Light Of Darkness escrita por lininhaaa


Capítulo 10
X - Destino




 

Capítulo 10 – Destino

 

 

Sakura e Lyn estavam acomodadas em um dos bancos do jardim do hospital. A água que jorrava do chafariz  presente exatamente no centro da roda de flores do lugar, fez Sakura distrair-se e lembrar-se do seu “sonho”. 

“ Você vai acordar e quando isso acontecer, eu estarei ao seu lado... Não importa quanto tempo demore!”

Jurava ter ouvido aquela frase enquanto admirava os bebês pelo vidro límpido do berçário. Mas esse não era o fato que a incomodava.

Aquela voz grave e rouca era inconfundível

- Tia Saky...? – Chamou a pequena pela milésima vez.

- Desculpe, Lyn-chan... o que foi?

- Eu não agüento mais ficar sem fazer nada! – Resmungou olhando para os próprios pés enquanto os balançava. – Não tem nada para fazer aqui...

Sakura suspirou pesarosamente e jogou a cabeça para trás, fitando o céu azul sobre elas.

 A “vida” que elas estavam levando era terrível. Perdera a conta de quantas vezes desejou que seu coração parasse sem ninguém por perto para tentar ressuscitá-la. Nem mesmo desejou voltar a vida... acordar. Do que adiantaria acordar e continuar com aquilo que um dia chamou de vida?! 

A única coisa que realmente sentia falta era de exercer sua profissão. Suas horas sempre foram preenchidas por alguns pacientes carinhosos e carentes e outros, nem tanto. Mas era o que amava fazer, mesmo que suas razões por escolher Medicina tenham sido outras.

- O quê você quer fazer, Lyn-chan?!

- Eu quero fazer tanta coisa, tia Saky! – Lyn a olhou com olhos sonhadores. – Quero ir para o parque que tem perto da minha casa, quero tomar sorvete de chocolate...

- Bom, tomar sorvete acho que será bem difícil... – comentou a rosada, arrancando risos da menina. – Mas podemos passear um pouco. O que acha?!

- Jura que você vem comigo?! – Perguntou entusiasmada.

Sakura colocou-se de pé e estendeu a mão para a menina.

- Claro. Mas você sabe ir para esse tal parque?!

- Sei... Mamãe e eu sempre passávamos de carro por lá! E minha casa fica quase em frente...

- Então, vamos?!

- Uhum... – Concordou Lyn, já puxando Sakura.

 

~*~

 

O quarto estava repleto de caixas de papelão abertas e suas roupas estavam jogadas sobre a cama no centro do cômodo. Ao lado da porta, três malas estavam empilhadas de forma organizada enquanto Sasuke terminava de colocar suas roupas na outra mala.

- Tem certeza que não quer ficar?! – Naruto argumentou pela milésima vez recostado no batente da porta. – Aqui o aluguel é por conta da casa! – sorriu.

- Tenho... Será melhor assim! – Grunhiu o moreno, compenetrado em seus afazeres. – Além disso, o aluguel está barato e é próximo da empresa.

- Ok, mas saiba que precisar de alguma coisa pode voltar! – Sasuke assentiu com um sorriso de canto. – Além disso... – Naruto completou. – Você morrerá de saudades de mim!

Em resposta, o moreno revirou os olhos e voltou a se concentrar em arrumar suas coisas.

- Hinata me contou que você foi vê-la... – comentou o loiro sem jeito.

Um dos pontos bons da amizade entre eles era o fato de um perceber o quê realmente incomodava o outro. Com poucas palavras, conversavam muito... Sempre foi assim!

- Hum... – Sasuke fechou o zíper da mala e a colocou no chão, voltando-se para Naruto. – Nada mudou.

- Logo mudará, Teme! – Animou-o. – A Sakura-chan é forte e...

- Você disse isso há exatamente dois meses! – Exclamou irritado. – Acho que já basta desse assunto!

Sasuke pegou a mala que estava no chão e lançou-a para a pilha de malas na porta e, em seguida, deu as costas à Naruto.

Sem dizer mais nada, o loiro retirou-se, praguejando-se por comentar aquele assunto.

 

~*~

 

Confusa. Talvez fosse essa a palavra exata que definisse a Haruno naquele momento. Por quê escutou a voz dele?! Ele nem mesmo sabia se ela ainda estava viva ou morta! Provavelmente estava em Konoha, ou sabe-se lá aonde, trabalhando em alguma coisa e com uma família feliz.

Sakura não soube ao certo quanto tempo foi guiada por Lyn. Deu-se conta de onde estava, quando viu a pequena correr em alta velocidade, deixando-a para trás.

- Não corra assim, Lyn! Você pode se machuc...  – interrompeu-se. – Esqueça! Pode correr!

A única resposta que teve foi  a risada alta que Lyn soltou enquanto passava entre as árvores do parque. Só agora ela tinha notado onde estavam.

- Não pode ser... – murmurou cansada.

Ao ver as árvores, flores e bancos de praça bem distribuídos daquele local, a mesma vontade de chorar veio à tona. Eram as mesmas árvores de anos atrás. Foram elas que presenciaram o início do fim da vida da Haruno. Naqueles bancos, a notícia da partida de Sasuke foi tão dolorosa quanto uma facada no peito.

A essas alturas, Lyn corria ao redor dos bancos ali e com muita dificuldade, Sakura conseguiu mover suas pernas até um banco e sentar-se, apoiando o rosto entre as mãos.

Ela começou a observar todo o movimento do parque. As crianças corriam umas das outras enquanto a cena de famílias fazendo piqueniques e casais de namorados misturavam-se entre a natureza bem cuidada do local.

- Tia Saky! Eu cansei! – Resmungou a pequena sentada em frente a ela.

- Você não tem jeito! – Repreendeu a menina com um sorriso doce. – Descanse um pouco e depois você volta a brincar...

- Tá bom. Não tem graça mesmo... Não tenho com quem brincar!

Sakura fitou a pequena a sua frente. Lyn olhava tristemente para os pés, enquanto os balançava na tentativa inútil de distrair-se. 

- Não fique assim, Lyn-chan... Tudo vai melhorar! – Sakura levou uma das mãos até a cabeça da menina e lhe acariciou os cabelos. Queria acreditar no que ela mesma havia dito...

Lyn suspirou um pouco mais aliviada e jogou-se para trás, apoiando as mãos na grama verde.

- E sua família, tia Saky?! – Perguntou com um tom de curiosidade. – Você é casada?! Tem filhos? – Os olhos da menina se encheram de brilho ao imaginar crianças parecidas com sua nova melhor amiga.

- Não, as únicas pessoas que tenho são minha irmã, meus dois sobrinhos e minha mãe... – sorriu triste. – Por quê?

- Se você não é casada, deve ter namorado! – Concluiu. Em resposta, Sakura meneou um não. – Não?! Mas você é tão linda, tia Saky! Você deve ter muitos namorados e não quer me contar!

Sakura não teve como não rir aos gestos e frases da menina.

- E você Lyn, está muito assanhadinha! – Exclamou, fazendo cócegas na menina, que ria da situação.

O sorriso de Lyn era cativante e, mesmo que por pouco tempo, fez a rosada esquecer do pesadelo que vivia há dois meses.

 

~*~

 

Já estava anoitecendo quando o Uchiha parou o carro em frente à sua nova moradia. Saindo do carro, encaminhou-se para o porta-malas onde pelo menos seis malas estavam colocadas de forma organizada, preenchendo o espaço do conversível. Antes de pegá-las, remexeu os bolsos a procura da chave da casa, encontrando-a no bolso detrás da calça jeans que usava.

Finalmente tomou uma mala em cada mão e direcionou-se à pequena soleira da casa, onde depositou seus pertences e abriu a porta. Assim como no dia anterior, o espaço em que provavelmente seria a sala do local estava quase vazia, a não ser pelos sofás e pela mesa de centro presentes ali.

Explorou rapidamente a casa para conhecê-la. A sala era espaçosa e uma porta dividia o cômodo da cozinha, que apesar de estreita era perfeita para uma pessoa. Do lado esquerdo, havia um corredor contendo três portas. A primeira, era o quarto e a porta ao lado, o banheiro.

Sasuke tentou entrar na terceira porta, mas estava trancada. Tentou forçá-la pensando que estava emperrada, mas desistiu quando quase quebrou a maçaneta.

Poucos minutos foram suficientes para descarregar todos os pertences de Sasuke. O local ainda continuava vazio, apenas um dos cantos da sala estava com suas coisas empilhadas, fora o resto dos materiais que ele usava no trabalho, que ainda estavam na casa de Naruto. Pelo menos hoje, ficaria na casa de Naruto e dormiria lá, já que não havia absolutamente nada arrumado.

Por fim, trancou a porta da casa e caminhou até o carro. Antes de entrar no veículo, deu mais uma boa olhada na sua nova casa.

“Finalmente privacidade...” pensou.

 

~*~

 

Por insistência da menina, ela e Sakura passaram a andar pela cidade.

- Me leva na sua casa, tia Saky?! Eu queria ver onde você mora!

A rosada concordou com a pequena. Fazia tanto tempo que não ia para casa que mal se lembrava de como ela era e relembrar os velhos tempos não seria uma coisa má.

Em pouco mais de dez minutos, as duas dobraram a esquina da rua onde Sakura morava.

- É aqui?! – Murmurou a menina admirada com as poucas casas dali.

- É aqui, mas minha casa é um pouco mais a frente... – respondeu ainda andando.

Foram necessários mais de dez passos para Lyn e Sakura se encontrarem em frente à casa da Haruno. Subindo a soleira de porta lembrou-se da chave, mas em seguida praguejou-se internamente. Entrar em casa seria mais fácil do que nunca.

Sakura observou a menina pelo canto dos olhos. Lyn estava mais admirada com todo aquele cenário novo que avistava e assim que olhou para frente, a Haruno também espantou-se.

-Está quase vazia... – comentou para si mesma.

- Cadê suas coisas, tia Saky? – perguntou desconfiada.

Sakura andou até o centro do cômodo vazio e voltou-se para a menina que ainda estava prostrada na porta.

- Acho que minha irmã alugou essa casa, por isso está assim...

- Hum, por quê?

- Porque eu a ajudava como podia quando trabalhava, mas agora nesse estado creio que seja um pouco difícil! Por isso ela deve ter colocado a casa para alugar e... – Ela surpreendeu-se ao ver alguns pertences jogados no chão. – Acho que já conseguiu um inquilino... – sorriu de forma triste.

Claro que estava feliz por Hana não estar passando por dificuldades e compreendia o quanto era difícil criar Hikaru e Lanna sozinha e não tirou a razão da irmã em alugar a casa “abandonada” por ela desde o acidente. Mas ver aquela casa vazia era o mesmo que se sentir descartada por todos...

- Você ficou triste?

A pergunta da menina fez Sakura despertar dos pensamentos. Lyn a olhava de uma forma carinhosa, como uma verdadeira irmã mais nova.

- Não fiquei triste, só estranhei... – mentiu. – Você disse que queria conhecer a casa, não é?!

- Uhum! 

- Então, vamos! Vou te mostrar o meu quarto e o meu cantinho especial...

 

~*~

 

 

Sasuke teve que aturar as piadas sem graças do seu melhor amigo Naruto Uzumaki. Arrependeu-se profundamente em não ter dormido na sua nova casa, mesmo que tivesse que o fazê-lo no chão. Com certeza, era bem melhor do que ouvir o loiro gritando aos quatro ventos que ele já estava com saudades.

- Teme?! – O Uzumaki fez uma expressão surpresa ao ver Sasuke em sua porta... de novo. -  Ah, já sei! Você percebeu que não consegue viver sem mim e decidiu voltar?! – Sorriu vitorioso.

Sasuke apenas revirou os olhos e bufou com o comentário do amigo, atravessando a porta sem nem ao menos esperar um convite para entrar.

- Qual é?! Estou mentindo?! -  Replicou Naruto, seguindo o moreno. – Já sei, você quer um abraço?! – Perguntou em tom provocativo.

Sasuke virou-se para Naruto e o viu andando com os braços abertos.

- Que coisa mais gay, Naruto! – Grunhiu. – Tenho pena da Hinata!

- Que mal humor! – Exclamou ainda com o mesmo sorriso a “La Uzumaki”-  Mas já que invadiu o meu apartamento, pode me dizer o que veio fazer aqui?!

- Vou passar a noite aqui. O apartamento está quase inabitável e vou aproveitar para pegar o restante das minhas coisas e levá-las pela manhã!

Os dois foram até a cozinha, onde Naruto abriu a geladeira e jogou uma lata de refrigerante para Sasuke, que estava acomodado no balcão. Pegou outra lata para si e sentou-se de frente para o moreno.

- E o apartamento?! Como é? – Perguntou antes de provar o seu refrigerante.

- Parece bom... – Respondeu suscintamente. -  Quando estiver arrumado eu te chamo para conhecer!

- Precisa de ajuda?! Amanhã é o meu dia de folga...

- Não, o apartamento só precisa ser arrumado... em poucas horas estará tudo pronto!

- Ok! Mas se você não gostar de lá, saiba que as portas estarão sempre abertas.  – Naruto fez questão de lembrar ao amigo.

Sasuke deu um sorriso de canto para o Uzumaki.

- Depois sou eu que sinto sua falta, não é?! – Comentou vitorioso, arrancando uma expressão cômica do loiro. – Que boiolagem, Dobe...

- Ei, não fui eu que vim bater na sua porta mendigando um teto! – Retrucou.

Os dois riram das provocações feitas entre eles. Essa era a relação deles, desde crianças. Um misto de rivalidade e companheirismo.

 

~*~

 

No dia seguinte...

 A noite passou mais rápido do que Sasuke imaginara. Talvez estivesse cansado o suficiente para ter a sensação de a noite ter passado em cinco minutos.

Decidira que acordaria cedo e colocaria seus últimos pertences no carro, já que queria estar instalado antes da hora do almoço. E foi isso que fez...

Acordou pouco mais de quatro horas da manhã e encheu seu carro com suas coisas, seguindo direto para casa.

Chegou lá em menos de meia hora, afinal não havia uma alma viva nas ruas tão movimentadas de Tóquio àquelas horas. Não que demorasse muito tempo para chegar lá, mas aproveitou e passou numa pequena loja de conveniências 24 horas para comprar algumas coisas para comer. Assim como as outras grandes metrópoles do mundo, era uma das cidades que nunca dormiam...

 

~*~

 

Sasuke sempre foi rápido no quesito organização, mas naquele dia, arrumou as coisas mais rápido do que esperava. Já tinha se instalado quase que por completo na casa e não passava das dez horas da manhã.

O quarto que agora seria dele, já estava arrumado e suas roupas devidamente colocadas no pequeno armário branco do cômodo. Sobre a cama, o notebook, juntamente com sua agenda, celular e carteira estavam descansando provisoriamente.

Encaminhou-se para a cozinha do lugar e resolveu preparar um café forte para beber. Não tinha tomado o café-da-manhã e as poucas horas de sono já lhe pesavam.

Depositada sobre o balcão, algumas sacolas brancas de plástico aguardavam para ser abertas e os mantimentos esperavam para serem guardados em seus respectivos lugares.

 

 

~*~

 

Aos poucos, os orbes verdes da Haruno abriram-se lentamente e avistaram Lyn aconchegada confortavelmente com a cabeça em seu colo. As duas riram e conversaram até altas horas da madrugada no pequeno porão da casa da Haruno.

Diferente da maioria dos porões, as coisas estavam limpas e arrumadas. Naquele local, Sakura guardava coisas preciosas e não tinha porque negar que havia alguns cacarecos.

Ela espreguiçou-se e levantou-se colocando a cabeça da menina dos cabelos loiros sobre um travesseiro que usava quando bebê, dado de presente pela sua madrinha.

Era engraçado estar naquela estado. Apesar de não ser vista por ninguém, uma das vantagens era poder entrar onde e quando quisesse e dormir em qualquer lugar, acordando sem qualquer dor ou desconforto.

Sakura esgueirou-se até uma pequena janela do porão e fitou a paisagem ensolarada, avistando as casas vizinhas.

Foi quando um barulho lhe chamou a atenção e instantaneamente, virou-se para a porta do porão.

- Um ladrão... – murmurou o mais baixo possível para não acordar Lyn, que apenas remexeu-se e virou-se para o outro lado.Precisava verificar quem era o intruso, apesar de ter medo do que poderia encontrar.

Atravessou a porta com uma facilidade incrível, afinal já estava se acostumando, e deparou-se com o corredor, encontrando  a porta de seu quarto entreaberta.

- Alguém esteve aqui... – concluiu. Antes de entrar na porta à frente, tinha certeza que a porta estava fechada.

Caminhou até o fim do corredor, onde encontrou a sala do mesmo jeito, senão fosse por um molho de chaves depositadas sobre a mesinha rústica de cento.

“Só espero que seja o novo inquilino... “ torceu internamente. Eram duas opções: ou o inquilino ou um ladrão muito sofisticado que até carro tinha.

Outro barulho fez Sakura assustar-se. Certamente vinha do cômodo ao lado da sala, mas por algum motivo, ela tinha receio de ver quem era.

Ficou alguns segundos estática, até que tomou coragem e deu passos silenciosos, parando na soleira da porta.

 

~*~

 

Era a quarta vez que ele tentava não se queimar com a cafeteira quente e já era a segunda marca que formava em seus braços. Uma delas fora feita na tentativa de acender o fogão e queimar-se com o fósforo e agora acabara de esbarrar o cotovelo na xícara onde o café semi-pronto estava fervilhando.

- Merda! – Praguejou alto, afastando o cotovelo de perto da cafeteira.

Por sorte, já tinha encontrado o lugar onde o suposto dono guardava os utensílios da cozinha, como talheres, copos, pratos e xícaras, separando uma xícara vermelha para depositar o liquido escuro nela.

Em poucos segundos, a cafeteira soltou um ruído indicando que o café estava feito.

- Finalmente! – Sasuke quase agradeceu a Kami por sair vivo ao tentar preparar seu café.

 Desligou-a e derramou todo o café na xícara, colocando o recipiente em seu devido lugar. Foram necessários alguns passos para o Uchiha alcançar a cadeira e sentar-se à mesa para desfrutar seu tão almejado café.

Já ajeitado em seu devido lugar jogou a cabeça para trás e fechou os olhos e começou a ter a sensação de estar sendo observado. O cansaço já começava a afetar seriamente seu psicológico e o dono dos olhos ônix percebeu que precisaria muito mais do que aquela dose de café.

- Não... pode... ser...

Automaticamente, Sasuke voltou seus olhos  para a porta da cozinha e não acreditou no que estava vendo. A xícara caiu de suas mãos, estilhaçando no chão e derramando todo o café aos pés do moreno. 

-S-Sasuke...?

 

 

**********************

Continua

 



Notas finais do capítulo

Chegueeeei! o/
O capítulo ficou grandão, né gente?! *---*
Desculpem a demora, viu! Como disse antes, a  faculdade está tomando todo o meu tempo por isso, estou demorando para postar! '
É... Quem disse que a mudança do Sasuke ia ser calma?! xD
HAahahah
Espero que tenham gostado! Fiz com todo o carinho para vocês!
Críticas/elogios? - Mande um review!
Recomende a fic!
Se quiser me seguir no Twitter: @lininhaaa
 
Ps.: Quem acompanha a fic "Mais do Que Irmãos...", prometo postar o mais rápido possível.
 
Beijoooooos :***