Ajude-me escrita por morango_-


Capítulo 13
Capítulo 13 - Para sempre


Notas iniciais do capítulo

E chega ao fim!!



Um ano depois...

     Hinata se sentou na mesma cadeira de todos os dias, só que dessa vez o ar em sua vota parecia mais leve e ao mesmo tempo insuportável.
     -Hinata-san! – Saldou o dono do restaurante. – Vai pedir agora ou vai esperar o Naruto-san?
     Hinata sorriu e negou com a cabeça.
     -Vou esperar o Naruto-kun, muito obrigada Kazuaki-sama!
     O homem acenou a cabeça e se retirou, deixando Hinata sozinha com seus pensamentos.
     Bom, ela tinha boas chances de desmaiar, mas não seria por causa do extremo calor que se fazia em Tókio... Quem dera que fosse.
     Hinata abaixou os olhos, se prendendo no pequeno cardápio azulado a sua frente. As luzes pareciam reluzir o maldito resultado. Se pudesse voltar ao tempo, talvez apagasse o teste de hoje pela manha.
     Hinata afundou a cabeça nas mãos, suspirando alto.
     -E agora?! – Sorriu ela para o chão.
     Essa era a melhor hora para Hinata se afogar em seu pequeno desespero, mas, nunca mais ficara assim, prometera a Naruto e a si própria... Acabara toda sua depressão. Mas, agora... Bom, achava que sua depressão voltaria com força total.
     -Hinata! – Saldou o loiro quando a viu.
     A mulher se engasgou, tossindo compulsivamente.
     -Opa! – O homem se aproximou para ajudar a mulher a tossir. – Desculpe se lhe assustei.
     -Não foi nada... – Disse com a voz alterada.
     Naruto sorriu quando viu que a mulher se recuperava. Ele então se sentou na cadeira a sua frente, como fazia todos os dias.
     -E... Como foi o dia? – Perguntou ele, pegando o cardápio.
     O que iria falar? Como fora seu dia? Bom, um misto de alegria e medo... Talvez um dos melhores e piores de sua vida.
     -Foi bom... E o seu Naruto-kun?
     -Bom... – Começou o loiro ainda preso nas linhas do cardápio. – Agora comecei a acompanhar em cirurgias... Nunca pensei que fosse um sufoco tão grande, tenho que ficar horas em pé! – Naruto riu de sua piada. -Mas é claro que quando a cirurgia terminou, Sasuke saiu com estilo, nem parecia cansado, aquele...
     Hinata se perdeu em seus pensamentos, ignorando a voz suave e alegre do médico.
     Obviamente moravam juntos por bastante tempo, dormiam na mesma cama e praticavam atos “amorosos”, se assim pode se chamar, quase todos os dias. Eram praticamente casados, mas, nunca esperaria por isso. Haviam se cuidado tanto.
     -Sabe quem apareceu no Hospital? – Naruto indagou nervoso. – O maldito do Kiba... – Mas em segundos sua voz passou para o tom de diversão. – Ele está com uma baita infecção no intestino, haha, bem feito não?!
     Hinata sorriu para ele.
     -E o pior não é isso. – Ele riu alto. – Parece que “minhas” enfermeiras simplesmente se jogaram no colo dele. – Ele fez as aspas com as mãos quando falou minhas. – Pelo menos Kiba terá alguma coisa para se divertir...
     O loiro estava percebendo a maneira vaga com que a mulher olhava o ambiente, observou também como Hinata o olhava, nada comparada ao modo devoto que olhava antes.
     -Algum problema Hinata? – Perguntou ele.
     -Eu? – Engoliu em seco. – Bom... Eu?... É que...
     -Gostariam de algo? – Perguntou Kazuaki, que se aproximou lentamente da mesa onde os dois estavam.
     Naruto desviou a atenção de Hinata por um instante e sorriu para o homem.
     -Ok, ramen, e para você senhorita Hyuuga? – Kazuaki se virou para olhar os olhos perolados da garota.
     -Ei! –Naruto protestou. – Como você sabe que eu quero ramen?
     O homem revirou os olhos e sorriu.
     -A mais de dois meses que você vem a esse restaurante, e todos os dias a única coisa que você pede é ramen Naruto-san.
     Naruto sorriu e se virou para Hinata.
     -Então? – Perguntou o loiro.
     -O mesmo que você Naruto-kun. – Falou Hinata em um tom vago.
     -Mesmo que o meu? – Naruto se espantou juntamente com Kazuaki. – Você sempre diz que são porções grandes de mais...
     -É que eu estou com uma vontade de comer... – Hinata parou e sorriu. – Eu estou com fome...
     Naruto deu de ombros e entregou o cardápio ao homem que anotava com um quê de duvida, no seu caderno preto.
     Quando o mesmo se retirou, Naruto tentou iniciar uma conversa.
     -Você falou com a Sakura?
     -Ah... Bom... – Hinata engoliu em seco quando se lembrou da conversa que tivera com Sakura pela manhã. Ela bem lembrava bem dos gritos da mulher. – Sim... Eu falei com ela sim.
     -Como esta o Shin-kun? – Naruto apoiou a cabeça em uma de suas mãos.
     -Ele? – disse, suspirando de alivio. – Ele está bem...! Sakura-chan disse que ele está impossível, quase que incontrolável. – ela riu baixo. – Normal para um... bebê.
     As frases de Hinata fizeram Naruto levantar as sobrancelhas.
     -Tem algo muito errado ai... – Ele sorriu. – O que houve...
     Hinata suspirou. “Conte de uma vez para ele Hinata-chan! Mas conte com calma, talvez você tenha que repetir...”, relembrando o que Sakura falara a ela, soava cômico.
     -Bom... É que... – Naruto olhou Hinata atentamente. – Hoje pela manha eu fui em uma farmácia...
     Ela suspirou e virou o rosto, olhando para o chão.
     -Bom... Vou entender se você quiser que eu vá embora... Não há importância. – Ela suspirou. – Acho que é mais provável que você me mande embora... Mas, queria que você... – Hinata suspirou fazendo uma pausa.
     Naruto estava ficando impaciente.
     -O que foi Hinata? – A voz suave do homem deu animo para Hinata continuar.
     -Bom, é que eu estou... – Ela suspirou... “Tente falar de maneira pratica”, lembrou-se do que Sakura havia falado. – Estou da mesma maneira que Sakura ficou a alguns anos atrás.
     Ao ouvir o que Hinata havia falado, Naruto fez uma enorme cara confusa.
     “Não foi a melhor maneira de explicar...”, Hinata sorri desanimada.
     -Naruto-kun, eu estou grávida! – A mulher não olhou nos olhos do homem quando falou. Ela estava concentrada de mais nas mãos que estavam tão bem dispostas em seu colo.
     Grávida? Naruto se perguntou olhando as mechas de Hinata tampando seu rosto. Grávida?
     -Desculpe? – Naruto sacudiu a cabeça. – Acho que não entendi...
     Ah, Hinata estava disposta para tudo que viria, portanto não foi complicado repetir.
     -Eu estou grávida Naruto-kun.
     Opa! Pensou ele, OPA, OPA!
     Com força um sorriso brotou no rosto do médico. Um sorriso que não foi visto por Hinata.
     -Minha nossa... – Ele sussurrou.
     -Eu sei, desculpe, se quiser eu... Eu vou embora... – As suas mãos suavam, seu coração doía apenas com a idéia... Mas se assim fosse o desejo dele, ela não contestaria.
     -AHHH!!! – Ele gritou se jogando nos braços da chocada Hinata. – Que bobagem Hinata, você não faz idéia do quanto estou feliz!
     O médico aspirou o gostoso cheiro de rosas que provinha dos belos cabelos azulados de Hinata.
     Ele teria um filho? Um filho?
     -Como que você sabe? – Perguntou apertando Hinata ainda mais em seu peito.
     A mulher sorriu. Esperava todas as reações, menos essa.
     -Eu... Fiz um teste de farmácia e... Bom, o palitinho ficou azul. – Hinata sussurrou.
     -Bom, temos que fazer um teste sanguíneo... Mas... Hinata!! – Naruto tomou os lábios da mulher, afundando-se na alegria que preenchia seu corpo.
     O calor que irradiava do corpo de Hinata era igual ao calor apaixonante da primeira vez que se viram, constatou feliz Naruto. E agora, ela estava criando uma vida, uma vida que produziram juntos, resultado do amor dos dois.
     -Desculpe a interrupção... Mas a comida já está... – Tentou falar Kazuaki, mas foi interrompido por um grito alto de Naruto.
     - Kazuaki!!! Minha mulher está grávida! – Os olhos azuis do médico refletiam com estrelas. – Eu vou ser pai!
     -Meus parabéns Naruto-sun, Hinata-sun. – O homem se curvou, sorrindo. – Desculpe a indelicadeza, mas não sabia que vocês eram casados.
     Isso provocou choque nos dois presentes.
     Não eram casados ainda! Pensou Hinata rindo baixo. Isso com certeza mataria sua mãe e seu pai, mas antes dele morrer, mataria Naruto.
     -Nossa... – O homem se virou para fitar Hinata. – Não somos casados.
     Hinata acenou a cabeça, corando forte ao perceber que muitas pessoas olhavam o desenrolar da historia.
     -Temos que marcar o casamento enquanto antes... – Meditou alto Naruto, puxando os lábios em um sorriso que mostrava sua real situação.
     Hinata riu. Como era tola ao temer! Agora, pelo menos, sua vida estava nos eixos, total e perfeitamente girando. Finalmente.



4 anos...


     Hinata olhou debaixo da cama, dentro do armário, no pequeno baú dos brinquedos, no banheiro, em alguns cantos da cozinha, na sala e no quarto dela e de Naruto. Mas de nada adiantou, ela não conseguiu achá-la.
     -Kotomi-chan! – Chamou Hinata, passando a mão na testa.
     Não muito longe dali, uma menina tentava não soltar uma gargalhada. Ela apertava sua boca com as duas mãos, escondendo o que denunciaria sua posição secreta.
     -Kotomi-chan! – Hinata sacudiu a cabeça, em desaprovação. – Você sabe que hoje é aniversário do Shin-kun! Você gosta tanto dele! Por que não me deixa colocar as meias em você?
     Kotomi deu um meio sorriso e saiu de seu esconderijo, correndo para abraçar as pernas de Hinata.
     -Você procurou por mim mamãe? – A pequena criatura agarrou a mãe, quase a fazendo desequilibrar-se.
     -Sim Mi-chan! – Ela suspirou. – Eu procurei muito por você.
     -Que bom. – Kotomi sorriu, largando-se da mãe.
     Hinata olhou a pequena criatura a sua frente. Kotomi possuía os belos cabelos loiros do pai, e os fabulosos olhos perolados da mãe. Hinata também descobriu em sua filha uma estranha mania de sua família. O “esconde-esconde”.
     -Sente-se no sofá Mi-chan. – Hinata apontou para o sofá de coro preto. – Seu pai chegará...
     Antes que a mulher terminasse de falar a majestosa porta do apartamento se abre, revelando por de trás dela, o glorioso médico.
     Hinata sentiu o coração disparar como sempre, suas mãos soavam e em sua boca o já característico sorriso.
     -Estou em casa. – Sorriu ele para a família.
     -PAI! – Gritou Kotomi, correndo em direção do pai.
     Hinata suspirou pesadamente. Era isso que queria evitar, se Naruto chegasse antes de arrumar Kotomi, seria impossível fazê-la vestir-se.
     -Opa... – Falou Naruto, pegando a filha no colo. – Não conseguiu colocar o sapato? – Sorriu ele.
Hinata acenou a cabeça em afirmativa, lentamente caminhou até o lado do marido e ofereceu a ele a meia e o tênis.
     -Boa sorte. – Ela sorriu, feliz em estar se livrando de um grande problema.
     Naruto caminhou até o sofá, colocou a filha sentada e tentou colocar o tênis.
Ele conseguiu manobrar os chutes da menina e colocou o tênis com prática.
     -Você faz isso parecer fácil. – Riu Hinata, aproximando-se dele.
     -Bom... É a pratica. – Naruto estendeu a mão e tocou suavemente o rosto corado da mulher.
     Aos poucos seu tronco foi inclinado, os olhos dois se tornaram pesados e...
     -Vocês vão se beijar? – A voz de Kotomi despertou os mais velhos do transe.
     Hinata revirou os olhos sorrindo.
     -Vamos Mi-chan! Estamos atrasados para o aniversario do Shin-kun. – Hinata pegou no colo a filha, e acompanhou o marido porta a fora.
     Eles foram a garagem e embarcaram no carro.
     Muitas coisas haviam mudado desde o dia em que Hinata havia revelado a Naruto sobre sua gravidez. Os dois se casaram, compraram um bonito carro de marca, reformaram o que antes era o quarto de Hinata.
O parto de Kotomi aconteceu, tranquilamente em um dia frio de inverno, tudo se desenrolou da maneira esperada. Para alegria de Hinata.
     -O que vamos dar de presente para Shin-kun? – Perguntou Kotomi, se contorcendo na cadeira, ao qual estava “amarrada”.
     -Ele queria uma bateria. – Riu Naruto. – Vamos dar a ele o que ele quer...
     -Naruto-kun... Sakura-chan disse... – Contestou Hinata.
     -Sakura não sabe aproveitar a vida... Não é Mi-chan? – Perguntou ele olhando pelo retrovisor do carro.
     A menina sorriu e acenou a cabeça. No momento ela estava preocupada de mais tentando roer o cinto que a prendia na cadeira.
     Minutos se passaram até que eles chegaram à grande casa dos Uchiha. Uma grande casa em um centro mais tradicional de Tókio, ou seja, bem longe do lugar onde Naruto, Hinata e Kotomi moravam.
     -SHIN-KUN! – Gritou Kotomi do colo da mãe. – PARABÉNS!
     -Ah, não... – O menino revirou os olhos e penteou com os dedos, o bonito cabelo preto.
     Sasuke e Sakura esperavam os amigos na porta da casa. Os dois traziam no rosto um meio sorriso, que se intensificou ao ver a reação da menina.
      -Olá Sakura-chan. – Hinata sorriu, colocando a menina no chão.
     -Olá Hinata! – Sakura pulou em um abraço, pegando a amiga desprevenida.
     Enquanto isso, Naruto se equilibrava para conseguir tirar o grande pacote da traseira do carro.
     -Problemas? – Perguntou Sasuke, sem nem mesmo ter vontade de ajudar o amigo.
     -Não... – Falou, seu tom de esforço era aparente.
     -Que bom. – Sasuke cruzou os braços no peito e sorriu.
     Um pouco mais abaixo da vista dos mais velhos, uma animada conversar se desenrolava, bom, pelo menos para uma pessoa era uma “conversa animadora”.
     -Shin-kun... Eu vou lhe dar um presente. – Kotomi sorriu. – Pelos seus 6 anos!
     O menino revirou os olhos verde, e sem interesse, perguntou.
     -O que você pretende me dar?
     -Minha mão em casamento! – Sorriu ela. – Eu vou me casar com você Shin-kun!
     O menino engasgou e arregalou os olhos.
     -Mas eu não quero me casar...
     -Não? – Perguntou a ela triste. – Mas, eu vi em um filme... Quando o homem perguntou para a mulher se daria a mão dela para casamento, ela começou a gritar... Achei que seria uma mão bastante sortuda... – A menina meditou e sorriu. – Eu empresto minha mão para você casar!
     O menino revirou os olhos novamente, mas não se intrometeu em corrigi-la.
     -Obrigada, mas não quero sua mão... – Ele sorriu e virou as costas para a menina.
     Kotomi, não se dando por vencida, correu ao encontro do amigo.
     -Eu vi outra coisa nesse filme... – Kotomi sorriu com inocência.
     -E o que é...?
     Sem mais avisos, a menina pulou nos braços do menino e colou seus lábios nos dele.
     O beijo rápido morreu poucos segundos depois, quando Kotomi se afastou.
     -Bom... Isso parecia melhor no filme... – Ela sorriu para a cara chocada do amigo. – Parabéns Shin-Kun.
     O menino continuou em estado de choque, olhando para as mãos sem entender.
     -O QUE EU LHE DISSE NARUTO! – Esbravejou Sakura. – Não era para comprar uma bateria para o menino!
     Isso despertou Shin do transe. Bateria?
     -Tio Naruto... Você comprou uma bateria para mim? – Os olhos dele brilhavam como bolas de boliche.
     -Sim Shin-kun... – Naruto ignorou o apelo de Sakura, que fazia mímicas tentando evitar o presente. – Espero que faça bastante barulho.
     -Mi-chan. – Chamou Sakura com um sorriso perverso no rosto. – Você também quer ganhar algo barulhento?
     A menina gritou e sorriu.
     -Sim tia Sakura!
     -Que bom! – Ela piscou para Naruto. – Amanha mesmo você sairá comigo para comprar, ok?
     Naruto esbanjou um bico enorme, que foi recebido por todos por uma gargalhada boa. Que encheu o tradicional bairro de Tókio.


Notas finais do capítulo

Bom pessoal... Foi muito bom escrever para vocês!!! Muito bom mesmo! Eu vou pedindo desculpas pelos meus erros de ortografia e concordância...
E para quem quer saber... Sim eu estou com outra Fic em andamento... Mas essa demora mais, por que estou em aula (por deus, como queria que isso acabace!). Bom no mais... Fala sobre Veneza e TanTan sobre vamps... No mais,continuem olhando... Pouca demora eu estarei novamente aqui
Beijocas galera!