Quebrando as regras escrita por Carrie Collins


Capítulo 11
Mentiras e uma noite inesquecível.




Já estava prestes a amanhecer, David estava deitado ao meu lado, seu corpo nu deitado, meu lençol cobria apenas o necessário. Ele tinha uma tatuagem no peito, que ia até o braço, que eu nunca havia percebido, não dava para enxergar o que era, mas havia contraste de cores. Sua pele branca se destacava naquele escuro. David poderia não ser um daqueles garotos musculosos, mas ele era mediano, sua barriga tinha gominhos e seus braços eram bem definidos. Poderia perceber o volume sobre o lençol, e sim, eu o estava observando. Porém, ele estava dando um cochilo, ou algo assim, seus olhos estavam fechados e seu rosto descansado. Eu não poderia negar, a beleza natural de David me atraia... Pera, o que eu estou pensando? Eu o odeio, e ele é irritante... Mas as suas mãos mágicas, aquela boca e aqueles olhos envolventes... Mas que merda, Cherry.

– David. – Sussurrei em seu ouvido. – Daqui a pouco meu pai acorda.

David abriu os olhos e me encarou, depois deu um sorriso. Aquela boca avermelhada me chamou para outro beijo, e eu me entreguei. Colocando uma das minhas mãos em sua nuca e me apoiando um pouco em cima dele, para um beijo. Ele acariciou minhas costas nuas, depois me puxou pelo cabelo para mais próximo, e logo eu estava sobre ele novamente, meu corpo nu no seu.

– Vamos parar por aqui. –Disse contra seus lábios. – Ninguém pode saber, ok?

– Sobre o que? – Ele acariciou minha nuca. – Que você não me odeia mais?

– Quem disse? Você continua sendo irritante. – Me ajeitei, ainda em cima dele.

– Se eu fosse tão irritante assim, você não estaria nessa posição comigo. – David mordeu o lábio, com uma cara de malandro, e apertou minha bunda.

– Idiota. – Ri. – Mas agora é sério, meu pai vai acordar.

Ele fez beicinho, depois me tirou de cima dele e levantou-se, enquanto eu me enrolava no lençol e o observava. David se vestiu rápido e se ajeitou no espelho. Levantei-me, e então percebi como eu estava dolorida, minhas pernas estavam bambas e minhas costas doíam.

Resmunguei, ao caminhar até o meu armário.

David me abraçou por trás, enquanto me desenrolava do lençol e beijava meu pescoço. Eu me dei conta de como ele era insaciável, e de como eu gostava disso. Era um fato, ele poderia ser extremamente irritante, mas na cama era a pessoa mais agradável e insaciável de se ter. Enquanto eu continuava nua e o beijando intensamente, ouvimos um barulho... Era a porta do meu pai.

– Merda. – Sussurrei. – E agora?

– Relaxa. – Ele disse se afastando um pouco. – Que horas ele vai sair para trabalhar?

– Acho que umas oito horas. – Disse meio insegura, peguei a primeira roupa que vi e a vesti.

– Desça e o distraia. – Planejou David.

Amarrei meu cabelo em um coque malfeito e suspirei, dei-lhe um selinho antes de sair do quarto. Estava tudo calmo, até eu ouvir o barulho na cozinha, e então fui até lá.

– Bom dia. – Disse, e então meu pai virou-se e sorriu, enquanto preparava o café.

– Como foi a festa? – Perguntou ele, estava apenas com uma bermuda velha e com o cabelo bagunçado.

– Foi boa. – Falei pegando duas canecas no armário e o dando uma.

– Não te vi chegar, chegou muito tarde? – Papai colocou café em ambas as canecas enquanto falava.

– Não, peguei carona com um amigo meu. – Dei de ombros e então beberiquei o café.

– Aquele garoto? Eu não gostei dele, temos que conversar sobre isso. – Ele disse encostando-se a bancada.

– Quem? Jean? – Ri, se ele não havia gostado de Jean, imagine de David, que nem eu gosto...

– Sim, ele tem cara de cafajeste. – Falou seguro.

– Ah, ele parece com você? – Brinquei.

– Estou falando sério. – Ele segurou o riso.

– Cafajestes conhecem cafajestes. – Conclui. – Que horas você vai trabalhar?

– Daqui a pouco. – Papai olhou para seu relógio de pulso.

Quando virei, David descia as escadas, desconfiado. Caminhou rápido, com o sapato na mão, e acenou rapidamente para mim.

– Lave as canecas, papai. – Disse abraçando-o e o entregando minha caneca, ele estava de costas pra porta, por acaso, e então acenei para David, enquanto ele fechava a porta delicadamente.

Afastei-me e voltei ao meu quarto. Que de fato, estava uma bagunça. Minhas roupas, da noite passada estavam no chão, a cama estava completamente bagunçada, Havia embalagens de preservativos no chão, próximo a cama, foi a primeira coisa que eu peguei e joguei pela privada. Quando finalmente arrumei meu quarto, tomei banho e tudo mais, me deitei e peguei meu celular. Ele estava no silencioso e tinha várias chamadas da Lola e mensagens.

C, você está bem?? Me responda assim que ler, XO

C, o que houve??? David te achou? Me responde!

Cherry Dewes, onde você está? Estou preocupada, deveria ter ido com David, me desculpe! XO

Liguei rapidamente para Lola, mas foi tarde demais, quando ouvi a campainha e a sua voz alta o bastante, perguntando se eu estava em casa. Dei um pulo e andei apressada até a porta.

– Oi Lola! – Sorri, parecia ter sido um alivio ter me encontrado, ela me abraçou.

– O que houve, Cherry? – Papai perguntou desconfiado. – Você estava perdida?

– Não, eu só não avisei para Lola que estava indo embora. – Menti. – Vem, L. – A puxei pela mão até meu quarto.

– Ai Cher! Fiquei tão preocupada. – Disse ela quando chegamos ao meu quarto. – David te encontrou?

– Sim. – Deitei novamente, eu estava cansada demais para ficar tanto tempo em pé. – Ele me trouxe em casa.

– Ah, e por que você não atendeu meus telefonemas e nem me respondeu? – Lola sentou-se na cadeira do computador, era seu canto preferido no meu quarto, porque ela ficava se divertindo ao girar na cadeira.

– Eu peguei no sono. – Menti.

– Está de ressaca, não é? Não deveria ter te deixado beber.

– Daqui a pouco passa. – Sorri para ela. Eu na verdade estava totalmente dolorida, e não havia dormido a noite inteira em extrema ação, se que é que me entende...

Logo o celular de Lola tocou, e ela deu pulinhos sentada enquanto observava a tela.

– David! – Ela disse alegre.

Por que David estava ligando para ela? Qual era a dele? Fui eu que passei a noite com ele... Não, Cher, você não está pensando isto! Não mesmo.

Lola atendeu, e eu não quis me interessar no que ela falava, então, virei-me e afundei minha cara no travesseiro, que por acaso estava com o cheiro de David. O que me fez mergulhar nos meus pensamentos, ao me lembrar da noite passada. Que definitivamente, foi uma das melhores da minha vida, mesmo sendo com o cara errado... Porém, talvez David seja o cara errado e estupidamente certo para isto.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Quebrando as regras" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.