Mais um dia escrita por Feh Camargo


Capítulo 8
Capítulo 8


Notas iniciais do capítulo

opa opa opa dia de postagem!!
Gente, primeiro queria gradecer antes de tudo a SantoVittiDaKitKat que recomendou a minha história e eu queria dizer que foi o que mais me motivou a continuar, incrementar e adiantar esse capítulo aqui e toda a história. Eu fiquei meio que emocionada pq é a minha primeira recomendação e eu literalmente comecei a tremer e a gritar aqui dentro de casa de felicidade.
Então, um obrigada obrigada messsssmo a SantoVittiDaKitKat você deixou essa autora aqui feliz e com muito mais gás para a continuação dessa história.
Cometários, recomendações, favoritos e acompanhamentos é o que estão me impulsionando mais e mais a escrever. Então obrigada à todaas.
Bem, sem mais delongas. Aqui está, o capítulo 8 grande e gordo de Mais um dia



Acordei e a primeira coisa que vi foi... azul. Não era o meu azul favorito mas fiquei feliz em vê-lo. Suspirei e tentei rolar na cama, mas tinha algo em minha mão... uma agulha, meu dedo estava coberto por algo também e um barulho de uma maquina apitando do meu lado cada vez mais rápido...

–Peg? Está acordando! – uma voz familiar falou e mãos macias cobriram as minhas

–mãe? O que aconteceu? Por que tem uma agulha me furando?

–oh, Peg, graças a Deus você está bem... você... você sofreu um acidente

Eu ainda via seu rosto borrado, mas quando consegui focá-la vi que estava chorando e foi quando eu lembrei... os gritos de Melanie, o barulho da ambulância, o sangue escorrendo pela minha testa, a dor excruciante ... o barulho da ambulância.... agora eu percebia o gesso que cobria meu braço e minha perna

– o airbarg foi acionado e te salvou

Eu comecei a lacrimejar

–a-a Mel...? ela está bem?

Ela fez que sim com a cabeça

–só teve alguns arranhões e teve que fazer alguns pontos

– o que aconteceu comigo?

– você quebrou o braço, dedo e torceu o tornozelo e tem alguns arranhões

Eu assenti com as lágrimas caindo

– ela ta ai? A Mel...?

– sim

–p-posso vê-la?

– Ela disse que está envergonhada por tudo que aconteceu antes do acidente....- ela disse apertando minha mão

Eu assenti e suspirei.

Quando tentei pensar naquela noite parecia tudo tão... surreal demais, pareceu que todos os meus pesadelos se juntaram de uma vez para me atormentar

Melanie com raiva de mim, meu segredo mais sujo descoberto, pessoas prestando atenção demais em mim carregadas de raiva em seus olhares, e o acidente que tirou a vida do meu pai se repetindo bem em minha pele.

Meu pai morrera antes mesmo de eu nascer, ele estava voltando muito tarde para casa, era enfermeiro de um hospital, amava seu trabalho ajudando em partos e sempre voltava tarde e cansado, mas um dia quando voltava um carro avançou o sinal e batendo nele, meu pai não suportou o impacto, o cara dirigia embriagado e fugiu quando viu o estrago, descobriram o culpado meses depois, e ele foi preso.

Minha mãe nunca fez questão de saber o que houvera com o sujeito. E eu também não. Semanas depois do funeral ela descobriu que estava grávida de mim, então nunca o conheci além das fotos.

Minha mãe desde que se casara fora dona de casa, mas depois do acidente do meu pai, preocupada com os nossos futuros, ela resolveu se juntar à uma sócia e abrir um negócio com roupas. E a sócia dela é a mãe da Mel, tia Lauren, porém ,eu e Melanie só começamos a realmente nos aproximar quando ela mudou de escola e veio para a minha.

–faz quanto tempo que estou aqui?

– 3 dias, mas não é a primeira vez que acorda

–ah

Comecei a pensar em todas as coisas que eu deveria ter feito nesses três dias... o boliche, Jared, a excursão...

Argh. Não queria ver nenhum deles no momento. Na verdade, ninguém da escola.

Queria dormir. Não queria pensar, mas logo que fechei os olhos, a porta se abriu e uma enfermeira chegou com minha comida, minha mãe se levantou e pegou a bandeja de suas mães e a agradecendo carinhosamente

–comprei uma comida mais descente pra você do que esse mingau sem sal, quer?

Fiz que sim com a cabeça e ela foi em uma grande sacola que estava no sofá e tirou uma vasilha de lá. Assim que ela abriu o pote meu estômago reclamou e eu lacrimejei

– mãe, eu te amo

Ela sorriu para mim e me ajudou a comer

Ainda estava comendo quando olhei novamente para o abjeto azul ao lado da minha cama. As flores eram magníficas

– acho que sabe quem as entregou – mamãe disse sorrindo para mim

Juntei as sobrancelhas me virando novamente para ela

– o tal do menino que você saiu – ela disse revirando os olhos e eu ri- é um bom rapaz, gosta muito de você- sorri, mas logo depois me lembrei dos acontecimentos do nosso ultimo encontro,

Eu tinha sido uma megera com ele, como todas as vezes que nos encontrávamos, eu, de novo, descarreguei tudo que sentia de uma vez só. E ele ainda tinha se dado ao trabalho de comprar rosas azuis para mim.

Suspirei. Quando as coisas iam começar a melhorar?

Depois que terminei de comer, resolvi sucumbir ao meu cansaço e apaguei novamente.

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Acordei com barulhos de conversa. Abri e vi minha mãe conversando com alguém baixinho atrás da porta, mas eu conhecia aquela voz de longe. Tenho a ouvido a minha vida toda

–Mel? – falei um pouco alto para que me ouvissem

As vozes pararam e minha mãe abriu novamente a porta

–sei que ela está ai, mande-a entrar- disse, estava deitada de lado na cama virada para o sofá e permaneci assim. Minha mãe saiu do quarto e ela então surgiu no quarto, estava com a cabeça enfaixada e com algumas cicatrizes e roxos pelos braços e aranhões, olhou pra mim já chorando e se aproximou da minha cama e soluçou desabando em cima de mim.

–Me desculpa... me desculpa... eu prometo que nunca mais vou fazer você passar por mais nada parecido

Eu fiquei em silêncio por algum tempo e ela permaneceu com a cabeça em minha barriga, levantei o braço que não estava engessado e alisei seus cabelos

–tudo bem, é pra isso que eu estou aqui não é?

Ela olhou pra mim, seus olhos estavam vermelhos

– não Peg, você não deveria me salvar eu que tenho que cuidar de você, cuidar de você, não entende isso? – ela disse levantando a cabeça e secando as lágrimas – E eu fiz exatamente o ao contrário, eu magoei você de todas as maneiras, a coloquei em perigo e fui a pior melhor amiga que alguém poderia jamais ter- ela disse voltando a soluçar e a chorar de novo- me deculpa, me desculp...

–hmm, vamos fazer assim, próxima vez você que quebra o braço, tudo bem? – disse a interrompendo e ela levantou a cabeça – e ai você também não se apaixona por meu namorado , e estamos quites.

Ela riu abafado com o rosto ainda escondido no rosto

–não, não vamos mais nos meter em encrenca, é uma promessa

Eu assenti e também sequei minhas lágrimas e ficamos em silêncio por um tempo

– eu nunca mais vou beber de novo... – ela disse sussurrando

– hm... a aquela pergunta que você ia fazer no refeitório alguns dias átras... pode me dizer agora?

Ela olhou pra mim com os olhos ainda vermelhos, me olhou com carinho e abaixou a cabeça

– eu sabia que você ainda era apaixonada por Jared e... faz um tempo.. q-que..

– o que?

– bem, que eu vi você com Ian no pátio quando tinha esquecido meu celular lá

Arfei

– e ai eu o vi como... como um chance de fazer com que você esquecesse Jared... eu vi você dois conversand

– mais como discutindo

Ela riu

– bem, é. E sei lá... eu resolvi não intervir nem nada.. eu sei que foi egoísta da minha parte, e até um pouco de ciúmes... eu sei que deveria ter conversado com você, mas eu te conheço e sei que você ia ficar bem... daquele jeito que você ficou quando eu falei aquelas coisas horrorosas e quando o Ian apareceu lá na mesa, eu fingi todo aquele drama e eu também depois que vi vocês eu resolvi observá-lo de longe quando ia aos treinos de Jared e bem... eu o aprovei – ela corou e abaixou o olhar ,eu permaneci calada por um tempo

– s-se você estava com ciúmes... – eu disse e ela olhou pra mim- por que não falou nada sobre aquele projeto lá de redação?

Ela deu um sorrisinho e deu de ombros

– não sei... era importante para ele e sei lá, você estava feliz. Não queria acabar com aquilo. E eu queria perguntar se... se você acha que o Ian seria tipo...

Eu ergui as sobrancelhas e comecei a rir

– Você, Melanie, é a pior melhor amiga que já existiu

Ela suspirou

– eu sei..

– é por isso que eu te amo, ta? – eu disse pegando sua mão a puxando e ela se aproximou e me deu um abraço e depois se afastou

– Mas, sim, acho que eu poderia sim me deixar apaixonar por Ian O'Shea. Sabe, ele é bem convincente quando quer.

ela sorriu e me abraçou de novo, ergueu as sobrancelhas em expectativa

– sim, nós nos beijamos

ela deu um gritinho e bateu palmas e depois gemeu fazendo uma careta de dor

– as vezes dói quando mexo meus braços demais... - ela disse alisando os braços - mas me conta, pra onde ele te levou? E como foi tudo? Você gostou? E ai????

eu ri

–Aah Melanie, foi tudo tão.. tão.. Magico!!! O céu, as estrelas... ele disse que adorava meus olhos e meu sorriso e.. aaaaah eu não consegui evitar e...

– AH, NÃO ESPERAI MOCINHA- ela disse quase gritando ao me interromper e depois abaixou o tom de voz quase sussurrando- você que puxou ele pro beijo??- ela disse colocando as duas mãos nos lábios e eu corei assentindo - e ai????

eu dei um longo suspiro sorrindo e me encostei na cama

– foi... diferente

– ele beija mal? - ela disse fazendo uma cara de nojo e eu ri

– não- eu sorri- mas foi diferente de tudo que já senti- dei de ombros -Mais profundo.

– acho que sei do que está falando

– então...

– hmm... acho que isso responde a minha pergunta - ela disse fazendo uma expressão maliciosa e eu a empurrei

– para...

– e o que mais ele disse?

– nada- eu ri- ele não abriu a boca. Não respondeu nenhuma das minhas perguntas. Acho que ficou com vergonha sei lá, eu também estava com vergonha

– o que perguntou a ele?

– b-bem... - corei- besteiras, mas a que eu queria saber mesmo... hm... por que eu? Tipo, sabe... por que? Eu não tenho muitas qualidades pra oferecer e eu nem sou tão bonita assim pra algum cara sequer se aproximar de mim, e eles nunca se aproximaram, ainda mais porque eu pareço uma criança e eu nunca fui legal com ele então...

Mel olhou para mim com uma cara fechada e zangada

– o que?

ela rolou os olhos

– aah Peg, estou cansada de dizer o quão maravilhosa você é. Tanto internamente quanto externamente. Você não parece uma criança... você parece uma adolescente de 15 anos normal linda com olhos acinzentados brilhantes e lindos e cabelos cacheados loiros e lindos. Nenhum cara.. aham, você que repele todo mundo com seu humor todo estranho e com suas ironias ai...

– aham... ta... mas é o meu jeito, ué.

ela revirou os olhos de novo e olhou pra a porta

–O Jamie, tio Jeb, Tia Maggie e Shaaron também estão aqui... quer vê-los?

Eu sorri

– Não é muito tarde pra uma visita calorosa não? - eu ri- manda eles estrarem, quero um abraço da minha segunda família

– São só nove horas, shiu. Tiaaaa – Mel gritou e minha mãe apareceu- você pode chamar o resto do pessoal por favor?

Ela sorriu fraco e desapareceu, logo todo mundo estava ali. Recebi um abraço doloroso e cheio de amor de cada um.

–quer dizer que eu tenho que sofrer um acidente pra ver meu irmãozinho? – eu disse abraçando Jamie por último

– ei! Você que nunca mais passou lá em casa pra me ver – ele disse fazendo biquinho- ah Peg, senti sua falta – ele disse me abraçando de novo

– todos nós garoto, não nos faça passar por isso de novo, vocês duas estão me ouvindo?- Tio Jeb dizia

Eu e Mel assentimos

– Cade o Eugênio Sharon?- eu disse ainda abraçada a Jamie

– no hospital que ele trabalha, ta de plantão hoje - ela disse se sentando no sofá- ele mandou lembranças...

Eu sorri

– tio Jeb, soube que a Mel vai tentar o time próximo ano

– pois é, só quero ver se ela vai conseguir aguentar a barra

Melanie revirou os olhos séria

– só lembra que ela é a sua sobrinha, tá? Pega leve...

ele riu

– eu sei, garota, eu sei. Depois do problema e a lesão do pai dela, aprendi minha lição.

O Pai de Melanie, Tio Josh, costumava fazer futebol na escola e também fazia parte do time nacional na categoria. Porém, os treinos eram especialmente mais puxados para ele, já que era o irmão mais velho que o treinava e em um desses treinos ele sofreu uma entorse grave no tornozelo e nunca mais voltou a jogar. Casou com a namorada que era líder de torcida na época, a mãe de Melanie.

Ela tinha me contato essa história a muito tempo atrás, mas eu não fazia ideia de que esse era o motivo pelo qual ela não participava do time. Acho que nossas vidas já estavam cheias demais com tragédias familiares do passado.

Então passamos a noite assim, conversando, jogando conversa fora até que todos foram embora expulsos pela enfermeira e eu mandei minha mãe voltar para casa pra dormir direito e ir ver se estava tudo bem com a loja e com a Tia Lauren. Ela resolveu ir depois de muita relutância me prometendo um café de manhã. Então ficamos só eu e Mel, conversamos e rimos mais um pouco e acabamos por dormir abraçadas.



Notas finais do capítulo

e ai? O que acharam? Deixa seu cometário ai ;P Eu não mordo!!!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Mais um dia" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.