Change escrita por Luuh


Capítulo 4
Capitulo 4 Repostado




Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/488483/chapter/4

Jace estava parado como um cavalheiro, de terno, sem gravata, lindo.

— Clary, você está... linda – ele falou e estendeu a mão para pegar a minha – Vamos?

— Divirtam-se – Izzy falou quando nós dois saímos e ela fechou a porta.

Jace abriu a porta do carro para mim e fomos até o restaurante Daniel. Foram 20 minutos de viajem, nesse tempo conversamos sobre musica, que tipo eu gostava e que tipo ele gostava, e descobrimos que temos o mesmo gosto musical.

Quando chegamos ao restaurante vi como a fachada dele era luxuosa, Jace desceu do carro e me ajudou a descer do carro também, fomos até a porta e ele falou sobre sua reserva recente. A recepcionista nos levou até um lugar privado, passamos por entre as mesas do salao e pude perceber os olhares na gente até que ela parou em uma porta dupla, com cortinas brancas e pesadas.

Atras daquilo se revelada um lindo jardim, com uma mesa e varias velas em volta, e luzes pisca-pisca em cima passeando entre as arvores e as flores.

— Aqui está Sr. Morgenstern – ela falou e se retirou.

Jace puxou a cadeira para eu sentar e ele se sentou na minha frente.

A noite foi bem agradável, Jace era um ótimo cara, apaixonante por assim dizer, o vinho que ele tinha escolhido estava ótimo. Estou apaixonada. Conheci mais sobre ele, e ele conheceu mais sobre mim.

— Então, onde está o pai da Lilly? – ele perguntou.

— Nunca mais o vi, quando contei que estava gravida achei que ficaria comigo, mas ele fugiu. Na época eu fiquei muito mal, mas agora que eu tenho a Lilly vi que ganhei um anjo na minha vida. Sofri muito também pelo preconceito, estava de três meses quando me formei, mas as noticias se espalham rápido, se não fosse pela Izzy, não sei o que seria de mim agora – falei.

— Estou disposto a te fazer uma proposta – ele falou e os garçons tiraram o nosso prato da janta falando que iam levar o cardápio da sobremesa. – Quero que você e Lilly venham morar comigo, na minha casa.

— Jace eu agradeço por você ter me dado um emprego e.... – ele me interrompeu.

— Eu quero criar a Lilly como minha filha. Eu sei que nos conhecemos faz 24 horas, mas Izzy me fala tanto sobre ela que eu me apaixonei pela menina. Eu e Isabelle temos uma relação que contamos tudo um para o outro e ela me contou tudo sobre você e sua luta. Eu sei que é importante ter uma figura paterna quando se cresce e é por isso que quero adotar Lilly como minha filha – Jace falou e eu estava com vontade de chorar.

— Eu não sei se... – não consegui terminar e ele pegou minha mão fazendo um choque passar por nós. O garçon trouxe o cardápio e esperou nós escolheremos a sobremesa.

Pedi uma taça de sorvete “Coffee-Cardamom” e Jace pediu uma taça de sorvete chamado Madagascar.

— Eu sempre quis ser pai, só que nunca tive a chance, e estou disposto a cuidar de Lilly como se fosse minha filha de sangue – ele falou – Quero uma família, e você e Lilly são o tipo de pessoa que eu quero perto de mim. Não estou dizendo que nós precisamos casar amanhã, só que eu sei o quanto é dificil ser mãe solteira, tudo que acontece cai em cima de você a responsabilidade e acho importante todos termos uma figura paterna. Aceita? 

— Como você disse é realmente dificil não ter uma figura paterna, e eu fico muito grata por ter tido o Luke comigo, não quero que Lilly passe o mesmo que eu passei por isso eu aceito sua proposta. – falei e ele sorriu, tocando minha mão de novo, inclinando o corpo um pouco.

Fiz o mesmo que ele, fechei os olhos, nos íamos nos beijar, isso era meio que certo e foi ai que...

Jace encostou seus lábios nos meus, causando arrepios no meu corpo inteiro, eu estava apaixonada, com certeza, seus lábios mostravam resistência mas eram macies e gentis, diferente do beijo do traste do pai da Lilly.

Foi um beijo calmo, romântico e logo acabou por falta de ar, foi um beijo tão intenso que nos deixou sem ar. Com certeza eu estava da cor do meu cabelo, tinha um sorriso bobo nos lábios e minhas bochechas estavam quentes.

— Não fizemos nada de errado Clary, é isso que dois adultos fazem geralmente – ele falou e nosso sorvete chegou.

Eu estava completamente envergonhada e comia o sorvete em silencio.

— Clary? Está tudo bem? – Jace perguntou e eu olhei nos seus olhos.

— Me desculpe é que, depois do pai da Lilly nunca mais fiquei com um cara e não é normal sair beijando caras que eu conheço a 24 horas – falei – eu gostei.

Jace sorriu e eu dei um sorriso bobo.

— Quando podemos organizar a sua mudança? – ele perguntou.

— Na próxima semana – falei – Minha mãe precisa de espaço o quanto antes, eu sei que ela ama eu morando lá com ela, mas ela precisa seguir sua vida, com o Luke – disse.

— Então, sugiro que ja comece a organizar suas coisas – ele falou – Irei arrumar os quartos.

— Obrigada, por tudo que você vai fazer pela Lilly – falei.

— A primeira coisa que irei fazer é coloca-lá em uma escola de línguas, quando mais antes saber diversas línguas, melhor – ele falou – e ira ir para uma ótima escola, Lilly terá uma educação profissional.

— Não imaginei que iria levar tudo isso a serio – disse surpresa.

— É o que geralmente os pais fazem – quando ele disse aquilo meu coração parou.

Ele tinha conhecido Lilly em 12 horas e já estava se chamando de pai.

— Uol – falei.

— Foi muito depressa?

— Foi – falei – mas foi bom. Pelo menos Lilly terá uma figura paterna e condições muito melhores do que eu poderia dar.

Terminamos o jantar com uma boa conversa, tudo estava rápido demais, isso obviamente era coisa da Izzy, ela deve falar tanto de mim para o Jace que ele deve saber todos os meus segredos, ou saber mais sobre mim do que eu mesma.

Quando ele me deixou em casa naquela noite, ele depositou um beijo próximo da minha boca me fazendo corar, o único homem que eu namorei foi o traste do pai da Lilly, ainda não sabia direito como lidar com alguém tão próximo de mim.

— Boa noite – ele falou e eu entrei no pequeno prédio.

Assim que entrei no apartamento Izzy estava deitada no sofá com Lilly em cima dela, ambas dormindo, Isabelle era praticamente de casa, sempre dormia por lá quando eu tinha que trabalhar e minha mãe não podia ficar com Lilly.

Entrei no meu quarto e coloquei meu pijama mais confortável, tirei Lilly de cima da Izzy e a coloquei na cama ao meu lado, adormecendo logo depois.


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!


Notas finais do capítulo

Demorou mais está aqui! Passem a fic para suas amigas, recomendações também são aceitas!