Dois Mundos, Duas Vidas escrita por Giis


Capítulo 23
Capítulo 23




Edward

Eu corria tranquilamente com Bella em meus braços. Ela estava tranqüila ou pelo menos era o que me parecia, fiquei imaginando em tudo o que Carlisle e Esme haviam me contado quando chegaram da casa de Bella, nunca poderia imaginar que a tia dela tivesse um passado tão obscuro, isso explica muita coisa. Fiquei mais surpreso ainda por não ter conseguido ler essas informações na mente da Srta Swan, acho que  não consegui pelo fato dela querer tanto esquecer tudo o que passou.

Ainda bem que Bella é uma garota forte e decidida, porque com uma mãe e uma tia daquelas, não há mente que resista. Mas eu temia por Britanny - apesar dela não merecer nenhum terço da minha compaixão - ela parecia o tipo de garota perturbada, que qualquer trauma poderia gerar conseqüências terríveis. Se ela já era capaz de fazer coisas terríveis mesmo sem motivos nenhum, imagina depois disso? Claro que levo em consideração pelo fato dela ter a mente fraca e se deixar manipular por outras pessoas.

Eu queria fazer alguma coisa por Bella. Tirá-la daquela família maluca. Se não fosse menor de idade, a levaria embora. A tia dela planejava emancipá-la, mas acho que depois desses acontecimentos todos, ela não irá mais fazer isso. E aposto que fará de tudo para infernizar meu namoro com Bella, por isso fiquei super agradecido pelo tio dela ter intercedido em nosso favor. Pelo menos ele era sensato e torcia para que conseguisse a tutela de Bella. E ainda tinha os Hastings que pelo que Esme me disse pareciam ser ótimas pessoas e sempre cuidaram dela. E alem disso tinha Anna também a melhor amiga dela, uma boa garota apesar de ser meio excêntrica. Mas o mais importante era que ela amava Bella como irmã. Os pensamentos dela confirmavam isso.

Fiquei tanto tempo pensando que nem percebi quando cheguei à minha campina. Coloquei-a no chão. O lugar estava simplesmente lindo, cheio de flores anunciando o começo da primavera, por um milagre o céu não estava nublada e o tempo não estava tão frio. Tinha até algumas estrelas no céu azul e a lua imponente estava brilhando por cima das copas das árvores, dando um ar misterioso ao lugar. Uma leve brisa passou trazendo para mim o aroma floral de Bella. A olhei: ela estava observando a campina maravilhada. Seus cabelos longos e castanhos balançavam com a brisa e a luz da lua dava-lhe um ar misterioso, nem preciso dizer que ela ficara mais linda do que nunca.

-- Nossa esse lugar é lindo. - Ela disse virando-se para olhar algumas flores que havia ali.

Abracei sua cintura por trás. Ela encostou a cabeça no meu peito e fechou os olhos, dei-lhe um beijo no alto de sua cabeça e enterrei o rosto no seu cabelo para sentir o seu cheiro maravilhoso; uma mistura de morango, lilases, frésias e mel. Não havia nada mais tentador. Balancei a cabeça para poder raciocinar melhor.

-- Que bom que gostou. - Disse beijando seu pescoço. - Eu gosto de vir aqui para pensar, quando quero ficar sozinho ou quando tem sol. Agora será nosso lugar secreto.

Ela riu e se virou para enlaçar meu pescoço com seus braços pequenos e delicados, ficou nas pontas dos pés para beijar meus lábios. A ergui para ela não precisar se esticar tanto. Nos beijamos por algum tempo, até perceber que ela estava com dificuldades para respirar. Imaginei que se eu a transformasse não precisaríamos mais dar essa pausa para poder tomar fôlego poderíamos ficar por dias nos beijamos sem nos preocupar em respirar.

Caminhei para perto de uma árvore e sentei-me encostando as costas nela, puxei Bella para ela se sentar no meu colo e voltei a beijá-la.

-- Ah minha nossa... - Ela murmurou um tempo depois.

-- Que foi?

-- Nem quero imaginar o que Anna vai falar, quando acordar. - Ela disse ficando vermelha. Eu ri e dei um beijo rápido em seus lábios.

-- Anna é uma pessoa muito divertida, precisava ver os pensamentos dela sobre sua prima e as amigas dela.

-- Ela me falou mais cedo, quase morri de tanto rir. Sabe ela sempre foi assim, inteligente, divertida e muito observadora, mas ela não era tão pervertida dessa jeito. Ela ficava tão vermelha quanto eu. - Nós rimos. Ela ficou quieta por um tempo. E depois voltou a falar: - Por falar em Anna,  o que aconteceu naquela hora que ela nos pegou juntos no quarto? Não era para ter lido a mente dela.

-- Ah, bem ela estava concentrada em outras coisas, como no bebê e o namorado. Então nem percebi que ela estava entrando no quarto, alem disso estava muito ocupado. - Olhei-a e pisquei. - E eu sinceramente queria conhecê-la, você fala tanto nela.

-- É sempre fomos amigas. Eu sinto falta dela às vezes, mas agora eu não me sentiria muito a vontade sabe. Ela está namorando, vai ter um filho...

-- Você também está namorando. - Ela riu.

Ficamos um tempo em silencio. Então uma pergunta que nem se quer eu havia pensado escapou dos meus lábios:

-- Bella? - Ela me olhou. - Vendo sua amiga grávida, você não ficou com vontade de ter um filho também? - Ela ergueu as sobrancelhas.

-- Não, ainda sou muito nova, ainda tenho 15 anos. Para ser sincera nunca achei que Anna fosse ficar grávida agora, ela era tão puritana, tão certinha. Mas se você for o pai, eu não hesitaria em ter um filho nova - Ela me respondeu.

-- Mas você sabe que não posso te dar um filho, não é? Na verdade não sabemos se há alguma probabilidade, mas é mais provável que não haja...  - Me interrompi nesse momento. Doía saber que jamais poderia lhe dar um filho. E se ela me deixasse por isso.

Bella colocou as suas pequenas e delicadas mãos em cada lado do meu rosto. Ela olhou bem nos meus olhos e disse:

-- Edward, eu te amo. Isso é o que importa. Se não pudermos ter filhos para mim não tem problema, o importante é estarmos juntos.

Eu abracei e beijei seus lábios com volúpia. Ela apertou mais seus braços em meu pescoço, e minhas mãos sem minha permissão começaram a passear por sua barriga sob a blusa. Era incrível como eu perdia o controle quando estava perto dela, e ela não fazia nada para me deter. Continuei a alisar sua barriga que me fascinou desde o primeiro momento que a vi exposta no pijama de Alice, mas algo frio e duro ali me deteve, parecia metal...

-- O que é isso? - Perguntei levantando sua blusa para olhar.

-- Ah, é um piercing de umbigo, tinha até esquecido dele ai. - Ela explicou. - Minha tia me fez colocar, ela disse que ficou legal. Não gostou se quiser eu tiro, não queria por mesmo...

Colei nossos lábios para interrompê-la.

-- Não, não quero que tire, ficou legal. Só que nunca imaginei que logo você colocaria uma coisa dessas.

-- Pois é fazia parte do meu castigo além de participar da apresentação de balé.

-- Castigo? - Perguntei. O que será que ela havia feito para ficar de castigo.

-- É, eu meio que me descontrolei com algumas coisas que Stacy disse sobre meu pai, e acabei avançando nela. - Eu reprimi para não rir. Não imaginava sendo tão magrinha e pequena batendo em Stacy Roberts, que era praticamente o dobro do tamanho dela.

-- Essa era uma cena que eu gostaria de ver.

Ela escondeu o rosto no meu pescoço rindo comigo. Era tão bom ficar assim com ela, me esquecia de todos os problemas do mundo. Olhei para meu relógio marcava 03h30minh da manhã. Que droga, queria ficar mais tempo com ela.

-- Bella preciso te levar para casa, daqui a pouco vai amanhecer, e mais tarde quero te pegar para sair.

-- Tudo bem. - Disse ela suspirando. Ela tinha tanta vontade de ir embora quanto eu.

Ajeitei-a melhor em meus braços, para levantar e corri para sua casa. Pulei a janela de seu quarto e a coloquei no chão. Anna dormia tranquilamente, seus sonhos eram relativamente calmos a não ser o medo de chegar na hora do parto, mas acho que isso era normal pelo fato de ser mãe de primeira viagem. Fiquei olhando a gestante adormecida, e suspirei lembrando-me da conversa que tive com Bella, eu queria tanto fazê-la feliz. Eu poderia dar tudo a ela, até o mundo se ela me pedisse. Só uma coisa que eu não poderia dar-lhe e isso era doloroso, tanto para mim quanto para ela. Por mais que ela dissesse que me amava e ficar comigo bastava, eu sabia que sempre faltaria algo. A coisa mais simples eu não poderia lhe dar. Afinal eu era um ser sem alma, que não pertencia a esse mundo.

Senti dois braços pequenos e quentes envolverem minha cintura. Virei-me de frente á ela e a puxei para o meu peito.

-- O que tanto te machuca Edward? - Ela perguntou. Eu arregalei os olhos com isso, eu sou o leitor de mentes, no entanto ela sabe o que se passa em minha cabeça.

-- Nada de mais amor.  É ir melhor dormir. - Dei-lhe um ultimo beijo nos lábios e me virei para a janela, mas ela segurou minha mão antes que eu pulasse.

-- Fique aqui mais um pouco, pelo menos até eu dormir já que você não pode ficar até eu acordar.

Sentei-me na poltrona que tinha em seu quarto e a puxei para o meu colo. Embalei-a até sentir sua respiração calma, sinal de que ela já estava dormindo. A coloquei na cama ao lado da amiga. E fiquei contemplando-a dormir até o céu clarear. Decidi que era hora de ir para casa precisava de um banho e trocar de roupa, logo eu estaria de volta.

Já fazia algum tempo que estava em casa. E eu estava impaciente. Por que as horas tinham que demorar tanto para passar? Eu já havia tomado banho, trocado de roupas, jogado xadrez com Alice, tocado uma musica no piano e ainda assim haviam se passado somente duas horas e meia. Por isso eu queria poder dormir. Aposto que se eu pudesse dormir as horas passariam rápido.

Sentei-me no sofá e fiquei amuado esperando as horas passarem e bloqueando os pensamentos dos meus irmãos. Jasper estava lendo um livro de história, Alice decidindo o que vestir. Emm e Rose, bem nem quero comentar e é exatamente por isso que estou bloqueando todos os pensamentos. Suspirei pesadamente.

Olhei para o relógio e para minha alegria eram 09h30minh. Ótimo. Eu sabia que Bella acordava cedo independente de que horas dormisse. Provavelmente esse horário ela já teria limpado toda a casa e feito o café da manhã, enquanto os outros estavam dormindo. Antes de levantar Alice já estava na minha frente.

-- Eu faço esse favor para você, se me deixar ir junto. - Droga. Era terrível ter uma vidente em casa, eu mal tinha decidido e ela já adivinhara o que eu queria.

Queria dizer não, mas ela sabia que eu não poderia, sabia que eu precisava dela. Trapaceira. Ela ficou me olhando desafiadoramente, pensando que eu desistiria. Eu não iria desistir, ela iria com a gente. Mas eu ainda me vingaria dela. Se aproveitando, só porque eu ainda “ não tinha idade para dirigir”.

-- Tudo bem. Vamos nessa.

Ela saiu saltitante na minha frente, enquanto eu rolava os olhos. Pude ouvir a risada de Jasper da biblioteca.

Estávamos quase chegando perto da casa de Bella, mas eu queria fazer uma coisa antes.

-- Alice será que você pode parar um pouquinho antes da casa da Bella? Bem é que eu queria fazer uma coisa antes.

Ela deu uma risadinha e bagunçou meu cabelo. Poxa eu o tinha penteado. Era a primeira vez que o deixava todo certinho e ela faz isso.

-- Tudo bem. - Ela disse rindo.

Disparei para a janela da Bella. Eu ia entrar para falar com ela, mas a cena que eu vi me deixou paralisado.

Bella e Anna seguravam uma escova de cabelo fingindo que eram microfones. As duas ainda vestiam pijamas e estavam descabeladas. Cantando e dançando Wanna Be das Spice Girls.

-- Yo I'll say you what I want, what I really really want
So tell me what you want, what you really really want.

-- I'll tell you what I want, what I really really want
So tell me what you want, what you really really want

-- I wanna huh, I wanna huh, I wanna huh, I wanna huh, I wanna really
really really wanna zig a zig ah

--If you want my future, forget my past
If you wanna get with me, better make it fast
Now don't go wasting my precious time
Get your act together, we could be just fine

Era muito engraçado vê-las dançando e cantando daquele jeito. Principalmente Anna com aquele barrigão de sete meses. Isso porque segundo Bella havia me contado, ela tinha passado um tempo internada com risco de ter o bebê antes do tempo. E agora ela estava dançando Spice Girls. Desviei meu olhar para Bella, era engraçado como ela ficava completamente diferente quando estava cantando ou dançando, percebi isso quando assistia o DVD onde ela dançava balé. Era outra Bella. Ela realmente dançava melhor que andava. E sua voz era linda, mesmo cantando uma musica agitada. Creio que minha pequena namorada se daria bem cantando qualquer tipo de musica. Tive que reprimir minha vontade rir muitas vezes. Com muito custo sai de lá quando elas terminaram fiquei com muita vontade de bater palmas e cumprimentá-las pelo talento, mas acho que eu não seria recebido muito bem.

Voltei para o carro rindo. Alice me olhou com as sobrancelhas erguidas, porem eu não disse nada só fiz sinal negativo com a cabeça. Ficamos algum tempo no carro sem dizer nada. Alice pensava nas lojas em que ia arrastar Bella e Anna, e como iria me castigar fazendo-me acompanhá-las  e carregas as sacolas, - por eu não tê-la convidado por livre e espontânea vontade. Isso era bem estilo Alice, ela reclamava de Rosálie, mas era mais maquiavélica do que a loira.

Alice parou o carro na frente da casa de Bella.

“ Preparado para enfrentar os leões?” - Ela pensou divertida. Sai do carro e dei a volta para abrir a porta para ela, já que iria enfrentar os leões não iria enfrentá-los sozinho. Segurei as mãos dela e seguimos para a porta, Alice apertou a campainha e a porta foi aberta - para meu alivio - pelo Sr. Arthur Swan tio de Bella, e promotor de Forks e Seattle.

“ Ele me parece um bom rapaz, veio até acompanhado da irmã...”

-- Que bom vê-lo Edward, vamos entre. - Disse ele alegre.

-- Obrigado Senhor Promotor.

-- Ah qual é? Você é da família, praticamente. Pode me chamar de Arty, e essa encantadora Srta? Seria Alice, estou certo?

-- Sim senhor. - Respondeu uma Alice alegre.

-- Por favor, senhor não. Sinto-me um velho.

-- Tudo bem Arty.

-- Vamos entrem Bella, está quase descendo.

Ele nos conduziu para dentro da casa. Todos se encontravam na cozinha tomando café, que foi nos oferecidos, mas que recusamos educadamente dizendo que já havíamos tomado café. Não pude ignorar os pensamentos das pessoas presentes.

Ah, esse garoto aqui, espero que não acabe em confusão de novo. Não gosto  dele nenhum pouco.” - Pensava Claire Swan. Mas ela guardou esse pensamento muito bem me cumprimentando educadamente.

-- Ah, Edward venha aqui quer apresentar-lhe aos padrinhos de Bella. - Chamou Arty. Caminhei com Alice grudada em meu braço até um casal de cabelos pretos. - Esses são Sandra e Tom Hastings. Tom, Sandra esse é Edward Cullen namorado da Bella. - Ele fez questão de frisar as ultimas palavras olhando para a irmã. - Ah e essa encantadora garota é a irmã dele Alice Cullen.

-- É um prazer conhecê-lo pessoalmente Edward. - Disse o homem chamado Tom.

-- O prazer é meu senhor.

                Eu gostei de conhecê-los. Eram boas pessoas e só em saber que eles gostavam de Bella e cuidavam dela como se ela fosse uma filha para eles, já fazia com que eu gostasse deles. Alice também se deu bem com eles. Fiquei pensando com quem Alice não se daria bem, ela era o carisma em pessoa. Enquanto ela conversava com a Sra. Hastings, sobre moda e decoração. Arty, Tom e eu conversávamos sobre outras coisas, eles ficaram fascinados com meu conhecimento em direito, tendo apenas 15 anos. Há. Eu não iria mencionar que já cursei direito em Harvard, ficaria estranho, mas eles se contentaram com minha desculpa de que eu gosto de ler sobre o assunto.

Era bom conversar com eles. Depois Alice e Sandra entraram na conversa. Não preciso dizer que eles também ficaram encantados com a inteligência da baixinha. Ela pediu nossa opinião para a decoração do quarto do neto os Hastings, ela faria uma planilha e mandaria para eles por e-mail. Estava todo mundo se entendendo muito bem, até Sue que era Quileute  e sabia da nossa condição, entrou na conversa animadamente como se fossemos normal. Só uma pessoa não gostava dessa amizade toda: Claire Swan. Vi quando ela e Violah Roberts saíram da cozinha para irem chamar as filhas e os amigos delas. Seria bom Bella descer logo não queria dar de cara com aquela corja.

Além de Claire mais uma pessoa não estava satisfeita com minha presença, mas era uma pessoa tão insignificante que nem a havia percebido que ele havia entrado no cômodo. Porem seus pensamentos eram muito difíceis de ignorar. Ele só não tinha a mesma capacidade de esconder seu descontentamento com nossa presença, - quer dizer minha presença - tão bem quanto a namorada.

-- Posso saber o que esse moleque faz aqui na minha casa Arty? - Que cara mais petulante. - Até onde sei foi combinado que ele poderia namorar Isabella, mas não entrar nessa casa.

-- Em primeiro lugar Esteve: Essa casa não é sua, ela era dos meus pais e futuramente pertencerá a Bella, Brity e aos meus filhos. Segundo: não foi combinado nada. Edward é namorado de minha sobrinha e tem livre acesso tanto a essa casa quanto a minha. - Disse Arty com rispidez. - E como eu já disse para você uma vez. Limite-se a se intrometer com o que é da sua conta.

Arthur Swan era meu mais novo ídolo. Eu não podia deixar de admitir, que adorei o jeito que ele tratou Esteve.

-- Eu sempre dou palpite na criação dos meus sobrinhos. - Replicou Esteve mal-humorado.

-- Agora está explicado, porque seus sobrinhos são maravilhosos. - Arty disse sarcástico. - Mas Bella e Britanny não são suas sobrinhas, por tanto não se meta. Principalmente no que diz respeito a vida de Bella.

Esteve deus as costas e saiu mal-humorado da cozinha. Acho que ele não gostava de ser contrariado. Continuamos conversando, mas logo em seguida minha cabeça foram bombardeadas com os pensamentos das pessoas que entravam na cozinha.

“ Ah, merda. Esse cara aqui de novo. Britanny tinha me garantido que mãe não deixaria ele namorar Bella.” - Não ousei terminar de ler os  pensamentos do bombado brocha  a respeito da minha Bella, ou eu correria o risco de ser descoberto. Eu queria arrancar a cabeça desse cara.

“ Ah, o Cullen aqui. Que ótimo. Ainda bem que ele veio com a irmã gostosa.” - Olhei feio para Kevin Douglas, e ele arregalou os olhos. Ninguém fala daquela maneira da minha irmãzinha, nem Jazz e olha que os dois estão juntos a mais de 50 anos.

“ A minha nossa o gostoso do Edward está aqui. Cadê a burra da Britanny? Que se dane, se ela não fizer nada eu fico com ele nem ligo. Espero que ele tenha vindo terminar com a babaca da Bella.” - É sério! Os pensamentos da loira sebosa me davam náuseas.

Antes que eu tivesse que ouvir mais algum pensamento Bella chegou a cozinha com a amiga. Ela estava simplesmente linda com o vestido que eu dei para ela. Ela ficava perfeita com ele.

Bella sorriu a me ver e ficou me olhando parada onde estava. Anna teve que dar uma leve cutucada em suas costelas para ela se mover.

“ Ai, Ai Bellinha se não sou eu viu.” - Pensou ela revirando os olhos.

Bella veio até onde eu estava cumprimentou os padrinhos o tios e Alice, para depois vir em minha direção e passar os braços pelo meu pescoço.

-- Por que fiquei por ultimo? - Perguntei manhoso em seu ouvido, fazendo-a se arrepiar levemente.

-- Porque você é especial. - Ela disse colando seus lábios aos meus.

Pude ouvir assovios, alguns pensamentos comemorando - pouquíssimos na verdade. Havia mais gente bufando. Mas dois pensamentos se sobressaíram enquanto eu beijava Bella.

“ Ah, que merda. Isso é tão injusto. Mamãe disse que eles não ficariam juntos” - Era incrível depois de tudo o que aconteceu ontem essa menina não tomava jeito.

“ É isso ai Bellinha, deixa essas loiras catarrentas e os bombados brochosos com água na boca. Quem sabe vendo Edward eles não aprendem a agir como homens de verdade.” - Ainda bem que eu estava com minha boca ocupada, ou então eu teria gargalhado dos pensamentos de Anna.

-- Ah, tudo bem já mostraram que se amam e como é um beijo de verdade. Agora, por favor, parem? - Pediu Anna manhosa. Separei-me de Bella.

-- Anna, isso não é coisa que se faça. - Repreendeu a mãe.

-- Mas mãe se eu os parassem agora. Deus sabe onde isso ia dar. Provavelmente eles iriam parar na cama dela e teríamos mais uma grávida na terra. - Anna replicou. Alice e eu gargalhamos, assim como Tom e Arty. Bella escondeu o rosto no meu peito envergonhada.

Após o momento constrangedor saímos para o shopping, depois de muitas recomendações da mãe de Anna. O caminho para o shopping foi divertido Anna nos fazia rir muito contando piadas e imitando os pais. Quando chegamos ao shopping  Alice nos puxou direto para uma loja de roupas de bebês e depois de roupas para gestantes. Nem preciso mencionar que ela encheu tanto o bebê, quanto Anna e Bella de roupas. Fora que ela comprou mais um monte para ela e para mim. E como ela havia planejado eu carreguei tudo fazendo Anna e Bella gargalharem. Paramos somente algumas vezes para Anna descansar e para as garotas comerem.

Bella ficou absolutamente pasma quando eu e Alice pedimos lanches para nós e sua cara foi hilária quando comemos nossos lanches. Foi horrível, me livrei de tudo no primeiro banheiro que fui. Depois de assistirmos filmes resolvemos ir para casa Anna estava muito cansada.

Chegamos à casa e levamos as garotas até a porta.

-- Adorei sair com vocês, prometo que da próxima vez ficaremos mais tempo. - Disse Anna acariciando a barriga. - Ah, Alice muito obrigada pelas roupas.

-- O prazer foi todo o meu. Espero que nos encontremos depois que tiver o bebê. - Disse Alice contente. Ela adorava fazer amizades.

Abracei Bella para me despedir.

-- Tchau até amanhã, amor. - Disse beijando-lhe os lábios.

-- Ei, Anna vai embora hoje a noite, então você pode vir dormir comigo hoje. - Ela sussurrou em meus lábios. Aquela noticia era mais que perfeita. Não que eu quisesse que Anna fosse embora logo, ela era super legal, mas eu queria muito passar a noite com Bella.

                -- Tudo bem. As dez estarei aqui. - Disse aprofundando o beijo, mas fomos interrompidos.

-- Ei, vocês dois, por favor. Vão para um quarto ou para o carro se quiserem. - Alice gargalhava das palavras de Anna, enquanto eu me despedia dando mais um beijo nos lábios de Bella.

Elas entraram e nós fomos para o carro. Enquanto dirigia Alice comentava do quanto gostou dos Hastings e do tio de Bella. Rimos muito  nos lembrando das palavras de Anna, enquanto seguíamos para nossa casa. Amanhã seria outro dia. Amanhã eu poderia mostrar a escola inteira como estava feliz ao lado da pessoa que eu amo.