30 Day OTP Challenge escrita por Kaline Bogard


Capítulo 19
Capítulo 19 - ...forever and...


Notas iniciais do capítulo

Título: ...forever and…
Autor: Kaline Bogard
Day 19: In formal wear
Genero: drama, romance, aventura
Aviso: realidade alternativa, nudez
Link do desafio: http://30dayotpchallenge.deviantart.com/journal/30-Day-OTP-Challenge-LIST-325248585

Não foi betada! É que não dá tempo xD

Prepare o coração para uma bomba no final do capítulo! E não leia as notas finais antes! Isso é trapaça ò.ó



Deixando Stiles na sala, sentado no sofá e tomando a sopa; Derek e Deaton saíram para a área da frente. Ao lado do Camaro estava estacionado um Toyota Corolla prateado que não estivera a vista quando chegaram na noite anterior.

– Vamos trocar o Camaro por este. Sua ID pessoal será de um advogado que está saindo de Beacon Hills para negociar dividendos da empresa em Palo Alto. Anexamos alguns escândalos de primeira página a sua ficha. Você é uma imagem conhecida, pode parecer familiar aos guardas, por isso os escândalos. Quando verem sua ficha vão associar você a mídia por causa deles e não por causa da Agência.

– Entendi. Qual o teor das manchetes?

– Sobre a falência da firma e os dividendos. Para reforçar o disfarce – Deaton passou a mão pelo rosto compenetrado – Os guardas não farão muitas perguntas, apenas se desconfiarem de algo, e não há motivos. Tenho o resto das suas roupas guardadas dentro da casa, são formais.

– Um advogado... – Derek concordou que cada detalhe era fundamental na trama para proteger não apenas sua vida, mas a de Stiles.

Então o dono da casa enfiou a mão no bolso e tirou um pequeno invólucro. Com cuidado abriu um dos lados e estendeu para Derek.

– Memorize esse cheiro. É fundamental que o guarde bem, Derek. Entendeu?

O lobisomem balançou a cabeça e aproximou-se para pegar o objeto, porém Deaton não permitiu que o tocasse.

– Não podemos correr o risco de que esse aroma fique impregnado em você, nem mesmo de leve...

Derek não retrucou. Ao invés disso inclinou-se um pouco e farejou o invólucro nas mãos do homem. Aspirou profundamente. Nunca tivera contato com um odor tão peculiar, tão único. Era como... a própria essência da natureza!

– O que é isso? – perguntou enlevado.

– Aqui dentro tem um fio de cabelo de uma banshee.

– Uma banshee?!! Tais criaturas ainda existem?

– Sim – Deaton sorriu – Pode não acreditar: elas não são tão raras quanto os humanos. A diferença é que fugiram para a floresta muitos séculos atrás e não é tão fácil encontrá-las. Banshees nascem apenas quando as fêmeas se relacionam com machos da mesma espécie. Então como não há mais banshees puros na cidade, eles não nascem mais entre lobisomens. Já os humanos...

– Ainda não definimos o que causa o nascimento de um humano... – Derek falou muito sério. Esse mistério todo ao redor de seres humanos sempre o fascinara. Humanos podiam nascer de pais lobisomens puros, de casais impuros, de outros humanos. Mas nem sempre o filho de dois humanos nascia humano! Era incompreensível. E uma surpresa extremamente rara. Era frustrante que fossem difíceis de encontrar. Nos dias atuais havia apenas quatro em todo os Estados Unidos. E somente um estava em Beacon Hills... e não era por falta de controle: cada cidade possuía postos especializados em acompanhar toda criança nascida, que deveria se apresentar ao posto na lua cheia até a primeira transformação, que ocorria por volta dos cinco anos de idade. Se uma criança não passasse pela transformação era considerada um humano em potencial e observada pelos próximos ciclos, já que licantropia era uma ciência inexata. Já houvera casos de despertar tardio, com crianças se tornando lobos aos oito, às vezes dez anos.

Banshees eram consideradas no mesmo patamar que os lobisomens. Esses seres também se transformavam em lobos na lua cheia, mas funcionavam como presságios de morte e possuíam certo nível de controle sobre as forças da natureza. Mas tinham um fator de cura menos acelerado do que lobisomens, resistência e força física menores. Na forma humanóide os sentidos perdiam o nível sobrenatural, diferente de lobisomens, cujo poder não diminuía em momento algum.

– Memorizou o cheiro?

– Sim – Derek confirmou.

– Ótimo. Vocês irão seguir nesse carro pela interestadual até a fiscalização. Lá serão liberados pelos Alphas Gêmeos. Então vão seguir pela rodovia por mais quatro horas. Mantenha a velocidade constante de cem quilômetros por hora, isso é fundamental para que consiga alcançar o ponto exato. Existe uma área florestal por lá. Não é grande coisa, mas não se engane: está sob proteção de uma tribo Banshee. Você vai abandonar o carro na estrada, alguém o recuperará depois, e entrará na floresta. Caminhará a esmo, Derek, talvez por horas. Esteja atento ao cheiro. Ele indicará a trilha certa.

– Tudo bem.

– Você vai deixar o seu cheiro nos bancos do carro e vai levar algum alimento com você, para justificar o que Stiles levará com ele. Dentro do carro tem um celular novo, com um número associado ao nome Miguel Hale, seu nome falso. O chip desse celular já recebeu um histórico para ser verossímil. Deixe-o no carro quando chegar no ponto certo.

Nesse ponto o lobisomem ficou curioso.

– Miguel?

– Sim. Um nome para confundir os gêmeos, junto a um sobrenome que soará conhecido. A intenção é criar um paradoxo.

Derek avaliou a informação por um tempo. Ficou confortável com o planejado, Miguel era um nome fácil de memorizar e o sobrenome Hale lhe dava certa segurança, já que era o seu sobrenome real. Se soasse conhecido para os Alphas seria logo associado aos escândalos na sua ficha.

Agora restava uma dúvida fundamental.

– E Stiles? Onde ele irá viajar? – era óbvio que o humano não poderia ir no banco do carona ou no banco de trás! E pensar em levá-lo no porta-malas era doloroso. E arriscado.

– Abra o carro. A porta de trás – Deaton orientou e esperou até Hale obedecer – Há um mecanismo escondido no acento. Aperte-o.

Assim que encontrou o pequeno botão e o pressionou o estofado do banco traseiro fez um pequeno barulho, audível apenas para o poder sobrenatural de um lobisomem, revelando um compartimento secreto. Quem olhasse de fora veria apenas o banco normal de um carro, sequer desconfiaria do esconderijo.

– Isso é meio apertado – o lobisomem imaginou o quão desconfortável seria a viagem, muito pior do que ir no porta-malas! Mas infinitamente mais seguro.

– É o melhor que temos – Deaton entendia a preocupação do outro.

– Está tudo bem! – a voz de Stiles atraiu a atenção dos dois. O garoto estava encostado no batente da porta – Posso fazer isso.

– Ótimo – o mais velho dos três anuiu – Não temos tempo a perder. Derek, o resto de sua roupa está na cozinha. Pegue por favor, e traga a cesta sobre a mesa.

O lobisomem obedeceu. Assim que ele entrou na casa Stiles caminhou para fora, a passos lentos, mas cada vez mais confiante.

– Obrigado pela sopa – ele sorriu – E por tudo o que está fazendo pela gente. É totalmente legal da sua parte.

– É o mínimo que devo fazer. Não posso ficar de braços cruzados e compactuar com a crueldade que os lobisomens impõem aos humanos. É minha obrigação.

O garoto desviou os olhos, parecendo encabulado.

– Você acha que sou um covarde, por fugir ao invés de ficar e lutar?

Deaton sorriu de forma expansiva.

– Não, Stiles. Claro que não. Eu disse que é minha obrigação e tem um motivo para isso: eu pareço humano e posso cheirar como humano, mas na verdade sou um Emissário.

– Um Emissário? O que é isso?

– Somos um tipo de lobisomem que pode controlar a transformação. Não assumimos a forma de lobo apenas na lua cheia e se não quisermos podemos ficar na forma humana o tempo todo.

– WOW! Isso existe de verdade? Que incrível!

– Lobisomens ainda não estão cientes de nossa existência. Porque as primeiras transformações são involuntárias e é preciso muito treino para controlá-las. Existem Emissários que sequer sabem que o são e talvez nunca saibam. Nos intitulamos Emissários, pois somos como enviados da Mãe Gaia para proteger os humanos. E por isso é minha obrigação – Deaton respirou fundo – Humanos não possuem qualquer tipo de transformação, nenhum vestígio sobrenatural, nenhuma maldição. Humanos não se recuperam em instantes, adoecem e podem morrer com facilidade. Mas vocês têm uma força de vontade inigualável, mesmo sendo tão frágeis tiram forças de onde existe apenas desesperança. É como se fossem abençoados pela própria Deusa Mãe... poderiam ser considerados uma fraqueza entre todas as raças, mas ao invés disso são vistos como milagres, Stiles. Um milagre de Gaia deve ser protegido a todo custo. Por isso jamais permitira que ficasse por aqui e corresse o risco de ser capturado novamente.

O garoto ouviu a explicação com infinito interesse brilhando nos olhos castanhos. Deaton percebeu que o humano era naturalmente curioso e ávido por conhecimento. Que pena que tivesse passado tantos anos preso em um laboratório, sem direito a conhecer a vida que acontecia por fora dos muros. Os melhores anos: a infância e quase toda adolescência.

– Não sabia disso – Derek falou saindo da sala. Tinha escutado toda a conversa. Era óbvio que o mais velho sabia que o lobisomem podia escutar. Provavelmente revelara aquilo porque, finalmente, confiava nos hóspedes.

– Santo Deus, homem! – Stiles exclamou ao ver Derek com o traje completo: um terno preto, com gravata vinho. As roupas formais ganhavam um contraste sedutor com a barba por fazer. O lobisomem já era naturalmente lindo, mas com aquela roupa estava vestido para matar. Tudo assentara muito bem, era evidente que a rede de apoio rebelde pesquisara para que o plano saísse perfeito. Apesar da cesta que carregava ainda era uma visão de tirar o fôlego.

O lobisomem não pode conter o sorriso um tanto convencido, embora não rebatesse o elogio ou sequer agradecesse. Aproximou-se da dupla e olhou para Deaton.

– Não sabia sobre essa espécie de criaturas. Pensei que fosse apenas humano.

– É como eu disse a Stiles: não é fácil identificar um Emissário. Não duvido que a Agência gostaria de fazer alguns testes caso descobrisse nossa existência. Quando recebo um refugiado não tenho certeza se é autêntico ou um plano dos Argent para descobrir nossos esquemas.

– Por isso não nos disse nada ontem.

– E por isso camuflei-me usando um odor humanizado – ao dizer isso ouve uma mudança sutil no ambiente, que somente Derek percebeu por seus poderes sobrenaturais. De repente ele captava as sensações como se houvessem dois lobisomens e um humano ali.

– Incrível – ele disse surpreso.

– O quê? – Stiles soou confuso, ele não fora capaz de notar a transformação.

– Agora posso sentir o lobo dele – Derek falou. Seu próprio lobo reagiu de forma positiva, sentindo-se acolhido pelo lobo do Emissário.

– Eu queria ter certeza sobre vocês. Agora eu sei como você se importa com ele – o dono da casa dirigiu-se ao outro lobisomem – Não é fingimento, nem um truque. Ambos são dignos de nossa ajuda e de saber a verdade: a Mãe Terra sentiu que precisava proteger sua criação mais frágil, então aqui estamos nós, os Emissários que receberam essa missão. Humanos são uma mensagem de Gaia que precisamos desvendar, não destruir.

– Você ouviu nossas conversas! – Derek deu-se conta do fato. Lembrava-se principalmente do que falaram na hora do banho.

– Sim – Deaton não se envergonhava daquilo. Era uma precaução que poderia salvar vidas preciosas, além de garantir sua própria segurança e de outros rebeldes – Ouvi o que disseram e captei o que sentem um pelo outro. Pela sinceridade em seus corações farei todo o possível para que cheguem bem ao refugio que criamos.

– É hora de partir? – Stiles perguntou ansioso.

– Sim – o emissário concordou – Você irá entrar no compartimento secreto e levará alguns pães e uma garrafa de água. Não perca a noção do tempo durante a viagem, Stiles. Derek vai levar a cesta consigo, assim justificamos caso os gêmeos sintam o cheiro do pão. Preparados?

Derek e Stiles trocaram um olhar. O casal estava mais do que preparado.

Continua...



Notas finais do capítulo

Gostou? Não gostou? Deixa um review!!

AHA! Não consegui terminar. Ainda terá mais uma parte, sorry. EU AVISEI! EU DISSE: abram o coração e estejam preparados para tudo! Até para não ser o fim ainda u.u

IMPORTANTE: o próximo capitulo não será sobre esse universo. O prompt não faz sentido... então vou pular até um dos itens encaixar na trama xD não me matem por isso! Mas até o final dos 30 dias ela será concluída! É só continuar seguindo esse desafio.

Próximo da lista:

20 – Dancing

Santo Deus...



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "30 Day OTP Challenge" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.