O Olho Vermelho escrita por Igor L S C Oliveira


Capítulo 78
Flores com Espinhos




Segundo Andar do Pandemonium, “Labirinto Eterno”

SEU CORPO FOI ARREMESSADO AO AR COMO SE FOSSE UM SACO DE FRUTAS DE FORMA SÚBITA E VIOLENTA, fazendo com que um gemido de dor escapasse por entre seus lábios antes que recuperasse sua compostura e reagisse a isso. Usando das habilidades de luta que havia treinado junto com Maoh durante a última semana, conseguiu girar no ar sem muitas dificuldades e aterrissar de pé com firmeza, formando uma base sólida aos seus pés. Seus olhos – em geral tão acalorados e repletos de gentileza – ganharam uma aparência dura e gélida quando ergueu-os para fitar seu oponente. À alguns metros a sua frente, Steelex ainda mantinha a sua postura um pouco curvada, o braço que havia usado para lhe arremessar ainda posicionado a frente do seu corpo em sinal do que ele havia feito, mas isso não significava que ele estava sendo descuidado. Os olhos do homem estavam pousados sobre Kyanna de forma ameaçadora, dando a ele um ar feroz e perigoso, e mesmo enquanto ele mantinha aquela postura, sua pele continuava a se transformar em aço diante dos olhos da maga.

Steelex... esse é Steelex, não é? Só pode ser ele. Antes de seguirem para a batalha, haviam compartilhado algumas informações entre si quanto aos guerreiros inimigos; Steelex, pelo que haviam dito, era um mercenário que tinha se destacado bastante durante Batalha do Salão Cinzento, matando dezenas de cavaleiros menores e dois cavaleiros de alta patente antes de ser finalmente derrotado por Soulcairn, o rival de Odin. Ele parece mesmo ser um oponente bem perigoso... eu não posso vacilar contra ele. Sem nunca tirar os olhos de seu oponente, Kyanna foi lentamente colocando o seu corpo em postura de batalha, posicionando uma palma aberta bem à frente de seu corpo enquanto jogava a outra para trás, abrindo suas pernas e flexionando-as levemente para ajustar sua base.

Pareceu que Steelex estava esperando exatamente por isso, pois seu avanço veio assim que ela terminou de entrar nessa postura. Seu braço direito, transformado em um braço de puro aço graças às habilidades dele, sofreu uma segunda transformação menor enquanto ele avançava, fazendo com que seu punho se transformasse em uma grande espada de aço que ele brandiu com força, como se quisesse cortar Kyanna ao meio. Que brutalidade... será que ele acha mesmo que isso vai funcionar? Enquanto seu inimigo se dedicava a usar simples força bruta em seu ataque, Kyanna havia aprendido a usar sua habilidade em combate; ficou parada aonde estava, completamente imóvel, até que ele se aproximasse bastante.

Foi só quando ele entrou na sua área de alcance e moveu sua espada contra ela que a maga começou a dançar.

Um passo rápido para o lado e uma de suas mãos avançou contra o corpo da espada, atingindo-a lateralmente com força o suficiente para empurrá-la para o lado, colocando-se fora da área de alcance do golpe ao mesmo tempo em que o redirecionava... o que fez com que o homem perdesse o controle do seu próprio senso de equilíbrio. Seu corpo pendeu demais para frente e quase caiu por causa disso, e isso deu a Kyanna a chance perfeita para que atacasse.

Estilo da Palma Branca... – disse ela, movendo a palma aberta de sua mão (revestida por uma camada de energia) contra Steelex, atingindo o homem diretamente na parte inferior do queixo com tanta força que viu os olhos dele ficarem completamente brancos por um momento e ouviu o som de ossos se quebrando. – Onda de Choque!

O nome que havia dado ao seu golpe era perfeito para ele, pois ele dizia exatamente o que constituía seu ataque. Havia treinado muito com Maoh, mas sabia que sua força bruta ainda não se comparava exatamente ao que os verdadeiros guerreiros possuíam, mas graças a sua magia, isso não importava. No primeiro momento, quando lançava o ataque, a energia que concentrava nas palmas de suas mãos fazia com que o dano imediato dos golpes fosse muito maior do que seria normalmente, e a isso logo somava-se no dano que a energia em si causava. Com o impacto, Kyanna liberava a energia na palma de sua mão, e ela avançava internamente contra seus inimigos. Se eu acerto um golpe na barriga, afeto o estômago e os rins. Se acerto um golpe o peito, o coração e os pulmões sofrem. Com um golpe na cabeça, meu golpe afeta diretamente o cérebro de meu oponente e outros órgãos em seu rosto. Era por isso que os olhos de Steelex haviam se tornado brancos ao receber o seu golpe – o dano causado por um ataque como o seu era muito maior do que qualquer tipo de golpe simples podia criar. E prova do simples poder de destruição que ele trazia era o próprio teto do largo corredor em que estavam; ele se localizava a dezenas de metros do chão, mas isso não havia impedido que a onda de energia do seu ataque, que havia afetado a cabeça de Steelex e seguido adiante, criasse um grande buraco acima deles.

Mas por mais poderoso que seu golpe fosse, seu oponente não era alguém que seria derrotado de forma tão fácil. Seus olhos reganharam o foco com a mesma rapidez com a qual tinham o perdido, e imediatamente depois disso o rosto dele foi tomado por uma expressão de pura fúria e hostilidade, rosnando e mostrando os dentes em uma careta digna de um animal selvagem irritado. Seu corpo girou e a perna direita dele moveu-se em um chute carregado em direção ao rosto de Kyanna, mas a maga já havia imaginado que ele faria algo assim, e por tal, ela já havia se preparado antecipadamente; abaixou-se rapidamente, evitando o golpe e deixando que a perna de Steelex passasse inofensivamente acima da sua cabeça, e enquanto seu oponente tentava se recuperar daquele golpe falhou para seguir com algum outro ataque, ela se aproveitou da guarda-baixa dele para se aproximar rapidamente e golpeá-lo na boca do estômago com outro golpe de mão aberta.

Onda de Choque! – Gritou ela, liberando a energia por trás de seu ataque de uma única vez. A força do golpe em si havia sido o bastante para fazer com que Steelex vomitasse sangue, mas a rajada de energia foi ainda além disso, isolando o homem de aço com uma força tão monstruosa que ele foi arremessado por mais de vinte metros do corredor em menos de um instante, deixando um rastro do seu próprio sangue por onde passava. Pura força bruta não vai funcionar contra mim, Steelex. Quando você vai entender isso? Enquanto ele ainda estava no ar, viu um sorriso agressivo tomar conta do rosto de Steelex, e um instante depois os olhos dele se fixaram sobre Kyanna, praticamente queimando de ódio. Com algum esforço ele girou seu corpo no ar como se estivesse fazendo uma cambalhota, ficando frente a frente com o chão, e sem hesitar ele transformou um de seus braços em aço e cravou garras de um cinza escuro fundo no chão, conseguindo ao mesmo tempo parar o avanço de seu corpo e firmar uma base sólida o suficiente. Com uma flexibilidade impressionante para um homem de aço, Steelex conseguiu mover a parte inferior de seu corpo (que estava para cima graças a posição de ponta-cabeça na qual sua manobra anterior havia lhe deixado) em um movimento de arco enquanto sustentava seu tronco firme, o que fez com que basicamente as únicas coisas que se movessem fossem as pernas dele... que cresceram imensamente em questão de instantes, transformando-se em duas barras de aço longas, grossas e flexíveis.

Chicote de Aço! – O fato de seu golpe estar distante do ponto principal do corpo de Steelex poderia ser algo que passaria a impressão para alguns de que ele não seria tão carregado de força quanto os outros golpes dele, mas a visão que Kyanna teve de como suas pernas quebraram e rasgaram as paredes do corredor não lhe deixou manter essa ilusão. Por sorte o seu treino havia lhe deixado mais rápida; jogou seu corpo no chão apenas alguns momentos antes que as pernas de Steelex lhe atingissem, e a mera velocidade e força por trás do ataque foi o suficiente para que pudesse sentir a pressão no vento que o ataque causou. Impressionante... a força por trás dos golpes desse homem é tal qual os rumores diziam. Só de sentir aquela pressão, Kyanna sabia dizer o porquê de Steelex ter conseguido matar dois cavaleiros na última batalha.

Uma sombra ergue-se sobre a maga, e foi o seu pensamento rápido que fez com que ela rolasse para o lado a tempo o suficiente para evitar o punho de Steelex, que caiu sobre o lugar no qual ela estava antes com o peso de um martelo de guerra, gerando uma cratera considerável na área atingida. Ouviu o homem grunhir em insatisfação com aquilo, e logo o rosto dele virou-se novamente contra ela, mais similar ao de um animal enfurecido do que o de qualquer homem. Ele avançou novamente sem pensar duas vezes, mas essa investida já era algo que Kyanna estava esperando; com suas costas apoiadas na parede, a maga não tinha espaço para se esquivar, por isso o que ela fez foi simplesmente concentrar tanta energia em suas mãos quanto possível, apontar ambas em direção a Steelex, e então liberar tudo de uma vez.

Força Branca!

Mesmo incolor como era, era possível ver os efeitos de sua energia a olho nu, principalmente de tão perto quanto estava. Aquela rajada que disparava era muito diferente das que havia usado antes; enquanto a “Onda de Choque” tinha como foco não só empurrar o oponente quanto também causar dano internos nele, a “Força Branca” tinha como foco único empurrar o oponente para tão longe quanto possível – uma técnica feita não para ferir, mas para criar espaço entre os guerreiros numa luta. Isso dito, o fato do foco daquela técnica não ser ferir não significava que ela era incapaz disso, como ficou cada vez mais claro a medida que a força ia afetando Steelex. O homem era teimoso e persistente demais, teimando em ficar firme aonde estava por mais que a força tentasse lhe jogar longe, e isso só fazia com que a Força Branca atuasse com ainda mais força sobre ele; não demorou para que o aço de seu corpo começasse a apresentar rachaduras e que pequeninos pedaços dele se quebrassem e voassem para longe, a medida que seu próprio corpo ia se provando incapaz de suportar aquela pressão.

Mas mesmo assim, apesar de todos os seus esforços, não conseguia arrastá-lo um único centímetro para longe. E cada vez mais, isso lhe deixava mais e mais nervosa.

E foi então que veio aquilo. Um rugido bestial, como o de uma criatura lendária que acabava de despertar, ecoou da garganta de Steelex, sua boca se abrindo para revelar presas de aço afiadas. Seu peito se estufou, seu corpo se remexeu violentamente, e de uma só vez ele lançou um soco contra Kyanna. Àquela distância, naquela situação, a maga não teve a menor chance de desviar de um golpe com aquela velocidade. O punho lhe atingiu em cheio no meio do rosto, esmagando seu crânio contra a parede atrás dela com toda a força.

Um golpe como aquele seria o suficiente para fazer com que qualquer um parasse o que quer que estava fazendo em dor, mas se tinha uma coisa em comum entre Kyanna e Steelex, era o fato de que ambos conseguiam ser incrivelmente teimosos. Mesmo em meio a dor que sentia, Kyanna não parou de usar seus poderes por um momento sequer, tentando se aproveitar de alguma forma dos ataques de Steelex para conseguir jogá-lo longe.

Sem que a maga pudesse ver, o rosto do guerreiro se contorceu ainda mais em uma careta de irritação. Maldita maga teimosa... você acha mesmo que sou fraco o suficiente para deixar que algo assim me afaste?! A pressão que o poder dela exercia era algo que estava lenta, mas certamente, causando danos nele, não podia negar isso, mas ainda assim, aquilo era pouco mais do que uma brisa irritante para Steelex. Você vai precisar de muito mais do que isso para fazer algo contra mim, pirralha! Moveu sua mão livre com rapidez, fechando seus dedos ao redor o pescoço branco de Kyanna e apertando-o com todas as suas forças, negando a ela o ar da vida. Vamos ver por quanto tempo você consegue manter essa droga depois que o seu cérebro ficar sem oxigênio!

Ela começou a se debater quase que de imediato, lançando chutes contra ele enquanto continuava a tentar empurrá-lo com sua magia. Aquilo chegava a ser ridículo. Se sua magia não consegue fazer nada contra mim, não são essas picadas de mosquito que você chama de chutes que serão mais efetivas! Apesar de toda a resistência dela, conseguiu sentir a magia de Kyanna perdendo poder gradativamente a medida que seus olhos iam revirando para dentro de suas órbitas. Em menos de um minuto daquilo, toda a força dela havia desaparecido sem deixar rastros, e o que ficou para trás foi o corpo mole de uma mulher pálida que ele segurava pelo pescoço.

Hum. Então até mesmo você tem os seus limites, não é? Sabia que aquilo não era o suficiente para matá-la – Kyanna provavelmente havia apenas desmaiado graças a uma mistura do choque e da falta de oxigenação. Sabia também que provavelmente poderia matá-la se continuasse com aquilo por mais algum tempo, mas isso já não era algo que Steelex queria. Isso seria simples demais, muito sem graça. Essa mulher merece sofrer um pouco antes de morrer.

Tirou a mão do pescoço dela, movendo-a para seu torso, e com sua outra mão segurou as pernas dela. Agora que não estava apertando seu pescoço, era apenas uma questão de tempo para que Kyanna se recuperasse, e isso significava que não tinha tempo a perder. Ergueu o corpo dela alto, acima de sua cabeça, e colocou sua perna firmemente à frente de seu corpo, dobrando-a um pouco de forma a destacar seu joelho. E agora, seu sofrimento tem início.

Em um único movimento, quebrou a coluna de Kyanna sobre seu joelho, e a mulher que até poucos instantes atrás não respirava soltou um grito de dor tão alto e agonizante que soube imediatamente que ele iria ecoar por todo o Segundo Andar.

Soltou o corpo dela sem se importar, deixando que ela rolasse pelo seu joelho de forma desajeitada até cair de cara no chão. A primeira coisa que ela fez foi vomitar sangue no chão a sua frente, manchando seus lábios e queixo de vermelho, sustentando-se acima da poça que havia formado apenas pelo apoio fraco que seus braços conseguiam lhe dar. Os olhos da Varinha de Prata estavam arregalados, fitando o seu próprio sangue como se ela não conseguisse acreditar que tudo aquilo era real, mas mais interessante do que isso era um outro detalhe; a parte superior do corpo dela se movia bastante, tremendo e sofrendo o que pareciam ser pequenos espasmos, mas a metade inferior ficava, por si só, completamente imóvel, sofrendo no máximo algumas reações devido aos movimentos da outra metade. Hum. Bom, creio que eu não deveria ficar tão surpreso por isso. Eu quebrei a coluna dela, afinal de contas; isso é de se esperar.

– Dói, não dói, princesinha? O que acha do gosto de sangue na boca? Uma florzinha como você nunca deve ter sentido isso antes, não é? – Aquelas palavras aparentemente chamaram a atenção da maga, pois logo após elas o rosto de Kyanna começou a virar em direção a ele. Não deixou ela terminar de fazer isso, no entanto; antes que os olhos dela pudessem cair sobre ele, chutou o rosto da maga com força, arrancando mais sangue e um novo grito de dor enquanto ela era jogada longe por seu golpe. – Pessoas como você me irritam, princesa. Bastardos infelizes que acham que a guerra é uma brincadeira ou algum tipo de parque de diversões. O que você está fazendo aqui? O que você sequer está fazendo aqui? Não tem algum gato para você tirar de uma árvore ou uma velhinha que precisa da sua ajuda? O que você veio fazer no campo de batalha?

– Mas... o quê...? – A voz da mulher veio fraca e com dificuldades graças aos danos que ela havia sofrido. De alguma forma ela ainda tinha forças o suficiente para erguer um pouco seu corpo com as mãos e virar seu rosto em direção à Steelex, mas pelo esforço claro que ela estava tendo nisso, esse parecia ser o seu limite. – Do que... você... está falando...?

– Você claramente não é uma guerreira – respondeu Steelex enquanto caminhava calmamente em direção a ela. – Não digo isso no sentido de você ser uma maga, mas sim no sentido de que você não pertence a um campo de batalha. Isso é claro para qualquer um que olhe para você. Suas feições, sua voz, sua própria postura... são todos tão idealistas e adocicados que eles me dão náuseas. Você é uma daquelas clássicas pessoas que vai para um campo de batalha cheia de ilusões, achando que é tudo romântico ou glorioso, uma fantasia adolescente, sem entender a verdadeira dor, a honra e o terror que reside na batalha. Francamente, estou surpreso que você não soltou uma frase estúpida até agora, algo como “Essa batalha é estúpida!”, ou “Eu não quero que ninguém morra!”, ou até mesmo algo como “A força dos nossos laços vai nos dar a vitória!”. Por não ter dito uma merda dessas você tem algum respeito meu... mas não o suficiente para que eu não esmague o seu crânio no chão. Esse é um campo de batalha, e a presença de uma florzinha idealística como você nele é enfurecedor para um guerreiro como eu.

Graças a distância que os separava e a completa falta de pressa de Steelex, dessa vez Kyanna teve a chance de pousar seus olhos sobre ele. E ao fazer isso... ela imediatamente começou a rir.

Aquilo surpreendeu tanto Steelex que seus movimentos pararam completamente por um momento para que ele pudesse simplesmente olhar para ela com uma sobrancelha erguida, completamente confuso por aquilo. As gargalhadas de Kyanna não eram forçadas ou secas, mas gargalhadas honestas e divertidas, que ganhavam cada vez mais força. E de repente, ela, a mulher cuja coluna ele havia acabado de quebrar poucos instantes atrás, foi levantando o seu corpo com seus braços e apoiando-se em suas pernas para ficar novamente de pé. Mas... o quê?! Impossível! Eu quebrei a coluna dessa maldita, tenho certeza disso! Já é um milagre que ela tenha forças o suficiente para continuar falando e movendo seu torso depois disso – ter qualquer tipo de força em suas pernas deveria ser absolutamente impossível a essa altura! Essa era a lógica que deveria se aplicar a situação, mas não parecia que Kyanna se importava muito com ela; por mais que ela ainda estivesse claramente ferida e demonstrasse sinais de debilitação pelos seus últimos golpes, ela ainda conseguiu se colocar de novo em pé, tudo isso enquanto não parava de gargalhar.

– Maldita... o que é tão engraçado?! – Gritou Steelex, sentindo seu rosto corar em um misto de vergonha e frustração.

– O fato de você ser idiota ao ponto de me julgar de forma tão ridícula só pela minha aparência. – Respondeu simplesmente Kyanna, com um sorriso no rosto, embora sua voz tenha soado diferente ao dizer aquelas palavras. Quando ela havia falado antes, sua voz sempre havia assumido um tom agudo e uma disposição energética, como a que você esperaria de uma garota hiperativa. Agora, no entanto, ela soou muito mais calma e controlada, trazendo um timbre de certa maturidade. Ela soou menos como uma garota, e mais como uma mulher. – Você acha que eu não sei a ideia que a minha aparência passa? Que sou uma garota indefesa. Que sou inexperiente. Que sou ingênua, ou burra de uma vez. Eu sei bem que são esses os pensamentos que passam pelas cabeças de muitos quando eles me veem. E francamente? Não dou a mínima.

Ela começou a andar em direção a Steelex ao dizer aquilo, e instintivamente o guerreiro se colocou em posição de guarda, embora logo tenha percebido que isso era desnecessário. O avanço dela era lento, desprovido de qualquer pressa ou sinal de hostilidade, como se ela estivesse passeando por um jardim. Mas o que ela pensa que está fazendo?

– Diga, Steelex, você sabe o porquê de eu agir normalmente de forma jovial? Agir de forma tão alegre e bem-humorada? O porquê de eu tentar sempre ser tão doce quanto possível, o porquê de eu falar com aquela voz energética enquanto sou capaz de manter uma voz mais séria como essa? – Perguntou Kyanna calmamente enquanto se aproximava. A medida que via o andar da mulher, Steelex ia notando outras coisas também, uma das mais marcantes delas sendo o fato de que os ferimentos que ela havia adquirido com seus últimos golpes estavam se fechando um após o outro, cicatrizando numa velocidade incrível demais para ser qualquer coisa natural. – Deixe-me lhe dar a resposta; eu faço isso porque eu gosto. Me sinto bem agindo dessa forma, não só porque isso é natural para mim e algo do qual eu gosto, mas também porque isso afeta as pessoas a minha volta de forma positiva. O mundo em que vivemos é cruel e escuro, Steelex, e se eu posso de alguma forma alegrar as pessoas que amo através de algo tão simples como o meu jeito de agir, então eu não me importo nem um pouco com o que outras pessoas podem pensar de mim.

A essa altura, Steelex sabia que ele já devia ter avançado novamente contra ela. Qualquer guerreiro com metade de um cérebro saberia que deixar aquela mulher se aproximar enquanto ela aparentemente se curava era uma péssima ideia, mas por algum motivo, ele simplesmente não podia fazer isso. De alguma forma, as palavras dela haviam chamado a sua atenção, e simplesmente não sentia vontade nenhuma de interromper o discurso dela, por qualquer motivo possível.

– Isso dito, não ache que eu deixo de ser uma lutadora só por causa disso – avisou Kyanna, um brilho perigoso cintilando nos olhos dela ao dizer aquilo. – Eu enfrentei Kastor no Torneio de Valhala, um homem muito melhor do que qualquer um de vocês. Quando ele atacou, eu fui uma das que enfrentou Dwyn, o Imortal. No Mercado de Escravos eu enfrentei Byron, o Demônio da Fumaça que está tentou nos emboscar agora a pouco. Eu não sou uma garotinha estúpida, Steelex. Eu sou Kyanna Aoki, membra da Era Dourada, a Guilda que será responsável por destruir o Olho Vermelho.

– ... Hum. É mesmo? – Por todo aquele tempo ele havia ficado em silêncio, só deixando que a mulher falasse e falasse, mas recuperou sua voz ao fim daquele discurso. Um meio-sorriso arrogante surgiu em seu rosto ao se lembrar do que havia ouvido falar dela em relação a essas batalhas. Você não deveria se vangloriar de lutas que acabaram com a sua derrota, Kyanna. – Você certamente tem uma boca bem grande para falar das suas lutas passadas, mulher, mas não está se esquecendo de um detalhe importante? Você perdeu todas elas. Acha que lutas em que você foi derrotada trazem algum peso? Que luta você já venceu, Kyanna?

– Uma. A mais importante de todas, e a contra o meu oponente mais forte até agora – retrucou ela, parando por um momento aonde estava, apoiando suas mãos na cintura e mostrando um sorriso aberto que seria belo se não fosse tão ameaçador. – A minha luta no Pandemonium, onde derrotei Steelex, o Mercenário do Aço.

Aquela declaração foi o suficiente para despertar a fúria adormecida dentro de Steelex, e sem pensar duas vezes o guerreiro jogou um de seus braços para trás, lançando-o para frente em direção à Kyanna na forma de um grosso pilar de aço que avançou em velocidade sônica contra a maga. Vá pro inferno, maga! Acha que vai ser fácil assim?! Acha que vou me deixar ser derrotado por alguém como você?! Não iria deixar algo assim. Não iria perder, não pra ela, nunca!

Pela simples velocidade que tinha, seu golpe deveria atingir a mulher em cheio facilmente, mas não foi isso que aconteceu. Ao invés de ser atingida por ele, ela teve tempo o suficiente para alargar um pouco mais seu sorriso antes que desse um rápido passo para o lado com elegância e desenvoltura, apenas deixando que seu ataque passasse inofensivamente ao lado dela.

E então, seus olhos brilharam de novo, e num instante ela avançou.

Seus movimentos foram rápidos, rápidos demais para que Steelex pudesse tentar acompanha-los. Antes que pudesse entender o que estava acontecendo sentiu o golpe em seu queixo, seguido pela dor intensa dentro de sua cabeça, como se alguém estivesse tentando abrir seu crânio de dentro para fora. Ela não durou muito, o que fez com que ele rapidamente voltasse seu rosto em direção à maga para tentar revidar, mas Kyanna decididamente não pretendia lhe dar uma chance de contra-atacar.

Palmas Brancas... – murmurou ela, concentrando tanta energia ao redor das palmas de ambas as suas mãos que essa se tornou visível, transparente e reluzente. – Investida Impiedosa!

O que veio a seguir exatamente o que ela anunciou; uma investida feroz, uma sequência de golpes violentos que vieram armados com uma força e velocidade grandes demais para que pudesse ter qualquer esperança de detê-los. Dezenas de golpe de mão aberta lhe atingiram por toda a parte superior de seu corpo – em seu estômago, sobre seus rins, nos braços, ombros, até mesmo sobre o coração – e a cada um deles, seu corpo tremia e balançava, seus músculos cediam um pouco mais. Não soube quantos golpes foram até que aquela frente ofensiva chegasse ao seu fim..., mas mais do que isso, não sabia como ainda estava de pé ao fim daquilo. O último dos golpes de Kyanna lhe atingiu em cheio no meio do peito do peito, arrastando-o alguns metros para trás ao mesmo tempo em que fazia com que seu torso se curvasse e com que vomitasse tanto sangue no chão que podia muito bem-estar regurgitando os seus próprios órgãos. Maldi... ção! Como?!... COMO?!

Se alguém olhasse para ele por fora, veria o corpo de Steelex praticamente ileso, sem que as áreas atingidas estivessem sequer roxas. Mas por dentro, ele estava quebrado. Alguns de seus órgãos internos haviam sido esmagados pela sequência de golpes, e boa parte de seus ossos haviam sido quebrados quase que até se tornarem pó – e tudo isso mesmo depois dele ter usado sua habilidade para revestir até a parte interna de seu corpo de aço. O que diabos é essa criatura? Que tipo de demônio é essa mulher?!

Ergueu seu rosto com seus olhos vermelhos como sangue e uma expressão de fúria pura tomando conta de sua face, mas não a viu a sua frente.

– Se não me engano, você me chamou de “florzinha” antes, não é?

O sussurro veio das suas costas, em um tom leve e gentil, mas ainda assim recheado por uma ameaça real, palpável. Virou-se tão rápido que quanto podia nessa direção, apenas para ver Kyanna avançando em sua direção rapidamente, seus braços erguidos, já quase lhe alcançando.

– Talvez você não saiba, mas deixe-me lhe dizer isso...

Com a gentileza de uma mão que faz carinho em seu filho, ambas as mãos de Kyanna repousaram sobre o centro do peito de Steelex. Calorosas. Macias. Gentis. Elas quase fizeram com que ele se esquecesse de que estavam numa batalha naquele exato momento.

Mas a expressão no rosto dela naquele exato momento não correspondia em nada ao que você esperaria com aquilo. Ao invés de uma expressão gentil, o que ela trazia no seu rosto era uma expressão impiedosa e inclemente.

A expressão de uma assassina fria.

– Muitas vezes, a flor de aparência mais inocente é a que tem os piores espinhos. – Foi o que Kyanna afirmou, contemplando Steelex com olhos frios, para imediatamente em seguida voltar seu foco ao seu ataque. – Canhão Sagrado do Rei Celeste!

Quando Kyanna havia lançado sua sequência de ataques anterior, ela não havia feito isso visando causar dano. Essa ação havia sido feita com o único objetivo de servir como um “aquecimento” para o que estava por vir. Quando ela havia se movido para trás de Steelex e avançado contra ele, ela havia feito isso enquanto juntava energia em seus braços. E foi essa energia que ela disparou com aquele ataque, foi essa energia que abriu um buraco limpo no torso de Steelex, do peito até o umbigo, e destruiu tudo em seu caminho, criando um rastro de destruição que corria pelo corredor até o infinito.

O corpo do Homem de Aço foi jogado para trás pela força do golpe, mas mesmo em meio ar, seus olhos conseguiram de alguma forma cair sobre Kyanna. Impossível... Quando ele caiu no chão, sob uma poça do seu próprio sangue, a primeira coisa que ele fez foi usar o que lhe restava de forças para tentar erguer um pouco sua cabeça, apoiando-se com dificuldade em seus cotovelos para conseguir fitar novamente aquela mulher.

– O quê... é você...? ... – Foram as últimas palavras de Harclay Steelex antes que todo o dano e cansaço que ele havia sofrido finalmente fossem demais e fizessem com que ele perdesse a consciência. O pouco que ele havia erguido de seu corpo com seu último esforço caiu no chão de uma vez com força, de uma forma que não parecia ser nem um pouco saudável. Apesar de que, essa provavelmente é a menor das suas preocupações, considerando seu estado. E, de qualquer forma, ele logo não terá preocupação nenhuma.

– “O que eu sou”, você pergunta? – Murmurou Kyanna, caminhando calmamente pelo corredor destruído, passando por cima do corpo sem vida daquele que um dia foi Steelex. Sentia-se bem cansada depois de usar tanta energia em seus ataques, e o chão em pedaços não ajudava muito, mas aquilo estava longe de ser um problema para ela. – Eu já te disse, Steelex. Eu sou a mulher que te derrotou.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Olho Vermelho" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.