Please, love me... [HIATUS] escrita por Aoi Blue


Capítulo 2
Por que logo ele?


Notas iniciais do capítulo

Bem, mudei alguns detalhes como a classificação e certos conteúdos por que não sei se na fic terá MESMO presença de sexo (se chegar a ter, eu mudo de novo). Agora a fic começa pra valer, continuando da cena "e acordou", kkkk

Ah, obrigada por comentar, TaigaChan ^^ E também agradeço pros que favoritaram e tão seguindo a fic, apesar de um prólogo tão pequeno ^^'



Olá, meu nome é Karasaki (sim, KaRAsaki e não KaWAsaki) e tenho 15 anos. Tenho cabelos negros, 1,65m de altura (é, sou um pouco baixo) e meus olhos também são negros.

Sou de Ozaka, mas moro em Tókio a uns 10 anos, praticamente fui criado aqui, mas esse não é o ponto que quero chegar.

Acordei daquele sonho e não sabia se ficava envergonhado por ter sonhado com uma coisa dessas ou ficava puto por ter sido só um sonho. Isso é frustrante, cara. Por quê? Por que eu tinha que me apaixonar pelo Masaki?

Sentei em minha cama e fiquei refletindo um pouco. Eu e Masaki somos amigos a uns 5 anos, quase como irmãos. Sempre gostei dele e respeitei de mais como o mega amigo que ele é, mas aí, de repente, acabei notando que gosto dele "um pouco mais" do que um amigo, se é que me entende. Mas não posso me confessar pra ele ou fazer algo parecido como no sonho, por que sei que num mínimo erro nossa amizade pode acabar naquele segundo.

Droga... Se eu fosse uma garota (ou ele fosse) seria mais fácil ou ao menos com menos risco de dar errado. Mas não posso me abalar com isso, não é? Será apenas um amor platônico que jamais será descoberto, pois não quero perder a amizade dele.

Me levantei e fui logo tomar banho pra depois colocar meu uniforme. Já acordei antes do meu despertador mesmo... Hoje é o primeiro dia de aula depois das férias.

É bom voltar à escola, pois, como moro sozinho por que meus pais vivem viajando a negócios, fiquei o verão todo no tédio, em casa, sem nada de interessante pra fazer. Masaki tinha ído pra casa dos avós dele, perto de Hiroshima, então não tinha nem como eu ter compania dele. Ele até que me chamou, mas eu de besta não fui (sou um completo idiota!).

Bem, posso deixar as frustrações de lado e focar no agora. Tomara que eu e Masaki fiquemos na mesma turma de novo! Esse pensapento me fez soltar um sorriso bobo enquanto eu estava com a água do chuveiro batendo em minha cabeça. Corei um pouco pro causa disso.

Depois de ter me secado, fui logo me vestir, preparar meu lanche e sair de casa com uma maçã na mão, pois não tava muito afim de preparar café da manhã e não podia deixar de comer. Cheguei na parada de ônibus e mordi a maçã na hora que esperava, até que ouvi uma voz chamar o meu nome:

– Karasaki! - me virei, era Masaki. - Oi, cara. Caramba, finalmente, é bom te ver de novo. Hum? E por que tá se fazendo de porco assado?

Eu tava com a maçã na boca. Mal a mordo e ele aparece, ele quer o que? Tirei um pedaço da fruta e falei mesmo com um pouco ainda na boca:

– Isso não tem graça, não posso nem comer em paz, é?

– Ha ha! Ok, ok! Não vou mais falar besteira. Como foi as férias?

– Um tédio...

– Eu te falei pra ir comigo pra Hiroshima.

Olhei pra ele com cara de "Oh! Não diga!" E depois comecei a rir. Sempre me sinto bem junto do Masaki. Ele me faz rir, me apoia e também ás vezes me "toca a real" quando eu preciso. Com uma pessoa como ele, quem preisa de mais amigos?

O ônibus finalmente chegou e entramos. Sentamos um do lado do outro e ficamos conversando coisas aleatórias até finalmente chegarmos na escola. O colégio era um colégio só para garotos. Antes era para os dois sexos, mas depois contruíram uma nova estrutura num outro bairro e deixaram um apenas para os garotos e outro para as garotas. Pra diferenciar até tem a sigla "M" no colégio dos homens e "F" no das mulheres. Se tem essa de os caras tentarem invadir o prédios das garotas? Raramente, mas só por que os prédios são longe um do outro, por que se não... Seria algo que nem, por exemplo, no anime "Kämpfer*".

Fomos logo para o corredor para ver em qual sala ficaríamos. Olhamos para uma enorme lista de nomes separada por sala, que estava na parede e ficamos procurando. Achei o meu nome, tou na sala 2B e o Masaki...

– Cara! Tamos na mesma turma! - falei totalmente empolgado ao achar o nome dele.

– Que massa! Vou poder te infernizar por mais um ano.

– Você não me inferniza.

– Ah é? Hum... Pelo visto não tenho feito um bom trabalho...

– Pelo amor de Deus, deixa de ser baka, ha ha ha!

Fomos logo para a nossa sala e sentamos com um na frente do outro e, claro, como sou menor, eu que fiquei na frente. Ficamos conversando enquanto esperávamos o professor chegar.

Apesar de agir sempre naturalmente, eu não pude deixar de ficar mentalmente reparando que nessas férias Masaki mudou um pouco. Seus cabelos de um castanho claro estavam um pouco maior, os ombros dele parecem ter alargado um pouco e posso até chutar que ele almentou de tamanho, sem contar que sua voz mudou levemente. Não sei se é impressão minha ou tou dando uma viajada. Tenho que parar de fazer isso, se não ele vai perceber...

O professor chegou, então me virei pra frente e fiquei me focando na aula. Foi fácil notar que alguns na sala eram novatos, além de uns e outros que estudavam em outras turmas.

Finalmente chegou o intervalo. Peguei o meu bento* e fui com o Masaki para o pátio. Nos sentamos embaixo de uma árvore e começamos a comer.

– Hum, você ainda prepara o seu bento sozinho, né?

– Meus pais nunca tão em casa. Na verdade, nessas férias eles decidiram comprar um apartamento e me deixar morando sozinho de vez. É até melhor, já que tou mais do que acostumado da casa ser praticamente só minha.

– Sorte sua, do jeito que as coisas lá em casa são, eu passo dos 18 e ainda vou morar com os meus pais.

– Já prevendo o futuro? Você tem 15 ainda! Ha ha ha!

– Ei, dá um dos seus tamagoyakis*?

– Ok, toma. - estendi a caixa do meu bento pra ele.

Masaki megou um tamagoyaki e o comeu de uma vez.

– Humm, isso é muito bom. Você cozinha bem.

– Tenho que me virar, né?

Ele riu e no mesmo momento olhei pro lado finguindo estar vendo parte da galera jogando futebol. Fiz isso imediatamente por que quase senti o meu rosto esquentar. Cairia muito mal se ele me visse corando só por que ele elogiou minha comida.

– Ei, mudando de assunto, comprei um jogo novo de PS3 semana passada, mas o meu console inventou de quebrar. Posso ir passar na sua casa pra jogar no seu? Aí a gente joga junto, já que é de luta.

– Beleza, mas o play 1 é meu! Ha ha!

– Droga, eu queria dizer primeiro, hu hu.

Que bom que ele vai passar lá em casa, faz tempo que a gente não se vê por causa das férias. Teminamos de comer e o intervalo acabou. Fomos direto pra sala, assistimos as últimas aulas, então fomos para os armários trocar os sapatos. Os nossos armários são um do lado do outro. Me veio quase um dejavu, por ser o mesmo "cenário". Se eu tivesse sentindo o que eu sentira no sonho, seria a mesma coisa e eu não saberia se eu teria um troço ou faria aquilo tudo de novo. Mas, se eu realmente o beijasse no mundo real, será que ele aceitaria? Será que me amaria tanto quanto o amo?



Notas finais do capítulo

* Nesse anime citado, "Kämpfer", tem também essa de um colégio se dividir em dois prédios, um só de garotas e outro só de garotos, só que um do lado do outro, com apenas separações internas, além de um muro. O foco não é nem nisso, mas várias vezes os garotos tentam invadir o "paraíso" que é o prédio das garotas.

* bento é almoço em japonês, que são aquelas marmitas que vemos muito em animes, principalmente de colegial.

* Tamagoyaki é uma espécie de omelete japonês

—-------------------------------------------------

Bom, é isso aí, minna ^^ E, digo de novo, não seja um leitor fantasma, ok? kkk

Vejo vocês em breve,

~ Aoi