Você, ele e eu escrita por AmlidArlequina


Capítulo 11
Seu ?


Notas iniciais do capítulo

Não reclamem do meu primeiro contato com o Bucky ser mais falando do que deveria.



 

Capítulo em Terceira pessoa !

Bruce, Natasha e Steve desceram do avião em uma espécie de clareira em um ambiente totalmente calmo e silencioso e não era preciso ter nem mesmo um por cento da experiência de campo de cada um para saber que isso era uma armadilha. Tony sentia todo o seu corpo coçar com a vontade de se enfiar dentro da armadura, mas iria se cuidar por seu filho.

— Tony, relatório de movimentos e sensação de calor do ambiente ! - disse Natasha sem colocar a mão na orelha para usar o pequeno comunicador que se encaixava ali em formato de concha, uma mania que Steve assim como Wanda tinham.

 - Como já era de se esperar, nenhuma assinatura de calor além das de vocês por uma raio de calor de 5 km, que é até onde eu consigo verificar daqui ! - disse Tony, a voz ainda rouca devido a sensação ruim que o preenchia.

Por mais que nenhum daqueles fora ou dentro do avião fossem novatos, situações como aquelas de andar por quilômetros enormes a espera de encontrar finalmente o inimigo eram um saco, literalmente um soco na boca do estômago porque mexia com o emocional de todos.

— Hoje não é um dia em que eu esteja com muito saco para esperar brincarem conosco ! - disse Tony sem sequer desgrudar seus olhos da tela, mexendo em tudo o que podia para conseguir ampliar visão e audição do mundo externo, ao mesmo tempo em que manipulava os próprios controles para acionar sua Mark 54.

— Tony você me prometeu que ...

— Baby eu sei que te prometi não sair do avião e não vou sair, assim como o soldadinho aqui do lado que está com medo de eu resolver sair ! - disse Tony e não era necessário para ele olhar para trás para saber que sua armadura autossuficiente com interface neural epidérmica, mais resistente apesar de mais fina do que as outras Marks devido a capacidade de absorção de impacto que o o gel tinha em relação as outras, estava de pé atrás de si - Soldado, abaixe essa arma, sou eu quem o controla sem sequer olhar pra ela ! 

 - Pensei que ela ainda estivesse sob análise e estudos já que o governo ainda não assinou ainda a Petição Provisória para Patente ! - disse Bruce, fazendo com que Steve virasse os olhos em sua direção - O que foi, eu ajudei a desenvolver a parte inicial desse gel !

— Nada ! - disse Steve endurecendo o maxilar.

— Parem de drama, vocês dois ou eu vou ter de descer daqui ! - disse Tony - E Bruce, você fala como se não me conhecesse. Eu não preciso de assinatura alguma !

Descendo com passos normais e a visão da armadura bem calibrada bem associada a seu olho esquerdo, os Vingadores no chão assistiram a chegada da armadura que nem por estar vazia, deixava de ser parte de Tony. 

— Eu tenho tanto orgulho de você, Tony ! - disse Steve e apesar de não gostar de fazer essas declarações por Tony nunca saber como reagir a elas, não se conteve. Não era algo comum um homem capaz de tudo aquilo.

— Sem isso, Steve. Vou dar uma volta pras coisas acontecerem mais rápido ! - disse Tony no mesmo instante em que a armadura ativou os propulsores inferiores de voo e saiu para cobrir o perímetro, aparentemente nada, mas depois de cinco minutos voando, não era preciso visão de calor, pois um vulto negro em uma moto em alta velocidade passou por sob a armadura atirando contra si, ainda em voo - A este. Bucky Barnes está em uma moto vindo na direção de vocês !

— Hora de esmagar ? - questionou Bruce.

— Soque com bastante força. Se eu não conseguir pará-lo com a armadura ! - disse respirando fundo - Ora ora, reunião de família, papai !

 

Pov's Tony 

Não sabia se era por estar mesmo irritado, por naquele momento o homem conhecido por Soldado Invernal estar dirigindo rapidamente na direção de seu amado e pai de seu filho enquanto atirava sem parar em minha  direção, eu fiz a armadura dar um rasante violento em sua direção com tamanho desempenho que acabei acertando uma árvore e a partindo ao meio já que ele desviou movendo a moto com tanta facilidade que ela parecia ser leve, mesmo tendo aquelas rodas enormes.

Sem me importar com os danos a armadura, que foram minimizados por sua capacidade de resistência a impactos, eu voltei a me jogar contra ele e mais um desvio perfeito, mas não do disparo realizado com o propulsor manual que o mandou para longe da moto, mas ele se levantou praticamente no mesmo instante em que seu corpo tocou o chão. 

Ele era bom, eu sabia pelo que havia lido. Era uma versão mais bruta de Steve e Natasha e ainda tinha aquela porcaria que brilhava como água no deserto, aquele braço biônico que gritava de longe que seria um perigo e um estrago para minha armadura, e talvez ele tenha tido a mesma linha de pensamentos que eu já que veio pra cima de mim com o braço biônico com o punho pronto para um soco perfeito, mas usando os propulsores inferiores, eu pude me jogar pra trás.

— É uma armadilha, galera. Fiquem atentos, tem uma turma vindo pra cá, na verdade, eles estão bem perto de vocês ! – falei quando finalmente me dei pela grande massa de calor que se movia para perto do grupo dos Vingadores em chão. Havia me distraído com Bucky de tamanha forma que esqueci de encarar o outro visor.

— Todos os Stark morrem tão fácil ? – questionei ele e eu não soube se era o Bucky desmemoriado ou o Soldado Invernal, mas precisava saber do que ele estava falando, mas naquele não era o momento certo.

— Você vai vir comigo e com os outros por bem ou por mal ! – falei me jogando a armadura contra ele, aquela armadura podia ser tão violenta e potente quanto ele, mas eu não tinha os reflexos que ele tinha sem estar dentro da armadura, e foi por isso que ele conseguiu jogá-la para muito longe.

— Você eu não sei, mas minha missão é levar o Steve Rogers comigo e eu farei isso nem que eu tenha que matar você e os outros ! – disse ele antes de atirar a motocicleta em cima da armadura utilizando apenas o braço biônico como se ela fosse feita de papel devido a facilidade, mas mesmo acompanhando todas as telas ao mesmo tempo, eu fui capaz de mover a armadura o suficiente para desviá-la do automóvel.

— Steve volte pra perto da Natasha ! – falei no momento em que acompanhei pela tela sua visão periférica, todos estavam lutando, Hulk já estava na ativa e esmagando todos que tentavam se aproximar de Natasha, enquanto eu podia ver Steven derrubando todos os homens pelos quais passava com socos e o escudo, enquanto se aproximava cada vez mais de onde minha Mark estava com Bucky – Eu dou conta de cuidar dele, e estou em segurança !

 - Natasha consegue se cuidar sozinha e não é uma armadura sua por mais eficiente que ela seja que vai prender ou parar Byucky, Tony ! – Sua respiração estava cansada como se ele tivesse corrido muito ou estivesse correndo há tempos, o que não estava certo. Steve corria quase vinte quilômetros com seu amigo Falcão quase todas as manhãs antes de começarmos a namorar e não se cansava antes de chegar ao décimo quilometro.

— Você está bem ? – questionei.

— Estou ótimo, amor ! – disse ele e pude ver Steve arremessando um cara há mais de dez metros enquanto eu e Bucky já estávamos nos atracando em socos, rasteiras e chutes. Eu tinha uma máquina, mas a Rússia tinha uma máquina ainda mais cruel que a minha.

— Então é mesmo verdade o que meu comandante me disse sobre vocês dois ? – questionou Bucky dando um soco no que tinha de ser o meu estomago, eu não senti, mas com isso ele percebeu  o que eu não queria que tivesse percebido – Então mandam uma casquinha de ferro pra me enfrentar ? Mas isso quer dizer que você está por perto, Tony Stark !

Eu odiava a forma com que o meu sobrenome dançava em seus lábios, como se sentisse nojo. Eu não ligava que ele sentisse nojo de mim sem saber sobre mim, mas tinha medo que lá no fundo ele se lembrasse sobre meu pai e consequentemente sobre mim e por isso tivesse nojo de mencionar nosso sobrenome.

Pensar nisso me abalou o suficiente para que eu só percebesse a chegada de Steve quando o som de algo se partindo ecoou perto de mim, uma árvore se partindo por Bucky ter desviado do soco potente de Steve. Fiquei ali parado, minha armadura também assistindo aqueles dois se socando numa sincronia de socos que se fossem iguais em aparência, eu diria estar vendo replicantes ou o reflexo de um deles em um espelho.

— Olha só quem finalmente chegou pra brincarmos um pouco ? – disse Bucky ao se desviar de um soco que poderia muito bem arrancar a sua cabeça do resto do corpo.

— O que fizeram com você ? – questionou Steve e por mais que eu estivesse assistindo, vendo como a culpa estava o consumindo por estar socando o único amigo que ele havia tido quando era jovem, ele não estava se contendo nos golpes.

— Você sabe tão bem quanto eu o processo, a diferença é que não mexeram na sua cabeça, ou eu acho que não ! – disse Bucky e para a minha surpresa, ele havia conseguido acertar um soco na cara de Steve e isso me fez acordar pra vida. Parti para cima dele, o que era desleal, dois contra um, mas aquele braço dele contava por mais de dois de mim.

Eu já havia enfrentados muitas pessoas, muito fortes por sinal, mas nenhuma deles era como aquele cara, ele parecia disposto a matar Steve e parecia não se lembrar mesmo que o cara que ele estava socando sem dó nem piedade, mas em algum momento eu me lembrei de algo que Natasha diz ter feito com Clint quando ele estava dominado por Loki. Tudo bem que não foi nada fácil, mas depois de muito tentar eu consegui desferir uma seqüência de socos contra a nuca de Bucky enquanto Steve o socava pela frente, o que o fez desmaiar.

— Obrigado ! – falei e Steve sorriu em minha direção enquanto apanhava Bucky no colo como pode e ver a cena mesmo que pelos olhos da armadura me fizeram ter uma sensação estranha de ciúmes dos dois.

— Nunca agradeça por eu te ajudar, amor ! – disse ele – Acha que a armadura consegue carregá-lo até os pés do avião pra que eu possa ajudar Nat e o Hulk ?

— Tudo sob controle aqui, Steve e eu não confiaria em colocar Bucky sozinho, mesmo dentro da caixa de vidro no mesmo lugar em que Tony estivesse sozinho ! – Disse ela, o grandão acenou com a cabeça, acho que ele concorda, mesmo sem ter certeza se ele está escutando !

— Hulk escuta, Hulk esmaga ! – disse a voz monstruosa de Hulk e havia funcionado. O aparelho auditivo que cresceria quando a temperatura do corpo de Banner aumentasse.

— Vou dar uma carona pros dois, mas vê se não solta ele porque eu não quero voltar pra buscar ele não ! – disse eu ao levantar Steve pelos ombros enquanto ele segurava Bucky.

Aquela prisão de vidro já havia se mostrado falha como todas as outras de vidro, mas pelo seu interior, parecia que a Shield já sabia da existência daquele cara há muito mais tempo do que disseram porque haviam tantas amarras, inclusive de aço para o braço biônico dele que quando minha armadura ajudava Steve a prender o cara.

Apenas quando tive certeza de que ele estava muito bem preso, acionei a armadura para que ela se abrisse eu entrasse dentro dela, enquanto Hulk voltava ao tamanho normal de um cientista pelado e Natasha o conduzia para dentro do avião enquanto o piloto assumia o controle. Havíamos dado conta de todos os soldados daquela leva, mas haviam outros chegando, então era a deixa perfeita pra não derrubarmos mais civis como diria Steve.

— Steve ! – a voz fraca e sonolenta de Bucky se fez ouvir no exato momento em que passei a encarar sua figura que se remexia na cadeira.

— Com quem eu estou falando ? – questionou Steve.

— Com o cara que sabe que você entregava jornais nas calçadas, que conheceu sua mãe e que sabe de Dotty ! – disse Bucky  e eu pude ver os olhos de Steve brilhando.

Finalmente eu pude encarar o cara a minha frente, mesmo que ele estivesse visivelmente parecendo um maltratado e com toda a certeza ele era, sua barba estava muito bem feita, mas estava sujo de sangue e sujeira pela luta recente e seus cabelos estavam um caos, mas era bonito e seus olhos eram iguais aos meus, só que de cor diferente.

— É bom te ter de volta, meu amigo ! - disse Steve - Mesmo que para isso tenhamos tido que te bater bastante !

— Meu Steve ! – disse Bucky sorrindo triste em sua direção como se a palavra amigo tivesse o magoado – Eu pensei tanto em você nesse tempo todo !

— Seu ? – encarei Steve e a forma com que senti a mão de Natasha segurando meu braço, mesmo dentro da armadura, eu sabia que ela sabia de algo que eu não sabia. Ou melhor, eu havia acabado de saber.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Você, ele e eu" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.