Fire and Ice escrita por Rayssa


Capítulo 20
Aniversário de Rose


Notas iniciais do capítulo

Postei cedo, né? KKKKKKKKKKKKK Espero que gostem :3




– O que achou do filme? - meu namorado tinha um sorriso bobo na cara.

– Eu realmente achei que aquilo iria bater em mim, esses filmes 3V são muito interessantes. - gargalhei ao ouvir isso.

3D... - corrigi. - E são realmente legais. - ele passou o braço pela minha cintura.

– Tenho algo legal para te mostrar. - sua voz era baixa, e animada.

– O que? - ele soltou uma risadinha.

– Vem... - soltou minha cintura e segurou minha mão, caminhando em direção a uma lanchonete trouxa.

– O que tem de interessante na lanchonete? - perguntei enquanto adentrávamos ao local. Era um lugar limpo e colorido, possuía mesas brancas com cadeiras colorida ao redor. Havia um grande balcão branco, com detalhes em diversas cores que combinavam com as cadeiras. Um lugar iluminado.

– Pequena, isso não é uma lanchonete... - Scorpius me carregou até o grande balcão, quando uma garota de cabelos loiros escuros e olhos castanho-esverdeado virou-se em nossa direção e sorriu.

– Bem-vindos a Sweet Cream, o que vão querer? - só então percebi que estávamos em uma sorveteria, e não uma lanchonete. A mulher usava a farda local, um vestido branco colado, com um avental listrado e colorido por cima, em seu avental, estava um crachá com o nome Amber gravado. - Oh, é só você. - a garota falou em tom de brincadeira e meu namorado riu.

– Ah Am, deixa de besteira. - a mulher revirou os olhos e passou a me encarar com curiosidade. - Am, está é a menina que te falei, minha namorada...

– Rose Weasley, a rainha do gelo. - ela deu um sorriso brincalhão e voltou seus olhos para Scorpius. - Nada mais junto que o garoto mais impulsivo e irracional de Hogwarts para descongelar o coração impenetrável. - aquela garota me era muito familiar, franzi o nariz, curiosa de mais.

– Pois bem, ela é minha agora. - meu namorado abraçou a minha cintura e apertou firme. - Pequena está é a Amber Petrigg, lembra dela? - Petrigg, a ex-namorada do Fred II, estudava na grifinória e tinha uma rixa enorme com Roxie e sua melhor amiga que eu não lembro o nome agora.

– Claro que eu lembro. - sorri e recebi um doce sorriso em troca.

– Fico feliz que o Scorpius esteja com alguém como você, Fred II achava você incrível, falava coisas maravilhosas sobre você. - ela parecia ser uma garota legal, mas, certas coisas que Fred contara sobre coisa que ela fez, me fez ficar atenta.

– Obrigada. - pude sentir minhas bochechas tomarem um tom avermelhado.

– Bem Am, aquilo que te pedi... - ela deu de ombros.

– É a sala da direita, sejam rápidos, se minha chefe pega, ela me mata. - Scorpius assentiu.

– Obrigado. - ele sussurrou antes de me levar até a porta. - Pequena, temos pouco tempo, então, você tem que ser breve. - suspirei, nem sabia o que era, e já estava sendo repreendida.

– Pode deixar. - ele abriu a porta e deixou que eu passasse. Era uma salinha de descanso, e uma mulher loira estava lá, muito parecida com Amber.

– Linda, essa é Lavander Petrigg, ela estudou com seus pais e... - um grande sorriso se abriu em meus lábios, aquela era...

– Lilá Brown. - sussurrei e ela virou com um sorriso adorável.

– Oh, eu mesma. - a loira sorria. - E você é Rose Weasley, você esta crescida, não de tamanho, claro, apesar de estar bem maior que a ultima vez que te vi. Como estão seus pais? - Lilá Brown, uau, eu não acredito nisso.

– Vão muito bem e você, como está? - seus olhos assumiram um tom sombrio.

– Ótima, na medida do possível. - ela tomou uma nova postura. - O que quer saber tanto? - em sua nova postura pude ver a ponta de sua cicatriz. Então, tudo fez sentido, Lilá Brown Petrigg é um lobisomem, e Scorpius é o namorado mais fofo do mundo, pois ele lembrou daquele dia na torre de astronomia.

– Eu vou deixar vocês a sós, certo linda? - ele perguntou e eu apenas sorri assentindo. - Não demore. - ele beijou a minha testa e saiu.

– Eu tenho muitas perguntas, mas, vou fazer as mais importantes, certo? - ela assentiu.

(...)

– Já disse que você é o melhor namorado do mundo? - Scorpius rolou os olhos e sorriu abertamente.

– Só cinco vezes, mas pode continuar, estou adorando ouvir isso. - brincou enquanto apertava o braço ao meu redor.

– Ótimo! - exclamei me jogando em seu braços, ele gargalhou. - A parti de hoje, seu nome é melhor namorado do mundo. - meu namorado se inclinou e colou nossos lábios.

– Vocês são tão doces que dói. - aquela voz, arregalei os olhos e me deparei com uma linda mulher chamada Lamonna Longbottom.

– LANNA! - eu e Scorpius gritamos juntos, havia bastante tempo que não a víamos. Ela sorriu abertamente e veio me abraçar, depois a Scorpius.

– O que faz aqui Lanna? - o meu nada pequeno namorado perguntou.

– Ah... - ela parecia meio nervosa, notei uma sacola em sua mão, um loja para bebês. - Meu, ahn, a irmã do meu namorado... - mordeu o lábio. - minha cunhada ta grávida, e eu vim comprar uns presentes. - suspirou.

– Veio longe, hein? - não sei se Scorpius notou que algo estava muito errado ali.

– Haha! - bufou. - Eu também tenho umas coisas para resolver aqui. - estirou a língua. - Bem, vejo vocês mais tarde... - franzi o cenho.

– Onde? - perguntei e ela riu.

– Deixa de ser boba Rose, acha esqueci que é seu aniversário? - levantou uma sobrancelha.

– Ah... - dei de ombros.

– Bem, tenho que correr, tenho algo importante para comprar. - acenou e começou a caminhar para longe. - Te desejo parabéns quando chegar lá. - após isso, correu para longe.

– Algo estranho, não acha? - assenti, tenho muito que conversar com Lanna.

– Bem, uma hora vamos descobrir. - mal terminei de falar e ouvi a buzina do meu pai. - Vem comigo ou vai aparatar? - Scorpius revirou os olhos.

– Tão engraçadinha, quando eu te deixo sozinha?

(...)

Meu pai e Scorpius passaram o caminho inteiro falando de quadribol, entretanto, eu não me sentia muito bem, encostei minha cabeça no vidro e deixei que minha mente voar para longe. Tanta coisa havia acontecido nesses últimos meses, eu estava quase esgotada fisicamente, quando ninguém sabia de minha doença era fácil, não tocavam no assunto e era tudo em paz, agora, o único momento onde eu conseguia me livrar desse peso era quando eu e Scorpius estávamos sozinhos, e isso raramente acontecia, eu necessitava mais disso.

Scorpius havia se tornado meu porto-seguro, mesmo não sendo justo, ele estava sempre lá, sempre ao meu lado, fazendo-me sentir a pessoa mais feliz do mundo, e como se nenhum mal fosse me acontecer, ele estava sendo tudo o que eu ou qualquer pessoa poderia pedir.

– Rose... - ouvi a voz de meu pai, e virei-me para encara-lo. - Chegamos. - assenti e Scorpius abriu a porta para que eu saísse.

– Você esta bem pequena? - seu semblante era preocupado e após fechar a porta, ele segurou minha cintura.

– Estou sim, só cansada. - ele suspirou e beijou a minha testa.

– Vem, vamos entrar. - ele me conduziu para dentro de casa, e logo me deparei com Albus, Fred II, Lily, Victorie, Teddy, Lanna, Hugo, James e Dominique(?) espremidos no sofá da sala.

– Feliz aniversário Rose. - todos disseram juntos e logo percebi que cada um deles tinha um embrulho em seus colos.

– Obrigada. - sorri gentilmente e caminhe para abraçar cada um, em sequência.

(...)

– A Victorie foi eleita a melhor jogadora do time. - Lanna disse animadamente, estávamos sentados na grama do meu jardim e conversando sobre as Harpias.

– E Lanna foi eleita a mais simpática. - Albus estava ao meu lado, um tanto nervoso e se remexendo de tempos em tempos na cadeira.

– Eu acho que as Harpias ganham esse ano. - meu namorado disse animadamente.

– E eu quero bolo, alguém quer? - disse me levantando, todas as mãos se levantaram e eu quase cai na gargalhada.

– Eu vou contigo Rose. - Dominique se levantou e veio andando, Scorpius ia fazer o mesmo, mas a loira chutou sua mão. - Você não foi chamado Scorpius. - e veio em minha direção, caminhando para dentro de casa.

– Então, o que quer falar comigo? - ela mordeu o lábio, tentando esconder o nervosismo.

– Nada. - essa suspirou e eu sabia que era verdade, tinha algo mais ai. - Eu queria ficar um pouco com você antes de voltar para França. - falou assim que adentramos a casa, e eu quase congelei no lugar.

– Ahn? - virei meu rosto e percebi que seu rosto estava vermelho.

– Eu acho você uma garota incrível Rose, sempre achei e eu só fui descobrir sobre a sua doença ontem, eu não quero tocar nesse assunto. Eu não quero ficar com esse clima, eu só quero ter uma conversa normal e animada contigo Rose, eu quero me sentir normal por um tempo e sei que você é capaz disso, nós sempre fomos amigas afinal, mesmo não tendo certeza se isso é legal de minha parte e... - eu a abracei imediatamente, Dominique sempre foi um amor de pessoa e se ela precisava conversar, eu estaria aqui.

– Não é egoísta. - dei de ombros. - Quer dormir aqui hoje? - sussurrei em seu ouvido e ela assentiu.

– Obrigada Rose. - disse enquanto se soltava.

– Que nada Domi. - voltamos a andar em direção a cozinha.

(...)

– Chegou a hora de abrir os presentes, você tem que adivinhar de quem foi, certo? - disse Fred II e retirou a minha venda, fazendo com que eu encontrasse 12 embrulhos em cima da mesa e um envelope na ponta da mesa.

– Quando terminar, você abre o envelope, certo? - Scorpius disse e eu assenti.

– Vamos lá. - disse pegando o primeiro embrulho, esse era uma caixa comprida e fina, com uma embalagem vermelha e uma fita dourada, já sabia que era um grifano, o que retirava metade da lista. Soltei a fita e abri a caixinha, enfiando a mão para retirar, para minha surpresa, era algo pesado, obviamente a caixa era enfeitiçada. Retirei de dentro um quadro, onde havia uma pintura minha, eu já sabia de quem era, mas minha visão ficou grudada no quadro, era eu ali, entretanto, era um eu perfeito, no cenário perfeito e meus olhos estava tão brilhantes que pareciam reais.

– Uau. - exclamei e encarei James com um grande sorriso. - É perfeito Jay. - todo mundo aplaudiu o trabalho maravilhoso de James, que sorria alegremente.

– Que bom que gostou. - ele veio até mim e depositou um beijo em minha testa, depois voltou a se sentar.

Peguei o próximo presente, era uma caixinha rosa, bem pequena, e enrolada em uma fita branca, só pela embalagem já supus que era da Victorie, então, como a fita era colada, apenas abri a caixinha e me deparei com uma fina corrente dourada, com um pingente em forma de S todo cravejado com brilhantes, se eu tinha alguma duvida da dona, tive certeza.

– É lindo Vicky, amei. - ela abriu um sorriso gentil e deu uma cotovelada no meu namorado, que levantou o indicador e havia um anel dourado com um pequeno R.

– Vocês são lindos juntos, eu tinha que fazer algo assim. - ela levantou os ombros e bateu palminhas, Teddy balançou a cabeça negativamente enquanto ria.

Logo eu já havia aberto todos os presentes, uma caixa de bombons com sabor artificial de chocolate - uma nova invenção de Fred II, um longo e lindo vestido azul estampado - Lanna e o seu bom gosto inestimável, um jogo de xadrez bruxo de cristal - Teddy me conhecendo muito bem como sempre, um livro de contos de fadas trouxas - obviamente veio de Lily, pois era um gosto que tínhamos em comum, uma coruja de pelúcia - essa eu não tive dúvidas, Albus Severus Potter, um IPod - quando vi o objeto trouxa disse meus pais, mas fui enganada, foi o Hugo, só não sei de onde saiu o dinheiro, um lindo suéter vermelho com um grande R dourado - esse eu nem precisei pensar, vovó Molly, uma pulseira de ouro - só descobri pelo valor absurdo que ela teria, só Scorpius poderia pagar isso e 20 mil euros - o que me deixou esbabacada, soube que era meus pais, pois só faltava Domi e ela não teria esse dinheiro todo. O ultimo era uma pequena caixa branca, simples, com dois compartimento, um como o nome In e o outro Out, vazios, franzi o cenho.

– Não esperava que você entendesse. - ouvi a doce voz de Dominique, e percebi que ela se aproximava, obviamente, eu sabia que minha meu rosto estava vermelho.

– Certo, o que é isso? - ela sorriu torto e estendeu a mão.

– Me da sua opção calmante. - franzi o cenho, mas fiz o que ela pediu, tirei de minhas vestes e coloquei em sua mão. - São necessários três segundos e vão ser facilmente confundidos com balinhas. - ela jogou uma parte do liquido do fraco no compartimento In, e, em três segundos, a poção sumiu de um lado e apareceu do outro em forma de bolinhas, exatamente como balinhas azuis.

– Que perfeito. - sorri animadamente.

– E é na medida certa. Você só precisa colocar na boca, ao contato com a saliva, essa película transparente se dissolverá. E essa é a melhor parte, porque ela só libera o líquido dessa forma, não rasga, não quebrar, não estoura. - eu estava quase saltitando de alegria, isso seria muito mais prático.

– Oh Dominique, obrigada. - joguei-me em seus braços e beijei a sua bochecha. Todos gargalharam.

– Ainda não acabou ruivinha. - ouvi a voz de Fred II, e quando fui fuzila-lo com o olhar, percebi que ele segurava o envelope e balançava.

– Ah, é mesmo. - ri e fui em direção ao garoto, segurei o envelope. - Já posso abrir? - ele assentiu com um sorriso radiante.

– Vá em frente, é seu ultimo presente, o Sr. e a Sra. Malfoy foram muito generosos. - assim que abri o envelope, meus olhos se arregalaram e levei uma mão a boca, OH MEU MERLIN, ISSO VAI SER MARAVILHOSO!



Notas finais do capítulo

Tadam! O que acham que é???? Gostaram??? :X