Dois Mundos, Duas Vidas escrita por Giis


Capítulo 29
Capítulo 29


Notas iniciais do capítulo

Oiii geeenteeeem.
Como vão?

Então people como prometi: Um capitulo só de Ed... Aeeeee.
Esse capitulo tah meio meloso ( tah tudo bem, ele está completamente meloso). E também não está muito bem porque meu cerebro ultimamente não quer trabalhar direito - Ele é muito folgado, não quer fazer o que o coração manda. E o coração mandou ele escrever para vocês.
O capitulo não saiu como eu queria, mas eu posso garantir que não está tão ruim assim. Dá para ler.
Proximo capitulo emoções fortes mais algumas coisas.
Bom eh isso.
Boa leitura

Muitos Robeijos
Amos vcs.



Edward

--  VAMOS EDWARD, NÃO VAI QUERER  SE ATRASAR HOJE VAI? - Gritou uma Alice impaciente ao pé da escada.

Não sei o porquê de tanta pressa e euforia. Era sábado.  Também não sabia o motivo de estar indo a escola em pleno sábado de manhã. Ah, lembrei, eu tinha ficado lesado por uns dias e deixei que inscrevessem meu nome no time da escola.

E depois de uma semana conturbada, de altos e baixos, minha namorada humana de TPM ( ainda bem que só durou três dias), ainda tinha que me prestar a esse papel. Eu não tinha a mínima vontade de ser capitão de time nenhum, sabia que meus irmãos também não.

Então, que sentido tinha ir para a escola em pleno sábado de manhã?

Nenhum!

Era um desperdício de tempo. E eu estava desperdiçando um tempo precioso que eu poderia estar aproveitando com Bella, vendo-a despertar a abrir aquele sorriso lindo. A única coisa que me alegrava nesse dia era que ela estaria lá também, torcendo por mim. E depois fugiríamos para algum lugar longe de todo mundo.

Desci as escadas e passei direto pela sala, ignorando os protestos, reclamações e xingamentos de meus irmãos. Fui direto para o carro, e é claro em poucos segundos os outros já estavam comigo.

Chegamos à escola, percebi que a pesar da hora o estacionamento estava mais cheio do que em um dia de aula normal. É seria um dia daqueles. Claro que assim que saí do carro a procurei com o olhar,  e a encontrei. Avistei minha bonequinha perto do carro da prima conversando com Ângela. Estava linda como sempre: usava uma blusa azul de mangas três quartos com toca, uma saia jeans, uma legging preta por baixo da saia e all star - acho que ela era viciada nesse tênis, só pode. Mas para minha frustração nem pude ir lá falar com ela, nem receber um beijo de boa sorte, antes mesmo de eu dar o primeiro passo, fui agarrado por Emmett e Jasper e arrastado para o vestiário.

“ Não reclame Edward. Você que quis ficar enrolando para não sair logo.” - Pensou Jasper quando protestei por eles não terem me deixado ir falar com Bella. Eles não podiam esquecer que foi por causa deles, que não fiquei com ela a noite toda.

Bella acenou para mim  e mandou beijo. Ela e Ângela deram risadas da cena de Jazz e Emm me arrastando para o vestiário como se eu fosse fugir. E apesar de ser essa minha vontade eu não fugiria, iria até o fim.

Quando chegamos ao vestiário vários olhares caíram sobre nós. Alguns eram confusos e curiosos, outros raivosos ( os de Newton e sua trupe de babacas é claro), e tinha até olhares satisfeitos?

Não consegui bloquear minha mente antes  de ser bombardeada com os milhares de pensamentos dos presentes no vestiário.

“ Mike se ferrou legal! Tomara que um dos Cullen fique com o cargo de capitão do time. Quero o ver baixar aquela crista.” - Pensou um garoto magricela que estava encostado em um armário do outro lado.

“ Ah, então os Cullen realmente vão participar? Achei que fosse uma piada de mau gosto do Ben.” - Pobre Mike, não fazia idéia de que a piada seria ele.

Ouvi Tyler Crowley cochichar com Lee Stephen sobre quem tinha maior probabilidade de ser capitão do time.

--... de  qualquer forma. - Concluiu Tyler. - Seguirei o vencedor. Se Mike não for mais o capitão, que sentido há em ficar aturando ele. - Com amigos como esse Newton não precisa mais de inimigos.

Jasper, Emmett e eu havíamos acabado de nos trocar, quando Ben veio todo animado conversar com  agente. Ficamos conversando sobre passes e estratégias de jogos. Senti meu IPhone vibrar e pedi licença. Era uma mensagem de Bella.

De: Minha Bella

“Oi queria lhe desejar boa sorte pessoalmente, mas que Emmett ou Jasper teriam me escorraçado. Então boa sorte, milhões de beijos. Te amo muito.

PS Quando essa loucura acabar eu compensarei os beijos.”

Depois dessa, jogaria mais que feliz. Digitei rapidamente uma mensagem dizendo  “ Obrigado. Também te amo. E vou cobrar os beijos”. Depois corri para juntar-me  aos meus irmãos antes que eles me arrastassem de novo.

Fomos divididos em dois times: Eu, meus irmãos, Ben e mais alguns garotos que escolhemos. Nós fazíamos parte do time azul; Mike, sua trupe e mais alguns babacas puxa - sacos eram do time verde.

Era para ser só um treino de avaliação, mas o treinador achou interessante fazer uma “pequena competição”  para ver como nos saiamos jogando em grupo. Na verdade ele queria mesmo ver o circo pegar fogo. Ver quem era o mais competitivo.

Diferente do time de Mike, que escolheu os “mais fortes”, nós escolhemos os “mais fracos”. Que na verdade não tinham nada de fracos. Eles só não tinham a oportunidade de mostrar o que eram capazes de fazer. Uma vez que Mike só escolhia aqueles que estavam em seu circulo de amizades, ou fazia algo para agradá-lo. Por isso para a surpresa de todos, escolhemos  George Lennox, como capitão - idéia de Ben e Jasper. Não nos arrependemos da escolha, o garoto apesar de ser magro era muito bom no que fazia, e bem forte ( ninguém conseguia derrubá-lo), o que foi uma surpresa para muitos. Fora que ele tinha talento e conhecia muito sobre futebol americano, e o que era importante sabia todos os pontos fracos do adversário. Lennox era um excelente estrategista, quase não precisei recorrer à leitura de mente para saber os movimentos do outro time. E é claro não posso deixar de mencionar que ele era justo. George usou todos os integrantes do time nos jogos. E apesar do deboche de Newton antes do jogo, vencemos de lavada o que deixou ele e seu timinho de queixo caído.

(*)

-- Não acredito que ele fez aquela palhaçada toda de “ pequena competição” e só vai nos dar o resultado final na semana que vem. - Desabafei indignado, algum tempo mais tarde. Deitado na minha campina com a Bella. Ela riu e se inclinou para beijar de leve meus lábios.

-- Acho que ele quer falar o resultado, junto com a senhora Newton, no dia da escolha das lideres de torcida. - Ela fez uma careta. Eu sabia que Bella não queria nem pensar no assunto. Mas como ela também não me defendeu quando meus irmãos me obrigaram a fazer parte do time, eu também não iria defendê-la de Ângela e minhas irmãs.

-- Acho que eu não vou poder participar com o braço desse jeito, não é? - Perguntou ela esperançosa erguendo o braço engessado.

-- Não sei, ele já me parece bem melhor. Acho que vai poder tirar o gesso antes do teste. - ela fechou a cara para mim.

Ah, o que ela queria que eu fizesse?

Não tive nenhum tipo de apoio dela. E eu realmente queria vê-la dançar.

-- Não fique assim bonequinha. Você se sair bem. - Disse puxando-a para deitar no meu peito. Entrou alguns raios do sol pelas frestas das árvores, fazendo meu rosto cintilar um pouco.

Lembrei quando trouxe Bella para campina o sol já estava alto. Ela ficou desesperada tentando me puxar para a sombra. Tive que lembrá-la que toda aquela história de que queimamos na luz do sol era mito. Bella ficou fascinada com minha pele cintilando. Eu ri.

-- Do que está rindo? - Ela perguntou se apoiando em um braço.

-- Lembrando do seu desespero por causa do sol.

-- Fiquei desesperada mesmo. Não me lembrava se você tivesse me dito algo sobre isso.

A puxei de novo para o meu peito. Ficamos um bom tempo admirando as copas das árvores. Até que senti um pingo cair no meu rosto. Levantei rapidamente e peguei Bella no colo. Teria que correr mais rápido que o normal para não molhar nem a mim, nem a ela.

Assim que entramos na sala, a chuva desabou do lado de fora, por sorte, consegui ser rápido e chegamos em casa secos. Bella pediu para ligar para a tia avisando que iria demorar a chegar em casa. Depois que ela desligou o telefone, puxei Bella para o meu quarto. Ela ainda não o conhecia.

-- Nossa! Não tinha reparado como sua casa é linda. Da última vez que estive aqui, nem pude reparar direito. - Disse ela enquanto subíamos o lance de escada que nos levaria ao terceiro andar.

-- É eu sei. E você nem pode conhecer direito a casa.

Subimos os últimos degraus e paramos na porta do meu  quarto.

Bella ficou boquiaberta quando entramos. Ela olhou para a prateleira de CDs e DVDs e depois para as de livros. Soltou um assovio baixo e voltou a olhar pelo quarto. Ela parou o olhar na estante.

-- Como conseguiu essa foto? - Perguntou apontando para a foto, que eu tinha em uma moldura. A foto era dela dançando.

-- Alice viu você dançar. - Ela me olhou com os olhos arregalados. - Ela e Jazz tinham ido fazer compras na Califórnia, quando ela viu o anuncio sobre a peça e que iria ser beneficente. Ela adora esses recitais e foi assistir. Eles ainda não a conheciam pessoalmente, mas eu tinha falado de muito você para eles. Jasper reconheceu você pelo nome e pelas características que descrevi. Eles tiraram um monte de fotos e fizeram um vídeo para mim.

Ela continuou me olhando de olhos arregalados sem nada a dizer. Bella abria a boca toda hora para falar alguma coisa, mas não saiu nada.

Por fim ela suspirou e disse:

-- Bem, agora você já me viu dançar. Não preciso mais entrar para as lideres de torcida.

-- Não senhora. Eu não vi pessoalmente. E dançar balé é muito diferente de fazer coreografia para animar a torcida, portanto ainda me deve uma dança. E eu vou cobrar. - Ela deu de ombros.

-- Por falar em dançar. Bella quando pretende voltar para o balé? - Quis saber. Eu sabia que o balé era uma promessa que ela tinha feito ao pai, e eu não poderia deixá-la quebrar essa promessa.

-- Eu acho que não vou mais voltar. Não faz sentido continuar. E não estou mais de castigo.

-- Amor - Ela me olhou - Foi uma promessa que você fez. Não pode quebrar, nunca. - Peguei seu rosto entre as mãos - Promete para mim que vai continuar dançando. Por favor.

Ela suspirou derrotada e assentiu. Beijei seus lábios delicadamente. Bella envolveu seus braços em meu pescoço e se esticou nas pontas dos pés. Andei de costas até sentar no sofá e puxá-la para o grande sofá que havia no meu quarto.

-- Que tal, assistir a um filme? - Perguntei algum tempo depois.

-- Não sendo de terror.

Ficamos um tempo decidindo a que filme assistir, mas desistimos de ver DVD e optamos para ver o que se passava nos canais da TV. Bella disse que precisava ir ao banheiro, apontei a porta. E depois fui até o quarto de Alice pegar o cobertor e travesseiros, já que eu não tinha nenhum.

Voltei para o quarto deitei no sofá e coloquei o cobertor por cima de mim e deixei um espaço para ela deitar. Olhei o cobertor e o travesseiro que para meu desespero eram rosas - Será que Alice não tinha nada que não fosse na cor rosa?

Bella voltou do banheiro e ficou me analisando.

-- A Barbie não vai sentir falta do cobertor  ou do travesseiro dela? - Eu sabia que ela iria debochar da minha cara.

-- Engraçadinha.

-- Você não perde a mania de usar coisas rosa, não é? Você tem um quarto rosa aqui também? - Ela perguntou gargalhando.

-- E você não perde a mania de debochar da minha cara, não é? - Disse - Para o seu governo senhorita, eu peguei no quarto para que a você pudesse se cobrir. Como pode ter a mente tão maliciosa.

-- Desculpe. - Ela disse e veio na minha direção, deitou e eu a cobri com o cobertor fazendo um casulo.

-- Uhm... Quentinho. - Ela disse e virou para me beijar.

Zapeei os canais para ver  o que passava de interessante nos canais. Para nossa frustração não havia nada de interessante. Parei quando estava no Disney Chanel.

-- Quer assistir Hannah Montana o Filme? - Perguntei, tirando uma com a cara dela.

-- Ew. Hannah Montana? Nada contra ela, as musicas são até legais. Mas acho que não suporto por causa da minha prima e das sebosas. Elas são viciadas, teve uma época que elas se vestiram todas de Hannah Montana, imagina só que horror. Até o cabelo elas fizeram iguais ao da personagem é irritante.

-- Imagino. - Eu disse rindo.

Ficamos conversando sobre a prima dela e as amigas dela. Bella ela hilária imitando o jeito de falar de Stacy Roberts. Até esquecemos-nos de trocar de canal.

Conversamos sobre como foi nossa vida, antes de nos reencontrarmos. Fiquei surpreso por ela não ter demonstrado nenhum tipo de ciúme quando mencionei Tanya, tudo bem que eu já havia falado sobre isso com ela, mas não com tantos de talhes e o porquê de eu ter ficado com ela. Bella me surpreendeu novamente, quando disse que entendia os meus motivos para ter começado um relacionamento com Tanya. Mas toda vez que a conversa chegava perto de falar sobre os relacionamentos que ela teve, ela dava sempre um jeito de desviar a conversa. Até que insisti e ela acabou contando. Sua resposta me deixou com raiva e possesso de ciúmes, porem eu tentava não demonstrar.

-- Quer dizer, então que você teve algo com o Chad? - Disse com os dentes trincados.

-- Não no sentido literal da palavra. - Ela fechou os olhos e suspirou. - Nós nem ficamos para falar a verdade, foi só um beijo. E nem foi um beijo de verdade, ele me pegou desprevenida. Eu estava confusa. Mas não gostei foi horrível, parecia que eu estava fazendo uma coisa muito errada, como se fosse um crime. Então depois eu entendi.

-- O que você entendeu?

-- Que eu não podia ficar com ele nem com ninguém. Porque eu já era sua, mesmo sem saber. Eu já era sua.

Ergui-me e apoiei meu peso nos braços, para olhar seus olhos. Ela retribuiu meu olhar, seus olhos cor de mel estavam brilhantes. Pude ver toda a verdade no que ela disse ali nos olhos dela. Sim ela era minha. Sempre seria. Beijei seus lábios novamente, mas logo ela interrompeu.

-- Gosto desta musica. - Ela disse apontando para a TV.

-- Ah, Bella pelo amor. Você interrompeu nosso beijo para ouvir a Miley cantando?

-- Não é qualquer musica. Ela fez para ela e o pai. Eu me identifico com essa musica.

“Catepillar in the tree
How you wonder who you'll be
Can't go far
But you can always dream

Wish you may and wish you might
Don't you worry
Hold on tight
I Promise you
There will come a day
Butterfly fly away”

Ela começou a cantar junto com os atores no filme. Sua voz era linda, mil vezes mais bonita do que a da atriz. E o mais estranho foi que eu gostei da letra - principalmente na voz dela - e entendi o porquê dela gostar tanto da musica.

Sequei algumas lagrimas que caiam de seus olhos.

-- Bella, amor não chore. - Tentei acalmá-la em vão. Ela já estava soluçando.

-- Eu... eu sinto tanta falta dele Edward - Ela disse entre soluços. - A dor é tanta que às vezes acho que ela nunca vai sarar.

Eu não sabia o que dizer. Só a abracei, eu não sentia falta do meu pai, porque quando ele morreu, eu era muito pequeno. E depois desde que eu me lembro sempre tive Carlisle como figura paterna, e ele era exemplar. Mas eu sabia que para ela era diferente. O pai era o seu porto seguro.

-- Meu amor. Bella? - A chamei me olhou, as lagrimas ainda caindo de seus olhos. - Você sabe que seu pai sempre estará com você, não importa onde ele estiver não sabe? - Ela assentiu. - E eu aposto que ele está sempre com você, a cada passo que dá. E com certeza ele tem muito orgulho de você Bella.

-- Eu sei. Mas eu queria tanto que ele estivesse aqui comigo agora Edward. - Ela respirou fundo, tentando reprimir as lágrimas. - Eu sei, que tenho meus tios, meus padrinhos e agora vocês, mas eu sinto muita falta dele... Eu só o queria de volta.

-- Eu vou estar sempre aqui Bella. Sei que não é a mesma coisa. Mas eu prometo nunca te deixar.

Ela sorriu um pouquinho.

-- Sabe às vezes eu me sinto meio culpada.

-- Por quê? Não foi culpa sua. Nesses casos não tem como culpar alguém, Bella. Mesmo sua mãe com todos os erros que ela cometeu, não pode ser culpada.

-- Eu sei. Mas quando eles se separaram, papai queria ficar comigo. Só que Renée fez um escândalo dizendo para ele, não fazê-la sofrer ainda mais, já que ele não queria voltar com ela. Só que eu já tinha 10 anos já podia decidir com  quem queria ficar, mas eu me calei. Eu poderia ter escolhido ficar com meu pai, mas eu não fiz nada. Na verdade eu queria que os dois ficassem juntos de novo. Então achei que se eu ficasse indecisa, se mostrasse o quanto estava triste pelo divorcio eles se entenderiam. Eles veriam o quanto eu estava sofrendo. Mas minha mãe interpretou como que eu estivesse sofrendo com a idéia de eu estar triste por ele me levar para longe. Na época meu pai tinha aceitado um emprego em Londres, mas ele desistiu e acabou ficando em Phoenix por minha causa.

“ Ele ficava vendo Renée com outro homem. E estava cada dia mais triste. Não comia, nem dormia direito. Charlie se entregou ao trabalho de corpo e alma. Eu sei que ele ainda amava muito minha mãe, mas não podia perdoar a traição. Para piorar em menos de seis meses Phil estava morando com a gente. Então papai ficou desesperado, ele não confiava em Phil, e achou melhor ficar por perto, mesmo sabendo que não faria bem para ele. Charlie nunca mais se envolveu com nenhuma mulher depois de minha mãe. E eu o vi Edward. Eu vi meu pai definhar e não fiz nada...”

Ela voltou a chorar e eu a abracei forte.

-- Bella, meu amor. Você não pode se culpar por isso. Bella, você era só uma criança, não pode se responsabilizar por um erro que não foi seu.

Tentei de todas as formas fazê-la se acalmar. Disse que ela não deveria se culpar e, com certeza o pai dela também não a culparia. Resolvi descer para fazer um chá para ela. A chuva do lado de fora ainda era intensa.

Quando cheguei à cozinha estavam todos lá. Alice já me entedia uma xícara de chá de camomila.

-- Algum problema? - Perguntou Esme - Eu ouvi um choro.

-- Sim foi Bella. - Eles me olharam espantados. Todos os pensamentos me enchendo de perguntas, com exceção de Alice e Jasper é claro.

-- Como ela está? - Perguntou Carlisle preocupado.

-- Agora ela está bem, foi só uma crise de choro. - Seus olhos dourados se arregalaram.

-- Ela sente muita falta do pai. - Disse Jazz tranquilamente. Todos olharam para ele. - Eu consegui sentir daqui. Bella se sente culpada pela morte do pai, e ao mesmo tempo muito triste. Ele era o porto seguro.

-- Pobrezinha. - Disse Esme chorando sem lagrimas. Ela colocou a mão no peito. - Foi uma sorte termos a encontrado Edward. Ela precisa da gente, ainda mais com uma tia daquelas e uma mãe louca.

Assenti. Esme estava coberta de razão, mas eu ainda não poderia fazer nada. Não enquanto ela fosse menor de idade. Se pelo menos a tia maluca a emancipasse, eu poderia tirá-la daquela casa. A minha única fonte de consolo era que o promotor Swan sempre a defenderia.

Já estava quase voltando para a cozinha, quando voltou rapidamente para o lado de Emmett, eu nem a tinha visto sair. Olhei para seu rosto, tinha uma expressão estranha. Tentei vasculhar sua mente.

“ Calma Edward, eu vou contar. ME de alguns minutos.” - Ela implorou.

Vi Alice ofegar, a olhei e ela pediu - me para esperar para ver o que Rose tinha a falar.

-- Bom, vocês devem ter percebido que eu dei uma saída. - Ela começou sem jeito. - Tudo bem, vou logo ao assunto. Tanya acabou de me ligar, ela queria saber se poderia vir para cá passar algum tempo.

Oh merda era tudo  o que eu precisava.

Será que Tanya não poderia esquecer a gente por alguns milhares de anos?

-- Você disse que não, não é? - Perguntei.

-- Sim Edward. Eu disse que não era uma boa hora para ela aparecer. Tanya tentou argumentar, mas eu a fiz desistir.

-- Ótimo. - Não queria ver a cara de Tanya.

-- Só para ressaltar - Alice se pronunciou - ela ainda está com essa idéia fixa de vir, não sei quais são os planos dela, mas como Rose a recusou ela está meio indecisa. Rosálie era o argumento dela. Não que Tanya vá nos fazer algum mal, mas com a Bella aqui agora, é melhor mantê-la longe por um tempo.

Por mim manteria Tanya longe pela eternidade, mas como éramos muito amigos da família dela não podíamos fazer isso. Então apenas assenti e peguei o chá da mão de Alice que já estava quase frio e voltei para o meu quarto.

Bella estava dormindo. Ajoelhei-me perto do seu rosto e dei um beijo em sua bochecha ela se mexeu e abriu os olhos.

-- Ei trouxe chá para você. Recuso não como resposta, você não comeu nada, então tem que tomar pelo menos isso, depois pode voltar a dormir.

Ela se sentou e eu lhe entreguei a xícara, ela deu um gole e depois me entregou de volta com o chá quase intacto. Fiz uma careta, mas decidi não discutir por isso. Ela deitou de novo, eu a cobri depois deitei ao seu lado abraçando-a.

Mais tarde quando a chuva parou completamente Alice  e Jasper foram comigo até a casa dela levá-la. Bella ainda tinha a expressão triste de quem ia desabar no choro a qualquer momento.

Assim que viu a sobrinha Claire entrou em desespero. Por um momento achei que ela fosse me culpar pelo estado de Bella, mas isso não aconteceu. Expliquei a ela o que havia acontecido. Ela me contou que Bella já havia ficado assim antes, e até tinha entrado num estado de quase depressão. Claire me contou tudo o que aconteceu enquanto estiveram na Califórnia. Isso explicava muita coisa, até a raiva de Britanny.

Lembrei-me de algum tempo atrás, quando eu ligava anonimamente para Bella, para refugiar-me de minha infelicidade. Quando ouvi os gritos de Britanny e das outras garotas porque Bella estava passando mal. Fiquei desesperado naquela época.

Ficamos mais um tempo conversando com Claire, e até que ela não era má pessoa, mesmo com todos os seus erros do passado e depois de tudo que ela fez para beneficiar sua filha. Antes de irmos embora, pedimos para que ela nos ligasse caso houvesse qualquer problema com o estado de Bella. Ela assentiu e fomos para casa. Quer dizer, Alice e Jasper foram. Eu fui para o quarto dela. Não poderia deixá-la sozinha. Não em um momento como esse. Tinha que fazer de tudo para tirar o peso do coração de minha bonequinha, para deixá-la feliz.



Notas finais do capítulo

Comentem por favor, nem que seja para dizer, que eh para eu tomar vergonha na cara e escrever um capitulo decente.beijos