K.O.F escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 10
Kaido, feira e Shinobi acompanhados com muito salmão - Parte II


Notas iniciais do capítulo

Salve salve mais uma atualização. O capítulo de hoje tem ação e muita treta nos dois núcleos da história. Resolvi colocar um pouco de comédia nas lutas pra variar um pouco. Deixo as lutas dramáticas para o final da fanfic. Boa leitura.



Kevin acordou mais tarde do que de costume aproveitando o sábado. Chamou o pai, porém percebeu que ele não estava. Fez a sua higiene matinal costumeiramente e o próprio preparou seu café da manhã já que a empregada de alguma forma foi dispensada. Lembrou-se de algo muito importante.

Foi vasculhar no seu quarto se achava o objeto que perdera. Procurou em sua cômoda, armário, sob a cama e em todos os lugares do apartamento, mas nada.

– Onde foi que eu coloquei aquele PSP? - tentou recordar. Lembrou quando no dia anterior foi à casa do seu amigo e levou se jogo. Tentou ligar para ele, mas dava fora de área.

O rapaz abriu a porta e viu os seguranças na frente do apartamento.

– Ei senhores. Será que vocês têm o número do celular do meu pai? - disse com vergonha dos homens.

Momentos depois...

– Alô papai eu quero pedir algo ao senhor.

– Kevin o que foi? Os seguranças estão aí?

– Sim estão. É que ontem eu fui na casa do Chris e deixei o meu PSP lá. O senhor tá fora, poderia pegar pra mim?

– Claro filho, eu ainda estou na empresa é pertinho da casa dele. A propósito quero que você fique preparado quando eu chegar, pois hoje mesmo partiremos para o Japão.

– Uow! Pra que tanta pressa?

– Kevin... obedeça. Não tenho tempo para explicar tudo pra você agora. Quando a gente estiver dentro do avião a oito mil metros do chão eu te conto. Agora vai se arrumar menino! - bradou e desligou. O jovem levou um susto com a atitude do pai.

...

Em Kaido um homem corre imediatamente até o hotel. Entrou de uma vez até o capitão Collin que conversava com alguém. Ele desligou e perguntou o motivo do alvoroço todo.

– Senhor eu tenho uma notícia pra dar - disse ofegante.

– Desembucha homem.

– Yagami... o Yagami está sozinho lá na praia. Já o Kusanagi está visitando a vila e a feira.

Collin quase salta da cadeira e sai rapidamente do seu escritório.

– Tá na hora de botar esses shinobis pra trabalhar conforme meu chefe disse. Que tal se peneirarmos o número de participantes.

Collin caminhou até entrar numa sala com porta camuflada. Era uma verdadeira, sala de controle, com muitos visores e paineis. Ali ele controlava tudo. Viu Iori na praia.

Um homem todo de preto apareceu da penumbra.

– Me chamou senhor?

– Leve seus lacaios até a praia e a Vila. Quero muita ação neste lugar.

– Claro - sumiu.

Iori se levantou e foi caminhar sobre a água do mar. Escutou um ruído vindo de algum lugar. Como a praia não tinha iluminação e também havia algumas palmeiras, dificultava a identificação de alguém escondido. Desconfiado continuou andando até a área do porto onde estavam os navios pesqueiros.

Uma estrela ninja é lançada na direção do ruivo que desvia rapidamente, mas tem o seu braço arranhado. Um homem vestido de preto atira outros projéteis. Yagami desvia e quando estava para atacá-lo o shinobi some. Esperou alguns segundos até uma bombinha de fumaça embaçar sua visão e o ninja atacar com um bastão.

Iori sabia lutar muito bem, tendo treinado artes marciais desde cedo. O shinobi se movia sutilmente como uma sombra. Até que o ruivo se aborreceu, falta de paciência, e usou suas chamas púrpuras.

– Vem cá - chamou com as mãos em chamas.

O espectro tentou atacar por trás, mas foi surpreendido pela rapidez do músico que segurou o bastão com precisão e deu-lhe uma cabeçada.

– Aqui é Iori Yagami - falou ao caído.

De repente surgem cerca de uns dez shinobis para o seu desespero. Mas Iori daria conta de todos esses e ele sabia perfeitamente disso. Usando toda a sua força.

– Não vai ser fácil - falou segurando a arma.

Os ninjas foram com tudo para cima dele. Este desviava das espadas, bastões, machados e facas. A cada momento Yagami ficava com mais raiva ainda até que não aguentou mais e resolveu usar o seu poder. Com um movimento com as mãos ele libera o seu fogo atingindo alguns capangas. Outros desviaram e se jogaram sobre o ruivo que explode causando um show pirotécnico. Uma lança percorre o ar quase perfurando ele que desviou a tempo.

Em poucos minutos aparece dezenas de shinobis atrás dele. Iori, por mais que se ache foda, não teve outra opção a não ser correr contra sua vontade. Ele foi perseguido até o porto onde muitos pescadores descarregavam suas mercadorias. Estes se assustaram ao perceberem uma multidão se aproximar da ponte que levava até o lugar dos barcos.

– Droga - resmungou ao ter os pés laçados por uma corrente caindo. Mesmo amarrado conseguia deter os inimigos.

Iori sem paciência alguma usa uma das suas melhores técnicas. Dá um soco no chão causando várias labaredas contra os seus oponentes. A maioria foi derrotada com esse ataque, porém ainda sim não conseguiu ter êxito. A única maneira é chegar perto das embarcações. Então ele chegou até um navio pesqueiro que descarregava quilos de peixes numa enorme rede. Olhou para trás e viu muitos inimigos no seu encalço.

...

– Por favor senhora eu quero comprar estas luvas pretas. Quanto custa? - Ralf.

A mulher falou em japonês.

– Quanto custa, quanto custa. Dinheiro...

Ela não parava de falar.

– Droga cade o Kyo que não ta aqui pra traduzir - ele viu Joe numa outra barraca. - Ei man pode me dá uma ajudinha aqui por favor?

– Cara a dona só está dizendo o preço das luvas. Meu, ela disse que custa vinte ienes o par - falou com a boca cheia de doces.

Ralf comprou o par de luvas. Não quis mais ficar então decidiu ir embora. No entanto uma explosão ocorreu diante dos seus olhos na entrada da ladeira. Os comerciantes correram com medo. Um gigante com quase três metros de altura apareceu entre as fumaças vestido de preto. Um shinobi gigante.

– Ferrou - disse Jones com o queixo no chão.

Nesse meio tempo Kyo e Terry eram atacados por shinobis. Os dois em um momento se separaram.

Terry já estava bêbado com os goles que tomava. Os ninjas atiravam facas e ele se defendia com uma tampa da lixeira que viu no caminho. Aproveitou o beco em que entrou para desferir seu golpe especial. Deu um soco no chão causando uma pequena explosão lançando um projétil de fogo rasteiro em direção aos vilões que foram acertados em cheio.

– Licença que tenho de biritar um pouco. Opa - ele viu uma matilha de cães em sua direção. - Ai é foda.

Kyo pegou uma espada e lutou contra os inimigos até a praça central onde havia uma caixa d'água. Conseguiu acertar alguns inimigos cravando a arma em seus corpos, mas era inútil. Correu até chegar perto de um armazém ao lado da caixa. Usou seu poder para lançar labaredas de fogo no chão e explodindo para em seguida subir no armazém. Os telhados rangiam com o andado dele. Shinobis vieram de todas as partes a fim de matá-lo.

– Quem são vocês? - perguntou em vão. Eles queriam mais era lutar. Kusanagi conseguia com perfeita precisão interceptar várias estrelas com a espada que tinha.

Um oponente chegou sutilmente, aproveitando o momento de distração de Kyo, e o empurra. Ambos rolaram telhado abaixo e caíram sobre um caminhão carregado de peixes.

– Hmm... salmão - falou lambendo os lábios.

O moreno desceu da caçamba. Olhou para os lados e viu os shinobis o procurando sobre a casa. Tentou fugir voltando ao hotel, entretanto viu Terry correr na sua direção. Ele e algumas pessoas fugiam de algo.

– Vai ficar aí e virar caça - falou Bogard passando por ele e subindo na torre da caixa d'água. Kyu não entendeu até que viu os cachorros, fez o mesmo.

– Que droga é essa que está havendo?

– Ah Kusanagi pergunta depois e luta primeiro porra. Deve ser algum teste sei lá. Sufoco duma porra - disse Terry quando viu mais oponentes surgir de todos os cantos.

Ralf é lançado pra cima de algumas barracas pelo gigante.

– Você não é pário pra mim seu gigante imbecil - falou Joe enquanto fazia gestos obscenos ao shinobi. - Toma essa.

O lutador foi pra cima do grande e deu seus chutes característicos. Em poucos segundos se queixava de dor por causa que o homenzarrão era duro feito pedra.

– Lascou - foi lançado contra o chiqueiro de porco encharcando-se de lama.

Ralf foi pra cima do vilão com sua sequência de socos, mas inútil! Foi pego pelo gigante e lançado mais uma vez. Ele caiu perto de alguns fogos de artifício. Usou a sua criatividade ao pegar o isqueiro que havia comprado.

– Ei rapazinho - o gigante olhou pra trás. Que tal se meter num rabo de foguete?

Ralf acendeu o pavio e lançou o foguete contra o inimigo. O shinobi destruiu uma casa quando arremessado contra a mesma por causa do foguete.

As pessoas correram assustadas. Isso nunca havia acontecido.

Joe saiu completamente sujo por causa da lama. Sentiu tanto nojo que não queria nem respirar por conta do cheiro. Saiu andando vagarosamente e com os braços abertos. A vendedora que vendera as luvas ao Ralf ficou com muito medo dele. Pensando que era algum monstro ou algo assim pegou uma panela e o golpeou por trás.

– O cochilo dos campeões. Me acorde ao meio dia - desmaiou. A mulher levou um susto ao ver a besteira que fez ao reconhecer o jovem lutador.

...

Isaak tentou de qualquer maneira ligar para Krizalid a fim de pedir mais uma tarefa. Recebeu uma ligação do seu filho sobre um jogo que deixara na cada do amigo. Só que ele não poderia pegar o objeto visto que estava apressado demais e muito ocupado. O único jeito era falar com o seu fiel segurança a ir até lá e buscar o PSP de Kevin.

Como o celular do segurança dava direto ocupado resolveu procurá-lo no escritório de Dickens. Subiu mais uma vez pelo elevador até o penúltimo andar. Encontrou a secretária que se preparava para ir embora do seu expediente.

– Você viu um rapaz alto com cabelos brancos passar por aqui?

– Senhor O'Brien vi sim. Ele disse que pegaria uns papéis importantes para o senhor Dickens, mas não o vi mais porque me ausentei um pouco. Será que ele ainda está lá?

– Posso ver senhorita?

– Claro senhor.

Ele andou até o escritório do seu colega. A porta entreaberta provou que seu subordinado não saíra dali. Escutou a voz de Victor ao telefone.

– É óbvio que tudo está sob o mais perfeito controle. O seu fim se aproxima.

Isaak estranhou a conversa. Ficou quieto atrás da porta.

– É o idiota do Isaak que acredita que sairá vivo dessa. Hehe mal sabe o pobre que vou matá-lo antes de viajar com o pirralho.

O empresário suou frio ao escutar tudo o que o seu suposto fiel segurança dizia. Não acreditou nisso. Tentou raciocinar direito. O melhor seria terminar de escutar a conversa.

Continua...



Notas finais do capítulo

O que acharam? Foi bom, regular, ruim, ótimo, excelente. Pra mim foi o capítulo mais dinâmico da fic até agora. O melhor achei o primeiro mas vou me empenhar a melhorar. Sei que ficaram loucos pela continuação ( eu já a tenho concluída), mas darei uma parada nas atualizações desta fic pra postar as outras. Bom final de semana a todos.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "K.O.F" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.