Where flowers grow wild escrita por Marie


Capítulo 13
Capítulo 13 - ciúmes


Notas iniciais do capítulo

Mais um!



Dorian se arrependeu pela centésima vez naquela noite quando passou com Nicole ao lado de um pequeno grupo de garotas que o fuzilou com os olhos. Ir para aquele baile tinha sido uma das piores ideias que tivera na vida.

—Amigas suas?— Nicole questionou agradecida por, pelo menos, aqueles olhares de escarnio não estarem dirigidos a ela. Desde que entrara na festa tinham sido poucas as mulheres que não estiveram fofocando a seu respeito, ou olhando-a com desdém.

—Eu não colocaria dessa maneira— Dorian respondeu desconfortável e Nicole entendeu imediatamente o que ele queria dizer.

—Qual delas?

—Todas_ Dorian respondeu lacônico— Simultaneamente.

Nicole abriu a boca para repreendê-lo, mas ele a impediu falando primeiro.

—Não me olhe assim. Não é como se eu tivesse um condado para administrar na época.

“Nem uma esposa malcriada” ele quis acrescentar, mas não o fez. Ainda naquela manhã tinham finalmente estabelecido uma trégua em sua pequena guerra e ao menos por enquanto o conde não estava disposto a destruir aquilo. Ela até mesmo estava usando o presente que ele havia comprado: um belíssimo vestido azul que combinava maravilhosamente com o tom dos seus olhos. Outra péssima ideia, pois o vestido se mostrou mais revelador do que o esperado, com seu corpete tão justo que fazia os seios dela se avolumarem perigosamente próximos ao decote baixo, e a cintura que já era fina, ficará reduzida a quase nada, fazendo-lhe os quadris parecerem indecentemente sinuosos.

Ela estava linda como ele nunca a tinha visto antes e por alguma razão aquilo o estava enlouquecendo. Era um sentimento perverso e estranho que piorava cada vez mais quando notava alguém lançando a ela um daqueles olhares predatórios que ele próprio já tinha usado tantas vezes. Já estava até cogitando roubar uma cortina da festa para cobri-la.

—Você é um cafajeste de marca maior— Nicole resmungou para ele tirando-o do devaneio.

—Também adoro você— Dorian resmungou de volta quando mais olhares se voltaram para os dois. Aquela era a primeira vez que apareciam juntos na sociedade depois do casamento e é claro que as línguas iam estalar furiosamente, mesmo que aquela fosse uma festa reservada para pessoas envolvidas com a política inglesa e suas famílias.

Foi com alívio que finalmente juntaram-se a Edward e Victor num canto do salão. Rever os amigos tinha sido um dos poucos pontos altos da noite, mas, ainda assim, também estava se revelando uma coisa potencialmente enlouquecedora, já que Victor vinha se comportando de um jeito estranho desde que chegara e Edward estava… bem, mais expansivo e abusado que nunca, tomando o braço de Nicole assim que o casal aproximou-se.

—As pessoas estão loucas para conhecê-la e faço questão de apresentar você pessoalmente. A senhora está magnífica demais para ficar escondida num canto, não concorda?— ele anunciou a ela sorrindo e levando-a para não muito longe, onde um grupo de outros homens, todos jovens políticos, estavam reunidos. Dorian não estava nem acreditando naquele descaramento do amigo de flertar com sua esposa bem na sua frente. Praticamente teve que juntar toda a força de vontade que tinha para não ir atrás dos dois e trazê-la de volta na mesma hora. Em vez disso, agarrou uma taça de champanhe, virando tudo de uma única vez.

—Acho melhor ir devagar— Victor comentou com a testa franzida, mas com um sorriso debochado querendo brotar-lhe nos lábios. Não era típico dele sorrir daquela maneira.

—Você está adorando isso, não é?— Dorian perguntou com uma expressão nada amistosa no rosto.

—O que?— Victor respondeu com falsa inocência —assistir você provar do próprio veneno? Eu não ousaria.

—Como estão as coisas?—Dorian quis saber, mudando de assunto bruscamente. Victor deu de ombros. Estranhamente parecia mais relaxado sempre que Nicole não estava por perto.

—Desde que você se casou Edward ficou sem muita companhia. Ele está se esforçando muito em me perverter.

Os dois riram suavemente.

—Você ainda está se recusando a pintar pessoa ou já finalmente encontrou a inspiração ideal?

A pergunta tinha dupla conotação e Victor sentiu isso.

—Não pinto pessoas. Sempre colocamos sentimentos demais na tela quando fazemos isso e continuo querendo manter os meus em segredo_ Victor respondeu com frieza e Dorian sorriu para o loiro na tentativa de animá-lo.

—É uma pena porque eu tinha um bom trabalho para você. Precisa ver o que ela fez no meu retrato. Até você ficaria espantado...

Olharam ambos para a mesma direção. Dorian sentiu algo vivo revirar-se em seu interior mais uma vez quando notou que um dos rapazes que cercava a condessa havia demorado demais para seu gosto ao beijar-lhe a mão.

O silêncio se instaurou por alguns minutos. Mais taças foram viradas enquanto ambos assistiam mais e mais rapazes se aglomerarem em torno dela e Edward, que a exibia como um troféu, apresentando-a cheio de pompa para quem quer que se aproximasse. Ela era como uma flor exótica em meio a um enxame de abelhas loucas para chamar sua atenção e Dorian se sentiu ainda mais contrariado. Daria tudo para estar perto o suficiente para ouvir o que estavam dizendo a ela. E mais! Daria tudo para saber o que estavam pensando, só para poder ter o gosto de esmagar cada pensamento.

—Olhe só para ela— resmungou cruzando os braços sobre o peito. Algo verdadeiramente voraz estava se avolumando dentro dele e aumentava sempre que via a maneira suave com que ela sorria para o grupo que a olhava encantado, hipinotizado. Nunca na vida tinha sentido algo nem levemente parecido. Aquela garota diabólica o estava deixando fora de si.

“Ela está fazendo de propósito!” ele pensou fechando ainda mais a expressão.

—Ela está se saindo muito bem pelo visto— Victor comentou distraidamente, assistindo-a falar alguma coisa que parecia ter capturado a atenção de todos a sua volta.

—Se eles soubesse quem ela realmente é duvido muito que estivessem assim tão interessados— Dorian resmungou de má vontade, agarrando o que talvez fosse a décima taça da noite.

—Quer parar com isso?— Victor reclamou tomando a bebida da mão dele.

—Parar com o que?— Dorian explodiu finalmente —De beber ou de odiá-la por agir como uma...?

—Não se atreva!— Victor cortou furiosamente fazendo o outro ficar tão surpreso que não conseguiu achar palavras para responder.

— Se está ardendo em ciúmes vá até lá e faça-a preferir você! Não ache que vou admitir que a ofenda na minha frente— Victor completou lançando a Dorian um olhar sério e altivo, tipicamente seu —Sabe Dorian, você não precisa ser o único aqui que não está encantado com sua esposa_dizendo isso, afastou-se do amigo para juntar-se ao grupo que agora ria animadamente.

O conde ainda estava tentando entender o que tinha acabado de acontecer quando notou que do mesmo grupo para onde tinha ido o amigo, uma figura alta e esguia caminhou em sua direção. O cheiro de charutos e algo mais almiscarado invadiu-lhe as narinas assim que o homem grisalho se aproximou dele.

—Mas que noite fascinante para rever um velho conhecido...

Dorian ficou imediatamente tenso com aquela presença. De todas as pessoas do mundo, aquela estava na lista das últimas que desejava ver.

—Lorde Ashton_ cumprimentou Dorian de má vontade— Mas que... prazer.

Ashton sorriu maldosamente para o outro, e de imediato Dorian teve certeza que aquela seria definitivamente uma noite muito, muito longa...



Notas finais do capítulo

Olá pessoas lindas! Quero agradecer todo mundo que está me acompanhando até agora :D O apoio de vocês é muito importante para mim.
Espero que tenham gostado do capítulo e não deixem de comentar!
Beijo para todas



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Where flowers grow wild" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.