Sobre Humanos e Deuses escrita por S Laufeyson


Capítulo 20
Capítulo 18 - Escolhas e Consequências


Notas iniciais do capítulo

Boooom dia, amores!!!
Enfim, trago mais um capítulo para vocês e vamos chegando ao penúltimo capítulo antes do final do segundo arco. Espero que gostem!!!



O cheiro do molho de queijo espalhou-se pela cozinha quando Steve desligou a panela. Mesmo que Roxie tenha se prontificado a cozinhar, o capitão não abriria mão de ajudar. Isso rendeu dois pratos e uma xícara quebrados, a cozinha completamente suja e farinha grudada nos cabelos.

A guerra começou depois que Steve, trazendo a farinha para fazer a massa do macarrão, tropeçou e derrubou tudo em cima da ruiva. Mesmo que o capitão tenha se desculpado inúmeras vezes, ela pegou dois ovos e quebrou nos cabelos loiros.

Ele indignou-se. Havia derrubado a farinha sem a menor intenção, mas Roxie fez tudo propositalmente. Sendo assim, revidou com mais farinha.

Assim a guerra começou.

Tendo o seu final com um magnifico tombo dos dois e um constrangimento terrível logo em seguida. Roxie escorregou, em uma mistura grudenta, e acabou levando o capitão consigo.

– Você vai me ajudar a limpar essa bagunça. – falou Roxie embaixo de Steve.

– Claro. – respondeu sorrindo. Estavam próximos e a posição que se encontravam não ajudava muito. Steve começou a aproximar-se de Roxie, cada vez mais, levando seus olhos azuis diretamente até a boca da mulher. Ele desejava beijá-la, mas o olhar que ela lançou-lhe, fez com que desistisse imediatamente. Levantou-se e ergueu a mão na direção dela, colocando-a de pé outra vez. – Eu preciso te perguntar uma coisa.

– Pode perguntar. – respondeu respirando fundo.

– Você ainda o ama?

– Steve, não...

– Ama, Roxie? – Ele falava sério, mas baixo. Não estava chateado, apenas queria saber a verdade. – Eu preciso saber. Não quero ficar me iludindo, achando que eu posso ter uma chance.

– Amo. – respondeu tristemente. – gostaria muito de dizer que esses dois meses me ajudaram a superar, mas eu estaria mentindo. Ele me machucou e isso não vou esquecer. – por fim respirou fundo, tentando impedir que as lágrimas começassem a correr. Não queria chorar. Steve segurou em sua mão e a puxou para um abraço. Os dois, ainda lambuzados de farinha e ovos, permaneceram na cozinha por um tempo, até o micro-ondas apitar e informar que o molho de tomate estava pronto.

Os dois se separaram e a mulher foi finalizar aquele macarrão. Antes, entregou uma toalha para Steve e mandou que ele fosse tentar dar um jeito em si próprio.

Dava para fazer um bolo com os ingrediente que grudaram aos fios loiros. Ele parecia estar em pior estado que ela, embora a ruiva tivesse com os cabelos completamente brancos. Deu uma sacudida nos fios e a poeira espalhou-se pelo lugar. Concluiu o serviço e sentou-se em um banco. Chorou.

Ela não queria mais sentir aquilo por Loki, não queria. Steve era tão amoroso com ela, completamente o inverso do que o deus havia sido nos últimos dias. Steve seria um bom namorado, cuidaria dela, a protegeria. Assim como havia feito anos antes. Ela lembrava, com detalhes, aquele dia.

Estava voltando para casa, depois de um dia longo e estressante de trabalho. Havia recebido o pagamento e por isso teve que sair um pouco mais tarde que o habitual. Trabalhava na indústria bélica, verificando conjuntos elétricos de aeronaves militares. Ela era que certificava que o avião não teria uma pane durante o voo e não traria risco a segurança de seus ocupantes.

Andava apressada quando foi cercada por dois sujeitos, armados, que exigiram que lhe entregasse tudo o que tinha. Ela assustou-se com as armas apontadas e respirou fundo. Tirar as luvas era arriscado, poderiam disparar e acertá-la antes que pudesse tocar em algum deles, mas ela tinha contas a pagar. Pedir dinheiro a seu filho estava fora de cogitação. Ele tinha sua própria família agora para cuidar, não precisava dela para complicar ainda mais a situação.

Por mais que sua cabeça trabalhasse a mil por hora, ela só conseguia ver uma única saída: Entregar tudo e torcer para chegar viva em casa. Esticou a bolsa para o mais baixo e loiro, que puxou com força. Abriu e sorriu ao ver o dinheiro lá dentro. O segundo, mais alto e mais magro, não tirava os olhos das curvas da mulher. Ela não precisava saber ler mentes para ver as intenções dele. Viu aquele olhar, por dois anos, quando Lorenzo se aproximava.

Ele deu um passo à frente e Roxie um para trás. Mesmo com o parceiro chamando, ele disse que queria se divertir um pouco, antes de ir, e que havia encontrado a parceira certa para isso. Roxie segurou na ponta da luva. Ninguém tocaria nela outra vez, ninguém.

O que segurava a sua bolsa, deu um tapa no ombro do parceiro e saiu correndo, dizendo que não faria parte de um estupro. O segundo, estava determinado a consumar o ato.

Assim que ele deu outro passo na direção da ruiva, e ela conseguiu retirar a luva sem que ele percebesse, a garota viu o homem que tentou fugir, voar e chocar-se contra a parede do beco. Caiu desmaiado no mesmo instante.

Então Roxie viu Steve. Usava um casaco marrom, mas era possível ver a roupa de Capitão América por baixo. Havia acabado de sair de uma de suas apresentações e, sem querer, viu a cena quando passava do outro lado da rua. Pegou o primeiro bandido assim que ele se afastou e, agora, estava ali pelo segundo.

O homem virou-se para encarar o capitão e Roxie não tinha para onde correr, era um beco sem saída. A primeira coisa que Steve fez foi certifica-se de que a mulher estava bem e a segunda, foi dar um soco na cara do assaltante. O homem cambaleou, mas não caiu, muito pelo contrário. Partiu para cima do capitão com tudo o que tinha e a luta se estendeu mais do que o esperado. Ele era rápido, mas não tanto quanto Steve. Em um passo errado, o assaltante foi derrubado e nocauteado.

O loiro abaixou ao lado do primeiro homem e pegou a bolsa da ruiva, aproveitando para dar outro soco nele, porque estava acordando. Aproximou-se de Roxie e lhe entregou, advertindo-a de que era perigoso para uma dama andar sozinha por ali, especialmente durante a noite. Ela assentiu e sorriu para ele. Agradeceu por tê-la salvo e seguiu para casa enquanto Steve esperava pela chegada da polícia.

– Eu adoraria saber o que está pensando. – falou o loiro deixando o banheiro e voltando para a cozinha. Aquela viagem ao passado havia acabado.

– Lembrando da primeira vez que nos vimos. – respondeu Roxie levantando-se rapidamente e tentando esconder o caminho que as lágrimas fizeram ao passar por seu rosto melado de farinha.

– A do beco? – perguntou o capitão sorrindo. A mulher o olhou. A camisa estava molhada, como se tivesse sido lavada e vestida outra vez.

– Claro. Tem outra? – Roxie colocou o macarrão na mesa, enquanto falava. Steve levou os pratos.

– Quando nos encontramos outra vez. – falou ele sorrindo.

– Essa não é a primeira vez. A primeira vez foi no beco. – respondeu a mulher cruzando os braços à frente do corpo.

– Foi naquela festa que eu soube seu nome e o quem era você. Então, para mim, foi ali que eu te conheci de verdade. – Ele terminou de falar e sorriu ao ver a mulher enrubescer.

– E foi lá que eu te prometi uma dança, não foi? – Roxie sorriu ao lembrar-se disso. Steve apenas a olhou quando ela seguiu até o rádio e o ligou. – Se não se importar em dançar comigo parecendo um bolo.

– Não mesmo. – respondeu o loiro aproximando-se da garota, colocando a mão em sua cintura e conduzindo-a, conforme a música ditava o ritmo. Dançaram por alguns minutos até que Steve a beijou. O homem segurou seu rosto de uma forma tentadora, apoiando o queixo dela para que não se mexesse, mas logo levando uma de suas mãos até sua cintura e a outra enrolando nas raizes dos fios vermelhos, mas mesmo querendo que aquilo continuasse, Roxie o afastou.

Os lábios estavam vermelhos, assim como os de Steve, e os olhos marejados.

– Eu sinto muito. – ela pediu tristemente. – Eu não posso. Eu não quero machucar você, por favor. Não seria justo ficar com você e pensar em outro. Me perdoe.

– Você não quer esquecê-lo e não vai se libertar se não o fizer. Você vai realmente ficar sofrendo por causa desse amor que nem é correspondido?

– Pare, Steve. – ela abraçou a cintura tentando parar de chorar. – Não tem esse direito.

– Eu amo você, Roxie. – ele despejou por fim. – Acha que eu gosto de te ver chorar? Por causa dele?

– Eu não tenho culpa de sentir o que eu sinto. Se soubesse que isso aconteceria, teria mandado o Fury enfiar essa maldita iniciativa aonde bem entendesse. – gritou ela. – Acho que eu gosto de chorar todas as noites, Steve? Acha que eu quero amar alguém que me feriu como ele fez? Acha que eu quero ficar presa a ele e não conseguir dar o devido valor a homens que são verdadeiros príncipes, como você? Eu não quero, mas não tenho escolha. Não é algo fácil de esquecer.

– Eu sei. – falou o capitão abaixando a cabeça e olhando para o chão. – Eu vou resolver isso.

– O que? – Roxie o encarou perplexamente. Steve deu as costas para a ruiva e seguiu na direção da saída. – Se sair por essa porta, me esqueça. Não precisa se preocupar em voltar. – ela disparou. Sabia que se houvesse uma luta entre ele e Loki, ela poderia perder dos dois lados. – Você não é páreo para ele.

– Mais uma vez me subestima. – o capitão respondeu sem olhar para ela.

– Só não quero ver você ferido. Eu tenho esse direito.

– Você tem? – perguntou ele finalmente virando para ela. – Acabou de dizer que ainda ama o Loki e acha que tem direito sobre mim?

– Eu amo você também, mas de uma forma diferente.

– Isso se chama amizade. – O loiro respondeu segurando a maçaneta.

– Steve, por favor...

– Não se preocupe comigo. Eu sei me virar sozinho. – Ele abriu a porta e saiu apressadamente. Roxie desesperou-se. Correu até o cabideiro para pegar o casaco, mas parou ao olhar-se no espelho. Estava imunda.

Correu até o chuveiro e apenas molhou-se, coisa de cinco minutos. Prendeu o cabelo em um coque e vestiu uma roupa qualquer. Tinha que impedir uma desgraça e se não conseguisse, se colocaria no meio dos dois. Não podia perder o Steve e, por mais que estivesse magoada, não podia perder o Loki.

...

Durante os dois meses que se passaram, Loki focou-se inteiramente a descobrir uma forma de destruir a S.H.I.E.L.D, mesmo que tenha entregado-se a curiosidade de saber como estava a ruiva nesse meio tempo.

Ele descobriu que o governo dos Estados Unidos estava organizando uma reunião diplomática com a Coréia do Norte, para um acordo de paz e, pelo governo saber que a S.H.I.E.L.D tinham os melhores agentes, os convocou para fazer a guarda desse evento. Seria o momento perfeito para derrubar a organização, perante todo o país e, se tudo desse certo, separar os vingadores. Juntos, eram fortes, separados não eram nada.

O único problema é que essa reunião só aconteceria em três meses e até lá, ele tinha que se manter comportado. Por isso seguiu fazendo missões com os outros da equipe. Sempre com Stark, Thor ou a Viúva, mas naquela noite era dia livre.

Estava sentado, em sua cama, completamente entediado. Não conseguia entender como ele foi parar ali. Ainda mantinha a máscara de herói porque queria se vingar, pelo que haviam feito com ele, mas adoraria acabar com tudo em Midgard e destronar Odin de uma vez.

Um a um ia pagar, disso ele não tinha dúvida. Além do mais, ele sentia que o capitão desconfiava dele, sempre por perto e atento a tudo o que ele faria. Estava sendo vigiado, embora nada disso houvesse detido o deus.

Levantou-se e caminhou por seu quarto. Estava pensativo e distraído quando a porta se abriu. Steve entrou por ela rapidamente e o segurou pela camisa, jogando-o contra uma parede. Loki revidou empurrando o loiro para longe.

– Você não a merece. – Steve bradou. O deus entendeu do que se tratava.

– Parece que ela discorda, mesmo tendo você rastejando. – respondeu sarcasticamente. O capitão foi para cima dele outra vez.

– Se você não quer lutar por ela, vá até ela e diga isso. Não a deixe sofrendo por um amor que você não corresponde. Se você não a quer tenha a decência de dizer isso. – Loki tentou sair, mas Steve o forçou novamente para trás. – Assim ela pode enxergar alguém que quer fazê-la feliz de verdade. – Loki empurrou Steve outra vez.

– Quem? você?

– É, eu. – Steve deixou que as palavras saíssem de sua boca. Loki franziu o cenho de uma forma enojada, partindo para cima do capitão. Deu um murro em Steve que desviou rapidamente. Era uma luta sem lança ou escudo. Apenas para que o perdedor soubesse onde era seu lugar. Só não sabiam quem era aquele que se renderia primeiro: O super soldado ou o deus asgardiano.

O loiro deu um chute no abdômen de Loki que afastou-se com o impacto. Steve aproveitou a deixa para ataca-lo com socos e chutes, mas acabou sendo arremessado no meio do corredor dos dormitórios.

Rogers ergueu-se, apoiado na parede, e imediatamente já bloqueou uma sequência de socos de Loki, em seu rosto, que estava determinado a mata-lo. O loiro apenas se protegia até que deu uma rasteira no asgardiano que foi ao chão.

Roxie entrou no corredor nesse exato momento.

– Steve, não. – ela gritou e o capitão virou-se para olhá-la, levando um chute do deus e caindo há alguns metros. A ruiva começou a correr na direção deles, mas foi pega e imobilizada, por alguém que nem ela e nem os outros viram.

Loki ergueu-se em um salto e segurou Steve contra a parede, tentando estrangulá-lo. Estava cego de ódio. O capitão batia nas mãos dele com força, mas aquilo nem sequer parecia fazer cocegas.

– Roxie é minha. – falou Loki entre os dentes e apertou ainda mais o pescoço do soldado.

– Uau. – falou uma voz feminina. – Fico excitada vendo homens brigarem. Especialmente se for por uma garota. – Wanda estava encostada na parede, de braços cruzados e sobrancelha erguida. – Vão em frente, porque isso está perfeito. – Ela sorriu.

– Saia daqui. – Ordenou Loki olhando-a por cima do ombro.

– Mas você nem quer ouvir a minha proposta irrecusável? – Ela fez um bico, mas Loki não respondeu. –Então, vocês podem continuar com essa luta ou podem vir salvar a mocinha. Que é por quem vocês estão lutando, estou certa? – Loki largou o pescoço do capitão e encarou a ruiva seriamente. Era de Roxie que ela falava. Steve respirava fundo, tentado sorver o ar, mas prestava atenção na conversa também.

O deus percebeu de imediato que ali era uma projeção da Wanda, já que houve uma distorção na imagem.

– Onde ela está? – perguntou seriamente.

– Ai estragaria a surpresa, não acha? O divertido é vocês procurarem. – ela sorriu mais ainda. – Têm cinco minutos antes que eu comece a me divertir com ela. – Soltou um beijo para os homens e a imagem desapareceu.

– O que vamos fazer? – perguntou Steve

– Chama os outros, eu vou procurando por ela. – imediatamente várias cópias de Loki começaram a surgir e espalharem-se pela sede. Se uma delas achasse Roxie, ele saberia onde. O verdadeiro seguiu até o quarto que era de seu irmão e bateu apressado. – Eu preciso de ajuda. – falou quando Thor apareceu na porta. O loiro assentiu e o seguiu pelo corredor, até que uma projeção apareceu na frente dele.

– Eu a achei. – falou o falso deus. – Está no terraço. – Loki olhou para o irmão e imediatamente todas as cópias desapareceram. Correram na direção das escadas e em alguns minutos depois abriram a porta de acesso ao lugar.

– E o vencedor é... Rufem os tambores... – Wanda falou alto, segurando Roxie e pondo uma faca no pescoço da ruiva. Ela estava imobilizada por magia. -... Loki!

– Porque está fazendo isso, Wanda? – Perguntou o deus loiro.

– Porque é legal ver o Loki assim. – ela olhou para o deus que estava sério, mas bastante preocupado com Roxie. – É difícil, Loki? Depois de dois meses reencontrá-la sabendo que, qualquer deslize da minha mão, e eu posso fazê-la sangrar até a morte? – Wanda forçou a faca um pouco no pescoço da ruiva e um filete de sangue escorreu, seguido de um grito.

– O que você quer, Wanda? - Loki perguntou entre os dentes,

– Diversão. – ela sorriu e olhou para a ruiva. – É divertido, não é?

– “Roxie, me escute bem. Eu vou tentar bloquear a magia de Wanda e você tenta sair daí, entendeu?” – Loki invadiu os pensamentos da ruiva, como sempre fazia desde que deu um passeio pela mente dela.

– “Sim”. – respondeu olhando para ele. Loki usou seus poderes para anular os poderes de Wanda, mas acabou achando resistência. Ela notou o que ele tentava fazer.

– Não tão rápido, meu bem. – A feiticeira deixou escapar e a ruiva a olhou. Ela havia escutado aquilo antes.

Era visível o esforço que Loki fazia e, consequentemente, o esforço que Wanda fazia. Nenhum dos dois cederia. Loki queria imobilizá-la e ela lutava para que isso não acontecesse.

Enquanto tentava lembrar onde havia escutado aquilo, Roxie sentiu que seus braços e pernas voltaram a ter movimento e com isso tentou correr. Sem intenção alguma por parte da outra ruiva, no momento em que Roxie conseguiu sair das mãos dela a lâmina passou em seu pescoço e, com isso, abriu-se um corte enorme que começou a sangrar.

Thor lançou o martelo na direção de Wanda que, ao ser atingida, caiu desmaiada no segundo seguinte. Loki paralisou e tudo, ao seu redor, ficou mais devagar. Foi assim que o deus passou a ver enquanto a ruiva caiu no chão, com a mão no pescoço, tentando estancar a hemorragia.

Roxie ia morrer e a culpa era dele.



Notas finais do capítulo

É isso amores!!
Espero que gostem desse capítulo.

* Fantasminhas, bem vindos e espero que estejam gostando!
* Quem quiser e puder comentar, deixem-me saber o que acharam desse capítulo, okay? É muito importante mesmo para mim saber o que estão achando, se devo continuar a história ou se devo parar de escrevê-la.
* Vou respondendo os comentários atrasados ao longo do dia, tá amores?????
Amo vocês...