The Other Side of War [HIATUS] escrita por Whis


Capítulo 2
Destruição Imperialista - O Estopim


Notas iniciais do capítulo

Nota Primária: Este capítulo é introdutivo à história central e retrata a Primeira Grande Guerra.



Um som de uivo tão longo quanto tenso. Toda a cidade estremeceu irremediavelmente. Doloroso e fatal. Terríveis coisas aconteceriam neste dia com uma história imensurável, incorruptível. É a mais pura dor… Solta e dilacerante, grandiosa, talvez, devastadora. Um, no entanto, pequeno ato, iria ser causador de duas coisas tão grandes, que toda a humanidade sentiria seus efeitos. O caos havia sido iniciado por uma vingança. O ato de assassinado fora feito sem intenção de causar uma revolução global. Mas, muito embora, foi o que houve. No mesmo dia, após o uivo doído de um cão, no Império Austro-húngaro, numa cidadezinha tosca e esquecida ao relento, chamada Sarajevo, iniciou-se a maior crise mundial que já foi vista. Longe da América, as Potências Ocidentais apenas observavam e viam os ultrajes ocorridos dentro da Europa.

O estouro da bomba e o gatilho sendo puxado, deslacrando a bala da arma de fogo, acordou os animais adormecidos da rua. O ato brutal fora feito em plena luz do dia. Na manhã de vinte e oito de junho de mil novecentos e quatorze, Francisco Ferdinando e sua comitiva partiram de trem de Ilida para Sarajevo, onde foi recebido pelo governador Oskar Potiorek - toda a cerimonia foi feita com grande luxúria, dinheiro fora gasto de forma exacerbada, tudo com dinheiro do povo. Seis carros foram colocados à disposição da comitiva, mas por engano, três agentes da polícia local embarcaram no primeiro carro com o chefe de segurança especial, enquanto os oficiais a seu serviço foram deixados para trás. O segundo carro levava o prefeito e o chefe de polícia de Sarajevo. O terceiro carro era um Gräf & Stift, um veículo esportivo, onde Francisco Ferdinando, Sofia - sua esposa -, o governador Potiorek e o tenente-coronel, o grande conde Franz von Harrach embarcaram - era o carro mais belo, e se destacava, seu visual esportivo era inovador na época. Segundo o programa oficial da visita, a primeira parada da comitiva seria num quartel, para uma rápida inspeção. Às dez horas da manhã, e alguns minutos quebrados, o grupo seguiu para a câmara municipal da cidade, que em breve iria entrar para a história global.

A comitiva passou pelo primeiro terrorista, Mehmedbašić, que havia sido posicionado por Ilić - um outro membro da infame Mão Negra–, em frente ao jardim do Café Mostar. Entretanto, ele não conseguiu atirar sua bomba sobre o carro do arquiduque, pois seu campo de visão estava sendo alterado - visto que uma enorme multidão posicionava-se à sua frente. Vasê Čubrilović, que estava ao seu lado com uma pistola e uma bomba, também não conseguiu agir, a massa o espremia, e seu pensamento estava longe. Refletia sobre o que estava fazendo, pensava se estava certo, ou se o que fazia era um absurdo total. O próximo terrorista por quem a comitiva passaria era Nedéljkò Čabrinović, armado com uma bomba no lado oposto da rua que ia em segmento ao rio Miljacka.

Às dez horas e onze da manhã, o carro de Francisco Ferdinando se aproximou e Čabrinović atirou sua bomba. Entretanto, o artefato bateu na capota aberta do veículo e caiu na rua, explodindo sob o carro seguinte da comitiva. A explosão abriu no chão um buraco de trinta centímetros de diâmetro e feriu um total de vinte pessoas, que caíram gemendo de dor. Os berros foram tão altos que toda a multidão começou a entrar em crise histérica.

Após o ataque, Čabrinović engoliu a cápsula de cianureto - um tipo de veneno, que destrói as células do sangue, causa parada respiratória e debilita o sistema nervoso central, brevemente, se tornaria popular na Alemanha - e pulou no rio Miljacka. Porém, a tentativa de suicídio fracassou, pois o terrorista vomitou o veneno e o rio tinha apenas cerca de doze centímetros de profundidade, o que tornaria um afogamento impossível. Detido pela polícia, Čabrinović foi agredido pela multidão - que estava em crise, chutando e agredindo tudo que via pela frente - antes de ser levado em custódia.

A comitiva partiu em disparada em direção à câmara municipal, deixando o carro danificado para trás. Cvjetko Popović, Gavrilo Princip e Trifun Grabe não conseguiram efetuar nenhum ataque contra o grupo, devido à velocidade com que se deslocavam. Então, simplesmente viram a comitiva correr e ficaram parados, sem levantar nem mesmo um dedo. Porém, tudo isso não iria acabar por aí. Gavrilo não iria desistir, e tentaria novamente, de uma forma grotesca e evidente demais - poderia ter esperado momento mais oportuno, mas sua consciência não permitiu tal fato - e nunca haveria de permitir.

Trinta minutos após, chegando perto da Câmara, um atentado a queima roupa tirou a vida do arquiduque, dando início à imensuráveis conflitos diplomáticos. O Império começava um conflito com a Sérvia. Um mês após os ultimatos diplomáticos, reivindicando direitos e outras medidas governamentais, o rei Austro-Húngaro declarou guerra à Sérvia - que começou uma bagunça interna. Todo o país começou a ficar conturbado, temiam perder a guerra, e consequentemente, perder a Soberania na qual estava. Mal eles sabiam, que essa guerra não iria danificar só o território sérvio, mas iria definir a hegemonia mundial.

Após a declaração de guerra, o mundo ficou separado em dois grupos vigentes, que queriam, junto à guerra, aproveitar-se da situação e expandir seus territórios, findando o imperialismo dominante da época. De um lado, apoiando a Sérvia, estavam França, Grã-Bretanha e Rússia e se chamavam Tríplice Entente. Ao império Austro-Húngaro se aliaram a Alemanha e a Itália, nomenclaturadas Tríplice Aliança, eram as potências centrais. Assim sucedeu a Primeira Guerra Mundial. Aconteceu por um ato um tanto falho, considerado "inocente" e "errôneo", tudo, duas guerras, foram causadas por um ato medíocre e baixo. Toda uma história foi contada, por causa de uma vingança fatal.

Tudo ocorreu por conta de um tiro certeiro.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "The Other Side of War [HIATUS]" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.