Não tenha medo de me amar escrita por Cherry Chan


Capítulo 4
E quando a verdade veem á tona


Notas iniciais do capítulo

Aqui está o link do look da Sakura (no jantar) pra quem quiser ver:
http://3.bp.blogspot.com/--_0LbTYBzfA/UFEcETwarsI/AAAAAAAACPQ/PhEHc1tw8YE/s1600/Sem+T%C3%ADtulo-6.png
Vai ter um momento, ou seria falar ''desmomento'' SasoSaku, bem isso não existe então deixem pra lá. Boa leitura ^.^ !



– Entre Haruno.

Atravessou o quarto até a cama do mesmo. Ele estava deitado de lado. Ela ainda se sentia um pouco insegura, mas não tanto. Lembrou-se das instruções de Sasuke, passando suas mãos por baixo do corpo dele e enlaçando as mesmas. Puxou o devagar, ainda o segurando com uma mão e com a outra que estava livre puxou o travesseiro para trás do mesmo, ajeitando-o sentado.

– Até que você não é tão ruim. – falou o moreno.

– Hm? – ‘’ Que garoto doido ‘’, pensou ela.

– Digo, fiquei com um pouco de receio de você me derrubar ou algo do tipo.

– Aprendo rápido, não sou lesada. – ‘’Oras com quem esse cretino, pensa que está falando’’.

– É que você não tem experiência e tem uma cara de maluca sabe. – Olhou-a com um olhar divertido e provocativo.

– Seu...

– Calma não é por mal, só não queria que você deformasse meu lindo corpo.

Ela deu uma risada alta.

– Além de cavalo, é convencido.

Ele fechou a cara e fitou-a sério.

– Desculpa, é que essa foi á única impressão que você me fez ter esses dias e nem tente negar.

– Você, podia me dar meu café logo, mesmo que esteja numa cadeira de rodas, preciso-me alimentar sabe, E.T de cabelo rosa maluca.

– Vou fingir que você não me chamou disso, e eu sei que você tem que comer, afinal é sua culpa não mandei você virar um tagarela de uma hora pra outra. – Mostrou a língua pra ele.

Depois de alimentá-lo ela arrumou as coisas na cozinha, foi até o quarto para colocá-lo na cadeira de rodas, e quem sabe convencê-lo, á ir lá fora, no jardim.

– Só não me derrube ok? Por favor, eu ficaria extremamente grato.

Ela ficou um pouco nervosa, já que das outras vezes tinha alguns empregados para ajudar. E desta vez teria de fazer isto sozinha. Felizmente, não houve nenhum acidente e foi tranquilo para tirá-lo da cama e coloca-lo na cadeira, apesar do tempo demorado.

– Nós podíamos ir lá fora, o dia está bem agradável sabe, e você só fica enfurnado nesse quarto.

– Tudo bem.

‘’ Nossa que evolução’’, pensou ela.

Sakura levou-o até um banco no quintal, e colocou uma almofada na encosta do mesmo. Depois sentou Sasuke ali.

Ela estava meio inquieta, olhando o jardim. Percebeu o olhar dele sobre si, sentindo logo em seguida suas bochechas esquentarem, ‘’ droga, droga, não acredito nisso ’’ pensou.

– Quantos anos você tem? – perguntou Sasuke.

– Vinte e você?

– Vinte e dois, sua E.T de cabelo rosa. – respondeu á olhando com um sorriso maroto.

Ela fez um beicinho, ele riu e em seguida ela também.

– Você está namorando Haruno?

– Sim e você... Com aquela ruiva? – perguntei-o, lembrando-me daquela vez que ele ficou muito bravo quando o questionei.

– Não. – Ficou sério por um momento e depois tornou a falar novamente. - Mas antes eu e ela namorávamos.

Ele deu suspiro pesado e continuou.

– Só que depois do acidente ela passou a me visitar poucas vezes e depois não veio mais.

– Eu...

– Aquele dia, ela veio-me dizer que estava com outro e me disse que sentia muito e blá blá blá.. – Falou meio distante com desdém. – Enfim tentando arranjar milhares de desculpas, invés de falar logo que não queria um aleijado como eu.

– Sinto muito. – olhei-o com certo receio.

– Mas eu não, ela era fútil sabe e foi melhor assim. – Me olhou rapidamente e deu um sorriso sincero.

– Em minha opinião á acho uma burra, só por causa de o acidente te deixar, se ela te amasse isso não importaria. – Olhou-o, o mesmo estava atento ao que ela dizia. – Realmente ela é uma fútil.

– É, mas também ela não era obrigada a cuidar de mim e aguentar o fardo que me tornei.

– Eu não acho que você se tornou um fardo, ainda mais que você vai recuperar seus movimentos aos poucos com a fisioterapia, ela que perdeu.

Ele a olhou com admiração, á cada dia ele tinha mais certeza que ela era diferente.

POV Sakura

Hoje tinha passado rápido e incrivelmente o dia foi melhor do que imaginei. Já estava de noite e eu iria sair com Sasori, só esperava que quando chegasse ao tal restaurante não encontrasse com aqueles amigos deles, só o que me faltava era ele decidir me fazer uma surpresa dessas. Mas pra ser sincera eu não estava muito animada para ir, nesses últimos meses havia perdendo cada vez mais o encanto e a paixão que tinha pelo ruivo. Talvez fosse o tempo, ou a realidade de nunca ter me apaixonado de verdade por ele.

Caminhei lentamente até o banheiro de minha casa, meus pais estavam lá embaixo assistindo a televisão, ouvi as gargalhadas deles, e me perguntei se um dia eu e Sasori seriamos assim, ou até mesmo se nosso relacionamento aguentaria até lá, provavelmente acho que não, nós estávamos nos afastando cada vez mais, e era impossível não perceber.

Entrei de baixo do chuveiro e liguei no morno, logo sentindo á água sobre minha cabeça, me esquecendo por alguns minutos do mundo á minha volta. Depois as lembranças de quando Sasori e eu começamos a namorar, voltaram a minha mente, me lembrei de como o achava carinhoso e perfeito pra mim nos primeiros meses, e de como a realidade me acertou em cheio quando deixei de me cegar pela paixão, como percebi que ele era frio e indiferente e não dava muita importância a mim. Perguntei-me o porquê de nunca ter terminado com ele, mesmo sabendo que não havia mais nenhuma atração sequer á certo tempo, não que ele não fosse bonito, também sabia que ele me achava bonita, mas não havia emoção e nem sentimentos entre nós e a resposta eu sabia: estávamos confortáveis assim, sem sequer cobrança vinda de ambos, não precisávamos nos fingir de apaixonadas e nem mesmo terminar com nada, apenas deixar levar, cada um fazendo o que quisesse sem se incomodar com a opinião um do outro. Mas eu sabia que não era isso o que queria pra mim, e talvez ele pensasse o mesmo. E também nas últimas semanas eu estava me irritando com á saída dele com os amigos todos os dias, talvez fosse á consequência do fato de se manter relacionamento sem um sentimento de paixão ou amor verdadeiro.

E pela primeira vez me dei conta, de que eu nunca havia amado alguém de verdade, á ponto de cometer loucuras. Mas eu não me importaria com isso agora, ainda era cedo. Só que uma coisa era certa: ou eu terminava com ele, ou algum milagre tinha que acontecer entre nós.

Desliguei o chuveiro, e quando fui olhar ás horas, vi que tinha passado tempo demais tomando banho. Me arrumei, e depois desci ás escadas, meus pais estavam bem perto um do outro, com suas cabeças encostadas. Eles eram tão perfeitos juntos.

– Tchau mãe, pai. – disse quase chegando á porta.

– Tchau e bom jantar. - disse meu pai, sabia que ele não aprovava muito meu relacionamento com Sasori, por saber que nós nem éramos apaixonados. Mas ele não comentava sobre isso.

– Tchau filha, mande abraços pra ele.

Entrei no meu carro e dei partida, ás ruas estavam meio vazias e com pouco movimento no trânsito, o caminho foi tranquilo até o apartamento de Sasori. Estacionei meu carro e desci. Vi o ruivo já encostado no automóvel dele e fui até lá, primeiro comentou como eu estava bonita e depois me deu um abraço desajeitado, quase não me tocou com o gesto, como eu fosse uma estranha e depois um selinho. Abri a porta do carro e sentei no banco do passageiro, colocando o cinto em seguida. Não nos falamos muito até o restaurante, apenas aquelas perguntas básicas de: ‘’ como foi seu dia? ’’, ‘’ tudo bem com a família? ’’, etc...

O jantar foi bem tranquilo e a comida era boa e cara. E para meu alívio não encontrei nenhum de seus amigos por lá. Comemos em silêncio e trocamos poucos comentários, todos redirecionados á comida e ao serviço do restaurante.

Sasori pagou á conta, e então fomos embora, ele parecia meio tenso. Fomos para seu apartamento, e agora estávamos olhando um filme. Estava concentrada na televisão, até sentir suas mãos na minha cintura, me puxando para seu colo de uma forma meio que rude, mas não dou muita importância, pois havia meses que eu e ele não fazíamos isto e eu estava necessitada afinal. Ele cola seus lábios no meu, e invade minha boca com sua língua, o beijo é voraz e sem ternura alguma, eu não o culpo por isso, pois eu também não consegui sentir tais emoções naquele momento, apenas queria matar minha vontade...

*

Ouvi meu celular tocar o alarme, tateei com minha mão até achar o objeto e o desliguei. Levantei da cama, e vi que Sasori ainda estava adormecido, fui até seu banheiro e tomei um banho rápido e frio. Em uma gaveta de seu armário, aonde tinha algumas poucas roupas minhas, peguei um short jeans bem soltinho, e uma camiseta preta. Coloquei um tênis preto Vans. Deixei meu cabelo solto e passei um gloss e um delineador

Fiz um café e algumas coisas pra comer, sem o esperar acordar. Peguei minha bolsa e fui até o estacionamento pegar meu carro, para ir trabalhar.

Liguei o rádio enquanto dirigia até a mansão dos Uchihas, as memórias de ontem vieram, não houve palavras e nem gestos de carinho, foi tudo rápido, nada emocionante que me fizesse reacender a paixão que antes pensava sentir por ele.

Cheguei no horário certo, Kakashi também já estava pegando suas coisas para ir embora.

– Bom dia Sakura-san. – Me direcionou um sorriso discreto.

– Pra você também Kakashi, e Sasuke... Está de bom humor? – perguntei curiosa.

– Sim, desde os últimos dias ele está até mais falante sabe... O que você deu pra ele? – Me olhou divertido, já abrindo a porta e se mandando embora. – Até de noite.

‘’ Um dia quando pararmos de fugir dos nossos pensamentos, á verdade virá á tona. Então nos daremos conta de que a realidade não é a mesma que antes e tudo já mudou, e o tempo que fugíamos, era o que tínhamos para agir. Daí em diante não haverá como trazer de volta o que já se fora... ‘’.



Notas finais do capítulo

Comentários? Sugestões e críticas são bem vindas se tiverem, é importante para um bom desenvolvimento da fanfic. E me fariam feliz :3