Marvel: Os Maiores Heróis da Terra escrita por Larenu


Capítulo 42
Evolução


Notas iniciais do capítulo

Cinco mil!



Em uma das salas da base do Alto Evolucionário na Terra Selvagem, Kraven, o Caçador, falava com uma tela. Ao seu lado estava Madame Máscara e, na tela, o Alto Evolucionário.

— Senhor Wyndham, acho que você não está me entendendo.

Estou, sim, Kraven. Só não entendo seus motivos.

— Simples. Os Vingadores estão aqui.

Herbert gelou.

Os... Vingadores?

— Sim. Eu e Giulietta concordamos que você não nos paga o suficiente para enfrenta-los.

A Madame Máscara se pronunciou.

— Na verdade, você nem me paga. A Essex paga você para me manter aqui.

Então estão com medo?

Kraven olhou para ele.

— Não, não. Um caçador que se preze nunca tem medo.

Então prove sua coragem e cace os Vingadores.

O Caçador suspirou.

— É verdade. Caçar os maiores heróis da Terra é um feito digno de Kraven, o Caçador!

Ele pegou sua lança e saiu dali.

Quanto a você, Giulietta, não acho que o Conde Nefária ou o Senhor Sinistro venham a gostar de saber que a Madame Máscara tem medo de enfrentar os Vingadores. Se a S.T.R.I.K.E. planeja derrotar a S.H.I.E.L.D., os Vingadores são um ótimo começo.

Ela olhou para ele.

— Sei que está usando as palavras para me convencer, porém tenho que admitir. Você está certo.

Giulietta apertou algo em sua máscara.

— Os Vingadores são muitos. Que tal... o Homem-Aranha? Segundo as pesquisas de Warren, o nome é Peter Parker.

A Madame mexeu no dispositivo em seu braço.

— Cabelo-de-Prata, diga-me tudo que sabe sobre os Parker.

A imagem de Silvio Manfredi se projetou ali.

Signora Nefaria, que bela surpresa!

— Os Parker, por favor.

A simpatia de Manfredi desapareceu.

Mary e Richard Parker, agentes da S.H.I.E.L.D., faleceram em uma missão tentando capturar um dos falsos Caveiras Vermelhas que surgiram antes da misteriosa ressuscitação de Shmidt. Seu filho Peter foi deixado sob os cuidados de May e Ben Parker, seus tios. Ben foi morto pelo Mandarim, quatro meses atrás.

— Obrigado.

Ela desligou. Mentalizou a imagem de May Parker que lhe fora mostrada e sentiu a metamorfose. Agora era uma senhora.

— Até, Herbert.

O Alto Evolucionário desligou.






Em algum lugar, doze seres poderosíssimos se reuniam em um círculo. Cada um tinha seu assento naquele salão situado no Olimpo. Sim, eram os deuses Olimpianos. Sentado no trono, Zeus olhava sobre todos com um ar orgulhoso. Ao seu lado, sua esposa Hera parecia entediada.

Os outros deuses ali presentes eram: Poseidon, Hermes, Atena, Afrodite, Hefesto, Deméter, Ares, Ártemis, Apolo e Dionísio. O assunto que necessitava daquela reunião era Hércules, filho de Zeus fora do casamento com a mortal Alcmena.

— Por mim, devemos mata-lo — disse Hera.

— Sua opinião não foge do esperado. Quer fazer com ele o que tentou fazer comigo e com Ártemis — disse Apolo.

— O que fez com Hefesto — disse Afrodite.

Hera envergonhou-se.

— Os problemas de minha família não são da sua conta, Afrodite.

— Obrigada, sogrinha — disse a deusa do amor.

Deméter olhou para Zeus.

— O filho é seu, Zeus. Cuide você dele, pois tenho meus próprios problemas. Perséfone continua nos domínios de Hades.

O senhor dos deuses olhou para ela.

— Irmã, todos os olimpianos devem permanecer aqui até o fim da reunião.

Poseidon bufou.

— Os atlantes precisam de mim, portanto apressem-se com isso.

De repente, as portas se abriram. Quem entrou foi Héstia, deusa do lar. Ela jogou algo no chão e acendeu com isso uma fogueira.

— Que desafios podem ser o suficiente para punir aquele que viajou com os Argonautas, presenciou a morte de Medusa e cumpriu os Doze Trabalhos? — inquiriu ela.

Os doze deuses olimpianos olharam para a deusa que cedera seu cargo ali para Dionísio.

— O que está nos propondo, Héstia? — perguntou Hermes.

A deusa abriu a boca para falar, mas Dionísio a interrompeu.

— Perdoem-me, mas... o que Hércules fez, mesmo?

Hera não perdeu a oportunidade de dizer isso na cara de Zeus.

— Hércules invadiu Svartalfheim. Por causa dele, Malekith o Amaldiçoado e a Rainha Alflyse, protagonistas de várias disputas políticas dos Elfos Negros, entraram em um acordo e declararam guerra contra o Olimpo. Os outros oito Reinos têm uma semana para declarar seu lado nessa batalha. Hércules precisa ser punido por isso.

Héstia ia prosseguir, mas Dionísio voltou a falar.

— E Odin? Se pronunciou?

Hermes negou com a cabeça.

— Nada se sabe sobre Asgard desde que Odin acordou. Ouvi dizerem que um outro filho de Odin voltou para lá. Talvez essa seja a razão de Thor ter ido para o mundo dos Mortais.

A deusa do lar se levantou.

— Deixem-me falar, por favor.

— Fale, Héstia — disse Zeus.

— Devemos mandar Hércules para o mundo dos Mortais, para conviver com eles.

— Tem certeza? Ele foi criado lá.

— Isso não será um problema. Lá, Hércules não poderá usar seus poderes sem causar problemas. Ele será diferente. E os seres humanos não gostam do diferente.

Zeus se levantou.

— Aqueles a favor devem erguer uma mão.

Incrivelmente, todos os doze deuses ergueram suas mãos.

— Ótimo, chegamos a um acordo sem discussões. Todos para o pátio. Hermes, busque Hércules e leve-o ao meu encontro no pátio.

— Entendido, senhor.

Os Olimpianos se reuniram em um dos vários pátios decorados com colunas existentes no Olimpo. Hermes chegou voando com um homem musculoso, que fora amarrado pelas cobras do caduceu de Hermes.

Hércules foi colocado no centro do círculo formado pelos deuses. Zeus deu um paço à frente e invocou seu raio.

— Hércules, Filho de Zeus. Com o poder a mim concedido, eu o sentencio a...

O grito jovial de uma deusa o impediu. A deusa da juventude, Hebe, entrou correndo.

— Parem! Por favor, deixem Hércules em paz!

Zeus arremessou seu raio em Hebe, que foi jogada para a parede.

— Afaste-se, deusa menor! As decisões dos Olimpianos não lhe interessam!

Ela se deixou cair no chão, as lágrimas escorrendo por seu rosto jovial. Hércules ergueu a cabeça para ela e esboçou o nome Hebe em sua boca ao desaparecer com o término da frase de Zeus.






A batalha protagonizada por clones, Novos Homens e Vingadores na base do Alto Evolucionário na Terra Selvagem já se mostrava duradoura. O Hulk colocou-se diante do Lagarto. Os dois gigantes cerraram seus punhos, preparando-se para um confronto. Feiticeira Escarlate observava aquilo de longe. Estavam em meio ao caos daquela batalha, e isso a fazia se sentir extremamente poderosa.

Aquela batalha era um empecilho. Wanda precisava sair dali, mas não queria sair nem podia ser seguida. Além disso, precisava que o Visão a acompanhasse. A única saída, obviamente, era usar seus poderes.

— Bova, Cassandra... querem vir comigo?

Bova pegou sua bengala. A senhora-vaca olhou para Wanda com um ar materno.

— Filha, os Novos Homens são minha raça. Tenho que ficar e ser fiel à minha origem.

— Assim como você precisa ir para ser fiel à sua — disse Cassandra. — Você é uma mutante poderosíssima. Não acredite no que Herbert lhe disse. Max e Magda não eram membros da família Maximoff. Seu pai, Wanda, é um mutante muito poderoso. Cabe a você, porém, descobrir quem ele é. Encontre Pietro e vá para a Montanha Wundagore, na Trânsia. Faça o Alto Evolucionário contar a verdade.

Wanda olhou para elas com os olhos lacrimejando.

— Vou sentir a falta de vocês.

Ela ia se virar, mas Bova a parou.

— E não se preocupe com os Novos Homens. Eu e Dempsey cuidaremos deles por você.

A Feiticeira Escarlate assentiu. Era sua responsabilidade liderar os Novos Homens ali, mas Dempsey ou Bova poderiam fazer isso tão bem quanto ela faria.

— Obrigada, Bova.

A vaca sorriu, curvada sobre sua bengala. Wanda voou para longe dali, chegando à sacada que levava ao corredor de onde os clones vieram. Acenou para elas e passou pela porta.

Bova e Cassandra voltaram para dentro de sua quinjet. A Madame Teia se sentou em uma enorme cadeira prateada, saindo de sua cadeira de rodas.

— Bova, quero ficar só por um momento. Tenho algumas coisas para fazer.

A senhora estranhou, mas pegou sua bengala como sendo uma espada e deixou a quinjet. Cassandra verificou se estava só e digitou algo em sua cadeira, que projetou a figura de um homem com cabelos compridos.

Cassandra, já estava aguardando notícias suas.

— Perdoe a demora, senhor. Tive alguns imprevistos com o Alto Evolucionário.

Você não deve justificativas a ele.

— Mas ele é necessário. Herbert vai criar uma Mulher-Aranha.

Sim, sim. Charlote Witter.

— Senhor Essex, mudando de assunto, agradeço pelo apoio que sua empresa me deu, contudo é chegada a hora de nossos caminhos tomarem rumos diferentes. Eu vou sumir.

­— Tente buscar refúgio com aquela minha indicação. Bom, de qualquer forma, espero voltar a ter notícias suas um dia.

­ — Terá, eu garanto. Mas e as expedições no Egito? Já encontraram-no?

Não. O sarcófago de Em Sabah Nur continua escondido. Bem, agora tenho que ir. Até, Madame Teia.

­— Adeus, Senhor Sinistro.

A imagem dele se dissipou. A cega então ouviu alguns movimentos atrás de si e sorriu.

— É um prazer conhecer você, Jessica Drew.

A Mulher-Aranha desceu para o chão.

— Como...?

— Como sei seu nome? Ora, sei praticamente de tudo. Filha de Jonathan e Merriem Drew, seu pai era agente da Hidra, você tem problemas de segurança, será membro dos Vingadores...

— Espere. Você vê o futuro... Madame Teia?

— A própria. Pelo jeito, não sou só eu que sei coisas.

— Escutei muitas conversas por aqui.

— Entendo.

Jessica encarou a parte de trás da cabeça dela, que continuava de costas para ela.

— Bom, menina, tenho que ir e você está me atrapalhando. Se não sair por vontade própria, terei que tirá-la daqui à força. Como já sei que não quer sair, acho melhor batalharmos logo.

A Madame Teia, que ainda estava de costas para Jessica, pressionou alguns botões. Enormes braços semelhantes a patas de aranha brotaram da cadeira. Uma espécie de teia foi disparada e prendeu-se às paredes. Os braços se apoiaram nela e ergueram a cadeira.

De repente, Jessica teve uma sensação de deja vu. Sentiu que já vira a mesma cena antes. Então, lembrou-se de Cassandra Webb, a mulher de cadeira de rodas com problema na vista¹ que acompanhara a vida de Jessica.

— Cassandra, é você?

Ela sorriu.

— Sim, Jessica. Eu sou Cassandra Webb, a cega na cadeira de rodas.

— Impossível. Você morreu.

— Será que morri mesmo? Não. Acontece que o problema que eu tinha na vista era degenerativo, de forma que logo minha visão foi completamente perdida. As visões que tinha do futuro se tornaram cada vez mais frequentes. Um dia, caí desmaiada em um beco. Funcionários da Essex me salvaram. O senhor Nathaniel Essex construiu esta cadeira para mim. Assim, eu me tornei a Madame Teia e pude continuar monitorando o trabalho de seu pai.

— Por que, Cassandra?

— Meus poderes nunca foram aproveitados devidamente no laboratório de seu pai. Nathaniel Essex me ajudou a enxergar todo o meu potencial.

— Meu pai sabia?

— Dos meu poderes, sim. Que eu estava viva, não.

Ela avançou. A Madame Teia fez sua cadeira estender um braço na direção de Jessica.

— Entregue-se, saia ou morra, Mulher-Aranha!

— Nenhum dos três.

A Mulher-Aranha esquivou daquela pata e lançou teias para prendê-la ao chão. Em seguida, tentou isso com outra.

Do lado de fora, o Homem-Aranha esperava por Jessica. À sua frente, Homem de Ferro, Thor, Viúva Negra e Gavião Arqueiro derrotavam alguns clones. Mais para o lado, Hulk enfrentava o Lagarto. Patriota de Ferro, Máquina de Combate e Resgate voavam pelo lugar, disparando em clones e Novos Homens. Visão disparava no Chacal, enquanto o Doutor Estranho parecia ocupado fitando a sacada de onde Peter viera.

— O que foi, Stephen? — perguntou-lhe Tony.

— Uma figura muito poderosa está emanando energia do caos naquele corredor.

O Homem de Ferro derrubou alguns clones.

— Acha que precisamos ir lá?

Ele assentiu.

— Está bem. Vingadores, agrupar!

— Não dá, Tony — disse Peter. — Jessica ainda está lá dentro.

— Isso não será um problema para o nosso amigão verde. Apenas prenda o Lagarto com suas teias.

Peter assim fez.

— Ei, grandão! — chamou. — Quebra essa nave para a gente!

O Hulk cerrou os punhos e avançou na quinjet. Agarrou o metal e puxou, de forma que a parede cedeu e desmoronou. Lá dentro, viram uma cadeira prateada sobre teias, da qual brotavam braços como os de aranha. Nela estava sentada uma senhora pálida com os olhos enfaixados que vestia um vestido vermelho.

A Mulher-Aranha estava pendurada em suas teias e batalhava com a senhora. As duas continuavam de pé. Por algum motivo, Peter sentiu-se responsável por isso. Talvez porque podia ter impedido Jessica de entrar ali. Bom, ela o desobedeceria de qualquer forma.

De repente, Peter sentiu um gosto ácido na boca. Ele logo desapareceu, mas ele sentiu algo se mexer dentro de seu corpo. Algo verde foi disparado de seus pulsos e atingiu a senhora na cadeira, derrubando-a dali. A teia foi derretida, de forma que Jessica também caiu.

— O que foi isso? — ele se perguntou.

Tony colheu uma amostra com sua armadura e esperou um pouco.

— Veneno de aranha. Acho que a aranha que te picou era peçonhenta e deixou o veneno em você. A Joia do Poder deve ter amplificado o veneno e o transformado em rajadas bioelétricas.

A senhora rastejou no chão. Sua venda havia caído, revelando olhos completamente brancos.

— Joia do Poder... o que sabem sobre as Joias do Infinito?

Eles olharam para ela.

— Como você conhece esses artefatos?

— Sei de muitas coisas. As Joias do Infinito foram artefatos que representavam seres extremamente poderosos que habitaram os primeiros planetas do nosso Universo após o Big Bang. Seis no total: Poder, Alma, Tempo, Mente, Espaço e Realidade. Causaram brigas entre Entidades Abstratas por seu poder, tiveram guardiões² e, finalmente, foram distribuídas entre espécies e seres por todo o espaço.

Stephen se aproximou mais.

— O que você sabe sobre a Manopla do Infinito?

— Esse artefato foi criado por Uranos, o governante da cidade dos eternos na Terra, Titanos. Ele derrotou os seis guardiões das Joias do Infinito², e então criou um artefato para unir os poderes das seis Joias. Esse artefato era uma luva, ou melhor, uma manopla, dourada. Sim, a Manopla do Infinito.

— Uma última coisa — pediu Stephen. — Thanos.

Ela estremeceu com esse nome.

— O Titã Louco é insano. Ele não tem piedade. Mata por prazer, para agradar a Morte. Ele tem um amor platônico e louco por ela, e está disposto a fazer tudo para agradá-la. No caso, um genocídio universal. As Joias do Infinito são apenas um meio. E não se enganem, Vingadores. Thanos virá para a Terra!

Essa frase fez com certeza todos estremecerem. Jessica, porém, não deixou que prosseguissem e lançou teia nela, a amarrando.

— Vamos leva-la conosco. Essa mulher é louca e precisa ser contida.

— Ei, calma, Jessica. Bom, agora vamos. Temos que deter energia caótica.

— A Feiticeira Escarlate — disse Cassandra, que estava amarrada. — Wanda Maximoff.

Jessica lançou teias para prendê-la à parede.

— Voltaremos para te buscar.

Gavião Arqueiro e Viúva Negra se ofereceram para guarda-la ali, enquanto os outros saíram da nave.

— Ok — começou Tony Stark. — Hulk, abra caminho para nós.

O Hulk correu, derrubando clones e Novos Homens até a sacada.

— Certo, ele é bem eficiente.

Os Vingadores passaram por esse corredor.

— Norman, Pepper e Rhodey, fiquem aqui cuidando deles. O resto vem comigo.

Correram escada acima e chegaram ao corredor. Lá, porém, uma surpresa os aguardava. Kraven o Caçador, uma idosa, Feiticeira Escarlate e Mercúrio os aguardavam.

— Tia May? — perguntou Peter, assustado.

A idosa sorriu.

— Olá, Peter.

Jessica colocou a mão no ombro dele.

— Peter, não acredite nela. É a Madame Máscara.

Tia May rosnou.

— Está bem, fui desmascarada.

Ela começou a se metamorfosear até voltar a ser a Madame Máscara. Kraven empunhou sua lança, Madame Máscara suas armas, Feiticeira Escarlate se posicionou estrategicamente para lançar feitiços e Mercúrio se preparou para correr. Os Vingadores também se posicionaram. Como se uma contagem regressiva houvesse sido feita, avançaram ao mesmo tempo.

Kraven se colocou diante de Peter e Jessica. A Madame Máscara se preparou para atirar em Visão e Homem de Ferro. Doutor Estranho e Thor pararam perante a Feiticeira Escarlate, enquanto Hulk colocou-se defronte de Mercúrio.

Com um forte ataque de magia caótica, Wanda cegou a todos ali com uma luz estonteante. Ela aproveitou isso para não ser pega pelo Mago Supremo ao se aproximar do Hulk. Passou a mão pela cabeça do gigante Esmeralda e encantou-o.

O Hulk se viu em um enorme laboratório. À sua frente estavam homens conhecidos: Phil Sterns, Samuel Sterns, General Ross, Emil Blonsky, Cal Zabo, Betty Ross e Jennifer Walters.

— Ele é uma fera que deve ser morta — disse o Trovão Ross.

— O Bruce que tanto amei se foi — chorou Betty.

Os três doutores (os irmãos Sterns e Zabo) se aproximaram.

— Precisamos mata-lo.

Prenderam a ele alguns condutores de energia. Emil Blonsky segurou a cabeça da fera, enquanto eles liberavam espasmos elétricos no Hulk. Então, Bruce Banner falou através dele.

— Parem, por favor. Vão irritá-lo. Não sejam estúpidos!

Mas ele foi eletrocutado com força total. Tudo ao seu redor começou a mudar. Philip se tornou um monstro vermelho de rosto desfigurado, Samuel um homem verde cabeçudo, General Ross um Hulk de cor vermelha, Blonsky um abominável monstro escamoso, Zabo um Hulk vermelho e cabeludo, Betty uma mulher Hulk de cor vermelha e Jennifer uma mulher Hulk verde.

— Você fez isso conosco, Bruce! Você é o culpado! Nos tornamos monstros por um desejo egoísta seu de recriar o soro do Capitão América com energia gama!

Ele começou a socar e chutar, gestos que repetia na vida real. Todos tiveram que desviar da fera esmeralda que tentava acertá-los. Foi quando viram que o Hulk estava chorando. Isso, porém, não parou a Madame Máscara quando ela atirou nele.

— Você está louca? — berrou Stephen. — A força do Hulk é incalculável. Se irritá-lo, todos nós morreremos.

Ela se irritou.

— Não tente me dar ordens, Mago Supremo!

— É pelo seu bem, Giulietta.

— E pelo seu também!

Ela começou a correr. Passou por uma parte do corredor onde havia um painel. Digitou uma senha nele e uma porta se fechou, separando-a dos outros. O Hulk se voltou para ela, que estremeceu.

— ROSS! — ele gritou.

O Hulk começou a correr na direção da Madame Máscara. Quebrou a porta e jogou-a no ar. Graças a Jessica, que usou teias para puxa-la, Giulietta sobreviveu. Wanda Maximoff observou aquilo com culpa nos olhos.

— Foi você! — acusou Stephen.

Mercúrio entrou entre os dois.

— Desencosta. Ninguém vai tocar na Wanda.

— Não ia tocar nela. Apesar disso, sinto que os poderes dela são perigosos.

— Não fale mal dela — disse Pietro.

— Não falei mal. Apenas disse que são instáveis e perigosos.

Wanda continuou encarando-o.

— Compreenda, senhorita Maximoff, que não deve usar seus poderes para o mal. Talvez com os Vingadores pudesse aprender. Eu poderia te dar aulas, ou os X-Men e...

Ela disse algo para Pietro, que assentiu em resposta. Wanda começou a correr, e Pietro bloqueou o caminho de Stephen.

— Onde pensa que vai, velho?

Ele lançou um feitiço nele que jogou-o contra a parede, mas Pietro foi rápido para se colocar de volta à frente do Doutor Estranho.

— Não compreende que eu quero ajuda-la?

Foi quando Stephen viu para onde ela ia.

— Espere, não!

Mas era tarde demais. A Feiticeira Escarlate pulou no Visão, e juntos os dois desapareceram.

— Não!

Os Vingadores pararam e olharam para o lugar onde outrora estiveram os dois. Jessica amarrava Giulietta em um canto, de forma que ninguém prestava atenção em Kraven. O Caçador agarrou o Homem-Aranha, cochichando ao ouvido dele:

— Um bom caçador observa os momentos vulneráveis da presa.

Arrastou-o para trás em silêncio e amarrou-o.

— Um bom caçador não chama atenção.

Ele cravou um dardo atordoante em Peter.

— Um bom caçador é prevenido.

Levou o Homem-Aranha nos ombros por uma porta que levava para a floresta da Terra Selvagem.

Visão e Feiticeira Escarlate caíram no chão de uma sala enorme. O antigo J.A.R.V.I.S. olhou em volta.

— Onde estamos?

— Esta é a Montanha Wundagore, na Trânsia.

Ele se espantou ao vê-la e se levantou.

— Como viemos para cá?

— Usei meus poderes.

— Por favor, leve-me de volta.

— Eu não posso. Preciso da sua ajuda. Em troca, posso te entregar o Alto Evolucionário.

— Ele está aqui?

— Sim. Esta é a base principal dele.

Visão flutuou um pouco rente à parede.

— Por que eu e não seu irmão?

— Vi como você me salvou. Você é mais poderoso que Pietro, e pelo que eu vi não me negaria sua ajuda.

— Tem razão. Devo ajudar quem necessita.

— No momento, preciso muito de você. E do Alto Evolucionário.

— Sabe em que sala ele está? Este lugar parece ser grande.

— Sim. A sala dele é a mais alta.

Em meio à batalha na Terra Selvagem, Dempsey sentiu uma energia muito poderosa sair de si. Essa energia demoníaca viajou até chegar à Trânsia, um país na Europa. Lá, subiu a Montanha Wundagore e chegou à sala mais alta. Só então se manifestou.

— Cheguei, Herbert.

— Chthon.

— O primeiro e único.

Mais abaixo, Visão e Feiticeira Escarlate conversavam enquanto começavam a subir.

— Fui criada por ciganos. E você?

— Fui criado pelo senhor Stark. Meu nome era J.A.R.V.I.S. e fui um mordomo artificial.

— Ah, é? E como ganhou esse corpo?

— Tive que rouba-lo para fugir da I.M.A., pois ia ser usado para um mal terrível.

— Mal terrível?

— O Ultron.

— E o que seria Ultron?

— A primeira tentativa de Inteligência Artificial de Tony Stark, criada com a ajuda de Hank Pym e Bruce Banner. O Ultron, porém, se tornou mau e quis destruir a humanidade. Foi desligado e aprisionado no mais profundo sistema da S.H.I.E.L.D., mas de alguma forma a I.M.A. o conseguiu.

— Entendo. Ele é perigoso?

— Se um dia conseguir um corpo, será. Atualmente ele já é, pois consegue invadir qualquer sistema. Mas com um corpo seria bem pior.

Ela assentiu. Os dois chegaram ao último andar, perante uma porta enorme.

— É aqui.

Wanda não reparou, porém no começo da caminhada Visão mandara uma mensagem para Stark avisando sobre sua localização. Nesse momento, um portal se abria andares abaixo. Dele desceram Doutor Estranho, Homem de Ferro e Mulher-Aranha.

— Certo. Segundo Visão, o Alto Evolucionário está lá no último andar — disse Tony.

Antes que o portal se fechasse, Mercúrio pulou por ele.

— Acha que eu deixaria vocês capturarem minha irmã? Nem ferrando!

Ele correu à frente. Rapidamente, alcançou Visão e Wanda.

— Pietro? Como chegou aqui?

— Os Vingadores. Acho que seu amiguinho os chamou.

Feiticeira Escarlate olhou para Visão.

— Você fez isso?

— Sim. Ainda não sabia se podia confiar em você.

— E agora? Pode?

— Há 98% de chances de você ser confiável. Os outros 2% se devem ao fato de eu não compreender direito o motivo de você querer o Alto Evolucionário.

— Não entende? Pois agora entenderá.

Ela explodiu a porta com raiva. Lá dentro, a sala era enorme. Um homem de armadura roxa e verde falava com um cadeirante de jaleco.

— Doutor Malus, está na hora. Pode soltar as cobaias na Terra Selvagem.

O doutor indicou os heróis com a cabeça.

— Senhor...

— Eu os vi, Karl. Mas já falo com eles. Por favor, faça isso. Agora vá!

O doutor Karl Malus girou sua cadeira de rodas com força e saiu de lá com um computador. Lentamente, o homem de armadura se virou.

— Alto Evolucionário? — perguntou Visão.

— Por favor, me chame de Herbert. Mas sim. Alto Evolucionário ao seu dispor.

Visão olhou para ele.

— Decepcionante.

Herbert riu.

— Como é?

— Os Vingadores me contaram como é emocionante uma batalha contra “o chefão”. Até agora estou achando decepcionante.

Ele riu novamente.

— Ah, é? Vamos apimentar um pouco mais a batalha.

Herbert estendeu os braços para frente. Pietro, Wanda e Visão foram jogados contra a parede.

— Está na hora de vocês conhecerem o maior poder da evolução. Eu sou o Alto Evolucionário e vou mostrar a vocês o meu poder!

Ele cerrou os punhos. Como com os personagens de Star Wars, sentiram-se enforcados.

— Oh, agora eu que estou achando decepcionante. Vocês são fracos. Nem demonstram resistência!

Ele apertou ainda mais os punhos, de forma que o ar se tornou mais escasso. Estranhamente, apesar de Visão não respirar aquele ar como os humanos faziam, sentiu-se mais fraco.

— Contagem regressiva para a morte de vocês. Três, dois e...

Nesse momento, Homem de Ferro, Doutor Estranho e Mulher-Aranha entraram.

— Um! — gritou Stark.

A Mulher-Aranha lançou teias em Herbert. Os três heróis presos à parede foram soltos, de forma que puderam se movimentar novamente.

­— Mais gente, que bom. Sejam bem-vindos ao seu fim.

Ele disparou rajadas elétricas em todos com a palma da mão. Se ergueu no ar e fitou-os com seriedade.

— Stark, que coisa feia. Essa armadura é trapaça!

Foi só estender a mão que a armadura de Stark começou a se desprender do corpo. Os pedaços explodiram e foram jogados para todos os cantos.

­— Isso, agora sim é justo.

Herbert novamente jogou todos contra a parede. Stephen Strange, porém, permaneceu no lugar.

— O Mago Supremo da Terra. É uma honra conhecer você. Ainda assim, é triste saber que há um escudo de serafim entre nós!

Com um disparo, Herbert explodiu o escudo.

— Vocês não devem desafiar a natureza. Agora, um segredinho só nosso: a evolução é a ordem suprema da natureza!

Stephen também foi jogado contra a parede.

— Bom, vamos ver quem eu mato primeiro. Unidunitê, salamê linguê. O sorvete colorê... Ah, o escolhido foi você! — Ele apontou para Mercúrio.

Pietro foi jogado no chão.

— Obviamente você se recorda de mim, não é? Eu protegi você e Wanda por muitos anos. Sabe de uma coisa? Deveriam ter me obedecido. Assim, não teria que matar vocês dois. — Ele jogou Mercúrio de volta. — Antes, quero ter uma conversa com você! — Ele apontou para Jessica. — Filha de Jonathan Drew, é uma honra falar com você pessoalmente. Bova cuidou de você por mim, apesar de que eu a considero muito fraca. Ela chora pelo leite derramado, sabe? Mas é uma obra de arte da natureza.

Jessica aproveitou o ar que tinha e falou.

— Natureza? Você se considera a natureza, por acaso? Bova é um experimento seu! Todos os Novos Homens são! Você é um desalmado sem coração, que faz experiências com seres da própria raça.

— Cale-se! — ele gritou, sufocando as cordas vocais dela. — Assim você me magoa, Jessica Drew.

Desesperada, ela lançou teia nele. Mas o Alto Evolucionário apenas pegou a teia e descartou.

— Fraca. Nem sabe como aproveitar o potencial que tem. Acha mesmo que se limita a teias artificiais? Seu pai fez experimentos de verdade com você. Na barriga da sua mãe, você foi uma aranha por um tempo. Você, Jessica, é membro dos Novos Homens tanto quanto Peter Parker. Seus poderes de aranha são o suficiente para caracteriza-los como Novos Homens.

— Isso... não... é... verdade.

— Ah, é sim. Mas não chore. Você não está só. Se não me engano, você é a segunda Mulher-Aranha. A primeira foi Julia Carpenter, mas ela está muito ocupada ultimamente para agir como heroína e abandonou o cargo. Você é a segunda, sim. Ainda há mais duas a surgir. E elas, minha cara, tendem a superar você.

— Já chega! ­— gritou Wanda Maximoff, quebrando o campo que a impedia de respirar.

— Wanda, minha querida. O que te incomoda?

— Você e suas mentiras, Lorde!

— Como assim?

— Meus pais. Eles não eram Maximoff.

Seu pai, Max, era um mutante que não gostava de humanos. Ele achava que os Homo sapiens sapiens deveriam ser substituídos pela raça mutante, a Homo sapiens superior. Talvez Tony e Stephen já tenha escutado o codinome dele. Magneto!

— O pai deles... é o Magneto? O inimigo um dos X-Men? O líder de Genosha? O chefe da Irmandade dos Mutantes?

— O próprio.

O Alto Evolucionário havia se distraído. Stephen percebeu isso e pronunciou duas palavras poderosas.

— Vácuo sombrio.

Uma energia escura atingiu Herbert, que caiu para trás.

— Pare, Mago Supremo! Eu sou a única coisa que o impede de chegar até Wanda!

Stephen percebeu a energia demoníaca no lugar aumentando.

— Quem é ele?

— Chthon — disse uma voz reptiliana.

Fogo surgiu pela sala. No meio disso, um homem de roupas vermelhas e cabelo branco se pôs de pé.

— Chamam-me Chthon. É um prazer conhecer vocês, Vingadores. E um prazer maior ainda será mata-los!

Ele ergueu os braços para cima. Então, a montanha começou a desmoronar. A sala toda tremeu, de forma que um homem caiu de seu esconderijo.

— Karl Malus? Você estava nos observando? — perguntou Herbert.

— Sim. Me perdoe, senhor. Talvez eu compense isso dizendo que as cobaias estão soltas na Terra Selvagem.

— Poderia compensar derrotando Chthon.

O Alto Evolucionário se levantou e encarou Chthon.

— Basta. Você me ameaçou por muito tempo. É chegada a hora de eu provar a você que posso sustentar esta montanha sozinho!

Chthon estalou os dedos e pedras desmoronaram em cima de Herbert. Era uma situação irônica, levando em conta a frase dele. Graças a Wanda, entretanto, a pedra não o atingiu, apenas pairaram acima dele.

— Obrigado, Wanda.

Ele começou a se aproximar dela.

— Parado! Não dê mais um passo, ou eu solto as pedras.

— Wanda...

— Não! Não quero ouvir! Stephen, abra um portal para sairmos daqui. O Mago Supremo o fez rapidamente.

Wanda jogou as pedras longe.

— Nem mais um paço, Herbert.

Tudo pareceu desacelerar quando Chthon disparou na direção dela. Visão, porém, se colocou no meio e foi atingido. Ele voou para longe.

­— Visão! — gritaram Tony e Wanda em uníssono.

A Inteligência Artificial, porém, fora esperta e aumentara sua densidade. Assim, fora possível não ser tão abalado pelo disparo. Todos os Vingadores ali miraram Herbert, Malus e Chthon. O demônio, porém, desapareceu.

— Doutores Karlin Malus e Herbert Edgar Whyndam, rendam-se!

Os dois ergueram os braços.

— Para o portal, agora!

Homem de Ferro os acompanhou, ainda sem armadura. Um por um, os heróis passaram pelo portal e voltaram à Terra Selvagem. Stephen conseguiu ver a Montanha Wundagore terminar de desmoronar e destruir tudo ali.

Quando estavam de volta à Terra Selvagem, olharam para Thor e Hulk.

— Espere, onde está Peter?

Naquele momento, Kraven, o Caçador, dirigia um jipe pela Terra Selvagem. Amarrado no banco de trás estava o Homem-Aranha.





BÔNUS

Thanos, o Titã, ficou de pé diante dos Guardiões da Galáxia.

— Gamora, Drax, Senhor das Estrelas, Rocket Racoom, Groot e Cosmo. Eu sou Thanos, o Titã. Agora, tenho algo a propor.

A parede atrás dele se abriu e revelou a Nova Primordial, Irani Rael.

— Digam-me onde está a Arma Universal que eu a deixo viver.

— Nós não sabemos — disse Peter Quill.

— Azar o seu.

Irani Rael despencou. De repente, uma prancha prateada quebrou o vidro e segurou-a no ar.



Notas finais do capítulo

¹visual ultimate da Cassandra Webb
²assunto para futuro spin-off