Fire and Ice escrita por Rayssa


Capítulo 27
Aquele dia


Notas iniciais do capítulo

Como eu sou boazinha, eu decidi postar logo hoje sz LEIAM AS NOTAS FINAIS! SÃO MUITO IMPORTANTES MESMO sz




“- Não acredito que estamos fazendo isso! – estávamos em frente ao meu apartamento, Rose tinha um lindo sorriso no rosto.

– Eu acredito. – passei o braço pelos seus ombros e a puxei para mais perto. - E estou louco para chegarmos no ministério.

– Eu também. - apertou-se contra o meu peito. Logo, o carro branco parou a nossa frente.

– Entrem logo! – anunciou uma voz feminina. – Não temos o dia todo. – seu tom era brincalhão, contudo, entramos rapidamente.

– Vocês são malucos! – disse Durell, virando-se em nossa direção.

– Cala a boca Peet! – exclamou sua namorada. – Isso é lindo e você deveria se espelhar neles. – ela deu partida, e Durell revirou os olhos. Eles foram nossas testemunhas.”

– Você está me dizendo que Peter Durell e sua namorada aborto, Jamie Hart, foram suas testemunhas? – assenti. – Eu não acredito em você.

– Eu tenho como provar. – levantei-me lentamente e fui em direção ao gabinete do meu escritório. Abri a primeira gaveta, do lado direito, onde eu guardava os meus documentos importantes. Haviam quatro documentos ali: Certidão de nascimento, certidão de conclusão da escola de magia e bruxaria de hogwarts em sete anos, diploma de conclusão do curso preparatório para futuros medibruxos e certidão de casamento. Retirei a certidão de casamento e levei até Emilly, que o encarou assustada.

– Você não está brincando! – deu um tapa na própria cabeça. – OH MERIN! VOCÊ CASOU MESMO! – deu um soco no meu ombro e doeu pra caramba.

– Ai Ems, você não faz o tipo fraca. sabe? – ela negou com a cabeça.

– Eu sei que preciso de água. – a jarra e o copo estavam em cima da mesa, entretanto, pela primeira vez, desde que a conheci, Emilly Frozen tremia demais para encher o copo com água. Por isso, a servi, antes de me sentar novamente.

– Continuo?

– Não precisa, eu não quero saber mais detalhes, ou eu vou desmaiar. – sussurrou. Eu quis rir com isso, mas não consegui.

– Acho que vou dar um passei. - anunciei.

– Quer companhia? – acenei negativamente.

– Talvez eu vá visita-la, então, não acho que seja uma boa ideia. – Emilly assentiu, e se levantou.

– A gente se ver Scor. – abraçou-me fortemente, e eu retribui.

– Não conta para ninguém Ems, eu fiz um promessa e pretendo cumpri-la. – a garota assentiu, antes de se soltar.

– Eu prometo. – sussurrou e saiu a passos largos.

Logo, eu estava descendo as escadas, e passando as ruas o mais rápido possível, para não encontrar Jamie – que vivia andando por aqui. Decidi parar no primeiro bar que eu encontrasse, e assim o fiz.

O bar estava abarrotado de bruxos e bruxas, todos maiores de 17 anos, pois os menores estavam todos em suas respectivas escolas. Logo cheguei ao balcão e pedi uma dose de hidromel, a maior dose que eles tivessem. Quando a bebida chegou, senti um pouco de culpa, Rose não gostaria que eu me embebedasse, por hoje ser o dia que era, contudo, eu precisava disso, de verdade.

– Scorpius?! É você? – uma voz conhecida me chamou, quando virei-me, encontrei Teddy parecendo completamente bêbado, muito bêbado mesmo.

– Teddy! – chamei para que ele sentasse ao meu lado. – Como você está? – fungou, enquanto chamava o barman.

– Péssimo e você? – resmungou, enquanto apontava para o meu hidromel, como um pedido mudo para que o homem trouxesse um para ele, e foi o que elaefez.

– Horrível. – anunciei enquanto tomava um gole da minha bebida.

– Victorie terminou comigo. – arregalei os olhos, e coloquei o copo sobre a mesa.

– Por quê? – ele tomou um longo gole de sua bebida.

– Ela não entende o que eu estou passando... – bateu a bebida na mesa. – Ela não sabe o que é cometer o mesmo erro duas vezes, o mesmo maldito erro. – quando virou seu rosto para mim, eles estavam vermelhos, parecia assustado, amedrontado, em pânico. Teddy Lupin estava fora de si.

– Acho que você deveria falar com ela. – balançou a cabeça.

– Não posso conversar com quem não me entende, não posso. – virei meu rosto para a minha bebida. Eu não queria ficar do jeito que Teddy estava, Rose não gostaria disso, ninguém gostaria disso.

– Não acho que Rose gostaria de te ver assim. – o homem deu de ombros.

– Ela não pode ver, então, foda-se. – virou o resto da hidromel e pediu outra.

– Eu vou indo. – voltei a olhar para o homem, e percebi que seus cabelos, geralmente azuis, estavam em um castanho escuro, bagunçado e sujo.

– Você acabou de chegar! – exclamou. Chamei o barman e entreguei um galeão a ele.

– O que sobrar, ajuda na conta do bêbado aqui. – sussurrei e apontei com o queixo para o meu quase primo e o homem assentiu. – Até mais Teds, não posso fazer isso com a Rose. – dei um tapinha em seu ombro e sai do bar.

Mal cheguei do lado de fora, e aparatei para o local onde Emilly havia me levado no dia do meu aniversário. Passei um tempo encarando a paisagem escura de Whiltshire, lembrando do momento que eu e Rose trocamos a alianças.

“Após uma cerimônia esquisita e nada romântica no ministério, que fora, praticamente, assinar papéis e dizer sim, Peter deixou nós dois no meu apartamento. Decidimos assistir filmes – Rose e Lanna que haviam decorado o meu apartamento e elas fizeram questão de colocar diversos itens trouxas - e comer pipoca. Mas, antes de começar, eu tive uma ideia brilhante. Fiz Rose tirar sua aliança – o que foi muito difícil – e fomos até a sacada do apartamento. Estava frio, muito frio e em poucos segundos o nariz de Rose já estava vermelho.

– Scorpius, o que você está fazendo? Nós vamos congelar de frio. – ela tremia, então, decidi ser breve.

– Me dá sua mão. – pedi, estendendo a minha. Apesar de hesitante, ela o fez. Peguei a aliança e, olhando em seus olhos, comecei. – Eu prometo estar com você durante toda a minha vida, te apoiar em tudo que você precisar, cuidar de você e ser aquele que você precisa! Eu prometo ser inteiramente seu, apenas seu. Porque eu te amo, e você é tudo para mim. E é por meio dessa aliança que eu, Scorpius Hyperion Malfoy, aceito você, Rose Jane Weasley, como minha legitima esposa, para amá-la e respeita-la, hoje e sempre, até que a morte nos separe. – após esse discurso, coloquei o anel em seu dedo, e depois o beijei, Rose tinha um sorriso enorme em seu lábios e lágrimas em seus olhos.

– Minha vez... – estendeu a mão. Eu retirei minha aliança, entregando-a e colocando a minha mão sobre a dela. Então, ela começou. – Eu, Rose Jane Weasley, aceito você, Scorpius Hyperion Malfoy, como meu legitimo esposo, prometo amá-lo e respeitá-lo, hoje e sempre. Prometo estar por ti, como antes achei que não pudesse estar, como você esteve por mim, sempre ao seu lado, cuidando e amando a você com toda a minha alma e ser. Prometo te fazer feliz assim como você me faz, ter uma vida inteira ao seu lado, e ficar velhinha ao seu lado, podendo contar todas as nossas histórias para os nossos netos, e que eles vejam o quão grande é nosso amor. Eu te amo Scorpius, e vou ficar com você até o fim de meus dias. – enquanto ela falava, as lágrimas dela começaram a cair e as minhas também. Ela colocou o anel em meu dedo e beijou o local.

– Nós conseguimos! – exclamei, segurando a sua mão e apertando-a. Estava muito frio, já podíamos sentir alguns poucos flocos de neve a cair.

– Sim. – ela passou os braços pelo meu pescoço, e se pendurou para poder me beijar. Puxei-a para cima e a prendi em meus braços, girando-a enquanto nos beijávamos. Ela começou a gargalhar, e eu adentrei de volta ao apartamento com ela nos braços e tremendo de frio.”

– Ela fez uma promessa... – sussurrei para mim mesmo, enquanto colocava as mãos nos bolsos. Estava frio como naquele dia, lindamente frio, como sempre foi. – e ela vai cumprir. – apesar de minha voz não ter nenhum pouco de certeza, ela nunca quebrara uma promessa, e isso me dava forças para ainda estar assim, e não como Teddy.

Teddy! Pobre Victorie, deve ser horrível ver o noivo se degradar dessa forma. Fiquei imaginando como ela estaria, pois, eles passaram por tanta coisa juntos. Acabaram e voltaram milhões de vezes, entretanto, nunca nessas circunstâncias.

{...}

– Olá senhor Malfoy. – Donna, a enfermeira me cumprimentou. Era cedo, cerca de sete da manhã.

– Olá Donna, como ela está? – a mulher deu de ombros, e se aproximou de mim, sentando ao lado do local que eu havia dormido.

– A mesma coisa de uma ano atrás, estável, porém, você sabe... – suspirei pesadamente e voltei a olhar o corpo inerte de Rose a minha frente. – O médicos acham que ela não vai acordar. – ela mordeu o lábio.

– O que você acha?

– Posso ser sincera? – assenti. – Eu acho que ela vai acordar algum dia. - reclinei-me na poltrona reclinável que eu dormia á alguns meses. Ninguém sabia que eu fazia isso, que eu passava todas as minhas noites de sono ao lado dela, e ficava aqui até perto da hora do meu trabalho, que a partir de hoje, estaria bem mais pesado que o normal, graças a Merlin que o Frank existe.

– Eu aguardo esse dia ansiosamente. – encarei seu rosto pálido, apesar da falta de cor, ela parecia tão doce.

– Sabe senhor Malfoy, existem poucas pessoas no mundo com o senhor. – falou baixo. – E eu realmente torço para que vocês dois fiquem juntos, porque se ela conseguiu faze-lo se tornar quem é. Vocês se merecem... – após dizer isso, arregalou os olhos. – De um jeito bom. – Levantou-se, e caminhou em direção a minha esposa, mexendo em algumas coisas.

– Obrigado. – franzi o cenho. – O que você está fazendo? – ela sorriu divertida.

– Normalmente eu faço isso quando o senhor já saiu, estou retirando sangue para examina-lo e ver como estão os nutrientes e todas essas coisas. – disse de forma despojada.

– Hum, entendo. – ela sorriu divertida mais uma vez, como se soubesse que eu não fazia ideia do que estava falando.

– Bem, eu vou indo. – ela pegou uns cilindros esquisitos. – Até amanhã. – saiu devagar.

– Até Donna. – pouco depois que ela saiu, fiquei de pé, aproximando-me de Rose e pegando a sua mão. – Ei pequena, como você está se sentindo?! – apertei com um pouco de força. – Nenhum de nós está bem, na verdade, todos estamos na esperança de que a qualquer momento você abra os olhos, e isso é bastante cansativo. – suspirei – Mas, não vamos desistir de você, não se preocupe, estamos aqui. – com a mão livre, alisei seu rosto. – Sinto falta do seu sorriso, do seu olhar de censura, de seu jeito delicado, seus olhos azuis vibrantes, seu beijo. Falta de você inteira. Eu decidi que vou ajudar o Teddy, conversei com Vickie, e tomamos uma decisão. Se é certo ou errado, eu não sei, a pessoa que sabe de tudo, é você, não eu. – respirei fundo e me abaixei para sussurrar em seu ouvido. – Volta para mim pequena, volta para os meus braços, cumpra a sua promessa, tá legal? Não precisa ser agora, só faça isso, e independente de quando for, eu estarei aqui por você. – beijei o topo de sua cabeça, com as bochechas marcadas por algumas poucas lágrimas.

Sua mão mexeu!

Senti meu coração palpitar, a mão de Rose havia se mexido, como um aperto leve em meus dedos. As poucas lágrimas se tornaram um enxurram. ELA SE MEXEU! Depois de um ano, ela havia, pela primeira vez, demonstrado sinal de consciência. Colei minha boca em sua testa, enquanto soluçava.

– ... Oh Merlin, Scorpius, o que houve? – a voz de Hermione me tirou de minha redoma. Virei-me, ainda segurando a mão de minha esposa.

– E-ela... – funguei, tentando me controlar. – Rose se mexeu. – Hermione estava sozinha e trazia flores, todas elas foram ao chão e suas mãos a boca.

– Você tem certeza? – perguntou, chocada.

– Ela tentou apertar a minha mão. – sussurrei, quase sem acreditar, os olhos dela, cheios de lágrimas, se direcionaram até nossas mãos.

E por mais incrível que parecesse, ela fez de novo, só que dessa vez, mais forte.



Notas finais do capítulo

TROLL DO ANO VAI PARA RAYSSA! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK, não me matem, amo vocês sz
Mas, sendo bem sincera, na minha ideia inicial, ela morria, só que, no desenrolar da estória, fazer ela morrer, não fazia mais sentido, porque, depois da ida de Rose para a casa dos Malfoy, eu tomei um outro rumo para a fic, e um rumo que muitas outras pessoas iriam gostar. Maaaaaaaaaaaaaaaas, eu preferiria a Rose morta, como não seria justo, fiz algo diferente sz Espero que estejam gostando szszsz
A propósito, talvez, o próximo capítulo seja o penúltimo, mas, não tenho certeza, porque o último tá dando trabalho e.e E ainda tá com muitas palavras, enfim...
COMENTEM, POR FAVOR, QUE EU QUERO SABER A OPINIÃO DE VOCÊS!!!
E QUEM FAVORITOU ESSA FIC, POR FAVOR, DIGA: EU! o/ Please, é importante, precisa comentar nada, só faz isso, tá sz Beijoooooos ;***