Ajude-me escrita por morango_-


Capítulo 10
Capítulo 10 - Insônia


Notas iniciais do capítulo

Como prometido, ta ai pessoal! Se deleitem com o momento dos pombinhos! (6’
Já aviso... Não sou muito boa nessas "partes".



Quando Hinata finalmente se deitou na cama, pode sentir todo o peso das garrafas de uísque que havia ingerido.
     Sua cabeça doía, juntamente com seu estomago. Nunca pensara que passaria por uma cena tão humilhante. Como pode beber? Isso era deplorável!
     O que ele estaria pensando dela? Uma bêbada que nem mesmo consegue agüentar alguns goles de bebida.
     Hinata passou a mão em seu cabelo, desembaraçando algumas mechas.
     Talvez não devesse mais ficar ali, ela estava se tornando um fardo para Naruto. Deveria sair antes que fosse expulsa.
     Hinata se sentou na cama, chegando a conclusão que não conseguiria dormir assim tão cedo, ela cruzou as pernas e sorriu para o escuro.
     Ela queria aprofundar sua relação com Naruto, queria poder tocá-lo, beijá-lo.
     Ela sacudiu a cabeça, afastando o pensamento.
     -Ai! – Reclamou quando sua cabeça latejou.
     Tudo estava tão certo, e tão errado. Ela não gostava de se sentir assim, achava que era um pecado. Ela havia perdido seus parentes, não podia se sentir feliz com outra pessoa, isso era errado, não?
     Ela se levantou, colocando o robe de cetim vermelho, o mesmo que havia comprado a algum tempo, juntamente com sua mãe. Colocou sua sandália e caminhou suavemente para a cozinha.
     Ela ainda meditava sobre o que estava pensando no quarto. Seria algo ruim amar? Amar quando as primeiras pessoas a quem amou já se foram?
     Hinata chegou na cozinha, e sem acender a luz pegou um copo e se dirigiu para a geladeira. Pegou um a jarra de água e encheu até o topo.
     “Acho que estou errada... Não posso... Amá-lo” Pensou, indo para a sala. “Desrespeitaria meus pais, minha irmã... Não seria correto amar.” Hinata abaixou o copo dos lábios e abriu a porta da sacada.
     O luar de Tókio sempre lhe ajudava a pensar, sempre lhe dava as idéias necessárias para medir suas decisões.
     Ela se escorou na sacada, olhando para baixo. Outra coisa que lhe dava paz era a altura, sempre lhe dando a falsa impressão de liberdade, fazendo sonhar mais alto do que podia.
     Hinata levou o copo aos lábios e tomou um gole demorado. Teria que ir embora, ou pensando melhor, nunca deveria ter aparecido naquela casa. Fora imatura e apaixonada para aceitar um pedido precipitado e inocente de alguém que mal conhecia.
     Ela havia causado problemas de mais para Naruto.
     Hinata olhou para frente, vendo os grandes monstros de metal. Tókio estava grande de mais para ela agora. Talvez se arranjasse algum lugar em uma ária mais rural, ou algo do tipo, poderia sentir-se novamente em casa.
     -Acordada a essa hora? – A voz do loiro quase fez Hinata jogar o copo a 15 andares a baixo.
     -Naruto-kun? – Perguntou ela se virando para olhar o loiro.
     Seus olhos se petrificaram na figura perfeita. Naruto estava apenas com a calça do pijama.
     -É um bonito luar... – Falou ele, colocando-se ao lado dela. – Mas...
     Hinata olhou quando ele apoiou os braços na sacada, fazendo com que seus músculos se mexessem por debaixo da pele. Inconscientemente Hinata levou o copo aos lábios.
     -Mas? – Perguntou sorrindo ainda com o copo na boca.
     -É muito solitário. – Naruto sorriu olhando para frente.
     Hinata se virou, olhando como ele para os prédios à frente. Ter Naruto ao seu lado agora não parecia mais estranho, agora era quase normal.
     -Sim, solitário. – Concordou Hinata, sorrindo.
     Naruto passou a mão no cabelo, ele estava morto de frio, mas nada o faria sair daquele lugar, não quando tinha a chance de ficar perto dela.
     -Isso me lembra Sasuke... – Falou ele. – Quando éramos menores, ficávamos horas tentando contar as estrelas no céu.
     Hinata riu suavemente.
     -Tem alguma historia parecida? – Perguntou Naruto, não temendo em fazer a pergunta, afinal, já haviam conversado sobre a família dela inúmeras vezes.
     -Bom, quando eu era menor... Hanabi e eu fugimos de casa. – Hinata sorriu. – Queríamos ver uma banda que se apresentaria uma vez no Japão. É claro que meus pais não deixaram. Portanto, eu e minha irmã fugimos de casa, pegamos um metro e fomos para o lugar do show. – Hinata sorriu levemente. – Foi a melhor experiência de minha vida.
     Naruto sorriu juntamente com Hinata.
     -Até meu pai vir nos buscar. – Seu sorriso desmanchou. – Eu e minha irmã apanhamos como nunca.
     Naruto olhou para o olhar magoado.
     -Já apanhei muito da minha avó. – Naruto riu. – Eu já fiz coisas que deixariam qualquer um de cabelo em pé!
     Hinata sorriu, provando das palavras de Naruto.
     -Tive uma infância muito boa. – Ela colocou o copo na boca novamente. – Sinto saudade. – Ela mordeu o copo com força, tentando afastar a tristeza.
     -Eu quero meu passado bem longe. – Naruto sorriu. – Não me orgulho da época de arruaceiro.
     Hinata riu.
     -Sempre fui certinha, nunca levantei a voz, nunca briguei na escola, muito menos tirei nota baixa... Acho que seria uma boa experiência reviver esses momentos, só que dessa vez, de uma maneira diferente.
     -Você ainda não terminou a faculdade de design, não é? – Naruto esfregou os braços tentando esquentar-se. – Tem muito tempo para ser uma arruaceira.
     Hinata riu alto, fazendo com que o loiro se sentisse orgulhoso de si.
     -Bom... E a sua perna? – Falou ele, dando outro rumo a conversa. – Tem feito todos os movimentos que o médico lhe pediu.
     Hinata acenou a cabeça.
     -Todos os dias, três vezes. – Sorriu. – Sem mais problemas. – Ela bateu sua perna machucada.
     -Fico feliz. – Falou ele.
     “Tenho que tomar uma atitude logo!” Hinata pensou, se referindo a sua decisão de ir embora.
     -Naruto-kun... Acho que já dei trabalho de mais... – Hinata começou a falar ignorando a cara de choque do médico. – Temo que terei que ir embora.
     -Como? – Seus olhos se abriram em choque.
     -Não posso mais ficar aqui. – Hinata se virou, olhando novamente a cidade aos seus pés. – Tenho que ir, estou atrapalhando sua vida. – Hinata engoliu em seco, ela não gostava de pensar no que estaria prestes a falar. – Você nem trás suas namoradas para cá! Estou sendo um fardo.
     Naruto olhou chocado para a figura magra e bela ao seu lado. Será que ela ainda não havia percebido? Ou apenas estava brincado com sua sanidade?
     -Não! – Ele sorriu. – Não vou deixá-la ir...
     Hinata olhou com espanto para o médico.
     -Por que não Naruto-kun?
     -Por que... – Ele se aproximou do corpo frágil e farto, com carinho ele tomo-a nos braços proferindo um beijo suave em seus lábios.
     O coração de Hinata disparou, o que ele estava pensando? Por que estava a beijando? Qual era o sentido disso?
     Lentamente, Naruto passou seus braços ao redor da cintura da garota, provando melhor dos lábios de Hinata.
     Dessa vez a menina não o parou, mesmo com a vontade de perguntar o porquê, ela deixou com que ele continuasse a provar de seus lábios.
     Naruto aprofundou o beijo, inserido a língua na boca delicada de Hinata. Ele começou a movimentar-se, provando de cada canto dos lábios doces dela.
     Em poucos minutos os dois estavam sem fôlego e excitados.
     Precisando respirar Naruto retira seus lábios dos de Hinata, ficando apenas com a testa encostada na dela.
     -Por que? – Perguntou ela.
     Naruto sorriu, agora ele pressionava o corpo de Hinata na parede, não dando a ela qualquer chance de fugir.
     -E por que não?
     Hinata fechou os olhos, oferecendo a ele sua boca.
     O loiro aceitou com prazer sua oferta, tomando com força os lábios delicados, sentindo novamente a excitação lhe cobrindo o corpo.
     Os dois se moveram, saindo da sacada e indo para a sala, e logo após indo para o quarto de Naruto.
     Em poucos segundos estavam na cama, debruçados sobre os lençóis, aos beijos.
     Hinata não teve vontade de pará-lo, caso que acontecia com freqüência com Kiba, que insistia em tomá-la a qualquer custo. Com Naruto, Hinata dava a total liberdade, deixando que a mão do médico traçasse com prazer seu corpo.
     Naruto estava inebriado com o calor do corpo dela, com as formas fartas e a suavidade de sua boca e de seu toque. Seu corpo tremia de paixão, tremia de vontade. Mas não seria capaz de acelerar as coisas, queria que Hinata aproveitasse.
     Por um instante, Naruto afastou seus lábios dos dela. Com calma ele tirou o robe e a camisola que lhe cobriam, deixando-a apenas de calcinha e sutiã.
Ele colou seus lábios nos dela novamente, dessa vez não se afastaria de seu corpo, não mais. Agora ele faria tudo, conectado de alguma maneira a ela.
Hinata passava sua mão ao longo do corpo forte de Naruto. Sentia a umidade em suas pernas, e a pressão que exercia era quase insuportável, queria ser tocada.
Adivinhando o pedido, ele colou a sua mão nas partes intimas de Hinata, massageando lentamente por cima do tecido da calcinha. Ela se contorcia de prazer, sentindo as ágeis mãos dele lhe estimulando.
Mas ela não queria aproveitar tudo sozinha, então, lentamente ela aproximou sua mão do órgão ereto do médico, que estava escondido por debaixo da calça de pijama. Com suavidade ela acariciou, fazendo com o que o homem gemesse, se retorcendo abaixo de suas ágeis mãos.
-Hina... Hinata... – Ele sussurrou em seu pescoço, suspirando ao final.
Em toda a sua vida nunca provara de uma experiência tão prazerosa. Como pode deixar isso de lado? Ele ficava feliz com seu controle, por que, se soubesse que sentira-se assim, nunca teria adiado.
Sem agüentar mais, ele arrancou a calcinha de renda branca dela, jogando o corpo de Hinata para trás, abrindo suas pernas e se aventurando em sua feminilidade, umedecida pela sua excitação.
-Naruto-kun... Não... – Hinata prendeu a cabeça de Naruto entre as pernas.
Ele sorriu.
-Acalme-se. – Sussurrou.
Hinata lentamente deixou que Naruto abrisse suas pernas.
     Os medos da garota foram embora quando o loiro lhe acariciou com a boca. Ela se curvou para trás, segurando-se nas cobertas. O prazer que a boca de Naruto estava lhe proporcionando era algo muito além do imaginável, tudo aquilo lhe deixava fora de orbita, apenas rodando em torno do prazer.
Quando a mulher soltou um suave gemido, ele parou, subindo sorrateiramente para sua boca. Hinata protestou, mas foi imediatamente silenciada pelos lábios de Naruto, que lhe acariciou como força e paixão.
Enquanto se beijavam, ele tratou de tirar a única peça de roupa que restava nela. Quando o sutiã de renda finalmente apareceu jogado ao chão, Naruto tomou em seus lábios os peitos fartos e perfeitos, acariciando ao mesmo tempo os longos cabelos de Hinata.
-Na...Naruto...-kun. – Hinata sussurrava o nome do homem com paixão, fazendo com que o mesmo se remexesse impaciente em cima dela.
Estava feito, não conseguia mais agüentar a pressão que suas partes lhe exerciam, tinha que fazer algo, antes que explodisse.
Levemente ele abaixou a calça do pijama e a cueca, liberando seu membro viril e pulsante. Hinata, percebendo o movimento, inclinou o quadril, dando total liberdade para Naruto continuar.
Vagarosamente Naruto serpenteou para beijar Hinata,e ao mesmo tempo pressionado seu membro na entrada apertada dela.
-Eu te amo Naruto-kun. – A voz rouca parou o movimento da boca dele.
Ele sorriu sorrio, se inclinando ainda mais sobre ela.
No momento que a menina retribuiu o sorriso o médico a penetrou. Suave e lentamente Naruto rompeu a fina barreira que se opunha a sua pressão.
Hinata suspirou alto, parando de se mover. A dor intensa lhe queimou, ela tentou se afastar, mais foi impedida pelos gloriosos braços de Naruto, que a acalentaram até que a dor cessasse.
Percebendo que ela se acalmava, Naruto começou seus movimentos. Eram lentos e ritmados, acompanhando as batidas dos corações.
Logo a movimentação aumentando de intensidade, cada vez mais rápida, mas ritmada e prazerosa.
Os dois trocavam beijos, ainda se movimentando. Nenhum precisou se pronunciar, na verdade, seria um sacrilégio quebrar a harmonia de seus corpos.
Alguns minutos se passaram e Hinata agarrou as cobertas, segurando-se para não gritar, ela sentia o membro de Naruto entrar e sair, pressionando sua vagina com força, fazendo com que cada vez mais rápido se sentisse excitada. Poucos segundos depois ela entrou em estado de êxtase, gemendo alto.
A cara lívida e satisfeita de Hinata fez Naruto sentir o maior dos prazeres, explodindo no interior da garota. Poucos segundos depois ele caiu exausto sobre ela.
Era loucura tentar se mover, os dois estavam cansados de mais para qualquer pequeno movimento.
Hinata se perguntava como isso tudo havia ocorrido. Como pode se entregar a Naruto dessa forma? Como pode fazer o que fez? Desrespeitando tanto a lembrança de seus parentes. Ela fechou os olhos, tentando ignorar a alegria que lhe brotava de seu interior.
Naruto, por sua vez, estava medindo o que faria a seguir, ele havia deflorado Hinata, na cama de sua casa, em uma noite na qual ela estava se recuperado de uma ressaca. Ele era um louco que devia ser internado em um manicômio. Mas nada poderia apagar o sorriso em seu rosto, e a sensação de felicidade. Bom, meditou, talvez amanha me preocupe... Agora... Agora não.
O homem se deitou ao seu lado, e com suavidade a puxou para seu peito, pousando a cabeça dela em seu coração.
Naruto inalou o cheiro doce que provinha do cabelo de Hinata, nunca pensara sentir-se tão bem, ele traçou suavemente a cicatriz do braço de Hinata. Ela não estava mais tão aparente como um dia já fora, mas ainda tinha uma história, uma historia dolorosa.
Naruto sorriu e tomou os lábios de Hinata novamente.
A noite presenciou mais uma cena de paixão, onde os dois agora, descobriam seus pontos de prazer, cada o qual se amando de maneira única.
Quando se deram por satisfeitos, adormeceram, um abraçado ao outro. Cada um trazia em seu rosto um estranho sorriso satisfeito nos lábios.


Notas finais do capítulo

Vou dizer... Para colocar em negrito ou em itálico nesse novo estilo de "postagem" tira o meu coro... Antes era tão mais fácil! T-T