O Internato escrita por Melanie Cheshire Hersing


Capítulo 25
Caçadores


Notas iniciais do capítulo

Oi! E postei antes de passar uma semana!!! Não é que a Anna encher o saco no whats funcionou? Kkkkk....
Ok, parei.
Mas, meus Black cats:
BOA LEITURA!



“Rin on”

– Err... Mel e Emy? – pergunto.

– Sim, Mel e Emy. – Yuki repete – Quero dizer, esses são os apelidos não os nomes. Mas apesar da Emily gostar do nome, a Mel... A Mel detesta! Prefere ser chamada de Mel mesmo... Ela que está vindo.

– Ah tá... E ela é a bruxa branca? – eu.

– Não. A negra. – Yuki – E, bem... A Teto não sabe então não falem nada ok?

– Ok... – respondo entredentes.

Teto!

– Ciúme da proximidade da Teto com o Len? – Yuki pergunta.

– Bem... É que... Sim. – respondo e Claire faz um típico olhar de “Eu sabia!” – Mas e dai? Se o Len não gosta de mim não é a Teto que vai fazer diferença! – resmungo para baixo.

– Na verdade, ele estava bem surtado atrás de você. – Claire – Depois que você saiu correndo ele ficou preocupado e andou praticamente por todo o LunarShadow te procurando! Ele parece gostar bastante de você... Quando ajudei ele a te procurar não parou de falar de você nem um minuto! – ela disse.

– S-sério? B-bem... Então... talvez eu devesse falar com ele... – resmungo.

– Talvez!? Ele já é praticamente seu Rin! É claro que você devia falar com ele! – Yuki.

– Hum... - olho para a Claire, e ela concorda com Yuki – Ok, vocês tem razão... Claire, você sabe onde ele está? – pergunto.

– Hum... Acho que foi para a casa de vocês... – Claire.

– Ok, então... Até mais. – respondo saindo do quarto.

Começo a caminhar rumo a casa 23. Claro que terei de ver a Gumi e nem mesmo tenho certeza de que o Len vai estar lá, mas acho que não tenho muito mais a fazer.

Suspiro sentindo a brisa gélida batendo em mim. Fiquei tanto tempo na casa da Yuki que acabou escurecendo e minha roupa (uma blusa com ombros caídos preta e uma bermuda jeans) já não é o suficiente.

– Vamos logo Luki! Temos que achar a entrada antes que eles nos encontrem! – ouço alguém resmungando – Ou quer ser pego por caçadores!? – exclama baixinho.

Dois garotos que não pude enxergar direito estavam correndo na surdina, discutindo entre si. Estranho que estejam fora de suas casas sendo que já anoiteceu... Mas ignoro, devem ser apenas dois encrenqueiros.

Chego à casa, silêncio. E quando entro, só avisto a Neru no sofá mexendo no celular e Lenka com cara de poucos amigos encarrando a Tv.

– Até que enfim alguém chegou! – Lenka exclama e Neru chega a desligar o celular para me encarrar.

Neru desligando o celular e casa em silêncio? Aí tem coisa...

– Você viu elas? – Neru pergunta.

– Elas? Quem? – eu.

– Qualquer uma! – ela exclama e Matilde entra na sala.

– Acontece Rin, que estamos muito preocupadas. – ela diz doce como sempre, porém com a preocupação aparente na voz – Todas começaram a sussurrar entre si e depois saíram! Nenhuma de nós consegue acordar a Haku, acho que ela bebeu demais... E o Len veio te procurando mais cedo, mas como não te achou saiu e não voltou até agora... Só nós estamos em casa! – Matilde completa.

– O que!? Mas para onde todos foram!? E o Len!? Onde ele está!? – pergunto.

– Não sabemos! Além de mim, da Neru, da Haku e da Matilde, só o Lui está na casa! – Lenka.

– Lui!? Onde? – pergunto.

– Bem... O seu gato entrou pela janela da sala há uns cinco minutos e foi correndo para o qua... quarrr.... Atchi! – Neru espira – Foi correndo para o quarto! Deixou um monte de pelos no ar! – resmunga devido à alergia.

Subo as escadas e escancaro a porta do quarto.

– Lui! Graças a Deus alguém está aqui! – exclamo.

– Rin! finalmente te achei! – ele me... RESPONDE!?

Arregalo os olhos e fecho a porta.

– V-você falou!? – resmungo e me lembro da poção que Gumi ia fazer – Ah é, a Gumi ia te ajudar a falar... Mas isso é bom! Assim fica mais fácil de você me dizer onde está todo mundo! Isso tem a ver com as bruxas não é? – pergunto me abaixando até ele.

– Sim. Tem tudo a ver! – ele responde – Nós temos um problema! E dos grandes! Temos que ir para o covil, agora! – ele fala.

– O que!? Nem vem! Eu não quero falar com a Gumi... – resmungo.

– Acho que você não entendeu! Nós REALMENTE temos um problema! – ele diz – Eu te explico no caminho mais temos que ir!

– Eu só saio daqui quando me disser o que houve! – protesto.

– Ok – Lui responde – É o seguinte: A Gumi e o Piko mantiveram os poderes dele em segredo porque ele estava infiltrado nos caçadores. Caçadores Rin! Que caçam e matam TODOS os seres sobrenaturais SEM EXCEÇÕES! Eles estão no internato! A Meiko é um deles! Nós avisamos as garotas por isso elas saíram! Temos que ir todos para o covil e agora! Os caçadores estavam nos observando e já sabem de alguns de nós! Estamos em perigo! – ele exclamou.

Minha cabeça começou a girar. Caçadores? Perigo? Meiko? O que houve durante os poucos minutos em que estive na casa da Yuki!?

– M-mas e o Len!? Se eles nos observaram sabem que ele sabe sobre nós! Ele está em perigo também! – exclamou.

– Tem razão! Temos que avisar a ele! – Lui concorda.

– Mas... Nunca vamos encontra-lo a tempo! Ele pode estar em qualquer parte do internato! – exclamo.

– Então manda uma mensagem para ele! Você tem o número do celular dele não tem? – Lui pergunta.

– Claro que tenho! – exclamo e Lui faz uma cara maliciosa – Sem pensar bobagem tá? Eu tenho o número de todos da casa! – respondo.

– Ok, ok... – ele resmunga e pego o celular.

– Aliás, quem são os outros caçadores? – pergunto escrevendo a mensagem.

– Bem, eles são a Merli, o Yuma, o Kiyoteru, a Meiko e um tal de Rinto... – Lui fala e eu gelo.

O Yuma!? Mas praticamente todos os amigos dele são sobrenaturais! E a Meiko bêbada daquele jeito!? Como ela é capaz de caçar alguma coisa!? A Merli é aquela irmã esquisita da Aoki! O Rinto...! Ele é meu primo porra! VOU SER CAÇADA PELO MEU PRÓPRIO PRIMO!... E o Kiyoteru passa o tempo inteiro coma Yuki! E ela tem uma pulseira magica e é prima de bruxas! Como podem ser caçadores!?...

...

...Yuki! Claire!

Eu tenho que avisa-las!

Com isso em mente, saio correndo sem nem mesmo falar algo para o Lui. Volto até a casa da Yuki e da Claire rezando para não encontrar nenhum caçador no caminho e praticamente arrombo a porta.

Chego ao topo da escada, diminuo meus passos e vou com cautela pelo corredor, temendo encontrar alguém indesejado.

– Solta ela! – ouço Yuki gritar.

Essa não! Cheguei tarde!

“Yuki on”

– Você não entendeu ainda Yuki? Ela é uma bruxa! Um ser maligno! Ela é muito perigosa, não posso solta-la! – Kiyoteru falou.

Claire, a bruxa que ele mencionava, estava extremamente fraca e com uma faca em seu pescoço, sendo ameaçada por Kiyoteru. Ele a atingira com uma faca estranha, provavelmente magica, que drenou drasticamente seus poderes... Como eu sei? Ela não conseguiu usar magia para se defender! O máximo que fez foi cortar sua perna!

– Você está errado! As bruxas protegem a gente! Elas são do bem! – retruquei.

Seus olhos castanhos, que até então me encarravam, pairaram sobre minha pulseira.

– Você realmente acredita nisso? Tem provas reais sobre isso? Ou só está falando isso por causa da sua pulseira? – perguntou.

– O que!? – me surpreendi.

– Eu sei que sua pulseira é magica. E também sei que você é humana Yuki. Alguma bruxa deve ter lhe dado essa pulseira para tentar te persuadir! – ele exclamou – Mas não se engane com as bruxas! Ora elas te ajudam, ora te atacam. Não há salvação para elas! – Kiyoteru.

– Mas...

– Não adianta Yuki. – ele interrompe – Uma hora terá de decidir: ou fica do lado das pessoas, ou fica do lado das bruxas! E, no seu caso, essa hora acaba de chegar! – ele falou.

Ele tinha razão. Ou pelo menos parcialmente, já que agora, realmente terei de escolher entre ele e os caçadores, e minha prima, meus amigos e todos que conheço...

Vendo assim parece uma escolha obvia, mas... Meu coração aperta toda vez que penso em troca-lo por qualquer outra opção. Não quero deixa-lo! Eu o conheço desde que tinha sete anos de idade... E mesmo que naquela época ele já tivesse treze anos, nunca me destratou.

Pelo contrário, sempre foi meu amigo e companheiro mais presente... mas agora eu teria de deixa-lo ou então, deixar todos os outros que conheço!

Escolhas... Às vezes queria não ter de faze-las! Tomar decisões importantes como essas... Ter de escolher entre as pessoas...

Desvio meu olhar tentando pensar com mais clareza. Tinha de ter outro jeito, não? Olho para a fresta da porta entreaberta, atrás de Kiyoteru... avisto a Rin.

Sua expressão era obvia: medo. Medo de que eu fosse entrega-la, ou ajuda-lo a capturar a Claire... Medo da escolha que eu tomaria.

– Yuki, – Kiyoteru me chama de forma doce, vendo que estou em um conflito interno – se torne uma caçadora também. Você não vê o quão perigosas essas criaturas são? O quão perigosa a magia é?

– Bem... – fico nervosa e vejo o olhar desesperado de Rin – Você... Você tem razão. – me aproximo dele – A magia é extremamente perigosa... – vejo-o abrir um sorriso vitorioso – Porém, é justamente por isso que precisamos das bruxas! Para nos proteger de magia negra e controlar a magia da maneira correta! – falo chutando sua perna cortada.

Ele se retrai de dor e Rin entra correndo. Ela o derruba e ajudo-a a erguer a Claire apoiada em seu ombro.

– Por um momento eu achei que você ia ceder mas... – Rin começa –Obrigada por ficar do nosso lado Yuki. – ela sorri terna, antes de sair correndo com a ruiva.

– V-você....! – Kiyoteru resmunga se levantando – Como você pode! Me trocar por uma....! Por uma bruxa!?

– Eu sinto muito Kiyoteru mais é que... Eu não tinha como escolher por conta própria entre você e elas. Ambos são importantes para mim! – exclamei – Porém dessa vez, elas estavam com a razão...

– Maldita...! Maldita bruxa! Essa pulseira... Foi uma bruxa que te deu? Elas devem estar te manipulando Yuki! Bruxas são ordinárias!... Mas não se preocupe, uma hora você vai perceber isso... E nesse momento, eu estarei lá para te ajudar e te tornar em uma caçadora... Eu vou te convencer a seguir o caminho certo! – ele exclama.

– Ki-Kiyoteru...! – tento chama-lo, mas ele sai correndo atrás das duas.

...

O que eu deveria fazer afinal!?...

Bom, por hora, só posso ter esperança de que elas chegaram a salvo em seu covil... E eu sei que elas devem ter um porque minhas primas tinham...

Primas!

Elas vão chegar segunda-feira no meio dessa bagunça!

Pego o celular e disco rapidamente o número da Mel. O bom é que ela não gosta muito de sair do covil, mas quando sai e não pode usar magia é tão viciada no celular quanto a Neru! É impossível que não atenda!

– Alô? – pergunta.

– Mel! Onde vocês estão? Qual a distancia do internato? Fala logo! – pergunto.

Como é mesmo que se fala?... “Oi Mel querida, é a Yuki. Desculpa te ligar enquanto você lia uma fanfiction no celular e interromper a melhor parte da sua história de yaoi favorita! Como você está?” – ela fez uma vozinha que usa para me imitar e me tirar do sério, obviamente irritada – Ah, tirando o fato da nossa QUERIDÍSSIMA prima Teto estar enchendo o saco eu estou muito bem obrigada. – continua fingindo bom humor - Agora pode falar, o que você quer?– rosna a última parte.

– ...Desculpa Mel. – eu.

DESCULPA!? Olha o tempo que faz que você não fala comigo e assim que me liga já começa a me interrogar!? – exclama irritada – Olha a falta de educação porra!

– Quem falo palavrão foi você... – retruco e ouço ela praguejando contra mim do outro lado do celular – Como eu ia saber que você estava lendo quando te liguei!? É algo realmente importante!

Ok, fala – ela suspira.

– Caçadores. – falo e o celular fica mudo por um tempo.

O que tem eles? – resmunga.

– Estão no internato... Eu sugiro que não venha mais. – respondo.

Hum... – ela resmunga preocupada – Sabe o que é Yuki? A minha mãe e a vovó eram as únicas adultas da família que sabiam da bruxaria! Eu não posso simplesmente dizer que tem caçadores e fazer a nossa tia Kasane-Cabeça-Dura mudar de ideia. No máximo atraso a gente! – exclama.

– Já dá pro gasto! Quanto tempo você atrasa? – pergunto.

... – silêncio – No máximo uma semana. – responde.

– O quê!? Mas você já atrasou a gente um mês e meio uma vez! – exclamo.

Não fui eu. Que era boa em pegadinhas era a Emy... – sua voz sai meio triste – Só consigo uma semana...

– Ok... – suspiro – Vou tentar arrumar as coisas até lá então!

E antes mesmo que tente protestar contra eu me envolver nisso eu desligo na cara dela.

É, o jeito é torcer para tudo se ajeitar logo!

Rin, Claire, será que vocês já estão seguras?...



Notas finais do capítulo

Então, tem gente que dá nome aos seus leitores... E em homenagem ao Lui pensei em Black Cats!... Pode ser? Ou preferem Kuro Neko?



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Internato" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.