O Internato escrita por Melanie Cheshire Hersing


Capítulo 4
Minha melhor amiga


Notas iniciais do capítulo

Oi ^^! Ok, eu vou ser honesta: é enrolação pra deixar um pouquinho mais de curiosidade sobre oque o Len pode ter feito. E também porque eu já tinha esse capítulo escrito e era obrigada a coloca-lo entre os 10 primeiros por causa de um certo evento que vai acontecer depois. Como não sabia quando colocar, coloquei agora pra adiar mais a parte do Len mesmo... Mais de qualquer forma boa leitura!
Bjs Mel



“Luka on”

Fito o teto como se fosse algo realmente muito interessante, perdida em meus pensamentos.

Acho que foram maldade as piadinhas com os dois loirinhos... E o pior é que mesmo sem fazer nenhuma piadinha eu acabei rindo! Tentei segurar mais não deu. E agora eles devem me odiar, assim como devem odiar as outras pela brincadeira...

– Perdida em pensamentos de novo Jujuba? – Miku pergunta me tirando de meus devaneios.

Ela tem o abito de me chamar de Princesa Jujuba por causa do Hora de Aventura... Eu podia jurar que ela tinha acabado de ir para o banho e ela costuma demorar bastante. Será que passei todo esse tempo pensando?

– Jujuba você tá acordada? – pergunta de maneira infantil sacudindo a mão na frente de meu rosto.

– Claro que estou. – rio fracamente – E dá pra me falar qual é a desse apelido? Tá certo que meu cabelo é rosa igual o dela mais...

– Oque? Não... O apelido é por isso também, mas principalmente porque a Jujuba é toda metida a cientista, CDF, super responsável... Igual você! – ela fala – Isto é, sem a parte de cientista né?

– É...

Ficamos um tempo em silencio. Ainda sinto culpa pelo que fizemos aos loirinhos, e acho que ela percebeu.

– Oque está te preocupando? – fala apreensiva.

– É que eu acho que não devíamos ter feito aquelas piadinhas com os loirinhos... – falo receosa.

– Não se preocupa! Logo eles esquecem, não tem como eles nos odiarem pra sempre né? – fala docemente.

– Acho que tem razão e... MIKU VEM RÁPIDO A SAMARA INVADIU O QUARTO! – grito de brincadeira.

Eu ainda estava fitando o teto durante nossa conversa inteira. E somente agora percebi que ela ainda está com o cabelo molhado sobre o rosto.

Ela ri um pouco e logo acabo rindo também. É um tanto engraçado vê-la tentando se livrar do cabelo todo sozinha. Até porque o cabelo dela vai até os pés quando tá solto!

– Ok, deixa que eu te ajudo. – falo pegando um pente e sentando ela na borda da minha cama de costas para mim.

Realmente não sei como alguém consegue ter tanto cabelo e principalmente cuidar dele sozinha.

– Então, vai se encontrar com o Gakupo depois? – Miku pergunta.

– Amanhã as 19:20, depois da aula. – digo.

– Ah... – ela diz com um sentimento que não entendi direito.

– Por que a pergunta? – pergunto para ela.

– Bem... – ela hesita um pouco – E se eu falasse que... Eu acho que estou gostando de alguém? – fala baixinho.

– Eu iria ficar feliz por você, com tanto que não seja o Gakupo né? – falo de brincadeira.

– Sei. – ela da uma risadinha fraca – E... Se eu falasse que é alguém próximo dele?

– Bem... – ia começar mais sou interrompida.

Logo conseguimos ouvir gritos vindos de um dos quartos e provavelmente todas da casa também.

– RETIRA O QUE DISSE SEU SHOTA! – ouço Rin gritar alto.

– Para de me chamar de shota que eu paro... BAIXINHA! – Len grita também.

E logo começa a baixaria. Eles estão gritando tão auto que acho que todo o internato já deve ter ouvido!

Eu e Miku saímos para ver o que está acontecendo e as outras têm a mesma ideia. Logo todas estão na porta vendo a Rin pendurada nas costas do Len que se debate pra tentar derruba-la.

Como sempre a Neru já está na frente de todas gravando no celular... Juro que ainda jogo o celular dela fora!

– Essa eu tenho que guardar para a posteridade! – começa a rir e sorri maliciosa.

Mas logo Gumi passa (com certo esforço) pela multidão e adentrando o quarto. Ela fica ao lado de Neru e começa a tentar chamar a atenção da loirinha.

– Riiiinnn... – cantarola mais Rin nem vira o rosto – Rin-chaaannn... – cantarola de novo com uma voz extremamente calma, mas logo começa... – RIN SUA LARANJINHA ENCAPETADA OLHA PRA MIM AGORA! – grita autoritária.

E com isso Rin e todas (incluindo eu) viram a atenção para a verdinha.

– EI! Laranjinha encapetada!? Cê jura mesmo vadia!? – Rin reclama.

Porém antes que qualquer uma percebesse, ela já estava no chão. Len deve ter aproveitado para derruba-la. O que foi uma péssima ideia.

– Ora seu... – ela começa a dar vários tabefes no coitado.

– Rin! – Miku tenta segura-la mais acaba sendo derrubada no chão.

– Miku você está bem? – pergunto ajudando ela a se levantar.

– Sim...

– O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI!? – Matilde grita atrás de todas fazendo com que essas saiam da frente abrindo passagem.

Matilde é nossa supervisora há anos e nunca a vi gritar assim! Ferrou...

***

Após Matilde dar um pequeno sermão ela nos mandou para os quartos, ficando sozinha com os loirinhos.

– Eu nunca vi ela assim... – Miku fala sentando na cama novamente.

– Eu sei... Mas voltando a nossa conversa anterior, você está gostando de alguém próximo ao Gakupo? – pergunto enquanto começo a trançar o cabelo dela.

– Sim... – Miku.

– E quem é? – pergunto.

Silencio.

– Hum... Então acho que vou ter que adivinhar... – começo infantil – É o Yuma!

– O QUE? Não... – ela ri.

– Eu já sabia... Akaito? – pergunto só para provocar mesmo.

– Por que tem que ser dos encrenqueiros? – pergunta.

– Sei lá... Acho que se não for os encrenqueiros sobra poucos... É a Gumi? – falo rindo.

– O que? Não... – ela para por um tempo – Por que quer tanto saber?

– Boa pergunta... – paro para pensar – Porque eu ficaria com ciúme! – respondo fazendo biquinho mesmo sabendo que ela não deve ter visto.

– Ci-ciúme? – pergunta.

– Claro! Afinal você ficaria menos tempo comigo! –falo.

Ela passa um tempo em silencio como se pensasse no que dizer. Termino de fazer sua trança e ela vira para mim.

– Por que sentiria ciúme de mim? – Miku pergunta.

– E não é obvio? Porque você é minha melhor amiga! – digo sorrindo.

– Ah... – seu sorriso diminuí – É o Kaito!

Fala meio constrangida, mas podia jurar que sua voz estava um pouco mais seca que o normal.

– Agora entendi porque não era um encrenqueiro... – falo mais ela me interrompe.

– É né? – fala novamente seca – Bom, eu vou dormir um pouco. Você me chama para o jantar? – pergunta sem virar o rosto para mim.

– Chamo... – falo um pouco surpresa.

Então ela deita de costas para mim. Acho que nunca vi a Miku agir assim... É estranho.

Podia jurar que por trás daquela voz seca com que ela falou tinha outra coisa. Parecia uma pontada de... Decepção... Mais por quê?



Notas finais do capítulo

Comentem!... Ou não né? Mas que ia ser legal ia....



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Internato" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.