Thalico – The Only Exception escrita por Tia Ally Valdez


Capítulo 1
The Only Exception - Único


Notas iniciais do capítulo

*IMPORTANTE!*
A CARTA É DE AUTORIA MINHA! SEI QUE VOCÊS DEVEM TER LIDO ALGO INGAL (LITERALMENTE!) MAS EU NÃO PLAGIEI! EU ESCREVI ESSA MESMA CARTA PARA A FIC "CARTAS PARA VOCÊ" (http://fanfiction.com.br/historia/529266/Cartas_Para_Voce/)
PODEM FALAR COM A AUTORA QUE ELA VAI CONFIRMAR! eU ESCREVI ESSA CARTA E VOU USAR NESSA ONE-SHOT PORQUE ERA MEU OBJETIVO! NÃO DENUNCIEM ESSA FIC SEM TER FONTES!
—----------------------------------------------------------
Hey, meus caros! As provas da Tia Ally acabaram! E o que a Tia Ally fez? ELA POSTOU UMA ONE E MUDOU O NOME! EEEEEEEEEEH!
Esta one é um presente para Rhy Di Ângelo, que recomendou a outra fic da Tia Ally (Misguided Ghosts) e eu já tinha escrito uma one Thalico (para a Sra. Valdez Jackson Di Ângelo) na época (Nossa. Falo como se tivesse escrito a fic há uns dez anos... '-') então escrevo esta!
Leiam as outras fics da Tia Ally! Ela vai deixar o link no final da história!
Enjoy!



Nico...

O que eu vou dizer aqui é bizarro e assustador. Saiba que foi até mesmo para mim... Espero que, quando chegar ao seu chalé e ler isto, eu já esteja bem longe daqui com as caçadoras...

Ok... Por onde começar? Eu nunca fui de escrever cartas... Preferi sempre mandar mensagens de íris ou através de um falcão... Mas acho que se considerasse a segunda opção você estaria coberto de bicadas na cabeça. E eu não te mandaria uma mensagem de íris porque eu não consigo olhar em seus olhos e colocar para fora tudo que guardo para mim...

Sabe, Nico, às vezes eu me lembro de alguns anos atrás... Quando Annabeth, Percy e eu estávamos em uma missão. Estávamos indo resgatar dois semideuses... Em um internato assustadoramente sinistro... Cara, aquele lugar estava sendo um saco...

Mas ali... No meio daquela maldita multidão... Com os pés doendo (porque todos nós sabemos que cascos de sátiro não são exatamente uma massagem!) e cansados de dançar aquela música extremamente ridícula eu vi...

Eram duas crianças... Uma menina e um menino... Eu soube na hora que eram vocês... Mas quando olhei para o garotinho brincando com cartas, tive a sensação de que meu estômago havia sido virado de ponta cabeça... Não era como se eu estivesse apaixonada... Nem de longe! Isso seria pedofilia (se eu não considerar o fato de que você tem, tecnicamente, mais de setenta anos de idade...). Era como se eu estivesse destinada a me apaixonar por aquele garoto... Pensei que Afrodite devia estar brincando comigo...

Mas ela não estava, Nico...

Quando tivemos aquela missão para procurar a espada de Hades, eu, você e Percy... Eu tinha uma sensação de conforto e proteção perto de você... Era assustador! Eu era uma caçadora! Pior! Atenente delas! Não podia estar me sentindo daquela maneira...

Mas estava...

Cara, di Ângelo! Como eu te odeio! Você consegue bagunçar meus pensamentos... Você consegue me bagunçar! Eu tentei negar isso durante o tempo... Mas era inevitável.

Eu estava me apaixonando por você! Uma caçadora apaixonada! E, para piorar, pelo filho do inimigo mortal do pai dela!

Sei que você odeia as caçadoras e isso deve me incluir... Pode rasgar esta carta quando terminar... Isso se já não tiver rasgado e ter feito com que eu ficasse horas gastando papel em vão! Mas eu te entendo, Nico... E eu sinto a falta dela tanto quanto você! Eu a conheci melhor durante a missão... Ela não ficava um minuto sem parar de falar de você... Em como ela estava preocupada... Em como você deveria estar. Se você estava bem. Se você estava se cuidando e se protegendo do frio...

Sinceramente, às vezes eu queria ter morrido no lugar dela. Pelo menos eu não estaria aqui escrevendo essa cara ridícula que você, com certeza, vai rasgar e jogar no fogo...

Sabe, às vezes me arrependo de ter entrado para a caçada... Me arrependo sempre que vejo você... Por que o destino tem que ser cruel conosco? Por que as coisas não podem ser fáceis?

Dizem que não se alcança a felicidade sem um longo caminho de sofrimento.

Quando encontramos você e Reyna, eu não pude deixar de sentir um buraco negro no peito ao ver a proximidade dos dois... Sinceramente, a idiota que eu sou ainda tinha esperanças de ter algo com você...

Compreendo seu ódio pelas caçadoras... Compreendo seu ódio por mim. Mas entenda, Nico... A maioria das caçadoras sofreu por um homem (como eu sofro por estar apaixonada por você, seu estúpido de uma figa!) ou tem medo de sofrer por um... Eu quero acolher a todas elas... Porque as entendo. E eu tive sonhos estúpidos em que acabava vestida de branco com você me esperando em um altar... Isso sim eram noites de tormenta (para uma caçadora. mais um motivo para te odiar: eu nãome sentia assim!)

Quando tive sonhos mais "profundos", descobri que tinha que colocar tudo para fora... Se eu guardasse o que sinto, acabaria agarrando você na primeira oportunidade...

Nico, eu odeio você. Odeio seus olhos negros porque me perco neles... Odeio seus cabelos porque tenho vontade de passar a mão por eles... De afagá-los com carinho. Odeio seu jeito sinistro, porque, mesmo sendo sinistro, me faz estar segura... Odeio quando você está perto de mim, porque minhas mãos tremem, meu estômago dá voltas e um nó se forma em minha garganta. Odeio tocar você (até mesmo quando nós nos trombamos no acampamento algumas vezes), porque sinto arrepios com sua pele fria.

Eu odeio tudo isso porque são motivos que fazem com que eu me apaixone por você... Sei que está soando clichê, mas saiba que odeio clichês... Tanto que eu mesma estou tentada a rasgar essa porcaria e jogar fora.

Nico, não tenho esperanças de que isso mude algo... Você pode continuar me odiando... Mas saiba que, se quiser conversar, pode me mandar uma M.I. depois das dez da noite... Só eu fico acordada a essa hora... Sei que talvez você só me mande uma mensagem para queimar a carta na minha frente. Isso me dá arrepios... Porque só de imaginar você jogando todas essas palavras fora já sinto vontade de chorar.

Vou te contar algo... Só para encerrar essa droga. Vou te revelar meu maior segredo.

Eu não entrei para a caçada por causa de Luke... Nem para evitar que fosse eu a semideusa da profecia...

Eu entrei para provar que Afrodite estava errada a seu respeito... Eu entrei para provar que não tenho nada com você.

E olhe só! Quebrei a cara! De novo! Odeio essa deusa do amor!

Nico... Eu te odeio... Porque te amo.

Confuso, eu sei... Mas eu não posso amar você! Isso é errado! Eu até que gostaria de sair da caçada por você, sabe? Mas eu tenho medo... Porque sei que você vai provavelmente me humilhar... E eu vou envelhecer angustiada e deprimida (se não tiver me matado antes...) por sua causa. Talvez eu supere... Mas eu não quero jogar as palavras para o vento, Nico... Não quero que tudo tenha sido em vão...

Quero que você diga alguma coisa... Quero que fale comigo nem que seja para dizer: "você é ridícula. Eu te odeio!"... Nem que seja para conversar... E, na pior das hipóteses (te odeio por estar considerando essa a melhor), nem que seja para vir até aqui me dar um beijo...

Espero que não tenha queimado isto... Droga! Eu estou chorando por sua culpa!

Se dizem que a felicidade só é alcançada depois do sofrimento... Eu acho que nunca vou encontrar a minha se continuar assim...

Eu te odeio (amo), caveirinha...

De sua odiada caçadora...

Thalia

Nico deixou a carta cair de suas mãos trêmulas... O garoto havia acabado de voltar da arena depois que as caçadoras foram embora. E simplesmente não acreditava nas palavras que lia...

Isso é... Sério?

O garoto encarou o papel no chão por mais alguns minutos... Estava molhado pelas lágrimas de Thalia...

Sem querer, ele sorriu... Não odiava Thalia... Era como se, entre as caçadoras, ela fosse a única exceção. Sua única exceção...

Após ler a carta, ele sentiu algo diferente... Como se algo estivesse mudando dentro de si. Sua garganta formou um nó. Se estômago foi tomado por uma sensação estranha...

Borboletas?

Ele desabou na cama praticamente de cara... Sabia o que acontecia com ele...

Estava apaixonado pela única pessoa que deveria odiar.

Estava apaixonado por Thalia.

E ela estava indo embora...

Não... Ele não podia deixar... Tinha que impedi-la... Tinha que ir atrás dela. Esteve errado sobre Percy. Cupido estava errado sobre Percy...

Sempre foi ela... Thalia era quem Nico queria ao seu lado para o resto de sua vida.

E ele não podia perdê-la.

Disparou para fora de seu chalé em alta velocidade... passou a fazer menos viagens nas sombras depois de toda a sua jornada até o acampamento com Atena Pathernos...

Entrou na casa grande quase arrombando a porta. Quíron e o Sr. D conversavam enquanto jogavam um jogo de cartas qualquer que Nico não quis descobrir.

- Quer quebrar a porta, garoto? – O deus do vinho quase pulverizou o filho de Hades com o olhar.

- O que veio fazer aqui? – Quíron o encarou. E Nico lembrou-se da razão de estar ali...

- As caçadoras... Onde estão?

Quíron ergueu uma sobrancelha e encarou Nico com certa curiosidade e desconfiança, mas, por fim, suspirou...

- Elas saíram há cinco minutos... Correm rápido demais. Já devem estar longe...

- Sabe para onde estavam indo?

Quíron travou por alguns instantes... Nico compreendeu o quanto seu instrutor parecia estar achando aquilo estranho, afinal, o garoto estava querendo saber a localização das caçadoras, que evitam ao máximo os garotos.

- Bem... Elas estão caçando os últimos monstros do exército de Gaia que devem estar por aí... – Ele disse por fim, mas estranhou ao ver o garoto saindo da casa grande. – Ei! Aonde vai, rapaz?

- Vou procurá-las! – Gritou por cima do ombro, já correndo. – Encontrei o amor da minha vida e ela está indo embora!

Quíron não impediu o garoto, mas Nico sabia que seu instrutor ainda o olhava conforme ele se afastava... Talvez com orgulho... talvez com pena. Ele não soube dizer.

(...)

Nico parou para descansar em uma floresta qualquer. Estava cansado de andar... Quando havia saído, já era quase meio-dia... Agora o sol já estava se escondendo no horizonte.

Ele suspirou. Não havia conseguido encontrar as caçadoras. E isso era detestável...

Ouviu um som... Galhos se partindo... Levantou-se subitamente e caminhou em direção ao som.

Nico olhava ao redor com atenção... Se fosse um monstro, não seria nada difícil para matar, já que a guerra acabara há poucas semanas... Mas, naquele momento, a última coisa que conseguiria fazer (depois de encontrar as caçadoras) seria matar um monstro.

O som se aproximou... Nico ergueu a espada. Uma gota de suor desceu pelo seu rosto... Estava exausto! Como derrotaria um monstro?

Quando o som estava muito próximo, Nico recuou alguns passos. Estava pronto para sair em retirada...

Quando um coelho saiu de uma moita.

De repente, Nico sentiu-se ridículo...

Ah, vá! O que você queria? Que fosse sair correndo de um coelho e se sentisse normal?

Ele caminhou na direção de onde veio o coelho... Um erro.

Logo, sentiu seu corpo envolvido e erguido no ar. Gritou com o susto. Ao olhar, viu que havia pisado em uma armadilha. Agora estava preso em uma rede prateada.

E Nico sentiu-se ridículo pela segunda vez.

Seu coração se acelerou ao reconhecer garotas com agasalhos prateados saindo das árvores...

Ele não havia encontrado as caçadoras...

Elas o encontraram...

Uma delas retesou seu arco, pronta para disparar.

- Esperem! – Nico arregalou os olhos quando a flecha passou de raspão pelo seu rosto. Ele se encolheu e temeu que outra flecha atravessasse a cabeça do pobre garoto.

A mesma caçadora retesou a flecha novamente, mas uma voz chamou sua atenção.

- Parem!

A dona da voz retirou seu capuz. E o coração de Nico deu outro salto.

Era ela... O motivo de Nico estar ali, estupidamente preso em uma rede como um coelhinho assustado.

Thalia Grace se aproximou da rede e arquejou baixo ao reconhecer o moreno de olhos negros.

- Tirem ele daí! Esse é Nico di Ângelo!

Uma das caçadoras hesitou.

- Mas... É um garoto...

- Não é só um garoto! Ele matou Licáon! Soltem-no agora!

- Mas...

- Não matamos garotos! Matamos monstros! Faça o que eu disse!

A caçadora, relutante, caminhou até a corda que segurava a rede... Ela sorriu cinicamente para Nico antes de cortar a corda de uma vez.

Quando caiu no chão, ele torceu o tornozelo...

Se doeu? Óbvio que doeu! Nico não conteve um gemido baixo de dor. Thalia foi até ele e tocou seu tornozelo.

- Se Phoebe estivesse viva... – Ela o encarou. – O que faz aqui?

Nico se aproximou para que só a tenente das caçadoras escutasse.

- Vim falar com você...

Thalia arregalou os olhos. Nico soube que era por causa da carta... Ela olhou para as caçadoras. Depois para Nico.

- Espere um segundo... – Ela voltou a olhar para as caçadoras. – Deixem-nos a sós...

- Mas... – A mesma caçadora hesitou.

- Agora...

As meninas assentiram e saíram... Era o momento... O momento em que Nico jogaria tudo para o alto. Ele diria tudo o que sentia. Diria o quanto a amava também.

- O que você queria dizer? – Ela o encarou com preocupação. – Você... Leu... A... Carta?

Ele assentiu e a garota corou... Como é linda...

- E você a queimou?

Ele riu baixo... Thalia devia ter pensado que o garoto estava tirando sarro dela. Porque baixou a cabeça.

- Ei... – Nico segurou seu queixo, fazendo-a levantar o rosto... Os olhos levemente marejados. – Eu não queimei a carta...

- Então o que...

Nico não aguentou mais. Não conseguia mais resistir... Antes que Thalia terminasse o que ia dizer, ele puxou seu rosto e a beijou. Ela se assustou a princípio, mas correspondeu o beijo aos poucos... O sabor dos lábios da morena o deixava louco... Ele a abraçou e puxou para mais perto...

Um trovão furioso ribombou no céu... A chuva começou a cair, fazendo com que o beijo ficasse clichê... Mas eles não saíram de onde estavam... Ali. Se beijando... Debaixo de um temporal...

Eles se separaram aos poucos. Thalia levou a mão à boca... Lágrimas banhavam seu rosto. A tiara de tenente das caçadoras desapareceu aos poucos. A menina gemeu baixo ao sentir sua imortalidade deixar seu corpo...

Meio zonza, Thalia ia desabar, mas os braços de Nico a seguraram.

- Eu não queimei a carta... Porque foi a coisa mais linda e clichê que eu já li, Thalia... Eu só precisei daquelas palavras para saber o quanto eu te amo... Eu te amo... – Ele lhe deu um selinho. – Te amo...

Ela sorriu entre as lágrimas... Recuperava-se aos poucos. Ela beijou o filho de Hades.

- Eu te amo... – Ela o abraçou. – Pensei que você me odiasse.

Ele sorriu e sussurrou em seu ouvido.

- Você é a única exceção...

E os dois ficaram abraçados debaixo da chuva... Durante o tempo que lhes foi permitido... Logo, as caçadoras já chegavam ao local e viam o escândalo que sua tenente causava.

- O que está acontecendo?

A voz da caçadora foi suficiente para que os dois se separassem num pulo.

- Eu... – Thalia hesitou. – Saí da caçada.

As caçadoras arquejaram.

- Por quê? – Perguntou uma loira de olhos verdes. A mesma caçadora que quase mandou Nico para visitar permanentemente seu pai.

Thalia olhou para Nico e segurou sua mão.

- Eu achei a minha felicidade...

As caçadoras assumiram diferentes expressões. Algumas tinham expressões de felicidade pela ex-tenente. Outras tinham expressões de nojo dirigidas ao filho de Hades. E, outras, apenas entendiam a situação e se afastavam.

As primeiras vieram abraçar Thalia. Um abraço de despedida. E passavam por Nico, lançando a ele um olhar que dizia: “Faça mal a ela e atravessaremos sua cabeça com uma flecha!”, o que bastou para que Nico tivesse um motivo para temer as caçadoras, mesmo sabendo que nunca faria Thalia sofrer.

As outras caçadoras saíram aos poucos. Até que os dois estivessem sozinhos de novo.

- Pensei que você odiasse os homens... – Nico abraçou a morena de lado, que deitou a cabeça em seu ombro. Ela o encarou e o beijou novamente.

- Você é a única exceção.


When I was younger I saw
My daddy cry and curse at the wind
He broke his own heart and I watched
As he tried to reassemble it
And my momma swore that she would
Never let herself forget
And that was the day that I promised
I'd never sing of love if it does not exist


But, darling, you are the only exception
Well, you are the only exception
Well, you are the only exception
Well, you are the only exception


Maybe I know somewhere
Deep in my soul that love never lasts
And we've got to find other ways
To make it alone or keep a straight face
And I've always lived like this
Keeping a comfortable distance
And up until now I had sworn to myself that I'm content with loneliness
Because none of it was ever worth the risk


Well, you are the only exception
Well, you are the only exception
Well, you are the only exception
Well, you are the only exception


I've got a tight grip on reality, but I can't
Let go of what's in front of me here
I know you're leaving in the morning when you wake up
Leave me with some kind of proof it's not a dream, whoa


You are the only exception
You are the only exception
You are the only exception
Well, you are the only exception


You are the only exception
Well, you are the only exception
You are the only exception
Well, you are the only exception
And I'm on my way to believing
Oh, and I'm on my way to believing



Notas finais do capítulo

E aí? O que acharam? Curtiram? amaram? Choraram?
LEIAM A FIC CARTAS PARA VOCÊ, ESCRITA PELA KARIN!
http://fanfiction.com.br/historia/529266/Cartas_Para_Voce/
Espero que tenham gostado. Sou péssima com ones... ¬.¬
Bjoks! *3*