30 Day OTP Challenge escrita por Kaline Bogard


Capítulo 12
Capítulo 12 - Role Playing


Notas iniciais do capítulo

Título: Role Playing
Autor: Kaline Bogard
Day 12: Making out
Genero: humor
Aviso: hum... vergonha alheia...? Linguagem imprópria
Link do desafio: http://30dayotpchallenge.deviantart.com/journal/30-Day-OTP-Challenge-LIST-325248585

Capítulo especialmente dedicado ao Edy. Muito obrigada pelo carinho e pela recomendação! Eu fiquei muito feliz, viu? :3

Adivinhem? Não foi betada! Yey!



– Stiles, essa é a pior de todas as idéias que você já teve!

– Não é não, Scott...

– Stiles...

– Scott?

– Eu acho que...

– Não acha nada! Apenas me ajuda, okay?

– Mas Stiles...

– Cara, você não é meu amigo?

– Sou, mas...

– Não. Você é meu melhor amigo. E eu preciso de ajuda!

– Stiles deixa eu dizer que...

– Que dizer nada! Vai fazer ou não vai?

– Me escuta, cara... eu preciso avisar...

– Não precisa avisar nada! Santo Deus, eu estou implorando sua ajuda! Não é nada tão difícil assim, okay?

– Stiles...

– Por favor, bro.

– Stiles... me esc...

– POR FAVOR! Quer que eu me ajoelhe? Eu ajoelho!

– Ta bom, porra. Eu faço isso!

Um sorriso enorme iluminou a face de Stiles, que esfregou as mãos de contentamento e foi sentar-se na cama. Ele estava no próprio quarto, junto com o melhor amigo Scott McCall, tentando convencê-lo a por em prática uma idéia que o jovem humano tivera.

– Obrigado! Obrigado, cara.

– Ta, ta. Como vai ser?

Stiles passou a língua pelos lábios e olhou em volta.

– Acho que você pode ficar em pé ali – apontou a porta – E tente entrar no personagem, okay?

Scott obedeceu.

– Aqui...?

– Isso, perfeito. Agora faça uma cara de mau. Lembre-se: isso é como um jogo de RPG, você é o Derek, um lobisomem muito mal humorado. E eu vou ser o Stiles. Pronto...?

Scott respirou fundo e balançou a cabeça.

– Pronto, vamos lá.

– Okay – Stiles moveu-se desconfortável – Derek... obrigado por ter vindo aqui...

– Por nada...

– Cara! Eu acho que o Derek de verdade não ia responder ao meu agradecimento...

– Foi mal. Fala de novo.

– Okay. Derek, obrigado por ter vindo. Eu preciso dizer algo pra você. Hum... eu... eu...

– Para de enrolar e fala logo, garoto – Scott resmungou engrossando um pouco a voz e estreitando os olhos – Não tenho tempo a perder.

O filho do xerife arregalou os olhos de leve, surpreso com a atuação.

– Scott, isso foi muito bom!

– Não me chame de Scott, idiota! Senão eu saio do personagem.

– Ah, foi mal. Então, Derek, como eu ia dizendo... tenho que confessar algo...

–...

–...

–...

–...

– Confessar o quê, caralho?!

Meio desesperado Stiles levantou-se da cama e começou a andar de um lado para o outro.

– Calma, Derek... isso não é fácil. Que merda... eu só queria dizer que... que... que...

– Stiles – Scott voltou a usar o tom de voz mais rouco – Se me fizer perder tempo eu vou rasgar sua garganta. Com os meus dentes.

– Wow, Scotty – Stiles começou, mas diante da careta que recebeu voltou a simulação – Digo, Derek. Eu... só queria confessar que... eu gosto de você, ta bom? Eu não sei como ou quando aconteceu, mas... você sabe, eu to totalmente a fim de você.

–...

–...

–...

–...

–...

– Não vai dizer nada?

McCall pensou rapidamente em algo que Derek poderia rebater.

– E o que você gosta em mim?

A pergunta fez Stiles sorrir largo. Ele voltou a sentar-se na cama ganhando um ar sonhador.

– Ótima pergunta. Mas é difícil dizer o que eu gosto em você. Eu gosto de tudo, cara. Até do seu mau humor, sua falta de paciência... sei que lá no fundo, apesar disso, você tem um bom coração e é gentil... é um amigo leal. Só não gosta de mostrar. Você acha que demonstrar o que sente pode ser uma fraqueza, e eu respeito isso. Só quero que saiba pode mostrar suas fraquezas para mim...

– Stiles...

– Ah, e eu gosto quando me joga na parede também!

– Eca, cara! Não precisa ir tão longe!!

– Hum... isso foi o Scott ou o Derek? – Stiles soou confuso.

– O que você acha? – o Alpha balançou a cabeça.

– Do fundo do meu coração, eu espero que seja o Scott. Por que se for o Derek...

– Foi o Scott. Desculpa sair do personagem. Mas não quero a imagem mental do Derek jogando meu melhor amigo na parede... esquece. Tarde mais.

– Desculpa...

– Okay, vamos continuar – McCall limpou a garganta – Stiles, vou ser sincero. Você me pegou de surpresa. Não sei o que dizer.

– Você acha que eu tenho uma chance?

Scott piscou algumas vezes, parecendo em dúvida.

– Perguntou isso pra mim ou pro Derek?

– Pro Derek, claro! Encenação, cara, lembra? Volte para a encenação – Stiles se irritou um pouco – Deixa eu perguntar diferente. Você pode me dar uma chance, Derek?

– Oh... okay. Hum... por que eu devo te dar uma chance, Stiles? Eu nem sou gay.

– SANTO DEUS, Scott! Vamos esquecer que o Derek não é gay, ta bom? Finge um pouco para ajudar a minha confissão.

– Aff! Você quer que eu entre no personagem ou não? Só to tentando ser fiel e interpretar o mais próximo da realidade.

– Não gosto de uma realidade em que o Derek não é gay.

– E o que quer que eu faça? Mudar a realidade que não dá.

– Finja que você é o Derek de um universo alternativo. E nesse universo alternativo ele é gay e pronto.

– Se for assim de que adianta interpretar? Você pode apenas fantasiar que é uma realidade em que o Derek Phodão Hale é gay e apaixonado por você. Fim do drama.

– Eu te odeio.

– Não, você não odeia seu melhor amigo que está aqui fingindo ser um lobisomem gay de uma realidade alternativa. Você me adora. E eu também te adoro, ou não aceitaria isso nunca.

– Você perguntou de que adianta? Bem, adianta que facilita para mim – Stiles agitou-se, movendo as mãos de um jeito que só fazia quando estava nervoso – Eu vou confessar que amo o Derek dessa realidade, e não vai ser fácil, mas eu irei até o fim! Se você fingir que é o Derek de outra realidade me ajuda a treinar! Que droga, Scotty! Eu quero conseguir ficar frente a frente com o Derek e dizer “eu te amo” sem gaguejar, sem enroscar as palavras, entende? Olhando nos olhos. E saindo vivo de preferência!

– Ah, mas você conseguiu. Menos a parte de olhar nos olhos. O resto deu certo – McCall afirmou, olhando para as unhas como quem não quer nada.

O humano ergueu as sobrancelhas, confuso. Observou Scott por alguns segundos, sem ter certeza do que ele queria dizer.

– Você ta no personagem ainda?

– Não – e fez um gesto para a janela aberta, onde Derek -o verdadeiro- estava, com os braços cruzados sobre a ripa de madeira, assistindo tudo como se fosse um show de TV.

Stiles ficou cinza, em seguida sentiu um calorão subir pelo pescoço, enquanto seu rosto corava até as orelhas, tingido de um vermelho tão forte que as pintinhas marrons ficaram quase invisíveis.

– Santo Deus... – o filho do xerife saltou da cama como se tivesse levado um choque.

– Stiles – Scotty engrossou a voz – Eu sou o Derek de uma realidade alternativa, tenho que partir para ajudar o meu povo. Deixo você com o Derek dessa realidade e...

– Scott, seu filho da puta! – Stiles esbravejou. Depois baixou o tom de voz – Desde quando ele está ali?

– Na janela? – o Alpha também cochichou – Ou escutando a conversa? Desde o começo...

– Santo Deus! – a conversa seguiu aos sussurros – Por que não me avisou?

– Eu tentei – Scott falou baixinho – Mas você não me deixou falar...

– Ele ta com uma cara muito feia? – Stiles indagou quase inaudível, evitando olhar para Derek.

– Ah, o de sempre – Scott devolveu no mesmo tom, após uma breve espiadela no outro lobisomem.

– Será que eu vou morrer? – a voz denunciava preocupação sussurrada.

– É uma possibilidade – o jovem Alpha deu de ombros.

– E o que eu faço agora...? – Stiles murmurou mortificado.

– Vocês sabem que eu estou escutando tudo perfeitamente bem, não sabem? – a voz de Derek assustou os dois adolescentes.

– Stiles – McCall bateu as mãos na perna da calça e sorriu sem graça – Acho que minha mãe precisa de mim e... até mais, bro.

Mortificado, o filho do xerife apenas observou enquanto o melhor amigo partia, deixando-o sozinho com o ex-Alpha. Lentamente voltou-se para o lobisomem, sem saber o que fazer com as mãos, visivelmente encabulado.

– Puxa, cara... que surpresa você por aqui. Quer tomar uma xícara de café...?

Derek ergueu as sobrancelhas sem entender ou se dar ao trabalho de responder. Apenas escorregou pela janela em um movimento rápido e fluído, ficando em pé no meio do quarto, com uma expressão terrivelmente séria.

Stiles engoliu em seco e quase deu um passo para trás. Manteve-se firme no lugar apenas pelo pensamento de que se fosse para morrer, que morresse como um homem.

– Sabe aquela história de ver a vida passando diante dos olhos numa situação de vida ou morte? Então... acho que é verdade por que...

Não conseguiu terminar a frase. Em um segundo, mal percebendo, suas costas batiam com força contra a parede do quarto, com Derek o segurando pela frente da camisa.

– De... Derek... eu posso explicar...

– Então você gosta quando eu faço isso? – o lobisomem perguntou com a sombra de um sorriso contornando-lhe os lábios.

O adolescente fez menção de falar algo, mas teve os lábios tomados por Derek, que não pensou duas vezes em enroscar as línguas de ambos, ditando um ritmo voraz, quase agressivo ao beijo. A percepção do que acontecia passou levemente pela mente de Stiles, mas ele logo se envolveu, levando as mãos ao pescoço do lobisomem, entrelaçando os dedos atrás da nuca dele.

– Derek... – o garoto tentou falar, mas foi inútil. Hale parecia faminto, recomeçando o beijo com mais paixão do que antes, a ponto de deixar Stiles sem fôlego. Totalmente sem fôlego. Só então o mais velho aceitou encerrar o contato, puxando Stiles para se abrigar contra seu peito.

– Não é o Derek de outra realidade, mas... – o lobisomem soou divertido.

– Ah, esse serve! Totalmente serve. Não acredito que ficou nos espionando! – Stiles sorriu, mal cabendo em si de contentamento – Desde quando você corresponde ao que eu...

A frase foi interrompida por um novo beijo, dessa vez mais calmo, quase lânguido. Derek não parecia a fim de conversar no momento. Era mais importante continuar saciando a vontade de beijar aqueles lábios tão desejados.

Haveria tempo de conversar depois, colocar todos os pontos nos “is”. E não seria apenas uma encenação feita pelo garoto desesperado. Seria totalmente realidade.

Fim



Notas finais do capítulo

Gostou? Não gostou? Deixa um review!!

PESSOAL! Me empolguei para valer com o item 12! Infelizmente o lance do “Making out” só foi usado no final. Perdoem aí!! xD

Próximo da lista:

13 - Eating icecream

Que tag mais sem graça :/ Como eu vou escrever uma fic com isso? Socorro!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "30 Day OTP Challenge" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.