Terapia escrita por Kori Hime


Capítulo 2
Terapia para o grupo




Terapia

Eram onze horas da manhã, ainda não sabia porque exatamente estava indo se consultar com um médico. Não quando deveria estar ajudando outras pessoas. Apesar de não ter nada para fazer naquele horário, mas poderia encontrar algo.

Entrou na sala de Cuddy, que a cedeu para que pudessem conversar.

– É o Dr. Ross?

Wilson foi direcionado a sentar-se no sofá, enquanto o médico se apresentava para ele.
Um silêncio incomodo era normal de início.

– Então, pode começar.

– Na verdade, eu não sei bem o que estou fazendo aqui. – tentou explicar que fora pego de surpresa, mas não adiantou em nada.

– Já que esta aqui, porque não conversar?


Wilson relaxou um pouco mais no sofá, realmente não havia porque não aproveitar o momento. Geralmente esta cercado por pacientes, ou amigos médicos, ou o único amigo que ainda não sabe porque é amigo... Resolveu então falar.


– Eu acho que posso ter um problema. Um amigo meu. – deu uma pausa, respirando fundo. Tentando encontrar as palavras certas. – Ele dorme no meu sofá, come da minha comida, e zomba da minha namorada morta.


O médico anotou algo na prancheta que segurava, fazendo Wilson ficar extremamente curioso. Continuou a falar sobre como conhecera esse tal amigo, e como tudo começou a ficar estranho. Mas antes de terminar, a porta se abriu.


– Ahá! Achei você. Já é hora do almoço, estava te esperando para irmos comer algo.


House caminhou até o sofá, cutucando a ponta da bengala na perna de Wilson.


– Dr. Ross, esse é o amigo que eu estava falando, Gregory.

– Ele já disse que conversa com gente morta? – House sentou-se ao lado de Wilson. A terapia foi suspensa, e o Dr. Ross leu mentalmente o que anotara.


Dependência...

 



++++


Estava ocupada com um paciente e fora praticamente obrigada a largar tudo para participar da sessão de terapia. Achou injusto, e quis reclamar, mas não era uma boa ideia, realmente os argumentos dados pela diretora do hospital eram muito bons.

Deixou o jaleco no vestiário e seguiu para a sala onde o tal Dr. Ross estava.

– Acho que é a minha hora. – Thirteen abriu a porta e sentou-se numa cadeira próxima ao médico que anotava algo na prancheta. – Podemos começar logo? Tenho um paciente que precisa de observação.


– Creio que há outros médicos que possam observá-lo. Então, porque não se senta ali no sofá? É mais confortável.


– Não, eu estou bem aqui. – ela se remexeu na cadeira, tentando espiar o que o homem moreno anotava. – Algo que eu disse?


– Você não precisa se preocupar com o que eu escrevo, são só lembretes simples. Me diga, gosta do que faz? Conte-me como é praticamente viver num hospital.

Ela respirou fundo, realmente passava mais tempo ali que na sua cozinha preparando saladas, carnes... mas mal sabia cozinhar.


– É uma vida dura, mas eu escolhi essa vida, e gosto do meu trabalho, é gratificante ver o sorriso de um paciente curado, e agradecido. – Lá estava ele novamente anotando algo. – Gostaria que dessem mais valor a essa profissão, assim como todas as outras são importante, digo... mas um médico... bem, um médico é...


A porta se abriu, e um homem de bengala entrou na sala, vestido com as roupas especiais para cirurgias. A mascara fora retirada, e a falta de sorriso de House atrapalhou a sessão.


– Dr. Hadley, seu paciente acaba de ser encaminhado para a cirurgia... – ela se levantou de uma vez, ignorando o Dr. Ross que virou os olhos para sua prancheta.


Fuga...

 

 

 

 

 


 



Notas finais do capítulo

Pronto, editei esse capitulo, não sei pq sempre dava erro e não conseguia.