Com Amor não se Brinca escrita por Bubees


Capítulo 30
Como cães e gatos.




- Pode me explicar o que foi isso? – Disse Priscila, já barrando a irmã antes mesmo que ela conseguisse entrar no apartamento.

- Por favor, Pri, não preciso que você diga nada...

- COMO NÃO?! Você percebeu BEM o que você fez com o Syn? Ele não merecia isso Letícia, ele que deu a idéia pra sua festa e tudo mais... Ele ficou o tempo todo pensando em você.

- Para! – Letícia dizia irritada, encarando a irmã. – Já entendi, acabei de voltar da casa dele, ele me disse um monte!

- Você tinha mais é que ouvir mesmo!

- Legal, agora até a minha família vai ficar do lado dele...

- Letícia! – Diego caminhava até as filhas. – O que foi isso?

- Gente! – Letícia respirava fundo, tentando se conter, porém mesmo assim uma lágrima ansiosa escorreu pelos olhos da jovem. – Chega! Eu já entendi, mas eu simplesmente não posso mandar o Gerard embora, fazer intercambio não é fácil como parece, foi difícil me adaptar num lugar onde eu mal conhecia as pessoas e ele me ajudou MUITO! Eu sei que eu errei terrivelmente por tê-lo trazido, mas o Syn já me deixou ruim o bastante, eu não preciso que vocês digam nada... A culpa é toda minha, o Gerard também não tem nada haver com isso.

Diego encarava a filha de modo piedoso, simplesmente a puxou contra seu peito lhe dando um abraço apertado.

- Valorize as pessoas certas. – Diego sussurrava nos ouvidos da filha. – O medo pode te fazer perder algo muito importante.

- Você que o diga, não? – A jovem se afastava do pai, olhando-o nos olhos. – Preciso descansar, a viajem foi muito longa.

- Tudo bem... Amanha você vai ensaiar? – Perguntou o pai.

- Vou. – Respondia Letícia, respirando fundo. – Vai ser terrível.

Diego e Priscila porém nada disseram, sabiam que a jovem realmente tinha razão.

Letícia então entrou no apartamento, se deparando com Gerard vestindo apenas uma cueca boxer.

- EI! VESTE UMA ROUPA! – Dizia Letícia assustada, arremessando uma almofada em Gerard.

- Desculpe meu jasmim, eu ficar assim em minha causa.

- CASA! – Letícia o corrigia, irritada. – O que você pensa que o meu pai vai pensar se te ver andando pela casa desse jeito?!

- Desculpe. – Gerard a olhava com um pequeno bico entre os lábios. – Você parecer um pouco aborrecida, o que acontece?

- Não foi nada, só coloca logo uma roupa, está bem? – perguntou a jovem.

Gerard simplesmente lhe deu um sorriso no canto dos lábios e foi para o quarto.

- Ele é bem gatinho até. – Dizia Priscila.

Letícia se virou para trás assustada.

- P-pai, eu posso explicar...

- Espero que tenha sido a primeira vez que você tenha visto um homem de cueca. – Dizia Diego.

- Mas é claro. – respondeu Letícia com um sorriso forçado, sentindo suas mãos tremerem de desespero.

- Pronto! – de repente, Gerard saía do quarto apenas com uma calça de moletom.

- Bem melhor. – dizia Letícia sem graça.

- Bom, estou indo dormir... – Dizia Diego. – E vocês também vão dormir.

- Estamos indo. – Dizia Priscila.

- Bom, boa noite. – Diego então se dirigiu até seu quarto.

De repente o silencio predominou pela sala, Priscila olhava sem graça para o estranho casal que estava a sua frente, Letícia não o olhava, enquanto o rapaz ficava parado, olhando para a jovem, esperando alguma reação.

- Também vou dormir. – dizia Priscila. – Boa noite.

Gerard ainda ficou olhando para Letícia, que estava fixa como um zumbi para o chão, estava muito pensativa, respirava fundo, seus olhos estavam perdidos ao vácuo de todo daquele silencio.

- Quer me contar o que acontece? – Perguntava Gerard, atencioso.

- Não é nada. – Letícia erguia a cabeça, esboçando um sorriso frágil para Gerard.

- Acho que aquele sua amigo não gostou muito de eu. – Dizia o jovem. – E você ficar tão estranha depois que o viu... Ele te levar flores...

- Somos só amigos. – disse, ríspida.

- Por um momento pensei que ele fosse o seu amor que você deixar para trás.

Letícia gaguejou com o próprio ar que tragava, e então encarou Gerard.

- É ele?

- Sim. – A jovem então deu de ombros lhe dizendo a verdade.

- Suas sentimentos dele voltaram?

- Não. – Letícia voltava a olhar para o chão. – Esquece isso está bem?

- Eu amo você, Letícia. – Dizia Gerard com um sorriso meigo estampado nos lábios. – Boa noite.

- Boa noite, Gerard. – dizia a jovem.

Gerard se aproximou lentamente da jovem, colocando as mãos quentes em seu rosto aflito, segurando-os com cuidado e então aproximou seus lábios aos dela. Letícia rapidamente se esquivou.

- O que acontece?

- Estou cansada.

- Não me dar beijo de boa noite?

- Eu estou cansada, Gerard.

Gerard simplesmente deu de ombros para o comunicado de Letícia, agarrou-a pela cintura, lhe roubando um sutil beijo de boa noite.

Letícia, porém, nem se quer reagiu, Gerard lhe esboçou um olhar um tanto desapontado, mas não insistiu mais, deu-lhe as costas, indo finalmente dormir.

 

No dia seguinte, a jovem já acordava cedo para tomar café da manhã e descer para o ensaio, Brian havia feito novas músicas enquanto ela estava em Londres, ou seja, havia muito trabalho pela frente.

- Bom dia. – Dizia a jovem ainda um tanto sonolenta.

- Bom Dia. – Dizia Gerard parecendo um robô.

- Bom dia. – Diziam Priscila e Diego em coro.

- Onde está a Carmen? – perguntou Letícia.

- Foi à academia. – Disse Diego, ríspido.

- Vocês não estão muito bem não é? – Perguntava a jovem.

- Ok, você não precisa ficar entrando em detalhes da nossa vida com o seu... amigo, eu acho, aqui.

- Sou namorada. – dizia Gerard.

- Namorado. – Letícia o corrigia, irritada.

Gerard apenas deu um sorriso sem graça e baixou a cabeça, voltando sua atenção para a xícara de café.

Diego e Priscila arregalaram os olhos para a jovem. Ela simplesmente deu de ombros, engolindo o pão com manteiga e rapidamente se erguendo da mesa.

- Vou tomar banho e me trocar pro ensaio. – dizia.

- Posso ir? – Gerard perguntava.

Letícia hesitou por alguns instantes encarando Gerard, sabia que estava sendo muito desagradável e o rapaz não tinha culpa pelos seus erros.

- Está bem. – Disse por fim. – Desde que você não atrapalhe.

- Jamais, meu jasmim. – Gerard sorria.

Priscila encarava o novo cunhado com pena, estava óbvio que Letícia ao ver Brian a sua frente, sabendo que ele a havia esperado, sabendo que ele a amava muito mais do que ela mesma podia imaginar, havia a mudado muito em relação a Gerard, o rapaz fazia tudo para agradá-la, porém não tinha retorno.

Letícia finalmente estava pronta. Era estranho para as outras pessoas esquecerem aquela garotinha que vestia apenas calça e camisa. Agora ela estava tão mais mulher e rebelde.

Usava scapin, uma calça clara justa, uma camisa manga curta do Ramones e um colete por cima.

- Já está pronto, Gerard? – perguntava.

- Sim. – Gerard saia do quarto com os cabelos arrepiados e um largo sorriso nos lábios. – Eu estar ansioso!

- Espero que goste. – Dizia Letícia. – Já estou indo pai... Tchau!

Letícia caminhou pelo condomínio, caminhando com os dedos entrelaçados ao de Gerard, porém ela nem se quer o olhava, caminhava distante, mesmo estando tão perto.

Ao entrar no salão, viu algo que a paralisou.

Brian estava em cima de um pequeno palco, seus olhos estavam fechados e ele movia o corpo lentamente de acordo com o som que produzia através da guitarra. Era um som berrante, lento, forte, emocionante.

A jovem nem se quer conseguiu entrar completamente no salão, estava boquiaberta, olhava para Brian fixamente sem nem ao menos piscar, ele está lá no alto, tão belo, tão forte, tão inatingível.

- É Gunslinger. – Dizia James, sorridente. – Uma das músicas novas.

Letícia apenas balançava a cabeça positivamente, sem desgrudar os olhos de Brian.

- Gunslinger. – Comunicava Brian de cima do palco. – Passa a letra pra ela, Caio.

- É pra já. – Caio se aproximava de Letícia, lhe entregando uma folha.

Letícia finalmente voltou para o seu planeta natural. Gerard ficou assistindo a cena, silencioso, percebendo os lindos olhos verdes da jovem, brilhar sobre Brian.

- COMO VAI GERALDÃO! – Brian descia do palco, indo até Gerard.

- É Gerard, não Geraldo. – Letícia debatia.

Brian encarava a jovem com um sorriso maldoso.

- Estamos no Brasil, então aqui ele se chama Geraldo. – Brian sorria para o rapaz.

Gerard retribuía o sorriso para Brian um tanto confuso, sem entender muito bem o que estava acontecendo.

- Bom Gerard, você pode ficar sentando no sofá assistindo o ensaio. – Dizia Letícia com um leve sorriso.

- Vou ficar sentado? – perguntava ele.

- Bom Geraldão, você pode ir se divertir um pouco também... Toma. – Brian lhe entregava um cartão. – Vai lá, divirta-se!

- PARA DE CHAMAR ELE ASSIM! – Dizia Letícia irritada. – E que merda de cartão é esse? – perguntava, arrancando o cartão das mãos de Gerard. – Syn, o que você estava fazendo com um cartão de puteiro dentro do bolso?!

- Já que eu perdi meu amor, qual o problema em comprá-lo? – Brian lhe dava uma leve piscadela.

- O que acontece? – perguntava Gerard.

- Não é nada! O Syn é um idiota. – Dizia Letícia.

- Idiota é você. – Debatia Brian. – Vai, vamos ensaiar logo, não vejo a hora de ir embora daqui.

Letícia amassava o cartão contra os punhos, irritada. Respirou fundo, esboçando um leve sorriso para Gerard e caminhando até o palco.

O ensaio havia começado e era como se não houvesse mais ninguém naquela sala além de Brian, para Letícia.

Ela cantava, focalizando seu olhar no dele, às vezes ele a olhava descaradamente, mas não com a mesma admiração que ela, havia certo ódio dentro de seus olhos negros.

 

No final do ensaio, Gerard estava simplesmente dormindo no sofá.

- Bom, tenho um comunicado pra vocês. – Dizia Brian com um leve sorriso.

- O que foi? – perguntava Ivan.

- Inscrevi os ‘Headshots’ para uma batalha de bandas.

- NOSSA! Sério?! – perguntava Letícia animada.

- É. – dizia Brian, ríspido.

- Onde vai ser? – Perguntava James.

- Bom... É aqui na cidade, não é um evento muito grande, mas pelo menos o vencedor ganha um patrocínio para enfrentar outra batalha de bandas em outra cidade, que aí sim, pode mudar nossas vidas!

- E como vai funcionar essa outra batalha? – perguntava Caio.

- Bom, terão muitos produtores por lá querendo encontrar novas bandas para contratar... Ou seja, será uma ótima oportunidade.

- Que perfeito! – Dizia Letícia um largo sorriso estampado nos lábios.

- Vai ser demais! A gente tem que ensaiar MUITO, essa competição tem que ser nossa! – Dizia James.

- Ta, só não banque muito o competitivo por que eu tenho medo quando você age assim. – Dizia Brian às gargalhadas. – Mas acho que por hoje já está bom... A... Letícia. – Brian dizia o nome com frieza. - ... Já aprendeu as músicas, agora pratique está bem?

- Sim. – Respondia a jovem, normalmente.

- Então eu vou nessa, amanha ensaiamos de novo. – Dizia Caio.

- Tchau pessoal. – Ivan também se despedia dos amigos.

De repente, tudo ficou muito silencioso exceto pelos roncos de Gerard no sofá.

- Acho melhor eu ir também, o clima aqui não está muito bom. – Dizia James, descendo no palco.

- Calma, eu vou com você. – Dizia Brian.

- Syn, eu quero falar com você. – Dizia Letícia rapidamente, quase que desesperada.

Brian respirava fundo, parecendo um tanto irritado. James simplesmente o encarou com tranqüilidade como se pedisse a mesma calma para ele.

- Fui. – comunicava James.

- O que você quer? – Brian se virava para Letícia.

- Você realmente foi ao...

- Não eu não freqüento esse tipo de lugar, foi o Caio que me deu ontem... Acho que você já deve imaginar o motivo sim?

Letícia respirava fundo, baixando a cabeça.

- Acabou?

- Syn... – Letícia descia do palco se aproximando dele, falando em voz baixa. – Me perdoe.

- Acredita agora que eu realmente te amo?

Letícia sentiu seu coração de repente saltar, ficou nervosa como uma criança ganhando seu primeiro brinquedo.

- Acredito. – disse por fim.

- E o que esse cara está fazendo aqui ainda?

- Syn, ele não tem nada haver com isso, eu não posso simplesmente mandá-lo embora... Eu...

- Sh... – Brian colocava o dedo indicador nos lábios da jovem. – Não precisa dizer mais nada está bem? É decepcionante.

- Você também não é perfeito! – Debatia a jovem.

- Não mesmo, e você também não é... Não devia esperar que os outros também fossem... O que peca aqui é a sua hipocrisia, e você sabe muito bem disso.

- Para de me chamar de hipócrita! Você também cometeu erros! – A voz da jovem de repente começou a se alterar. – Eu tenho direito de errar também.

- Então você admite que errou?

- Claro que eu admito.

- Letícia? – Gerard acordava, um tanto desnorteado.

- Vai lá, o Geraldo acordou.

- Não é Geraldo!

- Bom saber que você se irrita com isso. – Brian dava uma risada maldosa. – Acho melhor eu ir para casa, não estou a fim de segurar vela.

Letícia de repente segurou seu braço.

- Syn, para com isso...

- O que acontece? – Gerard se aproximava.

- Não se preocupe Geraldo. – Dizia Brian. – Só estou indo para a casa.

- Tchau. – Gerard dizia de imediato, abraçando Letícia.

Brian encarava a jovem com os olhos desapontados, porém ainda sim se mantinha de cabeça erguida e a olhava dentro dos olhos.

- Até mais. – disse. – Temos que ensaiar bastante pra apresentação...

- Quando vai ser? – perguntou Letícia.

- Daqui umas duas semanas. – Dizia. – Tchau.

Letícia simplesmente ficou focalizando Brian se afastar e pode sentir Gerard abraçá-la ainda mais forte.

- Tudo bem? – Perguntou Letícia se virando para ele. – Você dormiu...

- Desculpe. – respondeu o jovem. – É que estavam tão... como é?

- Concentrados?

- Acho que é... – Gerard simplesmente lhe dava um leve sorriso e baixa a cabeça.

- Você está bem? – perguntou Letícia.

Gerard se afastou alguns centímetros olhando dentro dos olhos da jovem, acariciou lentamente seu rosto, lhe olhando de modo misterioso.

- O que foi? – perguntava a jovem intrigada.

- Você mudar muito desde te vi no avião indo embora e deixar seu amor...

Letícia afastava as mãos quentes do rapaz, tentando entender aquelas palavras.

- O que você está querendo dizer?

- Acho que errei em vir. – Dizia Gerard. – Depois que você vir Syn...

Letícia respirou fundo, se afastando ainda mais.

- Fui idiota em achar que poder fazer esquecer ela.

- Eu... – Letícia de repente percebeu um pequeno tufo de cabelo escuro por trás da porta. – E não sei do que você está falando. – Dizia a jovem dispersa.

- Você ama ele! – dizia Gerard. – Não eu.

- Gerard...

- Eu deixar meu país...

- Gerard, espera! – Dizia a jovem. – Syn, sai já daí!

O tufo de cabelo de repente desapareceu, a jovem irritada saiu correndo, deixando Gerard para trás, que confuso, também começou a correr.

- SYN! – Letícia gritava correndo atrás de Brian.

Brian se virou para ela, parando de correr de repente, fazendo a jovem esbarrar nele. O rapaz simplesmente a segurou firme pelos braços, olhando-a de forma intensa dentro dos olhos. Letícia havia perdido o ar, e então se afastou rapidamente.

Gerard simplesmente ficou para trás, assistindo aquela cena.

- Por que você estava ouvindo a conversa?!

- EU?! Eu não estava...

- Ora! Para de mentir! O que isso te diz a respeito?

- Tudo! Se você quer saber... – O rapaz lhe esboçava um sorriso sínico. – Se eu quis ouvir problema é meu.

- Tudo bem, já ouviu o que você queria?

- Já. – Brian dava de ombros. – Não sei como você suporta esse sotaque dele... EI GERALDO!

- O que você está fazendo?

- VEM AQUI! – Brian gritava, balançando as mãos.

Gerard franzia o cenho, caminhando até Brian.

- O que acontece?

Letícia batia na própria testa, sem entender o que estava acontecendo.

- Quer sair conosco?

- Que?

- COM A GENTE! – Brian especificava. – Comigo, o Caio e o Ivan.

- Ei... – Letícia tentava intervir.

- SH! – Brian esticava as mãos em frente ao rosto da jovem. – Então, Geraldo, a gente vai sair pra beber, quer ir?

- Syn, o que você está pensando...

Brian infantilmente, se colocava em frente á Letícia, retirando-a completamente da conversa.

- EI! – a jovem tentava passar por Brian, e ele esticava os braços, tampando-a.

- Vamos cara, vai ser legal! Uma noite só de homens...

- SYN! – Letícia puxava seu braço, e o rapaz ria do desespero da jovem.

- Que horas vai ser? – Perguntava Gerard.

- Dez da noite. – dizia Brian ás gargalhadas, sendo puxado por Letícia.- AAAAAAI! SUA LOUCA, VOCÊ ME MORDEU!

- Sai da minha frente! – Debatia a jovem. – Eu vou também, não confio em você pra deixar o Gerard sozinho...

- Grande novidade que você não confia em mim. – Brian debatia.

A jovem respirou fundo, encarando-o de olhos bem abertos.

- Não foi isso que eu quis dizer...

- A gente se vê de noite Gerard.

- Está boa! – Dizia.

- Syn! Olha só o que você vai aprontar, o Gerard não tem culpa de nada!

- Você quis declarar guerra, não quis, pequena? – Brian se aproximava, fitando seus lábios. – Simplesmente agora, prepare-se.



Notas finais do capítulo

Espero que gostem do novo capituloo.

Mandem Reviews


beeejos ;**