Light Of Darkness escrita por lininhaaa


Capítulo 14
XIV - Promessas




Capítulo  14 – Promessas

 


 

Os dias passaram rápido depois das respostas dadas por Kakashi. Todas as vezes que Sasuke passava pela “HK Vidências”, as palavras do homem de cabelos prateados vinham-lhe à mente.

Durante esses dias, ele e Sakura pouco se falaram e sequer tocaram no assunto daquela noite. Ela estava mais indiferente do que nunca e eram poucas as vezes que o Uchiha tinha o privilégio de vê-la, como se ela sumisse de propósito.

As coisas pareciam melhorar na Hyuuga’s Company. O trabalho de Sasuke estava mais que adiantado e, como sempre, Hiashi aprovou o projeto do Hall de entrada da nova sede. O velho Hyuuga não poderia deixar de dar alguns palpites, mas no contesto geral, o homem aprovara o projeto.

 

~*~

Hospital de Tóquio

 

O carro de Naruto acabava de parar em frente ao enorme prédio branco localizado em uma das ruas do centro de Tóquio.

- O que a Tsunade quer?! – perguntou o Uzumaki para Hinata que encontrava-se no banco do passageiro.

- Não sei, Naruto-kun. Ela nunca marcou uma reunião tão cedo assim... – respondeu de modo pensativo. – Espero que sejam boas notícias. – sorriu.

- Qualquer coisa, sabe onde me encontrar. – sorriu Naruto em resposta.

Despediram-se rapidamente e Naruto esperou Hinata entrar pelas portas espelhadas da recepção do hospital para que pudesse seguir para seu trabalho.

Há dias o Uzumaki não falava com Sasuke. Assim como o Uchiha, ele também andava ocupado com seus próprios problemas para resolver, fora o fato de, juntamente com Hinata, resolver os detalhes do casamento.

 

~*~

 

Hinata corria apressada pelos corredores largos do hospital. Já estava atrasada para a reunião de última hora, mas pelo menos o escritório de Tsunade encontrava-se no andar térreo.

Passando pela emergência, ouviu uma das enfermeiras gritar seu nome, mas a morena fez um sinal com as mãos. Por sorte a enfermeira entendeu para que aguardasse apenas alguns minutos.

A morena passou por diversas portas até chegar ao seu destino: a sala de Tsunade. Esta se encontrava fechada, o que indicava que a reunião havia começado.

- Droga... – praguejou baixinho e encolheu os ombros.

Ela bateu algumas vezes na porta e ouviu a ordem de Tsunade para entrar. Hesitante, Hinata acabou por abrir a porta, encontrando os olhares de Ibiki, Karin e Tsunade sobre si.

- Desculpe o atraso. – balbuciou fechando  a porta atrás de si.

- Já era hora, Hyuuga. – replicou Karin maldosamente.

Hinata olhou pelo canto dos olhos para Karin porém não respondeu a provocação da ruiva. Desviou seus olhos para Ibiki que apenas assentiu e novamente, voltou seu olhar para Tsunade.

- Algum problema, Tsunade-sama?!

A loira permanecia sentada com os cotovelos apoiados na mesa e as mãos em frente ao rosto. Olhando para cada um ali presente, ela resolveu pronunciar-se:

- Vocês três trabalham aqui há muitos anos e sabem que não costumo marcar reuniões em cima da hora e muito menos a essa hora da manhã... – Nenhuma das pessoas presentes esboçou qualquer reação, e então ela continuou. – Enfim, estamos aqui por dois motivos. Ibiki...

Tsunade fez um gesto para que o médico começasse a falar.

- Ontem pela manhã recebi uma proposta para um curso fora de Tóquio. Ele terá duração de, no mínimo, quatro meses e creio que ajudara e muito, não só minha carreira, mas também para  esse hospital. – sorriu. – Por isso, pedi permissão à Tsunade para me afastar por um tempo dos meus serviços.

Karin pareceu completamente indiferente com o anúncio do médico, porém Hinata parecia um pouco atordoada.

- E eu lhe dei a permissão, Ibiki... – concluiu a médica mais velha. – Algum problema ou objeção, Hinata?!

- Na verdade sim, Tsunade! – Hinata voltou-se para Ibiki. – Ibiki-san, você é o médico responsável pelo caso da Sakura não é?! V-você não pode deixá-la agora e...

- Hinata! – repreendeu-a, fazendo a Hyuuga calar-se. – Por isso mesmo resolvi marcar essa reunião. Posso continuar?!

- Hai...   – murmurou encolhendo os ombros.

A morena pôde ouvir uma risada abafada vindo por parte de Karin, que pemanecia prostrada um pouco a frente.

- Enfim... – Tsunade massageou as têmporas. – Com a ausência de Ibiki no hospital, terei que passar seus pacientes para outros médicos. – a loira abriu uma pequena gaveta e tirou uma folha de dentro dela. – Pelo que vejo aqui, Ibiki não tem muitos casos graves...

- Exatamente, Tsunade. – concordou o médico. – O caso mais grave seria o da Sakura.

- E é exatamente que vocês foram chamados aqui. Hinata e Karin, vocês são as melhores médicas que tenho disponíveis nesse momento e é por isso que uma de vocês será a responsável pelo caso de Sakura.

Hinata sentiu seu coração disparar. Se Sakura fosse sua paciente faria o impossível para acordá-la, mas ela já não tinha tanta certeza quanto à Karin. Não era segredo para ninguém que a ruiva tinha um sentimento nada bom em relação a Haruno.

Desde que  Sakura foi contratada pelo Hospital de Tóquio, sua carreira decolou,  conseguindo destaque em todas as áreas para qual foi designada até finalmente tornar-se chefe da emergência. Um cargo desejado por muitos e merecido por poucos. Entre seus “concorrentes” estava Karin, que quando soube da promoção de Sakura, não gostou nada.

- Creio que eu seja a pessoa mais qualificada, Tsunade-sama!

Hinata olhou Karin incrédula, porém Tsunade continuou da mesma forma que estava, apenas dando-se ao trabalho de desviar os olhos de Hinata para a ruiva.

- E por que acha isso, Karin?!

- Ora Tsunade-sama, Hinata é a melhor amiga da Haruno. Isso seria muito prejudicial, levando-se em conta que a doutora Hyuuga poderia agir pela emoção e não pela razão.  – sorriu vitoriosa.

- Isso é um absurdo! Antes de amiga dela, sou médica... – Retrucou com a voz alterada.

- Acalme-se Hinata! – ordenou a médica mais velha. Tsunade passou os olhos mais uma vez nas folhas a sua frente. – Karin, você está em algum setor específico do hospital?!

- No ambulatório, mas só por meio período. – respondeu a ruiva, fitando a Hyuuga de canto.

- Hinata, pelo que vejo aqui você está na emergência não é?! – perguntou com as mãos em frente ao rosto. – Está substituindo a Sakura, não é?!

Hinata encolheu os ombros e suspirou, fazendo um simples aceno positivo com a cabeça

- Certo... – murmurou Tsunade para si mesma enquanto pensava em alguma coisa.

- E então, Tsunade?! – perguntou Ibiki.

- Hinata... – a morena olhou automaticamente para a chefe com um sorriso discreto nos lábios. – Sinto  muito, mas se eu lhe der o caso de Sakura, acabarei de sobrecarregando. Karin, você ficará com a paciente Haruno Sakura. – anunciou.

A morena apenas olhou de canto para a ruiva que permanecia com o mesmo sorriso vitorioso no rosto. Abaixando os olhos, Hinata passou por Ibiki e em seguida, saiu da sala da diretoria.

- Hinata! – uma voz atrás de si a chamou. Ao voltar-se para trás, viu Ibiki parado na soleira da porta e Karin saindo da sala. – Tsunade-sama quer falar com você.

A Hyuuga esperou Karin sair e distanciar-se o suficiente para depois voltar. Novamente encontrava-se frente a frente com Tsunade.

- Diga, Tsunade-sama... – murmurou sem encará-la.

- Sinto muito, Hinata. Sei que queria cuidar dela, assim como sei o quanto você é competente... Mas não quero te sobrecarregar.

- Acho que posso entender. Deseja mais alguma coisa?!

- Pode ir e mais uma vez, desculpe! – comentou a médica sem graça.

 

~*~

 

O carro de Sasuke parou em frente a sua casa exatamente às 21:20 da noite. Saindo do carro, bateu a porta atrás de si e em seguida, acionou o alarme.

Sentia-se exausto e para ele o dia passou lentamente. Ficar até bem mais tarde na empresa acabou se tornando um hábito e, mesmo que seus pensamentos sempre ficassem naquela casa, Sasuke precisava cumprir seu trabalho.

A todo momento as palavras de Kakashi viam-lhe a mente. “Um pedido de desculpas...”

Perdera a conta de quantas vezes praguejou-se por ser tão orgulhoso a ponto de não dar satisfações à Sakura. Ela, mais do que ninguém, merecia explicações depois de tudo o que Sasuke tinha feito. Na época, ele achava estar fazendo a coisa certa mas enganou-se... acabou por magoar a si mesmo e o pior de tudo: magoá-la.

Sasuke suspirou fundo e entrou em casa. Como sempre, encontrou as luzes apagadas do mesmo jeito que deixara pela manhã.

- Sakura...?! – chamou-a mas não obteve resposta. – Droga... – praguejou baixo.

Será que ele havia feito ou dito algo que a fizesse ignorá-lo?! Rebuscando em sua memória, nada lhe veio a mente. Provavelmente, Lyn e Sakura estariam conversando distraídas, como tantas vezes elas faziam.

Deixando a chave numa pequena mesinha próxima da porta, caminhou até o corredor e direcionou-se para o seu quarto. Conforme aproximava-se da porta, começou a ouvir alguns barulhos que mais pareciam murmúrios.

Prontamente, abriu a porta e encontrou Sakura encolhida próxima a um dos cantos do quarto.  Os ruídos vinham dela e ao que tudo parecia, estava chorando.

Sem pensar duas vezes, Sasuke foi até ela e ajoelhou-se em frente à Sakura ,  levando uma de suas mãos até seus cabelos, com o intuito de tocá-la mas sua mão transpassou-a. Estar tão perto dela e não poder tocá-la era um martírio para o Uchiha.

Sasuke ficou observando-a por alguns minutos até que perguntou:

- Sakura... o que aconteceu?!

Sakura apenas fez um aceno negativo com a cabeça e enterrou ainda mais o rosto entre os joelhos.

- Sakura! Estou falando! O que aconteceu?! – Repetiu o Uchiha com certa irritação.

- N-nada... vá embora, Sasuke! P-por favor... – sussurrou.

O moreno nunca tinha visto Sakura naquele estado e aquilo realmente o preocupou.

- Me diga o que foi, Sakura. Quem sabe eu possa te ajudar?! – comentou com tom calmo. – Apenas diga o por quê de você estar chorando...

- A L-Lyn... – soluçou levantando o rosto e o encarando. – Ela... f-foi embora...

- Embora?! – perguntou incrédulo.  Ela apenas meneou um sim com a cabeça. – Como assim?!

- Hoje de manhã ela disse que estava se sentindo estranha... – sussurrou. – Nós ficamos conversando e de repente ela ficou em pé e... sumiu!

- Mas...

Sasuke parou de falar ao vê-la abaixar o rosto e soluçar. Se fosse realmente isso que havia acontecido, Lyn poderia ter morrido. Pelo pouco que sabia da garota, ela também estava em coma.

Ele, pela primeira vez, não soube o que dizer ou como agir. Odiava vê-la chorar e não poder fazer nada.

- Não é justo... – Sakura sussurrou voltando seus olhos para Sasuke. – Por quê?!

- Sakura, eu...

- Por que todas as pessoas que eu amo me deixam?! – Gritou, fechando os olhos com força.

O Uchiha engoliu em seco aquelas palavras. Ele sabia que aquela pergunta revoltada não era simplesmente por causa de Lyn.

Não conseguiu encará-la depois daquilo, mas em nenhum momento deixou-a sozinha. 

Ele sentou-se apoiado com as costas na parede e jogou a cabeça para trás, enquanto ouvia os soluços baixos vindos da rosada. Foram longos minutos de silêncio absoluto, quebrado apenas por alguns murmúrios.

Pouco a pouco, Sasuke percebeu que Sakura se acalmou e resolveu tentar conversar com ela.

- O quê acha que aconteceu com ela?! – perguntou, fitando-a.

- Não sei... – respondeu com certa revolta. – Tenho medo do que possa ter acontecido.

- Eu sinto muito, Sakura... – murmurou o Uchiha, encarando-a. – Sinto muito por tudo.

Sakura não respondeu, apenas estreitou os olhos e o fitou. Nunca tinha visto Sasuke tão abatido e ela sabia o quanto era difícil para ele dizer palavras de conforto. Exceto com ela, Sasuke sempre foi uma pessoa de poucas palavras e muito observador.

- Você parece cansado... – sussurrou, tirando-o de seus pensamentos.

- Um pouco, mas não é nada demais. – respondeu, sorrindo de canto.

- É melhor deixar você descansar.

Sasuke a viu ameaçar levantar-se e então interveio:

- Fique! – O pedido saiu em um tom de ordem. – Por favor...

Ela voltou-se para ele com uma expressão curiosa.  

- Tem certeza?! Eu sempre acabo falando demais e...

Sasuke a interrompeu.

- Tenho certeza absoluta! – Exclamou convicto.

Pela primeira vez desde o reencontro, Sakura sorriu. Aquela cena, relembrava os dias em que passavam juntos, não como namorados mas ainda como amigos. O primeiro beijo deles aconteceu daquele mesmo modo. Um ao lado do outro, conversando tendo em suas costas o muro da quadra de futebol do colégio.

- Você também lembra, não é?! – perguntou-a, tirando a rosada de seus próprios pensamentos. Sasuke viu os grandes orbes esmeraldas voltarem para si surpresos.

- D-do que está falando?! – Praguejou-se ao gaguejar.

- Foi exatamente assim que tudo começou...

“Ele se lembra!”  concluiu para si mesma.

Uma alegria cresceu dentro dela. Por mais que não quisesse admitir, ficou feliz em saber que ela ainda fazia parte da vida de Sasuke e que pequenos momentos, como aquele, ainda eram lembrados.

- Eu me lembro... – sussurrou.

 Sasuke sorriu de canto.

- Sakura, eu queria te falar uma coisa...

Em resposta, ela apenas acentiu e o olhou curiosa. Estava pronto para pedir as devidas desculpas e quando estava prestes a falar, um ruído o atrapalhou.

- Droga! – Praguejou, tateando o bolso a procura do celular.

- O quê houve!? – perguntou-o, arqueando a sobrancelha.

Sasuke revirou os olhos ao ver o nome escrito no visor do celular.

- Dobe. – grunhiu entre os dentes. – Alô?!

- Teme?! É você?! – Sasuke apenas disse um “Uhum” desanimado. – Tá de mal humor?!

- Não. O que você quer?!

- Avisar que mudaram o médico da Sakura-chan... – Ao ouvir essas palavras, o Uchiha olhou de solasceio para a rosada. – Por pouco a Hina-chan não pega ela como paciente...

- Como assim?!

- Parece que o cara que cuidava dela vai precisar viajar e colocou outro médico no lugar dele. Aliás, uma médica! – Sasuke ouviu uma voz muito parecida com a de Hinata pronunciar um nome. – K-Karin?! Pelo que a Hina-chan disse o nome dela é Karin.

Sasuke colocou a mão no local onde falava e voltou-se para Sakura.

- Você conhece uma médica chamada Karin?!

- Ah, droga! – murmurou encolhendo os ombros.

- Teme?! Teme! – gritou.

- Te ligo depois, Dobe!

- Mas... – foi a última coisa que ouviu antes de desligar na cara do melhor amigo.

Pela reação de Sakura, Sasuke percebeu que ela conhecia a tal médica chamada Karin.

- Qual é o problema?! – arqueou uma das sobrancelhas.

- Essa médica... – sussurrou, bufando. – Eu e ela não nos damos muito bem.

- Hum... – grunhiu. – Não se preocupe. Naruto, Hinata e eu não deixaremos que nada aconteça com você. Eu prometo!

- Obrigada, Sasuke-kun... – sorriu melancólica.

- E, eu juro, vamos dar um jeito e fazer você acordar!

Apesar de dizer aquilo apenas para acalmá-la, algo dentro dele dizia que aquela situação tinha uma solução.

 

 

 

*******************************

....Continua....



Notas finais do capítulo

Oieee pessoas! Espero que tenham gostado do capítulo!
Demorei, mas cheguei! o
Peço desculpas pela demora, mas andei passando por alguns problemas. Por sorte estão quase todos resolvidos!
Queria agradecer muitooo os reviews! Obrigada do fundo do coração.
Um agradecimento especial à Annaa, que recomendou a fic! *__*
Para quem acompanha a fic “Mais do que Irmãos”, tenho um aviso: amanhã eu postarei um capítulo novinho!
É isso!
Desculpem pela demora! *3*
Críticas/elogios/sugestões – Mande um review!
Recomende a fic! *_*
Beijoooos