The Legend of Jotunheim. escrita por Fernanda Dixon


Capítulo 1
Capítulo Único - Kill me...


Notas iniciais do capítulo

Essa é apenas uma One-Short de uma fic minha, muito velha ela por sinal. Mas daqui alguns meses vou postar Cursed, e quis fazer essa one.

Espero que gostem :)



Capítulo Único – Kill me...

Eram tempos terríveis quando os nove reinos foram criados. Há muito tempo, uma maldição foi jogada nos Gigantes de Gelo, tão poderosa, que era capaz de destruir todos os reinos. Poucos acreditavam nela, pois não tinham muitas informações e era antiga.

Porém, na guerra de Jotunheim e Asgard, eles viram que a história era real. Que a lenda existia mesmo. Eles viram um bebê, uma menina que podia trazer tanto caos, quanto as piores criaturas sombrias.

Seu nome era Lyra, uma Jotun, uma garota amaldiçoada.

...

Oito Anos.

Em Asgard, o reino dos deuses Aesir, tudo parecia calma depois de anos em guerra contra Jotunheim. Muita coisa tinha mudado deste aquela época de batalha. Muitas histórias eram contadas sobre a grande vitória dos guerreiros asgardianos, Lyra crescia ouvindo aquelas histórias que tanto admirava, mas que nunca soube suas origens.

A jovem Lyra ria e corria entre as flores do jardim do castelo. O vento batia em seus cabelos fazendo com que dançassem. Seu vestido branco de mangas compridas que ia até um pouco abaixo dos joelhos rodopiava toda vez que ela girava. Lyra correu e tocou a flor que assemelhou ser a mais bonita dali. Uma linda violeta, completamente roxa. A morena deu um lindo sorriso enquanto encarava a flor.

Estava tão distraída que mal escutou uma voz atrás de si.

— Olá!

Lyra virou-se e viu um menino lindo, de incríveis cabelos loiros e olhos de um azul muito claro, como o céu, límpido de qualquer nuvem ou tempestade. Vestia uma jaqueta fechada preta e vermelha, sem manga, que tinha um cinto envolta da cintura. Camisa comprida cinza por baixo e uma calça preta. Ele tinha um luminoso sorriso estampado no rosto, e foi inevitável não retribuí-lo, embora de certo não o conhecesse.

— Olá... —Disse timidamente Lyra, ela encarava o garoto loiro com um pequeno sorriso e ele também. Aos poucos o garoto foi se aproximando de Lyra.

— Desculpe pela pergunta, mas você não é de Asgard, g? — Vendo que a garota ficou visivelmente confusa com o questionamento, explicou: — Quando as pessoas me conhecem elas costumam fazer alguma reverência, ou coisa do tipo.

— Ah... Eu moro num vilarejo longe do castelo, e só venho aqui poucas vezes. Desculpe... — Lyra falou, envergonhada.

O garoto sorriu como se achasse o fato dela não conhecê-lo incrível, mas nem ligou estava contente hoje por conhecer uma menina tão bela como Lyra.

— Meu nome é Thor Odinson, sou filho de Odin... O rei, sabe? – se apresentou o garoto, rindo, meio sem graça por se apresentar. Normalmente ele não precisava fazê-lo.

Lyra arregalou os olhos e faz uma reverência apressada e desajeitada.

— Oh! Você é o príncipe, então! — Exclamou espantada, apontando para o garoto. Mas logo percebendo que não o conhecia, tratou-se de se desculpar: — Ah, me desculpe... eu... eu realmente nunca vi um príncipe.

Thor apenas ri despreocupado e pela lamentação boba e engraçada da menina.

— Sim, eu acho que sou — Alargou ainda mais o sorriso. — E tudo bem, não precisa se desculpar. Te perdôo se me chame pelo meu nome.

A morena olhou para ele e ficou de pé, abrindo um largo sorriso de contentamento.

— Tudo bem, Thor.

— E seu nome, qual é? — Perguntou Thor.

— Meu nome é Lyra. – Respondeu sorrindo.

Ambos sorriram e Thor se afastou um pouco, indo pegar duas espadas de madeira e voltou até Lyra, lhe entregando uma das espadas. Formou-se uma interrogação na cabeça da menina, perguntando o que significava aquilo. Um tipo de brincadeira?

— Já aprendeu a lutar? — indagou Thor com um sorriso de lado, fazendo malabarismos com sua espada, exibindo-se.

— N-não, nunca... — Gaguejou, envergonhada. Não lembrava-se de terem lhe ensinado isso na escola.

Thor riu pelo jeito que a jovem segurava a espada, e se aproximou dela, ficando ao seu lado.

— Então, vou te ensinar! – disse Thor, pegando nas mãos pequenas e delicadas da nova amiga. A mesma ficou um pouco envergonhada e corou, mas aceitou a ajuda.

Thor mostrou como se segurava a espada de madeira e mostrou a posição inicial para uma luta com objetos. Lyra encarava a espada curiosa, ela já tinha visto coisas como aquela, é claro. Seu pai as usava o tempo inteiro, só que nunca teve curiosidade para pedir ao pai que lhe ensinasse a usar. Até por quê, ele quase nunca estava em casa.

Thor estava maravilhado com os belos olhos verdes de Lyra, era, sim, uma beleza encantadora. Ele sorria enquanto suas mãos quentes seguravam nas mãos gélidas da menina. Pena que eles tiveram que soltar e perder o contato.

Thor mostrou seus dentes mais uma vez em um sorriso determinado e animado, ficando na frente da garota e empunhando a espada.

— Tem dois tipos de movimentos com a espada: o ataque e a defesa, assim — explicou Thor, fazendo uma demonstração dos movimentos com a espada, deixando os olhinhos verdes de Lyra brilharem. — Quando eu fizer o ataque, você defende, e quando você fizer ataque, eu me defendo, entendeu?

— Sim... mais ou menos. — respondeu, sussurrando o final apenas para si.

— Ótimo, agora vamos lutar! — exclamou Thor erguendo a espada.

— Sim, príncipe Thor!

Então os dois começaram a duelar, Lyra fazendo movimentos de ataque e defesa junto com Thor. Ambos estavam rindo da brincadeira, a cada estocada da espada eles se afastavam e tentavam novas investidas um contra o outro. Ela podia ser iniciante com a espada, mas estava indo muito bem ao lado de Thor. Este, então, em um determinado momento da luta, investiu uma vez contra Lyra, quando ela tentou atacá-lo, fazendo com que a espada de madeira dela voasse para longe.

— Eu ganhei! — Orgulhou-se o loiro, dando um sorriso cheio de vitória, e levantando o braço com a espada. — Isso que fiz é quando você usa o ataque do oponente contra ele mesmo. Bem legal, g?

— E eu perdi — Bufou a morena, fazendo um bico manhoso. — Vamos de novo? Eu gostei de lutar!

— Claro, se prepare, Lyra!

E ambos começaram novamente a investir, tanto no ataque quanto na defesa. Até que num momento, quando Thor ia dar um ataque em Lyra, a mesma se agacha e dá uma rasteira com sua espada, fazendo com que o pequeno Deus caísse de costas no chão, vendo a ponta de sua própria espada sendo apontada para si, próximo de seu nariz. Lyra estava com sua espada na mão direita, e a espada de Thor apontada para ele com a esquerda. Ela sorriu, vitoriosa.

— Nossa! Você é boa, para uma iniciante. – admitiu Thor para Lyra, e a mesma sorriu, lhe estendendo a mão e o ajudando a levantar.

— Você também é, Thor. — disse Lyra sorrindo sincera.

— É, meu pai diz que eu serei um ótimo rei! — disse gabando-se de si, até que Thor empunha sua espada de novo. — Vamos lá, de novo.

Lyra preparou sua espada, e logo iniciara mais uma luta.

Continuaram duelando, agora com mais equilíbrio. Nem Lyra nem Thor caíram, até que depois de dez minutos, Lyra jogou sua espada para cima e se arrastou pro lado de Thor, pegando sua espada no ar e o acertou pelas costas, fazendo Thor cair de barriga pro chão. Ele virou-se, ficando sentado no gramado, olhando para Lyra com uma cara de surpresa e susto. Até mesmo Lyra ficou surpresa, nem ela sabia como tinha feito aquilo.

— De novo! Como você fez isso? Foi incrível! – Entusiasmou-se Thor.

— Acho que eu tenho o melhor professor — falou Lyra dando mais um sorriso e estendendo a mão para Thor, onde ele pega e levanta-se.

— Isso foi mesmo incrível. Mas eu quero ir de novo, vamos fazer de novo. — insistiu Thor fazendo Lyra dar uma risadinha.

Quando ia responder, uma voz interrompeu.

— Irmão se você duelar com ela de novo, vocês só vão parar quando anoitecer. — comentou uma voz infantil e masculina.

Os dois viraram para a porta de entrada do jardim e viram um menino da mesma altura e da mesma idade de Lyra, vestindo um traje preto mesclado com um verde comum. Tinha a pele clara e os cabelos negros iguais ao de Lyra. Os olhos verdes intensos eram também extremamente parecidos com o da garota. Era basicamente sua cópia masculina, se não fosse por ele ser alguns centímetros mais alto que ela.

— Irmão? O que faz aqui? — pergunta Thor, ignorando o que seu irmão mais novo acabara de dizer.

— Estava lendo. Ouvi gritos e barulhos de espadas e fiquei curioso, e vim aqui ver o que era. — Deu de ombros o moreno — Achei incrível você não güentar nem cinco minutos sem usar a espada e ficar pedindo para donzelas lutarem com você. Espada não é coisa de garota. – Falou o moreno, chegando perto dos dois.

— Não é? — Lyra perguntou, intrigada.

— Não, não é.

— É sim, ele só tem inveja porque uma de nossas amigas, Sif, luta melhor que ele — Sussurrou Thor para Lyra.

— Ei, eu ouvi isso! — Rangeu o irmão do loiro, aproximando ainda mais dele — E fique sabendo que isso é tudo mentira. — Suspirou e voltou-se para a garota — Desculpe por meu irmão. Ele não sabe que nem todas as pessoas gostam de ficar lutando o tempo todo.

— Fique quieto, Loki. Eu só estava treinando, já que o meu oponente preferiu um livro do que lutar comigo. — rebateu Thor.

— Por favor meninos, não briguem! — pediu Lyra ficando no meio dos dois. — Não brigue com seu irmão senhor, e-eu que aceitei lutar com ele, e foi divertido — Disse sorrindo pro menino — Meu nome é Lyra, e o seu? – Estendeu a mão para ele e o mesmo demorou um pouco para pegá-la, mas assim o fez.

— Meu nome é Loki. – respondeu, soltando a mão da garota.

— Aquela ali é sua mãe? Vejo ela aqui ás vezes — Falou Thor, apontando para a mulher de cabelos esbranquiçados.

— Na verdade, ela é... minha avó. Sim, as vezes ela me leva aqui, enquanto ela trabalha na cozinha, eu brinco aqui no jardim para não incomodar ninguém do castelo. — explicou Lyra com os braços atrás das costas.

— Não se sinta assim, não incomodaria ninguém aqui no castelo. Faça companhia pra gente de hoje em diante, por favor! — Pediu Thor, juntando as duas mãos.

— É, será bom ter uma companhia além de meu irmão por aqui. – disse o pequeno Loki, dando de ombros e fazendo Lyra sorrir. E Loki também sorriu.

Foi ai que Thor ergueu as sobrancelhas, olhando para os dois, e pronunciou de uma forma gritante:

— Por Odin!

— O que foi, irmão? — Questionou Loki, assustado com o grito de Thor.

— Vocês já se notaram? Vocês são parecidos! Iguaizinhos! Só pelo tamanho que é um pouco diferente, e os cabelos da Lyra são compridos, mas de resto são iguais! – comentou Thor, admirado.

Lyra e Loki franziram o cenho e encaram-se, olharam de cima para baixo, pros lados e depois voltaram a encarar Thor.

— Mas ele é menino!

— Mas ela é menina!

Thor bateu na sua própria testa.

— Argh! Só por que um é menino e outro é menina não quer dizer nada! Vocês têm a mesma cara! – Thor tentou convencer os dois.

Então ele se lembrou que havia achado a garota extremamente linda, e ficava abobado com os olhos esverdeados que ela tinha. Idênticos aos de Loki. E sua expressão passou de alguém admirado para enojado, percebendo que, de um jeito ou de outro, era como se tivesse achado Loki bonito.

— Por que essa cara? — Perguntou Lyra, preocupada.

— Ah... não é nada... nada... — Disse, fazendo cara de nojo.

— Francamente Thor, eu acho que de tanto perder e cair no chão, acabou dando algum defeito na sua cabeça — Disse Loki, cruzando os braços.

— Eu desisto, se não acreditam tudo bem. Agora vamos mudar de assunto? — Suspirou, deixando aquele assunto de lado — Lyra, você quer brincar com a gente? Podemos cavalgar por aí e ver a floresta, ou podemos ir até uma cachoeira aqui perto, vai ser muito legal! – convidou Thor, empolgado.

— Verdade Thor, eu conheço uma cachoeira aqui perto da floresta, posso levá-los lá. Fica a dez minutos cavalgando. O que acha Lyra? Vem com a gente? – pergunta Loki, olhando para Lyra, e a mesma se encolhe envergonhada, com um sorriso tímido.

Lyra sempre brincou sozinha ou com Naíma, nunca tinha sido convidada para sair, e ela não queria perder aquela oportunidade por nada no mundo. Principalmente porque tinha gostado muito de conhecer aqueles dois irmãos.

— Quero muito ir, mas eu... Eu não sei cavalgar...

— Não se preocupe, pode montar comigo no cavalo – Loki sugeriu.

— Ou comigo. — se meteu Thor, botando o braço por cima dos ombros de Loki, ambos sorriram. E Lyra também, abriu um sorriso feliz e espontâneo.

— Tudo bem então, eu vou falar com minha avó e...

— Lyra! Precisamos ir agora, daqui a pouco é a hora do jantar e preciso fazê-lo! — interrompeu uma voz fina e feminina. Era a de Naíma.

Lyra fez um sinal para que Thor e Loki esperassem e correu até sua avó, suspirando, tentando achar as palavras para convencê-la de deixá-la ir até a cachoeira.

— Vovó, os filhos do senhor Odin me convidaram para cavalgar com eles até uma cachoeira, eu posso ir? Por favor? — pergunta Lyra, com os olhinhos brilhando, quase implorando para Naíma, que olhou para os dois que a garota apontava.

Naíma vestia um vestido azul claro longo até seus pés, ele era liso e macio, tinha mangar compridas e usava sapatos pretos, seus cabelos loiros e curtos estavam presos em um coque. Sua expressão tomou-se por dúvida quando ouviu sua neta falar.

— Filhos... de Odin? — questionou confusa então olhava pros dois meninos, até que, ao encarar o moreno, arregalou os olhos.

— Vó? A senhora está bem? Ficou pálida do nada. — falou Lyra, preocupada, e com a mão, ficou puxando a saia de seu vestido, lhe chamando atenção.

— Ahn? Estou bem minha pequena violeta, só estou um pouco cansada. Vamos logo para casa, preciso descansar. — inventou uma desculpa, pegando a mão de Lyra e a puxando, fazendo se afastar dos meninos cada vez mais.

— Mas... — encarou os meninos, que ainda a olhavam, e depois pra a avó, suspirando de tristeza. — Sim, vovó.

Enquanto as duas se afastavam, os meninos a viam partindo, até que Loki gritou:

— Lyra! — chamou e a própria o encarou. — Quando nós veremos de novo?! — perguntou para a mesma, gritando para que ela pudesse ouvi-lo. Loki pela primeira vez sentiu-se confortável ao lado de uma amiga.

Lyra dá um pequeno sorriso para o novo amigo e não deixa de responder.

- Um dia a gente se encontra, príncipe Loki!

Foi suas últimas palavras, antes de sumir e nunca mais voltar para o jardim do castelo de Asgard.

Dias Atuais

Seu corpo fora jogado com força quando o inimigo iria atacar, Loki caiu no chão escutando a lança atingir e um grito feminino. Ele abriu os olhos, arregalando com a visão que via em seu lado, o deus não estava acreditando no que via diante de si, nem mesmo Thor. O loiro permanecia em choque gritando.

Mas havia outro grito.

Era de Loki...



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado :) Até daqui alguns dias! o/



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "The Legend of Jotunheim." morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.