O Olho Vermelho escrita por Igor L S C Oliveira


Capítulo 110
Arcanjo Samael




Terceiro Andar do Pandemonium, “Deserto de Ossos”

 

AMBOS EX E DOKUREI SE ENCARARAM FRIAMENTE EM MEIO AO DESERTO BRANCO, o primeiro com as mãos ao lado do corpo, prontas para se moverem a qualquer momento que fosse necessário, enquanto o segundo colocava suas respectivas mãos nos bolsos, observando seu oponente por cima com uma expressão aborrecida por alguns momentos antes de cuspir no chão.

— Ex Glace – disse ele, como se o nome fosse uma praga. – Eu queria dizer que estou surpreso em te ver aqui, mas isso seria uma grandíssima de uma lorota. Eu sabia que você estava tomando parte desse ataque, e francamente? Eu meio que já imaginava que iriamos nos enfrentar.

— ... Hum. É mesmo? – Questionou Ex, em um tom que sugeria que ele não estava minimamente interessado nisso.

— Não é um chute muito difícil de se fazer. Você e Odin são os únicos dois do lado da aliança que possuem alguma chance de me derrotar, então é fácil imaginar que eventualmente irei bater de frente com pelo menos um de vocês. – Um sorriso se abriu no rosto de Dokurei ao dizer isso, sinal de que algo em meio a tudo aquilo lhe divertia. – Na verdade, pensando por esse lado, acho que Balak também raciocinou da mesma forma. Isso explica o porquê dele ter me colocado em um andar como esse.

Para isso Ex ergueu uma sobrancelha em sinal de confusão, e Dokurei teve que se segurar para não gargalhar ao ver tamanho absurdo. Ah, não... não vá me dizer que esse cara não entendeu ainda o problema que ele tem aqui? Para alguém que usa gelo, ele não conhece tão bem as suas ferramentas.

— Diga, Ex, o que você acha que faz o gelo que você usa em batalha? Você acha que isso se dá magicamente? Pois se sim, você está errado. A sua magia cria uma reação e aprimora a criação dessa reação, mas ela não faz essa criação em si. Seu gelo não é algo como a sua própria mana congelada; ele é água, líquido transformado em sólido. Não um líquido que você está tirando de um rio ou da chuva, mas da própria umidade do ar. Sabe o que isso significa, certo? Em uma zona com alta umidade, como uma zona tropical ou a maioria dos lugares após um período de chuva, você conseguirá criar mais gelo com uma melhor qualidade. Similarmente, em uma zona com baixa umidade você terá mais dificuldade em criar gelo, e ele virá com uma qualidade pior. E talvez você não tenha noção disso, Ex, mas deixe-me lhe contar um segredinho: desertos são zonas de baixa umidade do ar.

Lançou uma de suas mãos em direção a Ex ao dizer aquilo, e dela veio uma onda de veneno que avançou contra o mago do gelo na forma de um grande dragão carmesim venenoso. O mago teve uma reação rápida a isso, mas uma que também era estúpida; ele bateu uma palma na outra, e com suas habilidades criou uma muralha de gelo a sua frente. Há! Que piada! Aquela muralha foi como uma parede de vidro para o seu dragão; ele esmagou-a em pedaços sem que ela conseguisse sequer atrasar a sua investida, pegando Ex de surpresa e forçando o mago a saltar para o lado, evitando suas presas por muito pouco.

— Ei, ei, Ex! Eu não pensei que você era estúpido, seu idiota! Eu disse, não disse? Seu gelo tem uma qualidade pior em zonas com pouca umidade como essa! – Viu o mago ranger os dentes ao ouvir o tom zombeteiro de Dokurei, e isso só fez com que o homem-veneno se divertisse ainda mais com aquilo. – Hahaha, que azar, Ex! Você é um dos poucos aqui que tem alguma chance contra mim, mas você está no pior lugar possível para me enfrentar! Não importa o quão forte você seja como um mago, ninguém é capaz de se opor a mãe-natureza e às leis do mundo!

Seu dragão havia passado ao lado do mago sem o atingir antes, mas foi fácil fazer com que ele fizesse a volta e investisse novamente contra ele, e enquanto ocupava Ex com ele Dokurei se aproveitou da chance que tinha para criar um segundo dragão que também lançou contra seu oponente, visando-o colocá-lo entre dois grandes perigos. Vamos, vamos, vamos, vamos, vamos! Me mostre do que você é capaz, Ex Glace! Você é um dos Seis Tecelões, certo? Isso significa que você deve ter algumas outras cartas na manga! Eu sugiro que você as mostre logo! Se você não fizer nada, você vai acabar morto em questão de instantes!

Ex viu ambos os dragões avançando contra ele, mas por mais que seus dentes rangessem em frustração, ele não demonstrou pânico em seu rosto nem por um instante. Sem perder tempo ele começou a correr, e os dragões foram direcionados por Dokurei para irem atrás dele. Hahaha, correndo, Ex? Covarde! Acha que pode realmente escapar assim tão fácil? Que eu te deixarei simplesmente fugir dessa forma? Há! Pense de novo! O Terceiro Andar não era o campo perfeito para enfrentar aquele inimigo apenas devido a baixa umidade natural dele, mas também por uma questão bem simples, mas extremamente importante; ele era apenas um deserto, o que significava que ele era um monte de nada mais além de dunas e dunas. Não importa para onde você corra, não há lugar para se esconder, não há construções ou estruturas que podem lhe servir de abrigo! Você não tem como escapar de mim, Ex Glace!

Mas escapar nunca havia sido o objetivo de Ex.

Enquanto corria o mago jogou a cabeça para trás, olhando para confirmar se ambos os dragões estavam atrás dele. Quando confirmou isso, ele tomou uma decisão ousada; saltou e girou em meio ar, aterrissando firme sobre suas pernas em meio a areia. Bateu suas mãos com força uma na outra, fechou os olhos para se concentrar por um momento, e então ar gélido surgiu ao redor de ambos os seus braços. Ele ficou bem onde estava, completamente imóvel, mesmo enquanto os sons deixavam claro que os dragões estavam vindo em sua direção.

Foi só quando os dragões estavam prestes a atingi-lo que Ex abriu novamente os olhos, e quando o fez eles estavam completamente brancos, com um brilho intenso vindo deles. Suas mãos se moveram rapidamente, e ambas dispararam em direção aos dois dragões como se buscassem pará-los, segurá-los para impedir que eles continuassem a avançar, e embora não tivessem feito exatamente isso, o que elas fizeram foi muito além, pois no momento em que suas mãos tocaram os dragões, eles foram instantaneamente transformados em grandes estátuas de gelo.

Era Branca! — Declarou Ex Glace, segurando agora as duas estátuas que há meros momentos eram os dragões de veneno com tranquilidade imensa, como se não estivesse fazendo nada demais.

O único olho que Dokurei tinha se arregalou ao ver aquilo, quase sem poder acreditar no que estava presenciando. Mas, como...? Isso não é... não é possível... o que diabos aconteceu?! Como ele fez isso?! O veneno que havia usado naqueles dragões era um dos seus mais corrosivos, um veneno agressivo o suficiente para reduzir uma grossa placa de aço a nada em cerca de um minuto sem dificuldade alguma. As mãos dele deveriam ter caído no momento em que o veneno tocou nelas, mas isso obviamente não aconteceu. Isso significa o quê, que a habilidade dele conseguiu ser ainda mais rápida do que o meu veneno?!

— Pela expressão no seu rosto, parece que você não tem ideia do que aconteceu aqui. Normalmente não me dou ao trabalho de dar explicações, mas como você é o primeiro em alguns anos que me faz recorrer a um recurso como esse, vou ser generoso – murmurou Ex, caminhando calmamente em direção a Dokurei com aqueles mesmos olhos brancos no rosto, fitando-o intensamente como se fossem olhos mortos. – Eu não sou um mago do gelo por gostar particularmente desse estilo de magia. Por mais que ele possibilite uma boa criatividade e seja útil em múltiplas situações, ele é um dos estilos mais simples de magia que esse mundo já viu, e existe uma abundância de estilos de magia que, embora sejam mais complicados, são mais poderosos do que esse. Eu provavelmente seria capaz de aprender a maioria deles caso me aplicasse, mas escolhi o gelo, por pura conveniência. A minha Aloeiris se chama “Deus Frio”, e ela me concede poderes elementais sobre o gelo. Entende o que quero dizer com isso? Escolhi o meu estilo de magia pois ele condiz com a minha habilidade natural, permitindo que eu a evolua ao nível mais alto e com que minhas habilidades sobre o gelo sejam praticamente ilimitadas. Tanto que, graças a junção entre a minha magia e Aloeiris, eu consegui alcançar a habilidade mais poderosa que qualquer usuário de qualquer elemento pode ter, a manifestação do domínio completo sobre esse elemento em questão: a “Era”.

No momento em que Ex disse aquilo, o próprio mundo ao redor deles começou a mudar. As próprias areias abaixo dos pés de Ex começaram a congelar, e esse congelamento se alastrou em uma velocidade absurda, fazendo com que tudo até onde os olhos de Dokurei podiam ver fosse congelado, grandes dunas de areia se transformando em colunas de gelo cristalino. Mas isso não foi tudo, não. Logo após a areia ser congelada, estruturas começaram a se erguer do próprio gelo de Ex. Torres, casas, castelos, catedrais, fortalezas... as estruturas se erguiam como se quisesse arranhar o próprio céu, soberanas sobre todos, altas como se fossem esculpidas por gigantes. Não demorou mais do que três minutos para que tudo aquilo acontecesse, mas isso foi mais do que o bastante.

Em menos de três minutos, Ex havia criado um mundo de gelo particular do que momentos atrás era o Deserto de Ossos.

— Pouco tempo atrás, Dokurei, você estava fazendo afirmações em relação ao meu poder. Falando sobre como eu não crio gelo a partir da minha mana, mas sim da umidade. Falando sobre como em uma área de umidade menor o meu gelo será mais fraco e difícil de fazer. Você é capaz de compreender a arrogância e prepotência contida em cada uma dessas afirmações? É muita ousadia da minha parte agir como se você entendesse a minha habilidade melhor do que eu. Permita que eu lhe dê uma explicação acurada das minhas habilidades: elas não dependem de fatores externos. Um ambiente propício é realmente vantajoso para mim, mas não alimente a ilusão de que vou ficar mais fraco em um ambiente com condições contrárias a essas. Como alguém que domina a “Era” do gelo, o meu poder é congelar qualquer coisa e fazer criações de gelo ilimitadas, sem que nada possa me parar!

Um dragão de gelo manifestou-se a partir de uma das mãos de Ex ao dizer aquilo, e com um rugido bestial o dragão se moveu pelos ares, avançando direto contra Dokurei. Maldito, você planeja mesmo me atacar com um ataque tão similar ao meu?! Sentiu vontade de rir diante da ironia da situação, mas o divertimento que podia achar naquilo foi sobrepujado pela sua absoluta ira em ser tão subestimado. Não vá se achando, Glace! Você pode congelar as coisas mesmo aqui: ótimo, bom pra você! Mas isso não muda nada! Com gelo ou sem gelo, você não vai me derrotar, seu Bosta Branco!

HYDRA! — Gritou o Demônio Escarlate, reunindo veneno ao redor de seu braço direito por um momento para então lança-lo de uma só vez contra o ataque de Ex. Em meio ar o seu veneno assumiu a forma de uma serpente de duas cabeças, rugindo de forma monstruosa, e as presas dessa serpente bateram de frente com as do dragão de gelo de Ex. O impacto dos dois gerou uma onda de choque forte o bastante para fazer com que os cabelos de Dokurei balançassem, mas não estava prestando mais atenção naquilo. Isso não pode ser tudo. O dragão havia parecido ameaçador, mas uma simples hydra havia sido o bastante para lidar com ele sem grandes dificuldades, o que indicava que a força por trás daquele ataque não era nada muito impressionante. Com o poder que ele exibiu ao congelar tudo isso, seria estupidez da minha parte assumir que ele só é capaz de algo assim. Ele deve estar planejando alguma outra coisa.

Assim que o dragão e a hydra destruída pararam de obscurecer a sua visão, Dokurei não perdeu tempo em olhar para onde Ex estava antes, e tal como imaginava, não viu sinal algum do Tecelão ali. Tch. Vejamos agora, ele pode ter se movido para a esquerda ou talvez recuado um pouco..., mas não, ele não fez isso. Isso não é o que eu faria em uma situação dessa. Em uma luta como essa, você deve avançar, conquistar espaço e empurrar o seu oponente contra a parede. Ele não havia afastado pela frente, no entanto, já que teria visto algo assim se tentasse, e com o chão congelado era impossível que ele estivesse avançando pelo solo sem que pudesse saber disso. Isso significa que só resta uma alternativa pela qual ele pode estar avançando...

Ergueu seus olhos e o viu nos céus, bem como imaginava. Em algum momento as mangas das vestes de Ex haviam sido arrancadas, deixando a mostra os seus braços, marcados por tatuagens em um azul claro que pareciam formar alguma espécie de símbolo com o qual Dokurei não era familiar. Suas mãos estavam unidas e abertas, ambas as suas palmas apontando direto para Dokurei, e pelos movimentos da boca dele chutava que Ex estava murmurando algum encantamento naquele instante. Um que ganhou força logo a seguir.

Chuva de Cristal! — Gritou ele, e a partir das suas mãos foram criados centenas de cristais azulados e afiados. Todo o céu pareceu brilhar quando eles começaram a cair em direção a Dokurei em uma chuva brilhante que lhe forçava a desviar o olhar. Entendo, então esse é o seu plano? Fica realmente difícil bloquear um golpe que você não pode ver, e não seria nada fácil evitar um ataque nessa quantidade. Isso é bem pensado, Ex.…, mas não bem o suficiente! O mago havia reclamado antes da arrogância de Dokurei, mas pelo que estava vendo até então, era ele que estava sendo o arrogante. Quão poderoso você acha que é, Ex? Porque nem mesmo os Deuses conseguiriam me derrotar com um ataque tão patético!

Usou seus poderes para criar grandes quantias de veneno rapidamente, e bastou que usasse um pouco mais de atenção para que conseguisse modelar esse veneno conforme a sua vontade. Fez com que ele assumisse uma forma mais sólida e moldou-o para fazer dele uma verdadeira arma, no sentido mais literal possível. Demorou apenas um momento para que estivesse segurando em mãos a sua mais nova arma; uma foice escarlate de tamanho gigante feita de puro veneno, capaz de derreter rochas e montanhas com um único golpe.

Foice da Morte! — Disse ele, girando a arma facilmente contra Ex. Não tinha dúvida de que os cristais de gelo dele deveriam ser duros como diamante ou coisa do tipo, mas isso não fazia diferença perante a um ataque como o seu; eles foram todos derretidos instantaneamente quando a foice lhe tocou, tal como praticamente tudo. A única exceção a isso foi o próprio Ex. No ar como ele estava, o mago não tinha condições de evitar golpe algum, e isso permitiu que sua foice o cortasse ao meio em um único golpe. Heh... hahaha, hahahahahahaha! Isso é tudo, Ex Glace?! Decepcionante! Esperava muito mais de um mago como ele. Esperava por-

Uma dor súbita interrompeu seus pensamentos. Sentiu como se algo estivesse atravessando seu abdômen, e quando olhou para baixo, o que viu foi uma mão suja de sangue emergindo dele. Foi bem rápido em compreender o que isso deveria significar. Ah, não... não é possível.... Olhou novamente para cima, e isso confirmou os seus medos. O corpo de Ex que ele havia cortado em dois... ele se quebrou e se revelou como uma espécie de clone de gelo, um boneco que se despedaçou em pedacinhos e caiu ao chão. Miserável... MISERÁVEL!

Voltou seu rosto para trás, e lá estava Ex, lhe encarando com aqueles mesmos olhos brancos, com suas pernas afundadas em meio ao gelo como se estivessem mergulhadas dentro de um lago.

— Eu disse, Dokurei: a Era é a manifestação do domínio completo sobre um determinado elemento. E domínio completo implica mais do que simplesmente ser capaz de fazer criações de gelo ou algo similar. Domínio completo implica a capacidade de se tornar um com o elemento em questão, e isso inclui a habilidade de se locomover por meio dele ou de criar clones a partir desse elemento.

Seu rosto se contorceu para cuspir uma praga contra seu oponente, mas uma nova dor – ainda maior do que a primeira – o interrompeu quando começou a mover seus lábios. Seu rosto foi imediatamente para baixo de novo, buscando ver o que seu adversário havia feito dessa vez, e foi então que compreendeu exatamente o que Ex estava tentando com aquilo. Esse miserável... ele não quer apenas me perfurar. Ele está usando as suas habilidades para tentar congelar o meu corpo de dentro para fora! Conseguia ver o ar gélido na ponta dos dedos de Ex, e por mais que visse apenas uma pequena quantia de gelo ao redor da ferida, conseguia sentir suas entranhas congelando, uma após a outra. Esse merda... se as coisas continuarem nesse ritmo, eu vou acabar morto!

E não estava nem um pouco disposto a morrer em um lugar como esse, para alguém como ele.

Fechou seus olhos para se concentrar um pouco e girou em torno de si mesmo, fazendo com que sua foice encolhesse instantaneamente e movendo a lâmina dela em direção ao pescoço de seu oponente. Ex estava atento e conseguiu evitar esse ataque, mas ele teve que saltar para isso, e isso fez com que ele tivesse de abandonar Dokurei e o seu progresso. Uma das mãos do Demônio Escarlate foram para suas feridas, visando tanto ajudar a gerar algum calor quanto estancar o sangramento, enquanto a outra continuou a segurar sua foice, preparado para movê-la novamente em direção a Ex a qualquer momento. Merda, merda, merda... isso não é bom, nada bom! Aquela ferida lhe colocava em maus lençóis, e Ex não parecia alguém misericordioso ou que perdia uma oportunidade. Merda... será que as coisas poderiam ficar pior?!

Foi no exato momento que esse pensamento passou pela sua mente que ouviu algo: o som de uma explosão, vindo das portas de entrada do Terceiro Andar.

Você TEM que estar de SACANAGEM comigo! Quase berrou em frustração ao ouvir aquilo, mas a expressão que tinha no rosto se transformou rapidamente em um sorriso aliviado quando viu quem era o responsável por aquilo. Fumaça lhe cobria, impossibilitando que visse a maior parte dele, mas o que podia ver lhe dizia quem era aquele homem, e mesmo se isso não fosse o bastante, a voz dele não deixava dúvidas.

— Então é como eu pensei – murmurou Cleus Jombaek, o Pássaro-de-Fogo do Olho Vermelho. – E pensar que a luta já chegou a esse andar...

O sorriso que se abriu em seus lábios foi um dos mais largos e bobos que já teve na vida, mas simplesmente não podia se conter. A simples visão daquele homem e a compreensão do que a sua presença ali significava era o suficiente para fazer com que ele se sentisse tão aliviado que mal conseguia se controlar o bastante para não jogar a cabeça para trás e gargalhar. Hahaha, perfeito! Simplesmente perfeito! A dama da sorte deve ter beijado a minha bunda, pois a situação está virando ao meu fa-

Seu olho alegre se tornou um olho assustado e arregalado no momento em que a fumaça que cercava Cleus se dissipou, revelando melhor o corpo do homem... bem como relevando o que ele trazia em uma de suas mãos. Enquanto numa delas estava a lâmina de Flamberge, a sua espada flamejante, na outra a sua garra de fogo se fechava ao redor do pescoço de ninguém menos do que Saber, a Amaldiçoada, uma das seguidoras do Juggernaut e uma das mercenárias que estava lutando pelo Olho Vermelho naquela guerra. Ela parece ter apanhado, e acho que consigo ver algumas marcas de queimadura nela, e considerando que Cleus luta com fogo e a forma como ele está a trazendo... ah, bosta!

TOMAR! NO! CU! NO CU, EU DIGO! — Dessa vez ele já não fez esforço para se controlar. Jogou abertamente sua cabeça para cima e dirigiu toda a sua fúria aos céus enquanto os dois outros lhe olhavam com expressões atônitas, sem entender nada. – ESSA PORRA É REALMENTE SÉRIA, DEUSES?! EU PENSEI QUE VOCÊS ESTAVAM MORTOS, SEUS FILHOS DA MÃE! MAS NÃO, APARENTEMENTE NÃO ESTÃO NÃO, PORQUE SE ESTIVESSEM MORTOS VOCÊS PROVAVELMENTE TERIAM COISA MELHOR PRA FAZER DO QUE FICAR BOLANDO MANEIRAS DE ME ENRABAR! SÉRIO, QUÃO FODIDA TEM QUE SER A MINHA VIDA PARA VOCÊS, SEUS MALDITOS SACOS DE MERDA?! DOKUREI TENTA FAZER ALGO DE BOM, TENTA LIBERTAR A PORRA DUMA NAÇÃO DA ESCRAVIDÃO, E O QUE ACONTECE COM ELE? A PORRA DUM BANDO DE FODEDORES-DE-OVELHAS O TRAÍ E MANDA O FILHO DA PUTA PARA PRISÃO, PORQUE EI, É EXATAMENTE ISSO QUE O CARA QUE ESTÁ TENTANDO SER A PORRA DUM HERÓI MERECE, NÉ NÃO? E AGORA?! AH, EU SÓ ESTOU PAGANDO MINHA DÍVIDA PARA COM O GRUPO QUE ME LIBERTOU, NADA DEMAIS! EU NÃO LIGO PARA A CAUSA DELES, ESTOU CAGANDO E ANDANDO PARA O QUE QUER QUE ELES QUEIRAM CAUSAR E SÓ TENHO INTERESSE EM PAGAR A MINHA DÍVIDA DE GRATIDÃO, MAS NÃÃÃÃÃOO, AS COISAS NÃO PODEM SER TÃO FÁCEIS, TEMOS QUE MANDAR NÃO SOMENTE O ARROMBADO DO CUBINHO DE GELO CONTRA ELE COMO TAMBÉM O CANÁRIO DO CU FLAMEJANTE! QUAL A PRÓXIMA, HUM?! QUEM VOCÊS VÃO JOGAR CONTRA MIM A SEGUIR, A VADIA VERMELHA?!

— Que que tem eu? – Já conseguia até imaginar o que deveria ser aquilo pela voz e pela sua sorte, mas virou sua cabeça na direção da qual veio o som mesmo assim, e não se surpreendeu com o que viu. Tendo aparentemente acabado de chegar, estando agora parada próxima a Cleus com uma expressão curiosa no rosto, estava uma mulher de cabelos que vermelhos e negros. Ylessa Farcry, a Besta Rubra. Ao ver que ela também havia chegado e sabendo que ela certamente não era aliada nenhuma, a fúria de Dokurei só fez crescer ainda mais.

EU ESTAVA BRINCANDO, CARALHO! — Gritou ele aos céus, quase arrancando seus cabelos em frustração com tudo aquilo. Não ficou muito tempo assim, no entanto. Ao jogar sua cabeça para cima e gritar, Dokurei havia deixado sua guarda completamente aberta, e ao contrário dos homens, Ylessa não estava disposta a perdoar algo assim. Ela avançou rápido demais para que Dokurei pudesse notar seus movimentos antes que fosse muito tarde, e num piscar de olhos ela já estava bem diante dele, acertando um chute em seu rosto com uma força tão grande que o mero impacto causado pelo golpe foi capaz de criar um rastro de destruição atrás dela, quebrando o gelo de forma tão brutal que alguém seria capaz de jurar que uma rajada de energia foi disparada ali.

Dokurei foi lançado longe girando graças ao golpe, e por onde ele passava o gelo se abria, tamanha a velocidade com a qual o seu corpo foi arremessado. Em momento algum ele pareceu estar perto de cair ao chão, e foi necessário que seu corpo atravessasse três casas de gelo criadas por Ex e atingisse a base de uma grande torre para que ele finalmente perdesse seu momento... apenas para ser imediatamente soterrado sob os escombros da grande torre que caiam continuamente sobre ele. E enquanto tudo isso acontecia Ylessa simplesmente aterrissava calmamente no chão, com suas mãos no bolso e um olhar aborrecido no rosto.

— Cara, eu odeio esses merdas escandalosos – resmungou ela, retirando uma mão do bolso para coçar sua cabeça com ela, antes de virar seu rosto para o lado, em direção a Cleus. – Ei, você, da lâmina de fogo. Eu não me lembro de você dentre o pessoal que veio participar do ataque, e pela sua aparência... eu dar um chute às cegas aqui e dizer que você deve ser o que chamam de “Pássaro-de-Fogo”, hum?

— Isso seria correto – confirmou Cleus, curvando seu corpo respeitosamente para Ylessa em uma reverência formal. – Cleus Jombaek, herdeiro do clã Jombaek. É o prazer lhe conhecer, senhorita Farcry.

— Sim, sim, o mesmo – murmurou Ylessa enquanto balançava a mão, claramente sem se importar nem um pouco com isso. – Mais importante do que apresentações, você poderia me dizer o que diabos está fazendo? Cleus Jombaek consta como um dos nossos inimigos pelo que haviam me informado, mas cá está você, conversando conosco sem preocupação alguma, sem ter feito nada para me impedir de atacar um de seus aliados, mesmo estando bem perto de mim quando avancei contra ele.

— Há um engano entre as suas afirmações, Farcry – apontou ele, fazendo com que Ylessa erguesse uma sobrancelha em interesse. – De fato, eu estava originalmente do lado do Olho Vermelho nessa guerra, mas... coisas aconteceram, e as circunstâncias mudaram. Estou lutando pelo lado da Aliança agora, e tenho aqui o corpo de uma das mercenárias que lutava pelo Olho Vermelho como prova da sinceridade das minhas palavras – e dizendo aquilo ele ergueu o corpo de Saber em sua mão, exibindo-o para tanto Ylessa quanto Ex e deixando que eles vissem bem ela antes de cair sobre um joelho e repousar o corpo da mulher no chão gélido. – Claro, não sou arrogante ao ponto de afirmar que vocês devem confiar em mim apenas devido a isso, portanto, se lhes apetecer, por favor, deixem que eu cuide disso. Dokurei é um oponente poderoso, mas confio na minha capacidade de vencê-lo, e acredito que testemunharem uma luta como essa será prova o suficiente, correto?

— Vou chutar que esse “Dokurei” do qual você está falando é o cara que eu acabei de chutar, e se for mesmo esse o caso, permita-me te responder da melhor forma que consigo imaginar: nem fodendo, meu amigo – retrucou Ylessa, coçando o nariz com o indicador e limpando o dedo na própria calça logo em seguida. – Você tem alguma noção de quanto tempo faz que estou correndo por aqui em busca de uma luta? Muito tempo. Eu fiquei uma eternidade presa naquela porra do Segundo Andar, e não tive nenhuma luta além de uma com um piromaníaco no Primeiro Andar, e essa nem foi uma boa luta! Nem que você me pague que eu vou deixar você tomar a minha luta de mim.

— Eu não tenho sentimentos tão... fúteis quanto os dela, mas também sou contra deixar que você lute sozinho – declarou Ex, cruzando os braços enquanto olhava para Cleus com seus olhos brancos. – Não confio em você, Pássaro-de-Fogo. Essa sua história me parece o tipo de coisa que alguém poderia contar para tentar conquistar a confiança de seus inimigos e apunhala-los pelas costas depois, e francamente não sei se eu me sentiria mais tranquilo se você estiver falando a verdade, considerando que isso significaria que você é de fato um traidor. Mas qualquer que seja o caso, uma coisa que eu sei que é verdade é que Dokurei é um oponente perigoso, e isso faz com que seja estupidez tentar enfrenta-lo um de cada vez. Se temos três aqui que estão dispostos e em condições de enfrenta-lo, então o melhor é lutarmos juntos para o derrotarmos com o máximo de eficiência.

— Sim, isso é o lógico a se fazer – murmurou uma voz que não pertencia a nenhum dos três, mas que o trio era perfeitamente capaz de reconhecer. Os três se viraram na mesma direção simultaneamente, e os olhos dele avistaram a figura de Dokurei, com vestes rasgadas e coberto em seu próprio sangue, em pé sobre a beirada de uma das várias casas que Ex havia criado, com uma expressão estranhamente serena no rosto. – Mas isso não vai adiantar nada.

.... Quando foi que ele chegou ali? Os olhos de Ex se afiaram prontamente ao ver a figura de Dokurei, e o mago soube de imediato que havia algo de muito errado naquilo. Daqui a torre em que ele foi arremessado é uma distância bem considerável, no mínimo cinco quilômetros, e ele também tinha todos aqueles destroços sobre a sua cabeça. Para que ele conseguisse cruzar uma distância como essa nessas condições e com esses ferimentos sem que nenhum de nós conseguisse notar nada... a velocidade necessária para algo assim é absurda, até para os seus padrões. E aquela serenidade, a calma com a qual o homem se virou em direção a eles e com a qual conduzia os seus movimentos.... Isso não é natural. Ele está planejando alguma coisa, eu sinto isso.

— Ex Glace, o Tecelão Branco. Cleus Jombaek, o Pássaro-de-Fogo. Ylessa Farcry, a Besta Rubra. Eu devo dizer, a união de três guerreiros como vocês em prol de um único objetivo é uma coisa terrível, temível até – disse Dokurei, olhando para os três com um olhar que parecia quase que entediado, sem parecer minimamente preocupado com o perigo que eles podiam representar, ou com qualquer plano para derrota-los. – Um de vocês já seria o bastante para me dar uma luta bem trabalhosa, e os três juntos... bem, vamos ser totalmente sinceros e assumir que eu não tenho chance nenhuma vocês três lutando juntos, ao menos não assim como estou. Mas isso só significa que vou ter que recorrer a métodos um pouco mais extremos.

Veneno surgiu nas mãos de Dokurei ao dizer aquilo, escarlate como todos os outros, mas ao mesmo tempo diferente. Os venenos que ele havia usado anteriormente haviam sido bem líquidos e viscosos, similares a uma substância como algum tipo de óleo ou coisa do tipo, o que fazia com que eles fossem fluídos o suficiente para que fossem bem maleáveis e pudessem se mover livremente como os dragões de veneno de Dokurei, enquanto ao mesmo tempo tinham consistência o bastante para serem moldados nas formas que o Demônio Escarlate lhes dava. Aquele veneno, no entanto, parecia mais viscoso, mais consistente, mais... sólido, de alguma forma. Olhando para ele, não parecia que aquele veneno era realmente um líquido, mas sim alguma coisa realmente sólida que havia sido banhada em puro sangue. Mas era ao mesmo tempo claro que não era realmente esse o caso, pois a forma como o veneno foi se estendendo pelo braço de Dokurei e ganhando seu torso e seu pescoço era claramente algo que não podia ser atribuído a nenhum sólido, mas ao mesmo tempo, a forma que ele ganhava logo depois fazer isso era anda se não sólida. A medida que o veneno ia se estendendo pelo corpo do Demônio Escarlate ele também tomando uma aparência sólida como a que a foice dele havia tido, se tornado uma espécie de armadura vermelha que estava lentamente cobrindo todo o corpo de Dokurei.

— Anos atrás, quando eu ainda lutava na esperança tola de libertar Fredora, eu tive de enfrentar todos os exércitos da nação sozinho. Isso não foi uma tarefa fácil. Com meu veneno eu podia tirar muita gente da batalha, e sendo apenas um homem eu conseguia fazer um bom estilo guerrilha, mas eu mesmo assim acabei me vendo frequentemente em batalhas com exércitos inteiros, cheios de soldados e mercenários poderosos. Oponentes que eu não podia derrotar só com isso – disse Dokurei, enquanto o veneno ia cobrindo todo o seu corpo. A essa altura ambos os seus braços e o seu torso já haviam sido completamente encobertos pelo veneno solidificado, e ele agora descia para as suas pernas enquanto ao mesmo tempo subia pelo seu pescoço, começando a cobrir seu queixo e suas bochechas. – Para conseguir derrotar aqueles que caçavam a minha cabeça, eu tive que criar uma técnica que ampliasse as minhas habilidades de luta e me desse a vantagem sobre meus inimigos, e, bem, eu consegui o que queria... em parte. A técnica que criei realmente me deu a vantagem que eu precisava e a força necessária para derrotar meus inimigos..., mas ela fazia mais do que apenas derrotar meus inimigos. Ela derretia eles até os ossos e até mesmo além disso, reduzindo eles a nada mais do que poças no chão, e acredite ou não, nessa época eu tinha alguma moral e acreditava que, como um defensor dos “inocentes”, eu não deveria usar uma habilidade dessas. Vocês são as primeiras pessoas a vê-la novamente nos últimos três anos. Apreciem a visão, enquanto ainda tem olhos.

Sua frase foi marcada pela conclusão da sua armadura. O veneno sólido havia coberto totalmente seu corpo, da ponta dos pés até o topo da cabeça. Uma única parte dele não havia sido coberta pelo veneno, e essa era o seu olho remanescente, que parecia encarar os três com uma espécie de brilho avermelhado, sinistro e perigoso. Das costas de Dokurei emergiram dois pares de asas, um maior e de formato similar as asas de um pombo por cima, enquanto da parte inferior saia um par de asas menor e similar as de um morcego, estendendo-se para baixo, no sentido contrário da primeira. Tal como a sua armadura, aquelas asas eram feitas de puro veneno, como ficou bem claro no momento em que viu gotas dele pingarem sobre a casa, derretendo imediatamente tudo o que tocavam e atravessando a grossa camada de gelo em questão de instantes. Isso... não é bom.

O Veneno de Deus...— anunciou Dokurei, erguendo ambas as suas mãos e forjando um par de foices de veneno sólido nelas de forma quase que instantânea, balançando suas armas pelo ar com tanta força e velocidade que o som do fio das suas lâminas for audível. – ARCANJO SAMAEL!



Notas finais do capítulo

Primeiro Andar – O Mundo de Pedra

Ylessa VS Piromaníaco (Vencedora: Ylessa)
Bokuto VS Shiva (Vencedor: Bokuto)
Soulcairn VS Kong (Vencedor: Soulcairn)
Duke VS Bertold (Vencedor: Duke)
Breath, Denis, Zetsuko e Blair VS Alcatraz e Zumbis (Vencedores: Quarteto)
Jane VS Cleus (Vencedor: Cleus)
Syd VS Cleus (Vencedor: Cleus)
Bokuto VS Cleus (Luta Interrompida)
Bokuto e Syd VS Ibur (Vencedores: Bokuto e Syd)

Segundo Andar – O Labirinto Eterno

Maoh VS Zaniark e Byron (Vencedor: Maoh)
Kyanna VS Steelex (Vencedora: Kyanna)
Teigra VS Behemoth (Vencedora: Teigra)
Mefisto VS Zumbi de Zephyr (Vencedor: Mefisto)
Hozar VS Reivjak (Vencedor: Hozar)
Enderthorn VS Octo Gall (Vencedor: Octo Gall)
Bryen VS Octo Gall (Vencedora: Bryen)
Goa VS Saber (Vencedora: Saber)
Anabeth VS Saber (Vencedora: Saber)
Cleus VS Saber (Em andamento)
Valery e Bryen VS Presas (Interrompida; Valery morta)
Senjur VS Presas (Vencedor: Presas)
Bryen e Enderthorn VS Presas (Vencedores: Bryen e Enderthorn)

Terceiro Andar – O Deserto de Ossos

Hozar VS Gunlamar (Luta Interrompida)
Trevor e Marco VS Gunlamar (Vencedores: Trevor e Marco)
Trevor e Marco VS Dokurei (Vencedor: Dokurei)
Ex, Cleus e Ylessa VS Dokurei (Em andamento)

Quarto Andar – A Catedral

Hozar VS Tristah (Em Andamento)

Quinto Andar – Elísio

Kastor, Ekhart e Shell VS Balak e o Anjo de Sangue (Fragmentada)
Kastor e Ekhart VS Balak (Em andamento)
Shell VS Anjo de Sangue (Vencedor: Shell)

Primeiro Andar Subterrâneo – Terra das Bestas

Odin e Soulcairn VS Hashmaul e zumbis de Gwynevere e Ezequiel (Em andamento)

Segundo Andar Subterrâneo – Terras Úmidas

Titânia, Vaen, Chappa e Dayun VS Retalhador (Vencedora: Titânia – Vaen e Chappa mortos, Dayun inconsciente)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Olho Vermelho" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.