Contágio escrita por MrArt


Capítulo 79
Estação 4 - Capítulo 79 - Próximos de Deus


Notas iniciais do capítulo

Heeeeey! último capítulo da temporada! Algo está para acontecer e pode ser muito, mas muito grave!

Boa leitura!



— Não pode ser! – Polly gritou no meio do corredor, indo em direção ao local onde ficava o arsenal. Mikhail estava logo a frente e Irina, Jenny, Monna e Akio atrás – Como que levaram tudo! Boone e Tobbie não podem ter feito uma sabotagem desta conosco!

— Está aí a prova! – Mikhail parou em frente à porta, Polly entrou no cômodo e viu todas as prateleiras, suportes e armários vazios – Levaram todas as nossas coisas! Não temos mais nada! Vasili vai ficar maluco quando voltar.

— Nós não podemos fazer nada, foram Tobbie e Boone que levaram as coisas, não a gente! – Jenny falou, mas por dentro ela se sentia culpada, ela os ajudou a localizar a saída, que acabou levando a todo esse problema.

— Você já esteve aqui, quem não me garante que os ajudou – Mikhail falou se aproximando de Jenny, ficando frente à frente para a moça, botando o dedo no rosto de Jenny.

— Ela não tem nada com isso, tira esse dedo imundo de perto dela, seu imundo! – Irina falou dando um tapa na mão de Mikhail, que se irritou e foi para cima de Irina.

— EI! PAREM COM ISSO! – Monna gritou tentando apartar a briga junto com Polly e Jenny.

— Temos problemas maiores! – Polly falou tirando Mikhail de cima de Irina, que estava agora sendo segurada por Jenny e Monna – Mischa também sumiu, ele pode ter ajudado eles na fuga! Nunca se sabe! Aprenda quem são todas as pessoas envolvidas antes de julgar uma só! – Polly falou, ainda segurando Mikhail, que ainda parecia muito nervoso.

— Pode me soltar? – Mikhail perguntou e Polly o fez.

— E agora, o que vamos fazer sem defesa? Só temos armas de corpo a corpo e minha arma só tem três balas. O seu revólver há quantas? – Akio perguntou fazendo uma recontagem de suas balas.

— Apenas uma – Polly falou olhando a roleta do revólver – E vocês? – Olhou para Mikhail e o restante das garotas.

— Acho que tenho um revólver carregado em meu quarto – Mikhail falou e todos ali ficaram aliviados.

— Apenas armas de corpo a corpo – Jenny respondeu.

— Vasili levou as armas do balcão – Irina disse baixo.

— Há facas na cozinha, pode servir para alguma coisa – Monna falou.

— Ótimo – Polly disse um pouco mais calma – Monna, quero que leve Anastásia e Nitori junto com você para a cozinha e peguem todas as coisas afiadas que há por ali – Monna assentiu e saiu do corredor – Mikhail, quero que pegue sua arma e procure o Mischa pelo prédio, se não o encontrar, pode ter certeza que ele ajudou Tobbie e o Boone – Mikhail revirou os olhos e foi ao seus afazeres – Jenny e Irina, fiquem na enfermaria ajudando o Dimitri com a Bel e o Ygor – As duas foras – Akio, fique de olho no saguão, a Katya deve estar por lá ainda, então não tente incomodar aquela mulher.

— O que você pretende fazer? – Akio perguntou, enquanto arrumava seu casaco – Não podemos esperar tanto tempo até Robert e os outros chegarem, é muito arriscado, e temos a Renata ainda, ela não parecia muito contente quando Mikhail falou que as armas sumiram.

— A Renata não vai fazer algo que ela não queira, deixe-a em paz – Afirmou - Tem uma sala no segundo andar que é a de vigilância – Polly disse um pouco animada, fazia tempos que ela não se envolvia com tecnologia – Tem computadores e o gerador está funcionando, posso tentar fazer uma vigilância de todo o terreno do cassino. Também tenho os walkie-talkies, preciso tentar avisá-los de qualquer modo – Polly falou enquanto se afastava de Akio, indo em direção as escadas.

— Tem certeza que isso vai dar certo? – Akio perguntou com um grito.

— Não custa nada tentar! – Polly respondeu no mesmo tom de voz, sumindo pelos corredores logo em seguida. O cassino estava a todo vapor e praticamente todos faziam alguma coisa para ajudar.

Bel estava em seu quarto, procurando um revólver que havia roubado do arsenal logo que chegou, até que encontrou um sapato em uma estante.

— Sapatos caros, eu nunca tinha dinheiro para comprar um desses, e são muito estilosos! Uow! - Ela falou impressionada com o par de calçados à sua frente, quase esqueceu da movimentação no cassino. Bel calçou o sapato logo em seguida.

No quarto de Katya, estava tudo calmo, a mulher estava sentada na cama, quando o filho, Ygor, apareceu.

— Está tudo bem? - Ygor entrou no quarto, se sentando ao lado da mãe, que segurava um terço de madeira.

— Estou apenas rezando - Katya sorriu para o filho - Sinto que estamos próximos de Deus a cada minuto - A russa disse e Ygor apenas abraçou a mãe logo em seguida, num único momento reconfortante.

Enquanto isso, Tobbie chegava com Anne nos portões do cassino, ambos molhados pela chuva, ele começou a gritar por ajuda. Parecia que o cassino estava vazio, mas podia ouvir o movimento dentro do local.

— Merda! – Tobbie gritou e olhou para Anne, que ainda estava nos braços do rapaz.

— Vai dar tudo certo – Anne deu um sorrio fraco. Ela olhou para a porta principal do cassino quando uma pessoa apareceu ali.

— Graças a Deus! – Tobbie disse aliviado, vendo que Bonnie era a pessoa que havia saído – Precisamos de ajuda!

— Cadê as armas?! – Bonnie gritou impaciente, mal notando que Tobbie carregava Anne em seus braços – Estão todos malucos atrás de você, do Boone, Mischa e do Ford, principalmente o Ford! – Bonnie começou a aumentar a voz – E quem é essa mulher que está com você?! – Perguntou, ainda irritada.

— Ela foi mordida, precisa de ajuda do Dimitri, eu vim em paz! – Tobbie disse desesperado – Juro que não vou aprontar nada, Ford e Boone sequer estão aqui – Ele se lembrou de Mischa – Mischa está no cassino, apagamos ele e fizemos tudo o que vocês descobriram – Bonnie ficou com a boca entreaberta – Porra Bonnie, precisamos de ajuda com ela!

— Só não posso deixar você entrar aqui, irei ajuda-la – Bonnie falou e Tobbie concordou plenamente – Saia daqui antes que Vasili volte.

Tobbie entregou Anne para Bonnie, com a ajuda de Danita – Que notou o movimento nos portões e foi ver o que acontecia -, e esperou elas entrarem junto com Anne para dentro do cassino. Após o portão ser encostado por ele enquanto as três entravam, ele deu um suspiro por tudo ter dado certo.

Não por muito tempo.

— Então é aqui que esses desgraçados estão? – O olho de Tobbie arregalou ao ouvir a voz de Anton atrás dele.

 

— Arredores de Las Vegas –

 

Vasili, Robert e Kei já estavam em Henderson, tudo por lá parecia calmo, apenas zumbis espalhados aleatoriamente pelas ruas e prédios, casas e becos abandonados. Vasili dirigia para onde era o antigo abrigo de Anton antes dele ser expulso da cidade, era uma antiga fábrica de madeira onde o grupo residia, ou pelo menos o grupo sobrevivente. Os três desceram do carro e foram em direção ao prédio, notando até mesmo a porta principal aberta.

— Não tem nenhum deles por aqui – Vasili falou entrando na fábrica, notando todas as instalações vazias, o silêncio se tornava insuportável - Não estão aqui! Que porra! – O russo gritou nervoso – APAREÇAM SEUS INUTÉIS!

Nenhum deles apareceram.

— Nós vamos procurar por outros lugares do bairro, tem vários lugares que não revistamos! – Robert falou, indo em direção à saída.

— Eu não teria tanta certeza disso... – Kei falou pegando uma enorme cartolina presa a uma parede ao lado. Kei leu o aviso no cartaz e começou a entrar em desespero, Vasili foi até a moça e pegou o cartaz, ficando do mesmo jeito.

— O que está havendo? – Robert não aguentou de curiosidade e pegou o cartaz – MERDA!

‘’Já sabia que iria vir aqui tentar terminar o serviço, Vasili. Mas estamos apenas começando o nosso em seu cassino’’ S. Anton.



Notas finais do capítulo

Meeeeeeeeeeeu Deus! As únicas pessoas que podem proteger o cassino, não estão nele! O que será que vai acontecer com todas as pessoas que estão ali?! Será que Polly, Akio e Bel irão fazer alguma coisa? Vasili, Kei e Robert chegarão a tempo de evitar algo que Anton possa fazer? Ford e Boone retornarão?

Até a season finale!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Contágio" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.