mulder – Farmer responde – eu resolvi dar uma olhada mais apurada nelas e conclui que elas são óbvias demais.

— Como se tivessem sido plantadas com a intenção de incriminar Jack Kraemer? – há um ligeiro sorriso em Mulder ao fazer a pergunta.

— Exatamente – Farmer responde, para logo ficar um tempo pensativo. Após esse breve momento de reflexão, ele se levanta, dirigindo-se aos agentes, ao mesmo tempo em que vertia o terno – o que acham de fazer uma visita fora de hora a um certo advogado?

Edifício Blue Lake 10:35 Pm

— Eu não sei se o senhor Montgomery poderá recebê-los a essa hora da noite – disse a voz no interfone.

— Diga ao seu patrão que ele pode nos receber hoje ou ter de prestar depoimento na delegacia amanhã – responde um visivelmente irritado Farmer.

— Um momento – disse a voz. Alguns instantes se passam – vocês podem subir – eles vão de elevador, chegando a um luxuoso apartamento e são recebidos pelo advogado de Jack Kraemer.

— Sabiam que eu posso processar vocês três por causa disso? – disse um irritado Garry Sanderson

— Deixa dessa conversa Garry – disse o tenente Farner – dessa vez você pode estar bem encrencado.

— Do que estão falando?

— Que tal conspiração para proteger um serial Killer – disse Mulder.

— Vocês estão loucos?

— O senhor conhece ou tem algum tipo de negócio com John Milles? – perguntou Scully – é melhor pensar bem antes de responder.

— Eu posso saber do que estou sendo acusado?

— Até agora nada – disse Farmer – vai depender do que estiver disposto a nos dizer, mas antes leia isso com muita atenção – entrega a ele as evidências contra Jack Kraemer.

— Eu não preciso ver nada disso para saber que meu cliente não matou ninguém.

— Tem toda a razão – disse Farmer – seu cliente não matou essas moças, agora pense bem Garry e me diga quem teria interesse em plantar provas para incriminar o seu cliente.

Casa de John Milles 11:06 Pm

Mulder, Scully e o Tenente Farmer chegam à casa de John Milles e logo tem a atenção chamada pelas luzes acesas e a porta da frente arrombada. Eles sacam suas armas e entram, encontrando a sala com sinais de luta. Farmer e Scully olham o primeiro andar enquanto Mulder sobe a escada do corredor. Ele vê a porta de um dos quartos aberta e vai até lá, encontrando o corpo de John Milles, morto com vários tiros. Jack Kraemer estava num canto com o revolver na mão.

— Me dê a arma Jack – diz Mulder, a mão estendida para o homem desesperado no canto – me dê a arma vamos.

— Ela não ia me deixar em paz enquanto eu não fizesse isso – disse – eu tinha que matá-lo.

— Você já fez o que ela queria, agora me dê a arma – nesse momento chegam Scully e o Tenente Farmer – acabou Jack vamos me dê a arma.

— Você não entende cara, ela não vai me perdoar nunca – o desespero dele é evidente – ela confiou em mim e eu a traí. Você não tem idéia das coisas horríveis que ele fazia com ela.

— Ele abusava dela? – Scully pergunta.

— Ela me contou tudo – responde Jack.

— Me dê a arma Jack – insiste Mulder.

— Ela descobriu o que ele fazia com aquelas moças – Jack não parecia ouvir Mulder, seu olhar estava perdido – disse que finalmente ia poder se vingar dele.

— Cláudia Milles tinha provas de que o padrasto era o responsável pela morte daquelas 5 moças – afirma o Tenente Farmer, não exatamente para Jack.

— Depois falamos sobre isso Jack – Mulder tenta se aproximar dele calmamente – antes me entregue essa arma.

— Ela deixou as provas comigo, mas eu as vendi para o velho – disse chorando – era muita grana, eu não resisti e ela ficou furiosa – ele grita agora – ela nunca vai me deixar em paz – Jack coloca o revolver na boca.

— Não – Mulder grita e tenta detê-lo, mas sem sucesso. O tiro atravessa a cabeça de Jack.

Tarde da noite e mesmo assim os vizinhos de John Milles observam o corpo dele e de Jack Kraemer sendo retirado da cena do crime.

— A perícia encontrou no porão uma série de objetos que provavelmente pertencem as vítimas de John Milles – o tenente Farmer se dirige a Mulder e Scully, que estão observando a cena junto ao carro com que irão embora.

— Parece que o fantasma de Cláudia Milles conseguiu sua vingança afinal – afirmou Mulder.

— Você acredita mesmo nisso agente Mulder? – o tenente Farmer pergunta.

— Jack Kraemer acreditava e isso custou a vida dele.

— Fantasma ou não Mulder, acho que está na hora de ir embora – disse Scully.

Mulder e Scully cumprimentam o tenente Farmer, entram no carro e vão embora. O policial olha por alguns momentos para a casa onde tantas coisas horríveis aconteceram. Ele nunca acreditou em fantasma, mas mesmo assim fez o sinal da cruz antes de ir embora.

FIM


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!




Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A vingança do fantasma" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.