Burned Soul escrita por Kaline Bogard


Capítulo 11
Capítulo 11


Notas iniciais do capítulo

Gente... antes de mais nada lembrem-se de que tudo tem um propósito nessa fanfic. Quando tomou essa atitude sem pensar, Stiles assumiu os riscos e as conseqüências... e terá que pagar o preço.

Não fiquem ressentidos comigo por isso. É apenas uma fanfic...

Respire fundo e boa leitura!



Burned Soul

Kaline Bogard

Capítulo 11

Quando fosse relembrar a seqüência de eventos que se desenrolaram naquela noite, Stiles não conseguiria explicar como fora parar ali. Talvez guiado pelo desejo de salvar alguém que amava, ou melhor dizendo, cegado por tal desejo, já que seu ato fora totalmente temerário.

Assim que sua consciência registrou o fato percebeu-se caindo de joelhos sobre a grama meio alta, inclinando o corpo em direção ao chão até que os braços envolvessem o corpo ferido de Derek Hale e ele se tornasse o escudo que o protegia da fúria assassina do inimigo.

Inimigo que avançava velozmente com as garras prontas para estraçalhar aqueles que invadiam seu precioso abrigo.

No fundo de sua mente Stiles compreendia a loucura de seu ato. Ele era um simples humano, fraco e frágil. Não podia se regenerar rapidamente ou usar algum tipo de poder sobrenatural frente aos monstros que duelavam naquela noite.

Ele era apenas humano, fraco e apaixonado. A fórmula perfeita de um tolo.

Seria dividido ao meio assim que as garras de Aberline atravessassem seu corpo. Mas saber disso não o amedrontou. Na verdade, pela primeira vez desde que soubera a verdade sobre Francis, Stiles não sentiu medo. Estava com Derek em seus braços, o homem que viera salvá-lo. Foi como se nada mais ao redor existisse. Ou importasse.

Fechou os olhos e aguardou os poucos instantes que o separavam da morte certa escoassem.

Mas ao invés da dor, foi tirado do momento de angústia por um rosnado assustador. Ousou reabrir os olhos e espiar por cima do ombro, então notou o lobisomem parado a poucos passos de si, com os olhos dourados estreitados de raiva, uma presença grande e intimidadora. Ambos se encararam por um segundo.

Aberline rosnou de novo. E Stiles sentiu que aquele som animalesco era uma ordem. O monstro comandava que saísse da frente, que se afastasse. Por que, apesar de ser um animal parido de um pesadelo, o lobo dentro de si reconhecera Stiles como companheiro. E não há no mundo criatura mais fiel e devotada do que um lobo.

Por maior que fosse o rancor e ódio contra Derek, Stiles compreendeu que Aberline não atacaria enquanto ele estivesse servindo de escudo para o ex-Alpha.

Francis rosnou de novo, impaciente e pronto para atacar. O menino não se moveu, mesmo que tivesse estremecido. Nunca pensou que seu coração pudesse bater tão rápido e tão forte!

Derek, recuperando-se um pouco, forçou para afastar o namorado e assim voltar a luta. Seu gesto teve o efeito contrário, pois ao invés de sair de cima de Hale, Stiles se grudou mais a ele. Sabia que se saísse de perto um milímetro podia ser o fim.

– Stiles... – Derek resmungou.

– Cala a boca! Eu sei o que 'to fazendo! – Stiles resmungou de volta – Eu acho que sei o que 'to fazendo...

O impasse foi quebrado por um gemido de Scott. O Alpha tentava se erguer, precariamente. Acabou atraindo a ira do Digamma para si. Vendo a chance de descontar sua frustração, Aberline voltou-se na direção de McCall e chegou a dar um passo antes que o desespero de Stiles tomasse forma em sua voz.

– NÃO! – gritou – Não machuque meus amigos! Por favor...

Contra todas as probabilidades inimagináveis, contra a lógica mais racional, contra toda a certeza que garantia a plausibilidade de uma situação... o lobisomem obedeceu. Desistiu da investida que visava Scott e permaneceu parado, o pêlo muito negro manchado de sangue, as presas evidenciadas pela respiração ofegante, os olhos dourados e sagazes cravados em Stiles.

O garoto engoliu em seco sem poder acreditar. O tempo pareceu parar, como se, de repente, estivessem em suspensão alheios ao mundo ao redor. Ele estava muito consciente do lobo ferido em seus braços, assim como Scott que se sentava e levava as mãos à cabeça, com sangue escorrendo pelo rosto e pingando na blusa do rapaz. Assim como os gêmeos caídos sem sentido no gramado e Peter que se esforçava para erguer-se apesar dos ferimentos.

Sim, Stiles sentia-se consciente de todos os mínimos detalhes que compunham aquele quadro, com elementos próprios do Iluminismo, mas que não formavam mais o cenário de sua Alma Queimada, pois fora curado. Resgatado e salvo da angústia em que vivia, graças a cada um daqueles que vieram em seu socorro.

Sem que pudesse evitar ou mesmo ter a certeza de que seria compreendido, as palavras escaparam de seu coração.

– Esse é o meu Pack – sussurrou sentindo o olhar de Francis Aberline fixo sobre si – Esse é o homem que eu amo. Já tenho um parceiro! Não pode me requisitar ou seja lá como chama. Nunca será você, por que eu já reconheci o meu companheiro...

A frase murmurada foi ouvida pelos quatros lobisomens que se mantinham acordados, inclusive pelo causador de tudo. Derek rosnou irritado ao compreender a intenção do Digamma, mas o garoto apertou o abraço e o obrigou a ficar quieto. Respirando fundo, Stilinski continuou, deixando de mirar Aberline para observar o namorado que protegia e o olhou de volta.

– Se machucar as pessoas que são importantes para mim... se me levar para longe daqui... não terei mais nenhum motivo para viver.

A sinceridade daquelas palavras atingiu a todos. Stiles dizia a verdade, colocava todos a quem amava em primeiro lugar e não se importava em renunciar a própria segurança pelos que considerava família.

Aberline chegou a dar um passo na direção do menino, chamando a atenção dele e ganhando um olhar em retribuição. Algo nas íris chocolate, talvez a certeza inquestionável de estar lutando pelo certo, atingiu Francis em cheio. E ao seu lobo igualmente.

Como única resposta o lobisomem ergueu o focinho e uivou. Um som triste e desolado que brotou de sua alma quebrada e rejeitada. Ele aceitou a derrota. O uivo foi um clamor doloroso por ter que aceitar a dura realidade. O jovem que escolhera como companheiro jamais seria seu.

Houve uma última troca de olhares. As íris que eram como ouro líquido pareceram despedir-se de Stiles, enquanto caia sobre as quatro patas e corria de volta para a casa.

Scott deixou-se cair outra vez na grama imensamente aliviado. Ao passo que Peter conseguia se por sentado, com a maior expressão de “o que foi que eu perdi” no rosto.

Derek aproveitou que o namorado o segurava como se fosse uma tábua de salvação e retribuiu o abraço, puxando-o contra si e apertando-o contra o tórax fortemente. Voltou à forma humana por completo.

– Você veio – foi a única coisa que Stiles conseguiu pensar em dizer diante da emoção do reencontro – Obrigado!

– Claro – Derek respondeu baixo – Tive pena do coitado que te raptou.

– O quê?! – Stiles tentou se soltar, mas Hale o mantinha firme.

– Se ele soubesse a encrenca que roubou... – e um gemido de dor seguiu a frase provocadora.

E só pela preocupação com o estado do namorado foi que Stiles desistiu de resmungar. Tentou se afastar para ver o estrago que Aberline causara em seus amigos, mas Derek não deixou. Continuou mantendo-o preso no abraço. Tomava cuidado para não tocar a pele ferida do garoto, por que podia sentir o cheiro de sangue seco muito bem. Saber que Stiles se machucara deixava Derek mortificado. O gesto carinhoso foi durando até que Stiles notou, levemente chocado, que o mais velho meio que o esfregava contra o próprio peito tentando ser sutil.

– Derek... o que 'cê tá... fazendo? – foi difícil perguntar tendo o rosto contra os músculos do mais velho.

A risadinha suspeita de Peter os lembrou de que não estavam sozinhos ali. Embora quem respondeu a pergunta de Stilinski foi Scott e não o mais velho dos Hale.

– Tentando tirar o cheiro do Digamma de você.

– Tirar o cheiro de que? – Stiles finalmente conseguiu se afastar – Derek, dá um jeito no seu lobo, homem! Só falta querer urinar nos meus pés para marcar seu território!

Scott riu também.

– Você está bem? – o jovem Alpha perguntou, preocupado com o melhor amigo – Ele te machucou?

– To bem sim, nada mortal. Vocês que parecem ter levado uma surra.

– E levamos mesmo – Peter resmungou aborrecido. O tórax rasgado pelas garras de Francis se curava com menos rapidez do que seria esperado. Os gêmeos continuavam inconscientes e nem Scott nem Derek pareciam em seu melhor estado.

– Temos que dar o fora daqui – Scott fez um esforço para por-se de pé. Seus ferimentos cicatrizavam mais rápido que dos outros, talvez por sua condição de Alpha – Depois a gente conversa.

– Vou pegar uns remédios – Stiles ergueu-se junto com Derek – Aberline tem um estoque de respeito na casa dele.

– Não se atreva – Hale rosnou irritado – Não vou deixar que entre naquela casa!!

– Relaxa, mozão – Stiles deu um tapinha camarada no ombro do namorado – Você viu que eu domo as feras. Se ele não me fez nada no auge da adrenalina, agora que não vai fazer.

– Stiles... – o ex-Alpha chamou em um tom de voz esquisito, ignorando elegantemente o jeito que Scott tentava engolir a risada. Até Peter levou uma mão aos lábios para disfarçar o riso.

– Que foi? – o garoto parou de avançar rumo a casa de Aberline e mirou seu namorado com certa urgência. Estranhou a forma como a sobrancelha de Derek tremia. Não parecia normal...

– Do que você me chamou?

Stilinski inclinou a cabeça para o lado, tentando lembrar-se. Quando caiu em si sentiu um calorão subindo por seu rosto. Um apelido cafona. Com uma semana de namoro e depois da mais perigosa de todas as situações. Derek estava batizado!

Scott riu escandaloso, enquanto caminhava até Ethan para ver o estado do garoto. Peter que fazia o mesmo com Aiden, também se divertiu com a situação. Só mesmo Stiles para conseguir que a tensão se dissipasse depois de uma luta tão furiosa. O alivio de todos estarem vivos ajudava também.

Totalmente sem jeito o pobre garoto tentou gaguejar uma resposta, no entanto foi salvo do embaraço. Ouviram um rosnado alto e um uivo que arrepiou cada pelinho do corpo de Stiles, ao mesmo tempo em que instigava os lobos de Scott, Derek e Peter.

Aberline parecia clamar um novo confronto! Mas contra quem?!

A resposta à dúvida veio instantaneamente, quando um grito ensurdesedor os obrigou a levar as mãos aos ouvidos, um som que conseguiu derrubar McCall de joelhos no chão e fez Derek cambalear.

Quando o silêncio caiu sobre eles outra vez, se entreolharam.

– Lydia! – Peter exclamou e Derek deu um passo a frente.

Mas foi Stiles que se adiantou a todos. Podiam ser lobisomens, mas estavam feridos e se recuperavam com menos facilidade do que seria esperado.

– Isaac e Allison estão com ela! – Scott alertou Stiles, no exato instante em que o garoto passava pela porta que Aberline destruíra e sumia dentro da mansão.

Continua...



Notas finais do capítulo

Sobre as notas iniciais... #EuMenti

Huahauhsaushaus

Ei, nada de retaliação! Eu sou uma autora muito paz e amor, só gosto de fazer umas pegadinhas de vez em quando, para dar um sustinho no coração dos meu amados leitores!

Boa semana! Falta pouco para essa aventura épica (SQN) chegar ao final. Acompanhe aqui, na sessão da tarde! digo, no Nyah!.