Ajude-me escrita por morango_-


Capítulo 11
Capítulo 11 - Começo do fim


Notas iniciais do capítulo

Ta gentem... Desculpem pelo que eu fiz com os dois... E tbm pela maneira como escrevi... É que... Eu escrevi esse capitulo meio que na pressa! Perdona!!!
E desculpem novamente, por que não deu para corrigir



Hinata acordou ainda de noite, notando que Naruto não estava mais ao seu lado. O que não era realmente estranho, talvez ele havia sido chamado para uma emergência no hospital.
     Hinata se recostou na cabeceira da cama. Ela estava dolorida, seu sexo latejava, mas, apesar de tudo, se sentia feliz. Nunca havia provado de um prazer tão intenso, nem de algo mais fora do irreal.
Quando se sentou melhor viu uma pequena mancha de sangue. Com calma, ela passou a mão ao redor do vermelho vivo, e sorriu quando se lembrou de como aquilo foi parar ali.
Ela se levantou da cama, ignorando a dor em sua parte intima, ela pegou seu robe, que ainda estava no chão, o vestiu e se dirigiu para a porta a entreabrindo com um sorriso.
-Foi apenas uma aventura... – Hinata reconheceu a voz de Naruto. E quando estava prestes a sair do quarto escutou algo que fez seu coração se partir em mil pequenos pedaços. – O que aconteceu com Hinata não passa de uma aventura, nunca terei nada sério com ela Sasuke.
Hinata fitou o escuro chocada.
-Eu não a amo. – Falou o loiro, completando a frase com ênfase.
Lagrimas brotaram dos olhos da menina, sem pensar mais, Hinata fechou a porta, retirou o robe e deitou-se novamente na cama.
Como fora estúpida. Como não pode prever que isso aconteceria?
Era claro que Hinata era apenas um objeto nas mãos de Naruto. Apenas alguém com quem ele brincou. Uma aventura de uma noite, sem mais problemas.
Ela chorou até que conseguisse novamente pegar no sono. Amanha de manha tudo estaria acabado, iria fazer uma coisa que já devia ter feito há muito tempo.



Quando ele desligou o telefone se sentiu o pior dos homens. Estava certo que era um grande idiota, mas nunca foi um mentiroso, só que agora, ele estava mentindo para ele e para o melhor amigo. Por deus, estava maluco.
Quem queria enganar? Hinata tirou seu mundo de orbita, fez com que ele girasse de acordo com que ela desejasse. Ele se sentia bem em fazê-la sorrir, qualquer pequeno avanço que ela tinha o tornava mais forte e feliz.
     Naruto se levantou da cadeira em que estava sentado e caminhou para o quarto, onde Hinata agora dormia profundamente. Ele abriu a porta devagar e olhou o corpo escultural pousado em sua cama.
Ela estava lá, como ele sempre desejava, como ele sempre sonhara. Nua, e totalmente dele.
Nunca tivera uma noite tão prazerosa, tão fora do normal e maravilhosa. Nem mesmo as mulheres que pagava para fazê-lo bem podiam superar o que essa pequena criatura havia feito a ele.
Estava decidido. Quando voltasse do trabalho, lhe contaria tudo. E a amaria pela eternidade.


Na noite seguinte


______________________________


Perdoe-me por todo o incômodo que lhe fiz passar, acho que está na hora de cada um seguir seu caminho.
Obrigada por tudo o que você fez por mim Naruto-kun.

-H
______________________________

Naruto amassou o papel com raiva. O que estava acontecendo?
Hinata havia ido embora sem nem mesmo se despedir dele, e isso não é tudo, ela havia o deixado um dia depois de fazerem amor.
O loiro passou a mão na cabeça, limpando o suor de sua testa. O que tinha feito de errado?
Ele pegou do seu bolso o telefone e discou para o amigo.
Demorou poucos segundo para Sasuke atender ao telefonema.
-Sim? – Perguntou ele com a voz carregada.
-Ela foi embora! – Exaltou-se ele. – Não a acho, nem suas malas, suas roupas... Nada!
Sasuke percebeu a euforia do amigo, sem piadas ele usou de toda sua paciência para falar.
-Tem certeza? – Perguntou.
-CLARO! – Berrou ele no telefone. – Por que eu estaria ligando para você então?
Sasuke suspirou suavemente, deixando de lado o prato de comida que tinha a sua frente.
-O que você falou de errado para ela? – Perguntou Sasuke irritado. – Para ela sair assim do nada você que deve ter que estragado com tudo.
Naruto revirou os olhos e entrou no quarto de Hinata. Ele ainda podia sentir o cheiro doce dela.
- O que eu faço? – Perguntou enquanto se sentava na cama.
Sasuke sorriu.
-Bom, você não me disse hoje mesmo que ela não passava de uma aventura? – Sasuke esticou o braço e pegou novamente o prato de comida, em seus lábios um sorriso sádico. – Por que não deixa sua aventura ir embora?
Naruto olhou fixamente para a porta aberta do armário.
Só podia ser essa a explicação do por que. Hinata o escutou. O escutou falando aquela maldita mentira.
-Oh Droga. – Falou Naruto. – Ela escutou... Só pode ter escutado.
Sasuke abriu os hashis e sorriu.
-E isso importa? Você conseguiu se livrar dela! – Sasuke sorriu.
Naruto olhou para os pés. Não! Não era assim! Não era assim que ele queria que as coisas acontecessem.
-Sasuke... Eu... Eu acho que amo ela. – Ele fechou os olhos enquanto falava. – Acho que nunca vou poder amar outra pessoa como amo ela.
O homem escutou o amigo se declarar e calmamente se recostou na cadeira.
-É bom que você consiga admitir. Agora, faça um favor para todos, ache-a logo! – Sasuke sorriu para o aparelho eletrônico.
Naruto, por sua vez apenas abriu mais os olhos e colocou sua mão levemente em sua testa.
-Como...?
-Vá por mim... Você sabe. – E então Sasuke desliga o telefone.
Naruto olha fixamente para frente. Ele sabe...?
Com calma o homem se reclina na cama, deitando-se.
Haviam falado de tantas coisas nesses últimos meses, de tantas coisas. Como ele poderia lembrar? Não seria capaz...
“Havia um lugar que meus pais sempre me levavam...” Naruto recobrou uma memória de alguns dias atrás, quando Hinata havia lhe contado de seus pais, “Era o meu lugar favorito, mas faz anos que não vou lá... Talvez mais tarde...”
Sem se importar se estava errado ele se levantou, notando algo que lhe passou despercebido.
No chão do quarto a menina havia esquecido uma pequena agenda.
O homem se aproximou e pegou o pequeno caderno preto e o pegou. Ela realmente saiu as pressas para esquecer algo tão valioso como isso.
Ele abriu e olhou todas as anotações da menina.
-Deus... – Ele parou quando leu a sua ultima anotação.
Nela estava escrita: “Acho que errei ao amar, errei em acreditar, agora não passo de um brinquedo divertido, ou pelo menos alguém com quem ele possa usar. Bom, acho que não podia pedir nada a mais do que isso.”
Como pode ter sido tão idiota? Como pode deixá-la triste?
Naruto voou para o interfone, rapidamente discando o numero do porteiro.
-Sim senhor Uzumaki. – A voz do porteiro estava calma e vaga.
-Chame a droga de um taxi, agora! – Sem esperar que o porteiro lhe diga qualquer coisa, ele desliga, rumando para o porta-casaco.
Ele faria de tudo para desculpar-se e para ter Hinata novamente em seus braços.



Ela se sentou na gloriosa ponte de sua infância, pendurou os pés e os balançou despreocupadamente.
Era obvio que nunca poderia ter acreditado o pedido de um homem que mal conhecia. Fora imatura por prensar que ele a amaria. Hinata fora apenas uma aventura para Naruto, apenas uma maldita aventura.
Ela olhou para a água, que seguia seu curso com tranqüilidade, sem se importar com qualquer preocupação mundana.
Hinata olhou seus pulsos, os mesmos que estavam marcados por cicatrizes, e sorriu. Fora uma boa época, era realmente uma pena que tudo aquilo havia terminado.
Hinata sorriu ao lembrar de como fora bom ser tocado por ele, ser beijada, acarinhada... Por Deus, ela não se arrependia do que perdera. Se pudesse fazer tudo de novo, entregaria sua virgindade a ele novamente, mil vezes se assim fosse necessário.
Ela soltou um suspiro cansado.
Era estranho não ter nem mesmo tentado se afogar em sua escuridão. Pelos menos de uma coisa Naruto a havia curado, mas... Ele deu a ela a pior das doenças, o amor.
-Hina-Hina-Hinata. – A voz cansada de um homem fez ela despertar de seus devaneios. – Por Deus Hinata.
Lentamente ela virou seu tronco, deparando-se com o homem que a chamou.
O seu coração latejou quando viu as curtas madeixas loiras. O homem estava exausto e trazia em suas mãos um pequeno caderno preto.
-Você esqueceu. – Naruto apontou o objeto para Hinata, em seu rosto um meio sorriso cansado.