Lágrimas de Diamante escrita por bubble tea


Capítulo 27
Capítulo 27 - Uma Solução


Notas iniciais do capítulo

Sorry pela demora e pelo capítulo pequeno e sem graça >.
Eu fiquei meio sem criatividade para escrever e como eu não queria esperar pela criatividade acabei postando assim msm pq eu to demorando mto pra atualizar essa fic :/
Espero que gostem ^^
Esse é um dos últimos capítulos o/



– A Feiticeira. - Loren disse com a voz tremida. - Lembra que eu falei para você por sonho sobre a minha maldição e todo o resto?

Edmundo franziu a testa surpreso.

– Então o sonho, as lágrimas, o diamante. Tudo é realmente verdade. -Ele murmurou mais para si mesmo do que para a garota.

– Sim. - Loren murmurou.

Edmundo sorriu e retirou um pequenino fragmento de diamante do bolso de sua calça, Loren o encarou surpresa. De onde ele havia retirado aquele diamante? Mas ele pareceu ler sua mente e logo respondeu:

– Durante o sonho. - o moreno esclareceu - você chorou e eu acabei segurando uma de suas lágrimas antes do sonho acabar, e quando eu acordei debaixo de uma árvore eu estava com ele. Essa foi a única prova, que alimentou a chama de esperança no meu peito, que comprovou que você estava viva. - Ele sorriu esperando um sorriso radiante da garota ou talvez até mesmo um beijo, mas a reação de Loren foi muito diferente.

– Você ficou maluco? - disse horrorizada.

– Como assim? - o sorriso de Edmundo se desmanchou, e ele percebeu que algo estava errado.

– Ed! - Loren tomou o diamante de sua mão. - Eles são amaldiçoados, sempre machucam as pessoas que mantém contato com eles. Por isso que eu nunca contei para você, não queria que você fosse machucado pela minha maldição! E agora...

Edmundo a olhou por vários momentos sem saber ao certo o que dizer para a garota.

– Não. - disse -, você que esta enganada. Esse diamante me guiou.

Loren o olhou sem conseguir acreditar em suas palavras.

– A cada passo mais próximo que eu ficava de você, mais quente ele ficava, por mais que agora que ele esteja normal. Me lembro de quando você falou que na maioria das vezes eles eram amaldiçoados porque você chorava pensando em coisas ruins, sentindo coisas ruins. Mas eu sei que quando você chorou, eu vi em seus olhos, paixão e saudade. - Ele disse olhando Loren nos olhos, o coração da garota parecia saltar de seu próprio peito. - E eu pude ver pureza Lo, e você chorou por mim.

Loren sorriu torto sentindo- se tonta, seu coração poderia explodir naquele momento.

– E eu não acredito que esse diamante venha me trazer coisas ruins sendo que eu fui guiado até você. Eu não sei o que tem acontecido eu não sei como quebrar essa maldição, mas estou disposto a ajudar você. - disse tocando o rosto ruborizado da garota. - Eu estou apaixonado por você, e não aguentaria ficar mais um segundo longe de você.

Loren sorriu e puxou Edmundo para mais próximo de si, selou seus lábios em um beijo calmo e suave.

– Pode me contar o que esta acontecendo de errado, eu irei ouvir você. - Disse Eddie ofegante de maneira carinhosa.

Então ela contou tudo para ele sem omitir nenhum detalhe sequer, contou sobre não saber como livrar sua futura geração dessa maldição e desabafou o quão frustada ela estava.

– E se eu quebrasse a sua maldição com um beijo de amor verdadeiro? - Ele perguntou brincalhão e ela sorriu dando um selinho de leve nele.

– Seu bobo! - Disse rindo. - Vamos! Os outros estão a nossa espera.

– Mas Lo! - Edmundo exclamou preocupado. - E o seu machucado?

Loren o observou por alguns momentos e então de imediato pegou a lágrima e aproximou-a de sua ferida, por alguns segundos nada aconteceu. Até que a lágrima começou a se aquecer e Loren não conseguiu segura-la mais deixando a mesma cair em cima da ferida, então ela se dissolveu em um líquido prateado e passou a cicatrizar e se tornar apenas uma pequena cicatriz.

– Uau! - Exclamou o moreno surpreso. - Como você conseguiu fazer isso?

– Eu não sei, apenas senti que devia fazer isso. - Ela falou olhando para as suas mãos abobada.

Edmundo sorriu.

– Acho que a minha teoria foi comprovada.








(...)









Quando a guerra finalmente acabou e os narnianos haviam reencontrado Aslam, a calmaria se estabeleceu, o Leão mandou os telmarinos para um ligar diferente os Pervensie continuaram em Nárnia para a coroação de Loren. A garota estava muito ansiosa e não sabia o que fazer, não sabia como se portar ou até mesmo vestir, mas antes ela queria falar com o Leão. Queria saber como quebrar sua maldição, queria abandonar aquelas lágrimas. Seus pés afundavam nas folhas caídas das árvores, ela observava a paisagem incrível que se estendia no horizonte. Ela sentiu uma mão em seu ombro e se virou, era Edmundo, o moreno sorria para ela de maneira tranquilizadora mostrando seus dentes brancos.

– Para onde você está indo? - perguntou curioso, enquanto Loren sorria para o mesmo.

– Estou atrás de Aslan, eu irei pedir ajuda para me livrar da maldição que Jadis lançou sobre a minha família. - Ela falou sorrindo brevemente para Ed, sua mão alcançou a dele e as mesmas se entrelaçaram enquanto os dois caminhavam.

– Então eu irei com você. - Edmundo falou e Loren sorriu com a preocupação do moreno. Os dois caminharam lentamente pela floresta e logo encontraram Aslan, o enorme Leão estava em cima de uma pedra e apreciava o horizonte.

– O que lhes trazem aqui crianças? - perguntou o Leão se virando para os dois.

Loren mordeu o lábio pensando em como iniciar um diálogo com o Leão.

– Aslan, eu...Gostaria de poder quebrar a minha maldição, eu não sei como mas, eu não desejo isso para ninguém e não quero conviver com esse fardo e essa culpa. - Ela disse hesitante.

O Leão observou Loren por alguns momentos e pareceu suspirar.

– Existe uma saída. - Ele disse e Loren sorriu aliviada. - Porém não irá ser nem um pouco agradável.

– Não tem problema! - Loren exclamou feliz, então havia um solução!

– Mas você deverá esquecer a pessoa que você ama. - Aslan disse por fim e Loren engoliu em seco começando a empalidecer. - Eu disse que não seria agradável…

–Oh…- Ela murmurou. - Acho que eu posso conviver com essa maldição não é mesmo…? - disse dando uma risada sem som.

– Não! - Edmundo protestou entrando na frente dela. - Ela precisa disso, lutou a sua vida inteira por isso, não irei ser eu o cara que ira impedir ela de fazer isso. - ele disse e ela pode jurar que por um momento ouvi a voz dele falhar uma poitava a baixo de seu tom normal.

– Não! - Ela exclamou horrorizada. - Ed, eu jamais faria isso! Eu posso conviver com isso, se eu já vivi com isso por mais de dez anos por quê não aguentaria pelo resto da minha vida?

–Loren, eu jamais vou aceitar isso. Não posso fazer com que o resto da nossa linhagem seja amaldiçoada…

–Espera...Nossa linhagem?– Loren falou para Edmundo e um sorriso bobo brincou em seus lábios, eles haviam esquecido que Aslan os observava.

–Quer dizer sua! - Edmundo disse corando e Loren riu. - Enfim, eu não posso…

–Mas Eddie! - Loren exclamou. - Tem que ter alguma saída...Aslan! Por favor! - Ela exclamou com lágrimas começando a se formar no canto de seus olhos, o Leão a observava calmamente. - Eu amo ele demais para isso…

–Exatamente. - Aslan disse por fim e a sobrancelha de Loren se ergueu enquanto Edmundo o fitou confuso.

– Como assim? - Perguntaram de forma sincronizada.

– Existem coisas que nada pode apagar, nem o tempo, nem o mal ou até mesmo o rancor. Uma dessas coisas é o amor, nem a magia consegue superar o amor.- disse o Leão enquanto o coração de Loren saltava de seu peito. - Eu posso soprar sobre você Loren, logo após a sua coroação e assim que você abrir seus olhos irá estar de volta na estação de trem com uma breve amnésia, mas as suas memórias irão voltar aos poucos. Não posso fazer nada mais do que isso.

–Obrigada!- A garota e o garoto fizeram uma reverência para o Leão. - Eu não podia estar mais agradecida, muito obrigada Aslan! - A garota disse e então abraçou o enorme Leão.