Sobrevivendo ao inferno escrita por Katrina Mikaelson


Capítulo 10
Finalmente um lar


Notas iniciais do capítulo

Oii gente, fiquei muito feliz de ter tido tempo para escrever esses dias, então espero que gostem do capítulo. Beijos, boa leitura!




Caminhamos em direção à prisão, todos acabamos concordando em tornar aquele lugar em um lar, pelo menos pelo maior tempo possível.

Haviam muitos errantes no interior da prisão, por alguns segundos realmente achei que não fossemos conseguir, mas por sorte esse pensamento se afastou rapidamente.

–Como vamos abrir o portão sem que eles nos vejam? –Maggie perguntou apreensiva. –

–Não tem como sermos silenciosos, mas eles são muito lentos para conseguirem nos pegar todos juntos. –Rick respondeu a ela. –

–Alice e eu podemos ir na frente, podemos matar alguns para dar passagem. –Daryl se pronunciou. –

–Vocês tem certeza disso? –Rick questionou cauteloso enquanto alternava seu olhar entre mim e Daryl. –

–Sim. –Respondemos juntos. –

Rick se virou para T-Dog e o pediu para abrir o portão e Glenn ajudou-o.

Daryl e eu corremos para dentro da prisão, o pátio era extenso e não havia muita coisa para servir de arma caso fosse preciso, estava vazio. Exceto pelos errantes que nos viram assim que conseguimos entrar. Alguns deles se aproximaram de nós, talvez uns quatro, mas foram facilmente abatidos.

Finalmente matamos os errantes que se acumulavam nos portões de entrada, então sinalizamos para que o resto do grupo pudesse entrar. Maggie e Beth entraram juntas e Glenn vindo logo atrás, Merle, Rick, Carl e T-Dog em seguida.

Pegamos nossas armas enquanto os zumbis se aproximavam cada vez mais rápido em conjunto. Atiramos em todos possíveis tentando correr até o portão mais próximo.

Maggie e Beth conseguiram chegar até lá, ela gritava para que Glenn a seguisse, mas ele não o fez. Estávamos um pouco ocupados afastando os errantes da grade.

–Daryl! Uma ajudinha seria legal! –Gritei para ele enquanto dois errantes me encurralavam contra a mesma grade. –

–Eu estou um pouco ocupado agora Ali. –Ele me respondeu a poucos metros de distância, Daryl estava de fato ocupado, ele lutava contra outros cinco errantes que tentavam devorá-lo. –

Rick, Carl e Merle não pareciam estar em situações muito diferentes, eram muitos deles. Nós tínhamos que dar um jeito de entrar. Foi aí que me lembrei da faca que Daryl me dera. Chutei o zumbi o mais forte possível, e no exato momento agarrei o cabo da faca em minha bota. o mesmo cambaleou ainda rugindo e babando, assim que ele caiu, cravei a lâmina em seu crânio e o cadáver caiu inerte no chão empapado de sangue.

Quando olhei para o lado, Daryl estava lá, ele havia conseguido derrubar quatro dos cinco errantes, mas o último que restou eu fui capaz de atacar. Peguei uma flecha e perfurei o olho do mesmo, que assim como o outro caiu inerte no chão.

Daryl sorriu para mim em agradecimento e o encarei retribuindo o sorriso. Por um momento desviei meu olhar e pude ver Glenn, Carl, T-Dog e Rick se juntarem às meninas no pequeno corredor atrás da grade de metal.

Merle veio até nós com um sorriso perturbadoramente triunfante nos lábios e isso me causou arrepios.

–Achei que isso fosse uma missão suicida, mas na verdade... Foi divertido. –Ele disse rindo quase sem humor. –

–Fale por você. –Retruquei. –

–Vamos, entrem logo! –Ouvimos a voz de Rick gritar para nós três do corredor. –

***

Adentramos o bloco de celas que parecia estar parcialmente limpo.

–Tem certeza de que é seguro? –Beth e Carl fizeram a mesma pergunta quase ao mesmo tempo. –

–Bom, este bloco é. –Rick respondeu. –

–Precisamos checar o resto da prisão. –Eu disse. –

–Não agora, temos que descansar. Podemos fazer isso amanhã. Enquanto isso, permaneçam no Bloco C. –Rick nos pediu. –Daryl, Alice, vocês podem ficar com as chaves reserva do Bloco. –

–Por quê a gente? –Perguntei curiosa e desconfiada. –

–Porque confio em vocês.

Ok, agora ele me surpreendeu, achei que Rick não confiava em nós, e para ser sincera nunca achei que ele fosse um dia. Mas de certa forma me senti feliz em saber que tínhamos conquistado a confiança do grupo.

***

Já estava anoitecendo, cada um escolheu uma cela e já estavam quase todos dormindo. Andei pelos corredores para ter certeza de que todos estavam bem.

Percebi que Maggie e Glenn dividiam a mesma cela, sorri por um instante e fiquei feliz por eles, quer dizer, eu já cheguei a sentir um pouco de inveja do relacionamento deles, mas eu não via motivo para isso.

Eu sabia que Daryl e eu não tínhamos um relacionamento exatamente sólido, mas para mim o que eu tinha com ele era o suficiente para me fazer feliz.

Quando tive certeza de que estavam todos bem, voltei para minha cela, Daryl havia deixado claro que ele não dormiria em uma jaula, eu sinceramente ri desse fato, e para ser honesta eu não sei por que isso foi engraçado para mim.

Porque independente de quais fossem nossas escolhas, não tínhamos muitas opções de qualquer forma, então eu o consegui convencê-lo de ficar em uma cela ao lado da minha.

Cheguei à minha cela, estava exausta. Tudo o que eu queria era dormir, não fazia idéia de como minhas pernas me mantinham de pé, mas eu também não fazia questão de descobrir.

Fui rapidamente até a cela ao lado da minha, que era a de Daryl, como eu já desconfiava ele não estava dormindo, como de costume ele estava deitado na cama brincando com uma flecha. Eu ri observando a cena. Assim que ele me viu ele largou a flecha se sentando na cama, e sorrindo para mim.

–Eu só vim dizer boa noite. –Eu disse à ele sorrindo também. –

Ele riu.

–O que foi ? –Perguntei. –

–Nada, é que... Eu não sei porque você está me dando boa noite.

–Como assim? –Eu ri tentando não interpretar aquilo de um jeito errado. –

–Eu quis dizer, que você não devia se despedir sendo que você não vai embora.

–Daryl, acredite, eu estou fazendo o possível para não levar esta frase em nenhum tipo de duplo sentido. –Eu debochei. –

Ele riu novamente, desta vez uma risada não exatamente de deboche como costumava ser, Daryl às vezes tinha seus truques, os quais ele nunca me contou, mas fazia questão de tentar me seduzir com os mesmos.

–Está brincando não é?

–Claro que não, algum problema em passar a noite aqui?

Sorri, eu sabia que ele não estava brincando. E como eu já disse Daryl ainda tem um jeito único de me surpreender.

–Nunca disse que tinha um problema. –Respondi, ele entrelaçou as mãos em minha cintura, me beijou e me puxou para sua cela. –

E sim, agora eu finalmente acreditava que tínhamos um lar, e pelo menos agora, nós podíamos parar de fugir e nos concentrar em nossas vidas, não somente nossa sobrevivência.



Notas finais do capítulo

Bom, é isso. Em breve, o próximo capítulo! Se gostaram, comentem e até lá, beijos!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Sobrevivendo ao inferno" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.