Ilusão escrita por Mellconde


Capítulo 5
Capítulo 4




Naquele dia, na praia, ela dormiu em meus braços, vi seu rosto molhado em lágrimas por pensar que eu havia a abandonado, mas eu não fui capaz de lhe dizer o que sentia por ela. Ainda não era o bastante para me fazer acreditar que ela era minha. Eu precisava ouvir de sua boca que me amava.

- Hey Edward ! - dizia Emmett ao entrar no quarto.

- cara, quer me matar de susto ?

- foi mal, esqueci que a saúde é fraca – ele debochou – mas mudando de assunto, sua vizinha é muito gata.

- é, eu sei. - dei de ombros

eu esqueci de dizer que Rosalie era minha vizinha ?

- não sei como ainda não pegou ela.

- eu já peguei.

- e você diz assim ? Como se não fosse nada demais ? - ele estava revoltado com a minha falta de entusiasmo.

- Emmett, ela fica com qualquer um, ela é qualquer uma.

- Ok, ela é qualquer uma muito gata.

- tanto faz.

- TANTO FAZ ? Edward, desde quando você não liga para garotas?

- não é que eu não ligue, é que agora eu só gosto de uma.

- woooow – ele parecia realmente surpreso – e quem é a sortuda que roubou o seu coração ? - ele disse em tom de brincadeira.

- eu não sei o nome dela – disse meu sem graça.

- como não ? - seus olhos diziam : “você é idiota?”

- sei lá, nunca perguntei. - sorri amarelo.

- ok ok, como ela é ?

- tem olhos e cabelos castanhos e pele muito clara.

- Angela ?

- mais bonita.

- Alice ?

- Mais alta.

- desisto. - ele se jogou na cama.

- quando eu souber o nome dela, eu te conto ok ? Agora vai que já estou atrasado !

- Ui, vai ver seu amor é ?

- você me assusta- disse e o joguei para fora do quarto. Afinal, estava atrasado para ve-la.

Novamente dirigi o mais rápido que podia, ela era especial, merecia tanta preça. Pelo menos eu acho que sim.

Sai do carro e lá estava ela, sentada na areia. Me esperando talvez.

Era a minha pequena, tão delicada. Tinha medo de tocar e ela se desmanchar em minhas mãos. Parecia tão frágil, tão inocente. Era a minha frágil mais forte que eu já conhecera. A minha pequena.

- que bom que você veio – ela disse assim que me sentei ao seu lado.

- eu sempre venho.

- é, assim eu nunca fico sozinha – ela disse e sorriu

- pequena, hoje eu estava pensando e lembrei que não sei seu nome.

- pois é, é injusto eu saber o seu e você não saber o meu.

Como assim ela sabia meu nome? Havia algo do qual eu não sabia ?

- sabe ?- perguntei surpreso

- sei Edward- ela disse dando enfase em meu nome.

Era a primeira vez em três semanas que eu havia ouvido ela pronunciar o meu nome, era a maneira mais doce e meiga que eu podia esperar vindo dela. Com seu jeitinho que só ela tinha era até fácil gostar do meu nome.

Eu parei quando a ouvir me chamar, era eu. Era o meu nome que ela havia pronunciado. Lembrei do dia da praia, o dia em que ela me salvou, que em seus braços me tirou do mar. Ela havia chamado pelo meu nome.

- Edward ?- ela me chamou

- oi – e por um momento eu estava de volta a realidade, e no outro, não.

ela disse o meu nome” pensei.

- menino ?

- desculpe pequena. - disse acordando de meus pensamentos.

- Bella.

- como ? - perguntei confuso.

- meu nome. - ela riu com e minha falta de atenção – me chamo Isabella Swan

- ah – eu disse e sorri – bonito nome, Isabella.

- por favor Edward, me chame de Bella.

- ah sim, desculpe pequena. - eu sorri sem jeito.

- mas me promete uma coisa ?

- o que ?

- que nunca vai deixar de me chamar de pequena ?

- prometo – eu disse e dei um beijo em sua testa. - você vai ser sempre a minha pequena.

- ok grandão – ela brincou.

Seus olhos agora me olhavam de um jeito que nunca haviam me olhado antes, e se me olharam, não fui capaz de perceber. Ela colocou uma das mãos em meu rosto e se aproximou lentamente. Eu ainda não estava entendendo o que ela estava tentando fazer, mas com seus lábios quase encostando no meus ela se pôs a falar com a voz fraca.

- Edward, eu te amo. - e seus lábios se juntaram aos meus.

 





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Ilusão" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.